Pesquisadores descobrem conexão entre microbiota intestinal e saúde mental

Novos estudos inovadores estão revelando a conexão entre a saúde intestinal e a saúde mental.

Os pesquisadores sabem da conexão entre as bactérias que vivem em seu intestino e o cérebro há algum tempo, mas quando se trata de quão intimamente elas estão conectadas, a ciência apenas arranhou a superfície. Agora, em uma análise sistemática publicada na revista Clinical Psychology Review , os pesquisadores analisaram 26 estudos que avaliaram o papel que a biologia intestinal desempenha na ansiedade e na depressão.

Os resultados mostraram que pessoas com ansiedade e depressão tinham diferentes níveis e tipos de micróbios em seu intestino, em comparação com pessoas sem ansiedade e depressão. O trato digestivo de pessoas com ansiedade e depressão continha mais espécies de bactérias pró-inflamatórias e tinha menos do tipo de bactérias que ajudam a regular o sistema nervoso central.

OBS.: Precisamos desintoxicar, analisar e nutrir de forma correta para que então a microbiota intestinal volte ao seu equilíbrio.

Cientistas estão usando ondas sonoras para regenerar tecido ósseo

O futuro da medicina regenerativa pode ser encontrado na cura pelo som, regenerando as células ósseas com ondas sonoras.

O uso do som como modalidade de cura tem uma tradição antiga em todo o mundo. Os antigos gregos usavam o som para curar distúrbios mentais; Os aborígenes australianos supostamente usam o didgeridoo para curar; e as taças tibetanas ou do Himalaia eram, e ainda são, usadas para cerimônias de cura espiritual.

Recentemente, um estudo mostrou que uma meditação de uma hora de duração reduziu a raiva, a fadiga, a ansiedade e a depressão, o que é uma ótima notícia para a saúde mental. Mas agora, um novo estudo do Royal Melbourne Institute of Technology, na Austrália, mostrou cura física usando ondas sonoras.

Os cientistas usaram ondas sonoras de alta frequência para transformar células-tronco em células ósseas em uma disciplina médica chamada ‘engenharia de tecidos’, onde o objetivo é reconstruir tecidos e ossos ajudando o corpo a se curar.

Os pesquisadores dispararam ondas sonoras nas células dos tecidos por 10 minutos por dia ao longo de cinco dias. Esta imagem mostra células-tronco se transformando em células ósseas após serem tratadas com ondas sonoras de alta frequência.

Uma imagem ampliada mostrando células-tronco adultas no processo de se transformar em células ósseas após o tratamento com ondas sonoras de alta frequência. 
A coloração verde mostra a presença de colágeno, que as células produzem à medida que se tornam células ósseas. Ampliação: 60X

O pesquisador co-líder Leslie Yeo explicou: “[Nós] podemos usar as ondas sonoras para aplicar a quantidade certa de pressão nos lugares certos às células-tronco, para desencadear o processo de mudança”.

O professor Yeo e sua equipe passaram mais de uma década estudando os efeitos das ondas sonoras em diferentes materiais e aprenderam a usar ondas sonoras acima de 10 megahertz para obter os melhores resultados. No passado, apontam os pesquisadores, os experimentos para transformar células-tronco em células ósseas tinham um custo proibitivo para aumentar e, como as células precisavam ser colhidas da medula óssea dos pacientes, isso poderia ser extremamente doloroso. Mas neste experimento, eles usaram vários tipos de células, até mesmo células de gordura que são muito mais fáceis de extrair de um paciente.

Eles argumentam ainda que, como as ondas sonoras criadas neste experimento foram geradas por um microchip de baixo custo, seu processo será mais rápido, fácil e menos caro do que outros métodos. O próximo grande desafio à frente: dimensionar o processo para que possa ser colocado em uso médico.


Uma ilustração gráfica do tratamento inovador com células-tronco. 
O microchip à esquerda gera ondas sonoras de alta frequência (verde) para manipular com precisão as células-tronco, que são colocadas em óleo de silício em uma placa de cultura com fundo de vidro.

OBS.: Utilizo equipamentos frequenciais (que geram ondas sonoras) para vários tipos de tratamentos – desde auxiliar a regeneração de tecidos, auxiliar a redução de inflamações, auxiliar a eliminação de células cancerígenas, auxiliar a geração de novas redes neurais, auxiliar a desintoxicação, até auxiliar a eliminação de patógenos. Consulte!

Como tratar os desequilíbrios hormonais

A progesterona, produzida nos ovários, glândulas supra-renais e na placenta durante a gravidez, influencia uma série de funções vitais, incluindo o sono, e desempenha um papel importante no ciclo menstrual e na gravidez. 

Durante o ciclo menstrual de uma mulher, a produção de progesterona aumenta após a ovulação (aproximadamente dia 14), atingindo o pico por volta do dia 21. A função primária do hormônio é estabilizar o revestimento uterino (ou endométrio) para criar um ambiente favorável para um óvulo fertilizado. Se uma mulher não engravidar, seus níveis de progesterona começam a cair. 

No dia 28 de seu ciclo, seu revestimento uterino se desprende e ela menstrua. Se ela engravidar, seus níveis de progesterona continuam a subir após o dia 21. O hormônio é produzido pelo corpo lúteo (o revestimento agora transformado da parede do cisto ovulado) por aproximadamente 10 semanas até que a placenta assuma o controle, nivelando a produção de progesterona após o primeiro trimestre.

Para algumas mulheres, no entanto, aumentos e diminuições nos níveis de progesterona não seguem esse caminho. Uma causa potencial é a ausência de ovulação. A ovulação é fundamental para a produção de progesterona, portanto, se a ovulação não ocorrer, com o tempo, uma deficiência de progesterona (e dominância de estrogênio) ocorrerá. 

A ovulação pode cessar devido a uma variedade de condições, incluindo estresse excessivo, perda ou ganho de peso extremo, disfunção ovariana e vários desequilíbrios hormonais e outros químicos. 

A ovulação irregular também pode causar baixa progesterona. Nesses casos, após a ovulação, os ovários não liberam progesterona suficiente para sustentar o crescimento do revestimento uterino. Isso dá origem a uma condição conhecida como defeito da fase lútea (nomeada para a segunda fase, ou lútea, do ciclo menstrual), 1 que muitas vezes anda de mãos dadas com a síndrome pré-menstrual grave (TPM) ou transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM). 

Os sintomas potencialmente debilitantes deste distúrbio incluem depressão e sentimentos de desesperança, bem como fadiga, dores articulares e musculares, dores de cabeça e sono interrompido. 

Um defeito da fase lútea também pode causar aborto espontâneo. 2 No caso de um óvulo ser fertilizado após a ovulação, um revestimento endometrial fino pode não sustentar a implantação. 

Várias doenças e condições crônicas, como doenças da tireóide e artrite reumatóide, podem causar desequilíbrios hormonais que influenciam a produção de progesterona. O estresse emocional é outra causa potencial.

A boa notícia é que uma combinação dos alimentos e suplementos certos pode ajudar a corrigir esse problema comum.

Sintomas de deficiência de progesterona

  • Mastalgia
  • Enxaquecas
  • Ondas de calor e suores noturnos
  • Sintomas de TPM/TDPM, como retenção de líquidos, inchaço, dores de cabeça, constipação, dor nas costas, acne
  • Sono interrompido
  • Dificuldade de concentração
  • Depressão
  • Ansiedade
  • Sensibilidade emocional
  • Fadiga severa

Nutrição

O papel da nutrição é ajudar a aumentar a produção de progesterona. Não há alimentos que contenham progesterona, por si só, portanto, apoiar os sistemas do corpo de maneiras que possam ajudar o corpo a sustentar seus níveis de progesterona existentes é, em última análise, o objetivo. Aqui estão os alimentos para abraçar.

Fibra 

O estrogênio e a progesterona funcionam em uníssono e, com níveis mais altos de estrogênio, a progesterona pode ser menos eficaz. Ao aumentar os níveis de fibra no trato gastrointestinal, você pode efetivamente diminuir os níveis de estrogênio, o que pode, por sua vez, tornar os níveis circulantes de progesterona mais eficazes. 

Vegetais crucíferos como brócolis, repolho, aipo e couve são uma ótima fonte, assim como grãos integrais, aveia e sementes como linho e girassol. 

Feijões, bagas e frutas, como maçãs e peras, contêm quantidades úteis de fibra, assim como nozes, como amêndoas, nozes e nozes. 

Duas notas de cautela com a fibra: por um lado, você precisa aumentar lentamente a quantidade em sua dieta para evitar efeitos colaterais como excesso de gases e dor de estômago. 

Em segundo lugar, os vegetais crucíferos podem conter fitoestrogênios, que podem ter efeitos estrogênicos, portanto, mantenha seu consumo em uma porção a cada
dois dias. 

Alimentos que contêm magnésio 

Quantidades suficientes de magnésio em seu sistema ajudarão a prevenir a inflamação induzida pelo estresse, que por sua vez apoia o funcionamento saudável da glândula pituitária. Isso produz o hormônio luteinizante (LH) e o hormônio folículo-estimulante (FSH), que são transportados pela corrente sanguínea para os ovários, onde conduzem a ovulação e a produção de progesterona. 

Eu recomendo uma ingestão entre 400 e 800 mg de magnésio por dia. 

Boas fontes de alimentos incluem: 

  • Folhas verdes escuras (espinafre e acelga) 
  • Nozes (amêndoas e castanhas de caju)
  • Sementes (abóbora)
  • Chocolate escuro 
  • Iogurte e Kefir 
  • Abacates 
  • Banana
  • Figos
  • Peixes gordurosos, incluindo alabote, cavala e salmão 
  • Alimentos que contêm vitamina C 

Esta vitamina demonstrou aumentar a progesterona em até 77%. E a pesquisa mostrou que a vitamina C pode aumentar a espessura endometrial e os níveis séricos de progesterona durante a fase lútea. 

Um estudo de 2003 descobriu que as mulheres que ingeriram 750 mg de vitamina C por dia experimentaram níveis aumentados de progesterona e taxas mais altas de gravidez. 3 

Embora a vitamina C possa ter esses efeitos de suporte, é importante não ingerir quantidades excessivas. 

Boas fontes alimentares de vitamina C incluem: 

  • Frutas cítricas, principalmente   laranjas e toranjas 
  • Couve 
  • Pimentões vermelhos (pimentões verdes contêm menos vitamina C, mas também são uma boa fonte) 
  • Couves de Bruxelas
  • Brócolis
  • Frutas tropicais, incluindo kiwi e goiaba 
  • Morangos 

Alimentos que contêm vitamina B6 

A pesquisa mostrou que a vitamina B6 pode ajudar a diminuir a dominância de estrogênio e aumentar os níveis de progesterona, ajudando a melhorar os sintomas da TPM e/ou PMDD e diminuir a probabilidade de aborto espontâneo. 4 A vitamina B6 também pode ajudar a compensar os sintomas de náuseas e vômitos durante a gravidez. 

Recomenda-se uma ingestão de vitamina B6 de 10 mg/dia. 

Boas fontes alimentares de vitamina B6 incluem: 

  • Grão de bico e feijão 
  • Atum e salmão
  • Peru e peito de frango 
  • Sementes de girassol e gergelim 
  • pistachios 
  • Ameixas secas 

Alimentos que contêm zinco 

Semelhante ao magnésio, o zinco ajuda a apoiar o funcionamento da glândula pituitária, que secreta FSH e LH, hormônios que desencadeiam a ovulação e têm o efeito a jusante da redução da produção de progesterona. Além disso, estudos mostraram que níveis inadequados de zinco podem contribuir para sintomas de TPM e/ou TDPM. 5 

Recomenda-se 15 a 25 mg de zinco por dia. 

Boas fontes alimentares de zinco incluem: 

  • Ostras e camarões
  • Carnes vermelhas, incluindo cordeiro e carne bovina 
  • Sementes de abóbora, linho e melancia 
  • Castanha de caju e amendoim
  • Germe do trigo 

Alimentos que contêm vitamina E 

Pesquisas sobre os efeitos da vitamina E em mulheres diagnosticadas com defeito na fase lútea mostraram que ela pode aumentar a produção de progesterona pelo corpo lúteo, melhorando o fluxo sanguíneo para os ovários. 

De acordo com um estudo de 2009, 600 mg de vitamina E administrados três vezes ao dia aumentaram significativamente as concentrações séricas de progesterona em virtude de seu impacto no funcionamento saudável do corpo lúteo. 6

Recomenda-se 400 UI de vitamina E por dia. 

Boas fontes alimentares de vitamina E incluem: 

  • Sementes de girassol 
  • Amêndoas
  • Óleos de cártamo e palma 
  • Espargos 
  • pimentas vermelhas 
  • Abacate 
  • Espinafre 
  • Batata doce 

Outras maneiras de equilibrar a baixa progesterona

Óleos essenciais. Os seguintes óleos essenciais podem ajudar a aumentar os níveis de progesterona: bergamota, casca de canela, botão de cravo, eucalipto, incenso e hortelã-pimenta. Use-os com um difusor ou dilua com um óleo transportador e aplique topicamente.

Técnicas de redução de estresse. Massagem e acupuntura, usadas regularmente, podem ajudar a reduzir o estresse e potencialmente trazer os sinais de ovulação de volta à linha. 

Terapia Craniossacral. Essa técnica prática usa uma pressão suave para realinhar as tensões energéticas nas profundezas do corpo, a teoria é que os estressores evidentes desalinham o cérebro e a coluna, causando disfunção. Sou fã desta terapia para deficiência de progesterona para ajudar a realinhar a glândula pituitária. 

Exercício. Práticas que ajudam a fortalecer seu núcleo, os músculos da região abdominal, quadris e região lombar, como Pilates, podem ser úteis. Também recomendo caminhar, que pode trazer benefícios físicos e mentais – e você não precisa de muito tempo ou energia para fazê-lo.

Suplementos

Certos suplementos vitamínicos e minerais podem ajudar a apoiar a produção de progesterona e melhorar alguns dos sintomas físicos e psicológicos associados à deficiência de progesterona. 

Magnésio

Este mineral ajuda a reduzir a inflamação induzida pelo estresse, que, por sua vez, apoia o funcionamento saudável da glândula pituitária e a produção de LH e FSH, os hormônios que impulsionam a ovulação e a produção de progesterona. 

Dosagem sugerida: 400-800 mg/dia de glicinato de magnésio

Vitamina C

Essa vitamina pode aumentar tanto a espessura endometrial quanto os níveis séricos de progesterona durante a fase lútea. 

Dosagem sugerida: 250-500 mg/dia

Zinco

O zinco ajuda a apoiar o funcionamento da glândula pituitária e ajuda a aliviar os sintomas da TPM e/ou PMDD. 5 

Dosagem sugerida: 15-25 mg/dia

Vitamina B6

Como mencionado anteriormente, a B6 pode ajudar a aliviar os sintomas da TPM e/ou TDPM, reduzir o risco de aborto espontâneo 4 e compensar os sintomas de náuseas e vômitos durante a gravidez. 

Dose sugerida: 10 mg/dia

L-arginina 

Este aminoácido é convertido pelo corpo em óxido nitroso, um produto químico que relaxa os vasos sanguíneos, aumentando o fluxo sanguíneo. Melhorar o fluxo sanguíneo ovariano pode ajudar a apoiar a produção e secreção de progesterona pelo corpo lúteo. 

Dosagem sugerida: 3-6 g/dia

Vitex agnus-castus

Também conhecida como chasteberry, esta erva foi mostrada em estudos para aumentar a secreção de LH, que por sua vez aumenta a produção de progesterona. 

Dosagem sugerida: 400 mg duas ou   três   vezes por dia

Nota: Vitex não é recomendado para mulheres grávidas ou amamentando. Algumas mulheres que sofrem de depressão menstrual ou TDPM relataram uma exacerbação desses sintomas ao tomar vitex.

Alcaçuz

A pesquisa mostra que o alcaçuz pode ajudar a combater os sintomas da TPM e PMDD, particularmente aqueles causados ​​​​pela retenção de líquidos, incluindo inchaço e sensibilidade mamária. 

Dosagem sugerida: 400-500 mg de alcaçuz em pó/dia

Nota: Este suplemento precisa ser tratado com cuidado, portanto, tome apenas sob a supervisão de um médico. 

raiz Valeriana

Embora o extrato de raiz de valeriana não tenha impacto direto na produção de progesterona, pode ajudar com problemas relacionados ao sono. 

Dosagem sugerida: 100-200 mg/dia, tomado 30 minutos a duas horas antes de dormir

Nota: A raiz de valeriana não é recomendada para mulheres grávidas ou amamentando, pois seus efeitos sobre fetos e bebês são desconhecidos. Ele também pode interagir com sedativos prescritos, incluindo benzodiazepínicos e barbitúricos, bem como outros suplementos, incluindo erva de São João e melatonina. 7

Dr. Shawn Tassone

Referências
Frente Saúde Pública, 2018; 6: 147
2Gynecol Endocrinol, 2017; 33(6): 421–4
3Fértil Estéril, 2003; 80(2): 459–61
4J Reprod Med, 1983; 28(7): 446–64; Am J Epidemiol, 2007; 166(3): 304–12
5Fértil Estéril, 1994; 62(2): 313–20
6J Ovarian Res, 2009; 2: 1
7Institutos Nacionais de Saúde Escritório de Suplementos Dietéticos. Valerian Fact Sheet para Profissionais de Saúde. ods.od.nih.gov

Sentindo-se esgotado, estressado? Aprenda como ashwagandha melhora o humor e promove clareza de pensamento

Para muitos, os últimos anos – marcados por bloqueios, isolamento, insegurança financeira e perda pessoal – foram desafiadores. Portanto, não é de surpreender que as taxas de ansiedade e depressão estejam aumentando em todo o país. De acordo com um relatório dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, a porcentagem de adultos com sintomas de transtorno de ansiedade ou depressão saltou de 36,4% para 41,5% apenas no período entre agosto de 2020 e fevereiro de 2021. (Em outras palavras – se você está se sentindo ansioso, “deprimido” ou geralmente estressado, você tem muita companhia).

Felizmente, uma erva do sul da Ásia conhecida como ashwagandha pode oferecer alívio natural. Ashwagandha, botanicamente conhecida como Withania somnifera, é estimada no sistema de cura ayurvédica como um “rasayana” – uma substância que se acredita estimular as funções do corpo, retardar o envelhecimento, promover a saúde e apoiar a longevidade. Os benefícios da Ashwagandha também incluem efeitos calmantes e de elevação do humor, tornando-a uma aliada útil nesses tempos difíceis.

Os benefícios de Ashwagandha incluem melhorar a capacidade do corpo de lidar com o estresse prolongado

O estresse crônico causa uma série de consequências prejudiciais, incluindo deficiências cognitivas, regulação prejudicada de açúcar no sangue e gorduras no sangue, supressão do sistema imunológico e níveis perturbados de DHEA (necessário para a produção saudável de hormônios sexuais). O estresse também causa níveis elevados de cortisol (conhecido como o “hormônio do estresse”). Níveis cronicamente elevados de cortisol podem levar a condições insalubres, como açúcar elevado no sangue e aumento dos níveis de gordura abdominal.

Ashwagandha é atualmente usado em Ayurveda para reduzir o estresse crônico, apoiar o sistema imunológico, deter o envelhecimento prematuro e aumentar a resistência a fatores ambientais adversos . A pesquisa moderna apoiou essa sabedoria antiga, e muitos cientistas categorizam a ashwagandha como um adaptógeno ou uma substância que ajuda o corpo a lidar com o estresse físico e emocional. A propósito, outros adaptógenos de ervas incluem Rhodiola Rosea, Panax ginseng, cordyceps e astrágalo).

Vejamos algumas das maneiras pelas quais ashwagandha ganha sua classificação como rasayana/adaptógeno.

Ashwagandha é investigado por seu potencial para reduzir o cortisol e promover calma e bem-estar

Estudos mostram que a ashwagandha pode ter a capacidade de diminuir os níveis de cortisol. Em um estudo duplo-cego controlado de adultos com estresse crônico, os participantes receberam 125 mg ou 250 mg de extrato de ashwagandha por dia durante 60 dias. (Um grupo de controle recebeu um placebo não ativo).

Os cientistas descobriram que os grupos ashwagandha tiveram maiores reduções nos níveis de cortisol quando comparados com o grupo controle. De fato, alguns participantes do grupo de dose mais alta apresentaram reduções de até 30 por cento! Significativamente, os grupos ashwagandha também experimentaram melhora no bem-estar e reduções substanciais nos sintomas de ansiedade – juntamente com benefícios físicos, como níveis mais baixos de proteína C reativa inflamatória, diminuição da taxa de pulso e pressão arterial mais baixa.

Os cientistas relataram que os participantes também experimentaram menos manifestações de ansiedade – como fadiga, insônia, sudorese, dor de cabeça, dores musculares, boca seca, palpitações e sentimentos de morte iminente. E, em um estudo separado publicado no Indian Journal of Psychological Medicine , os pesquisadores observaram que os participantes que tomaram 300 mg de extrato de ashwagandha por dia relataram uma redução impressionante de 69% na insônia e na ansiedade. Aliás, ashwagandha é uma fonte de triptofano, um aminoácido que suporta um humor estável e um sono reparador.

Os benefícios de Ashwagandha podem incluir melhor função cerebral e memória mais nítida

Ashwagandha contém um grupo de esteróides naturais chamados withanolides. Esses compostos antioxidantes e anti-inflamatórios demonstraram proteger contra a degeneração das células cerebrais, reduzindo a produção de espécies reativas de oxigênio nocivas (radicais livres). Em estudos com animais, os withanolides ajudaram a reverter déficits comportamentais, promover o crescimento de células cerebrais e reduzir os depósitos de placas amilóides no cérebro.

Os estudos em humanos são limitados, mas vários apoiaram a capacidade da ashwagandha de melhorar a cognição e a memória. Por exemplo, um estudo controlado mostrou que 500 mg de extrato de ashwagandha por dia melhorou o tempo de reação e o desempenho da tarefa em homens saudáveis ​​– enquanto outro demonstrou que 600 mg por dia melhorou significativamente a memória, o desempenho da tarefa e a atenção dos participantes.

Ashwagandha ajuda no controle de açúcar no sangue

Além de contribuir para depósitos de gordura abdominal não saudável, níveis elevados de cortisol podem causar níveis elevados de açúcar no sangue. Ashwagandha, que é rico em compostos fenólicos e flavonóides que reduzem o açúcar no sangue, pode ajudar a resolver esse problema. Manter o açúcar no sangue estável ajuda a desencorajar a compulsão alimentar e os desejos de comida, ajudando assim a evitar excessos.  Um bom controle de açúcar no sangue também pode ajudar a reduzir as oscilações de humor perturbadoras .

Estudos preliminares em tubo de ensaio e em animais apoiam os efeitos de redução de açúcar no sangue da ashwagandha. Alguns ensaios clínicos sugerem que a ashwagandha pode reduzir os níveis de açúcar no sangue e melhorar a sensibilidade à insulina nos níveis em humanos.

Se você quiser tentar suplementar com ashwagandha, os especialistas recomendam escolher uma formulação de alta qualidade padronizada para conter 1 a 10% de withanolides. Os curandeiros naturais normalmente aconselham porções de 300 mg a 1.500 mg por dia – mas consulte seu médico integrativo qualificado antes de tentar ashwagandha. (Claro, se sua preocupação e angústia são difíceis de controlar, ou se seus sintomas estão interferindo em sua vida diária, discuta a situação com seu profissional de saúde de confiança).

Ashwagandha parece ter efeitos calmantes e energizantes, com aficionados relatando que pode melhorar a qualidade do sono, promover sentimentos de contentamento e ajudar no foco mental. Então, talvez seja hora de experimentar esta erva calmante!

Lori Alton

As fontes para este artigo incluem:

Healthline.com
NIH.gov
CDC.gov
AdventHealth.com
AdventHealth.com

Uma abordagem sem drogas para a depressão

 A depressão é o principal problema de saúde mental em todo o mundo e as taxas dispararam desde o início da pandemia. Um estudo recente relatou que a prevalência global de depressão é sete vezes maior agora do que em 2017. 1

A prescrição usual é um inibidor seletivo da recaptação da serotonina (ISRS), mas esses medicamentos vêm com graves efeitos colaterais, desde insônia e baixa libido 2 até comportamentos agressivos e suicidas. 3

A boa notícia é que existem muitas opções eficazes sem drogas. A mais bem estudada é a terapia da fala, também chamada de terapia cognitivo-comportamental (TCC), que funciona bem. Como alternativa, confira nosso resumo das melhores estratégias naturais para a depressão ou consulte um naturopata.

Investigar

Em alguns casos, a depressão pode ter uma causa subjacente identificável sobre a qual você pode fazer algo. Aqui estão algumas possibilidades para investigar e resolver, se necessário, com a ajuda de seu médico ou profissional de saúde natural.

• Deficiências nutricionais. A falta de certas vitaminas ou minerais pode estar causando ou contribuindo para sua depressão. 4

• Alergias a comida. A doença celíaca e outras alergias alimentares estão associadas à depressão. 5

• Problemas de tireóide. Ter uma tireoide hiperativa ou hipoativa pode causar depressão. 6

• Efeitos colaterais de medicamentos. Muitos medicamentos comuns, incluindo medicamentos para hipertensão, analgésicos, inibidores da bomba de prótons e anticoncepcionais hormonais, têm a depressão como um efeito colateral potencial. 7

Tente tocar

Emotional Freedom Technique (EFT) ou ‘tapping’ é conhecido por aumentar o bem-estar mental. A técnica de autoajuda envolve tocar em pontos específicos do corpo em sequência, enquanto se concentra em uma emoção negativa. Em uma análise combinada de 20 estudos, a EFT foi considerada “altamente eficaz” para reduzir os sintomas depressivos. 14

Para saber mais sobre EFT e como acessar meditações de toque gratuitas, visite www.thetappingsolution.com .

Exercício

O exercício é um dos melhores remédios para a depressão. O exercício aeróbico foi testado contra o antidepressivo sertralina (vendido como Zoloft nos Estados Unidos e Lustral no Reino Unido) em vários estudos. De forma consistente, ambos foram igualmente eficazes na redução dos sintomas depressivos, mas apenas os exercícios tiveram efeitos duradouros. 8

Faça de três a cinco sessões de 45–60 minutos de exercícios aeróbicos (como caminhada, ciclismo ou natação) por semana, com uma freqüência cardíaca de 50 a 85 por cento de sua freqüência cardíaca máxima. E faça exercícios ao ar livre na natureza sempre que puder. Os chamados ‘exercícios verdes’ estão associados a um melhor bem-estar mental em comparação com os exercícios em ambientes fechados, com efeitos positivos imediatos. 9

Coma uma dieta mediterrânea

Rica em frutas, vegetais, peixes, nozes e azeite, a dieta mediterrânea parece proteger contra a depressão. Vários grandes estudos descobriram que aqueles que seguem de perto uma dieta de estilo mediterrâneo têm uma chance menor de desenvolver sintomas depressivos em comparação com aqueles que a seguem menos – incluindo uma redução maciça de risco de quase 99% em um estudo com adultos mais velhos. 10 

Outro estudo descobriu que mudar para uma dieta mediterrânea, ao lado de tomar suplementos de óleo de peixe, pode reduzir os sintomas de depressão após apenas três meses. 1

Evite alimentos inflamatórios

Uma dieta pró-inflamatória – comer muitos alimentos conhecidos por ter um efeito inflamatório no corpo – está associada a um maior risco de depressão. 12 Esses alimentos incluem doces e bolos, grãos refinados, carnes vermelhas e processadas e alimentos processados ​​em geral. Em um estudo, quanto mais alimentos processados ​​uma pessoa come, maior é a probabilidade de sintomas depressivos. 13

Dispensar as redes sociais

Usar a mídia social pode piorar a depressão. Quando os alunos foram aleatoriamente designados para limitar o uso do Facebook, Instagram e Snapchat a 10 minutos por plataforma por dia ou para usar a mídia social como de costume em um estudo de três semanas, aqueles no grupo limitado de mídia social mostraram reduções significativas na solidão e depressão. 15

Estar atento

As práticas de atenção plena, que envolvem focar no momento presente sem interpretação ou julgamento, podem ser eficazes para a depressão. A redução do estresse baseada na atenção plena (MBST), que combina meditação e ioga, e terapia cognitiva baseada na atenção plena (MBCT), que combina MBST com elementos da terapia cognitivo-comportamental, pode reduzir os sintomas depressivos atuais, bem como diminuir o risco de recaída em pacientes que se recuperaram da depressão. 17

Para exercícios e cursos MBSR, visite www.positivepsychology.com/mindfulness-based-stress-reduction .

Cuidado com o seu peso

Você engordou recentemente? O excesso de peso pode causar depressão, de acordo com um novo estudo, com fatores sociais e físicos desempenhando um papel. 16 Dietas drásticas não são a resposta, no entanto. Se você precisa perder peso, faça-o gradualmente com uma dieta saudável e balanceada e exercícios regulares. 

Tente tai chi

As práticas tradicionais chinesas de tai chi e qigong, que envolvem sequências de movimentos fluidos combinados com mudanças no foco mental, respiração, coordenação e relaxamento, podem funcionar bem para a depressão. 18

Procure uma aula local ou considere se inscrever em um programa online. 

Suplemento

Omega-3s. Os ácidos graxos ômega-3, encontrados no óleo de peixe, podem ser eficazes para os sintomas de depressão. Mas procure formulações feitas com ácido eicosapentaenóico puro (EPA) ou uma alta porcentagem de EPA (60 por cento ou mais). Aqueles que consistem principalmente de ácido docosahexaenóico ômega-3 (DHA) não parecem ter os mesmos efeitos benéficos. 19

Dosagem sugerida: experimente Pharmepa Restore da Igennus, uma fórmula apenas de EPA que fornece 1.000 mg de EPA por dose de duas cápsulas

5-HTP. O 5-hidroxitriptofano (5-HTP) é um aminoácido usado pelo corpo humano para produzir serotonina, o neurotransmissor conhecido como ‘hormônio da felicidade’. Em suplementos, é produzido a partir das sementes da planta medicinal da África Ocidental Griffonia simplicifolia . Em um estudo, o 5-HTP foi eficaz para a depressão e funcionou tão bem quanto o antidepressivo fluoxetina. 20

Dose sugerida: 150-300 mg / dia em doses divididas (mas consulte um médico qualificado primeiro)

Vitaminas B. Baixos níveis de vitaminas B, incluindo folato (B9), B12 e B6, têm sido associados à depressão. 21

Dose sugerida: escolha um suplemento de complexo B de alta qualidade, como Thorne Basic B Complex

Experimente ervas

É melhor consultar um fitoterapeuta para obter uma receita pessoal, mas aqui estão algumas das principais ervas para a depressão.

Erva de São João. Extratos dessa erva provaram ser melhores do que um placebo para a depressão 22 e tão eficazes quanto os antidepressivos, mas com muito menos efeitos colaterais. 23

Dose sugerida: geralmente são usadas doses de 600 a 1.200 mg / dia de um extrato de ervas padronizado, mas a erva de São João pode interagir com certos medicamentos, portanto, consulte um médico qualificado antes de tomá-la

Curcumina e açafrão. A curcumina, o principal componente ativo da especiaria indiana, e o açafrão, a famosa especiaria cara da flor de Crocus sativus , foram encontrados em ensaios clínicos como tão eficazes quanto medicamentos antidepressivos como o Prozac (fluoxetina), mas sem o lado -efeitos. 24

Dosagens sugeridas: 500 mg de curcumina duas vezes ao dia (a forma BCM-95); 15 mg de açafrão duas vezes ao dia (de pétalas ou estigmas de C. sativus )

Rhodiola rosea . Extratos desta erva adaptogênica podem aliviar a depressão leve a moderada. 25

Dose sugerida: 200 mg duas vezes ao dia de um extrato de ervas padronizado

Considere a homeopatia

De acordo com o homeopata, naturopata e membro do painel do WDDTY , Harald Gaier, o remédio homeopático francês L.72 da Lehning Laboratories é seguro e eficaz para a depressão. Ele está disponível em várias lojas online ou você pode obtê-lo por meio de um homeopata. 

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo

Wddty 11/2021

OBS.: Temos várias outras opções sem drogas, utilizando biorressonância, terapia CES entre outros. Consulte!

Referências
Int J Clin Health Psychol, 2021; 21: 100196
J Clin Psychopharmacol, 1992; 12: 328-33
BMJ, 2016; 352: i65
Int J Environ Res Saúde Pública, 2020; 17: 1616
J Affect Disord, 2019; 245: 213–8; United European Gastroenterol J, 2015; 3: 136-45
J Thyroid Res, 2012; 2012: 590648
JAMA, 2018; 319: 2289-98
Arch Intern Med, 1999; 159: 2349–56; Psychosom Med, 2007; 69: 587–96; Psychosom Med, 2000; 62: 633-8
Environ Sci Technol, 2011; 45: 1761–72; Environ Sci Technol, 2010; 44: 3947–55
10Arch Gen Psychiatry, 2009; 66: 1090–8; J Nutr Health Aging, 2013; 17: 441-5
11Nutr Neurosci, 2019; 22: 474-87
12J Nutr, 2019; 149: 1198-1207
13BMC Med, 2019; 17: 78
14Explore (NY), 2016; 12: 416-26
15J Soc Clin Psychol, 2018; 37 (10):
doi.org/10.1521/jscp.2018.37.10.751
16Hum Mol Genet, 2021: ddab204
17Psychiatr Clin North Am, 2017; 40: 739–49; PLoS One, 2014; 9: e96110
18Int J Behav Med, 2014; 21: 605–17; Evid Based Complement Alternat Med, 2013; 2013: 134737
19Transl Psychiatry, 2019; 9: 190
20Asian J Psychiatr, 2013; 6: 29-34
21Am J Psychiatry, 2002; 159: 2099–101; Am J Psychiatry, 2000; 157: 715–21; Psychother Psychosom, 2004; 73: 340–3
22Eur Arch Psychiatry Clin Neurosci, 2003; 253: 140-8
23Pharmacopsychiatry, 1997; 30 Suplemento 2: 77–80; J Geriatr Psychiatry Neurol, 1994; 7 Suplemento 1: S19-23
24Phytother Res, 2014; 28: 579–85; Psychol Res Behav Manag, 2019; 12: 297-305
25Nord J Psychiatry, 2007; 61: 343-8

Alimentação para melhorar a saúde mental (combatendo a ansiedade, depressão e outros)

Os alimentos que você come não só afetam sua cintura e sua saúde física, mas também afetam a maneira como você pensa e sente. Você provavelmente sempre ouviu que você é o que você come – e é verdade, o que você coloca em seu corpo é importante.

Mas, de acordo com uma revisão publicada na edição de março de 2021 da Frontiers of Nutrition , é o que você alimenta seu cérebro que realmente conta.

Seu “segundo cérebro” é mais inteligente do que você pensa

Seu sistema gastrointestinal desempenha um papel fundamental não apenas em sua saúde física, mas também em seu humor e saúde mental. Isso ocorre porque os cientistas descobriram que o tecido neural não existe apenas em nossos cérebros. Ele reveste nosso intestino também.

Essa rede de neurotransmissores faz muito mais do que apenas regular a digestão . Ele está conectado ao cérebro e é uma influência fundamental nas doenças do corpo e do estado mental. Eles o apelidaram de ” segundo cérebro “.

O nome técnico do nosso segundo cérebro é sistema nervoso entérico. Embora não ajude na tomada de decisões ou em seus pensamentos profundos, ainda tem muito a fazer. Sim, regula o processo de digestão e o comportamento intestinal, mas é muito mais complexo do que isso.

Estima-se que 90% das fibras nervosas viscerais primárias transportam informações do intestino para o cérebro . Isso é contrário ao que se acreditava tradicionalmente.

O sistema nervoso entérico também é produtor de serotonina – cerca de 95% da serotonina em todo o corpo é encontrada nos intestinos. Provavelmente, é por isso que certos antidepressivos como os ISRSs têm efeitos colaterais que incluem problemas gastrointestinais. Portanto, não é de admirar que a dieta desempenhe um papel tão importante no bem-estar mental.

Os cientistas associam a saúde do cérebro e do intestino, conectam nutrição e saúde mental

Os alimentos que você escolhe colocar em seu corpo impactam diretamente seu segundo cérebro. Se você colocar lixo, ele alimenta as bactérias “ruins” que vivem em seu intestino. Isso pode levar a muitos problemas de saúde, incluindo ansiedade e depressão. No entanto, sua saúde mental geralmente melhora quando você se concentra na nutrição e coloca as coisas boas nela.

Promover a ideia de que uma dieta pobre tem um impacto negativo sobre o humor não é novo. Os médicos fizeram essa conexão há muito tempo. No entanto, agora que ligaram o segundo cérebro e conectaram todos os pontos, faz todo o sentido que, ao alimentar esse cérebro no intestino com uma dieta saudável, isso tenha um impacto significativo em sua saúde mental.

Mas tanto o cérebro em seu crânio quanto o cérebro em seu intestino trabalham juntos, então, não se engane, a qualidade de sua dieta é tudo.

Alimentos “Brainbuster” afetam negativamente o humor; aqui estão os principais infratores

Alguns alimentos simplesmente não são bons para você, mas não são prejudiciais à sua saúde. Então, alguns alimentos afetam diretamente o cérebro e o intestino de maneiras que podem ter efeitos duradouros.

Nutrientes e alimentos que você deve evitar incluem:

  • Alimentos ricos em sódio
  • Açúcar
  • Carnes de fazenda industrial
  • Altas quantidades de gordura tóxica
  • Adoçantes artificiais
  • Alimentos excessivamente processados
  • Desidratação

A deficiência de zinco também deve ser evitada. Pode levar à depressão e também à imunidade insuficiente. Outro nutriente com o qual você precisa estar atento é o nível baixo de B12.

Folato, B12 e B6 ajudam a manter seus níveis de homocisteína baixos. A alta homocisteína foi associada a um risco aumentado de Alzheimer, declínio cognitivo e atrofia cerebral.

Carregar em “impulsionadores do cérebro” beneficia a saúde do cérebro e do intestino de várias maneiras

Alimentos que podem fortalecer seu cérebro e intestino, melhorando seu humor e bem-estar mental, fazem parte de uma dieta saudável. As dietas excelentes para a saúde do cérebro e do intestino que você pode experimentar são a dieta DASH e a dieta mediterrânea. Médicos e nutricionistas recomendam ambas.

Alguns desses alimentos que estimulam o cérebro incluem:

  • Grãos inteiros
  • Alimentos ricos em ácidos graxos ômega 3
  • Folhas verdes
  • Fruta fresca
  • Vegetais coloridos
  • Azeite
  • Bagas
  • Leguminosas e Feijões
  • Alimentos fermentados como chucrute, picles e missô
  • Frutos do mar selvagens pescados

Obviamente, alimentos orgânicos de qualidade são sua melhor escolha. Além disso, certifique-se de incorporar probióticos e prebióticos em sua dieta também.

O ponto principal é claro: manter uma dieta bem balanceada é essencial para um corpo, intestino e cérebro saudáveis.

Sthephanie Woods

As fontes deste artigo incluem:

NIH.gov
ScientificAmerican.com

Opções holísticas para o transtorno bipolar

 Anteriormente conhecido como depressão maníaca, o transtorno bipolar afeta mais de 1% da população e é a sexta principal causa de incapacidade em todo o mundo. 1 Um transtorno de humor complexo e crônico, que causa oscilações extremas de humor que incluem sensação de baixa e letargia (depressão) e alta e hiperatividade (mania).  

Medicamentos estabilizadores do humor como o lítio, bem como antipsicóticos, anticonvulsivantes e antidepressivos, são os tratamentos usuais para o transtorno bipolar, mas eles vêm com uma longa lista de efeitos colaterais e muitas vezes não levam os pacientes à remissão a longo prazo. 2

O melhor plano seria trabalhar com um profissional de medicina funcional que possa ajudar a descartar condições subjacentes que possam estar causando ou contribuindo para os sintomas, como distúrbio da tireoide 3 ou deficiência nutricional 4 , bem como examinar os fatores ambientais.  

Mas aqui está um resumo das opções holísticas mais promissoras para o transtorno bipolar. A maioria foi testada junto com a medicação padrão, mas sempre se deve consultar o médico sobre as possíveis interações e quais tratamentos seriam adequados. 

Exercício 

Sabe-se que os exercícios têm efeito antidepressivo. 5 E estudos especificamente em pacientes bipolares descobriram que a atividade física está associada a menos sintomas depressivos e melhor funcionamento e qualidade de vida. 6 No entanto, tome cuidado se você tomar lítio e fizer exercícios vigorosos, pois o lítio pode ser perdido no suor. 7

Reserve um tempo para a atenção plena 

A terapia cognitiva baseada na atenção plena (MBCT), que combina elementos da terapia cognitivo-comportamental com a redução do estresse baseada na atenção plena, está se mostrando promissora para o transtorno bipolar. Descobriu-se que ele alivia a depressão e a ansiedade em pacientes bipolares, bem como melhora o funcionamento cognitivo – como a memória e a capacidade de iniciar e concluir tarefas – que costuma ser prejudicada no transtorno bipolar. 8

Dieta Ceto 

Evidências preliminares sugerem que uma dieta cetogênica, rica em gordura e pobre em carboidratos, pode ser útil para pacientes bipolares. Um estudo de auto-relatos postados online sobre a dieta descobriu que 85 por cento dos comentários relataram um impacto positivo na estabilização do humor. Melhorias relatadas, muitas com duração de meses a anos, incluíram menos episódios de depressão, maior clareza de pensamento e fala, aumento de energia e perda de peso. 9

E estudos de caso de duas mulheres com bipolares seguindo a dieta, que mantiveram cetose (o objetivo da dieta cetogênica – quando há uma alta concentração de cetonas no sangue) por dois a três anos, relataram estabilização do humor além daquela alcançada com a medicação . 10

Idealmente, se você quiser experimentar a dieta, faça-o sob a supervisão de um especialista, como um nutricionista cetogênico.

Evite alimentos processados 

Comer carnes processadas, que contêm nitratos para prevenir o crescimento de bactérias, tem sido associado à mania. E alimentar ratos com carnes processadas resultou em uma “hiperatividade que lembra a mania humana”. 11

Uma alta ingestão de açúcar e xarope de milho com alto teor de frutose (HFCS) também foi implicada na mania e no transtorno bipolar. 12

Procure seguir uma dieta de alimentos integrais, limitando ao máximo os alimentos processados ​​e embalados. 

Considere outros suplementos 

Coenzima Q10 (CoQ10). Acredita-se que o estresse oxidativo e a inflamação desempenhem um papel no transtorno bipolar, portanto, a CoQ10, um potente antioxidante e antiinflamatório, pode ser benéfica. Quando testada contra um placebo como um tratamento complementar para pacientes bipolares, a CoQ10 foi encontrada para melhorar significativamente os sintomas de depressão, bem como marcadores biológicos de inflamação e estresse oxidativo. 15

Dose sugerida: 200 mg / dia 

Vitaminas B. Os baixos níveis de folato (vitamina B9) foram associados ao transtorno bipolar, 16 e os pacientes que tomaram lítio que tomaram suplementos diários de ácido fólico observaram melhorias significativas em seus sintomas em comparação com aqueles que tomaram um placebo. 17 Também há evidências que sugerem que a deficiência de vitamina B12 pode ser a causa dos sintomas maníacos. Relatos de casos descobriram que os sintomas desapareceram completamente quando a deficiência foi corrigida com injeções de B12. 4,18

Dosagem sugerida: teste os níveis primeiro e, em seguida, complemente com uma dosagem apropriada

N-acetilcisteína (NAC). Algumas evidências sugerem que esse aminoácido – usado junto com o tratamento usual – pode ajudar a reduzir os sintomas de depressão em pacientes bipolares, possivelmente por causa de seus efeitos antiinflamatórios. 19

Dose sugerida: 1.000 mg duas vezes / dia

Opte por ômega-3 

Os ácidos graxos ômega-3, encontrados no óleo de peixe, têm um efeito antidepressivo em pacientes com transtorno bipolar. 13 Em um estudo, aqueles que receberam altas doses de ômega-3 além do tratamento usual observaram melhorias significativas em comparação com aqueles que receberam um placebo. 14

Dosagem sugerida: experimente um suplemento de alta qualidade, que forneça 3.500 mg de ômega-3 por colher de chá preferencialmente.

Cuidado com os metais pesados 

Altos níveis de cádmio (encontrados no tabaco, alimentos e água potável) e chumbo (encontrados em tintas velhas, cosméticos, alimentos e água potável) foram associados ao transtorno bipolar. 20 Reduzir sua exposição a metais pesados ​​e ajudar seu corpo a se desintoxicar naturalmente pode ser benéfico. Conseguir um filtro de água é um bom ponto de partida, e suplementos de algas Chlorella também podem ajudar. 21 

Veja a luz 

A terapia de luz brilhante, originalmente usada para tratar pacientes com transtorno afetivo sazonal (SAD), parece ser eficaz para o transtorno bipolar. Em uma revisão de 12 estudos, a terapia reduziu significativamente os sintomas depressivos quando uma intensidade de luz de 5.000 lux ou mais foi usada. 22 

Wddty 10/2021

Referências
Epilepsia, 2005; 46 Suplemento 4: 8–13; Can J Psychiatry, 2004; 49: 124–38; Harv Rev Psychiatry, 2006; 14: 273–84; A carga global de doenças: Uma avaliação abrangente da mortalidade e incapacidade por doenças, lesões e fatores de risco em 1990 e projetada para 2020. Harvard University Press; 1996
J Clin Psychiatry, 1996; 57: 292–7; Am J Psychiatry, 1995; 152: 1635-40
J Affect Disord, 2017; 221: 97–106
Prim Care Companion J Clin Psychiatry, 2007; 9: 238
Psychosom Med, 2007; 69: 587-96
J Affect Disord, 2016; 198: 32-8
Am J Psychiatry, 1982; 139: 1593–5
J Psychiatr Pract, 2011; 17: 410–9; Psychiatry Res, 2020; 290: 113116
BJPsych Open, 2019; 5: e58
10Neurocase, 2013; 19: 423-6
11 Mol Psychiatry, 2020; 25: 560-71
12Evol Hum Behav, 2021; 42: 194–203
13J Clin Psychiatry, 2007; 68: 1056–61
14Arch Gen Psychiatry, 1999; 56: 407–12
15J Clin Psychopharmacol, 2018; 38: 460–6; Mol Biol Rep, 2019; 46: 5333-43
16BMC Psychiatry, 2019; 19: 305
17J Affect Disord, 1986; 10: 9-13 
18Am J Psychiatry, 1984; 141: 300-1
19J Affect Disord, 2011; 135: 389–94; Psychiatry Res, 2018; 263: 268-74
20J Trace Elem Med Biol, 2011; 25 Suplemento 1: S78-83
21Nutrients, 2015; 7: 552–571; Nutr Res Pract, primavera de 2009; 3: 15-22
22PLoS One, 2020; 15: e0232798

Restaurando seus níveis de energia naturalmente e equilibrando seus hormônios

A falta de testosterona pode deixar as mulheres cansadas, fracas e deprimidas, diz o Dr. Shawn Tassone. Veja como restaurar seus níveis naturalmente.

A deficiência de testosterona é o desequilíbrio hormonal feminino mais frequentemente esquecido e o desequilíbrio mais comum que vejo. 

Produzida pelos ovários e glândulas supra-renais, bem como nos tecidos periféricos (a partir de hormônios precursores produzidos nos ovários e supra-renais), a testosterona feminina geralmente atinge seu nível mais alto durante a idade adulta jovem. 

A produção do hormônio diminui com o tempo, caindo para cerca de 50% de seu pico quando ela chega à menopausa.   Embora seus ovários parem de produzir estrogênio neste ponto, eles continuarão a produzir quantidades menores de testosterona, assim como suas glândulas supra-renais. 

O fato de o hormônio continuar a desempenhar um papel no funcionamento de seu corpo significa que um desequilíbrio pode causar estragos de várias maneiras. A deficiência de testosterona pode dar origem a uma série de sintomas, desde ganho de peso até diminuição da libido. E pode ocorrer em mulheres de qualquer idade. 

A menopausa e a predominância de estrogênio relacionada à menopausa podem contribuir para a deficiência de testosterona. Mas as pílulas anticoncepcionais também podem fazer isso, assim como doenças auto-imunes, como lúpus e artrite reumatóide. Entre as outras causas subjacentes em potencial estão estresse severo e insuficiência adrenal. 

Mas uma combinação de alimentos, suplementos e exercícios certos pode ajudar a corrigir esse desequilíbrio comum. 

Sintomas de deficiência de testosterona

  • Fadiga, muitas vezes no final da tarde
  • Fraqueza muscular
  • Ganho de peso, especialmente em torno do meio
  • Sono interrompido
  • Emagrecimento ou perda de cabelo
  • Osteoporose e osteopenia (densidade óssea menor do que o normal)
  • Excitação genital diminuída
  • Desejo sexual diminuído
  • Depressão e ansiedade

Nutrição

Se você tem baixo teor de testosterona, deve comer alimentos que ajudem a aumentar diretamente os níveis de testosterona, bem como aqueles que ajudam a diminuir seus níveis de estrogênio. Desde que você não esteja sofrendo de deficiência de estrogênio, diminuir os níveis de estrogênio é uma estratégia útil para diminuir os níveis da proteína da globulina de ligação do hormônio sexual (SHBG), que se liga à testosterona livre e diminui o impacto do hormônio. 

Outro objetivo importante é melhorar a proporção entre gordura e músculo. Em particular, a dieta pode ajudar a reduzir a gordura abdominal, que é comumente referida como um “matador de testosterona”. Embora haja algum debate sobre se a gordura abdominal visceral (que envolve seus órgãos) causa baixa testosterona ou o contrário, estudos demonstraram uma correlação entre a proporção cintura-quadril e os níveis de testosterona em homens, e pesquisas emergentes sugerem uma correlação semelhante está presente nas mulheres. 

Tanto em homens quanto em mulheres, níveis mais altos de gordura visceral correspondem a níveis mais altos de estrogênio, o que pode exacerbar a deficiência de testosterona.

Também sabemos que em ambos os sexos, a testosterona tem um potencial lipolítico, o que significa que pode quebrar as células de gordura, e que a gordura abdominal visceral libera colesterol e ácidos graxos livres na corrente sanguínea, levando o corpo a produzir proteínas chamadas citocinas, que desencadeiam nível de inflamação. 

Altos níveis de gordura visceral também podem levar ao aumento da produção de um hormônio chamado angiotensina, que faz com que os vasos sanguíneos se contraiam e a pressão arterial aumente e contribui para a resistência à insulina. Além de ser um fator de ganho de peso, a resistência à insulina está diretamente relacionada à baixa testosterona em homens e mulheres. 

Para ajudar a minimizar o excesso de gordura e melhorar a proporção de gordura para músculo, concentre-se em comer proteínas magras e “gorduras boas” e eliminar carboidratos processados ​​e açúcar sempre que possível. Aqui estão os principais alimentos para abraçar.

Alimentos a adotar

Alimentos ricos em vitamina D 

Como a baixa testosterona está associada à deficiência de vitamina D, coma alimentos ricos em vitamina D, como:

Gemas de ovo (também ricas em ácidos graxos ômega-3) 

Atum (também rico em ácidos graxos ômega-3) 

Leites enriquecidos não lácteos, como leite de amêndoa e leite de caju 

Alimentos ricos em zinco 

Se você tem níveis baixos de testosterona, o zinco pode ajudar a aumentar a produção natural do hormônio pelo corpo. Boas fontes de zinco incluem:

Ostras e outros mariscos, incluindo lagosta e caranguejo 

Carne de vaca alimentada com capim (carne assada ou rissol de carne moída)

Fontes vegetarianas incluem grão de bico, castanha de caju, cogumelos e espinafre 

Reforçando os óleos essenciais 

Os óleos essenciais a seguir podem ajudar na direção de que você precisa para começar o dia. Use-os com um difusor ou aplique topicamente.

  • Camomila
  • Gerânio
  • salva esclereia
  • Sândalo
  • Funcho
  • Incenso

Amêndoas

Amêndoas inteiras contêm um conjunto de nutrientes vitais para a produção de testosterona, incluindo vitamina E, cálcio, magnésio e potássio. Eles também são ricos em arginina, um aminoácido que está envolvido no aumento do fluxo sanguíneo para os órgãos genitais em homens e mulheres. Aumentar os níveis de arginina pode aumentar a estimulação e a sensação durante a excitação sexual. 1 

Embora as amêndoas sejam uma fonte de proteína de qualidade e contenham altos níveis de ácidos graxos insaturados, elas também são uma fonte significativa de calorias. Eu recomendo consumir não mais do que 25 por dia. 

Vegetais crucíferos 

Vegetais crucíferos como brócolis, couve de Bruxelas, repolho, couve, mostarda e nabo contêm um composto chamado indol-3-carbinol (I3C), que demonstrou aumentar a eficiência do metabolismo do estrogênio pelo fígado, diminuindo o estrogênio geral do corpo níveis. Essa diminuição, por sua vez, reduz os níveis de SHBG do corpo, o que pode resultar em um aumento na testosterona livre. 

Nos últimos anos, os pesquisadores também se interessaram pela forma como o composto impede a proliferação de células receptoras de estrogênio e examinaram o I3C como uma possível prevenção dos cânceres de mama, cervical, endometrial e colorretal. 

O consumo de vegetais crucíferos também desencadeia a produção natural do corpo de um composto chamado diindolilmetano (DIM). A pesquisa mostrou que este composto também ajuda a quebrar o estrogênio, contribuindo para a redução dos níveis de SHBG e um aumento correspondente da testosterona. 

Uma palavra de advertência em relação aos vegetais crucíferos: eles podem conter fitoestrógenos, que podem exercer efeitos estrogênicos. Para aqueles com baixo teor de testosterona, que já podem ter predominância de estrogênio, recomendo limitar o consumo de vegetais crucíferos a uma porção em dias alternados. 

Alimentos contendo gorduras “boas” (insaturadas) 

Se você tem baixo teor de testosterona, é importante contar com gorduras insaturadas em vez de carboidratos – principalmente carboidratos processados ​​- como combustível. Embora eu não recomende cortar totalmente os carboidratos, confiar mais nas gorduras saudáveis ​​(incluindo ômega-3) do que nos carboidratos pode ajudar a diminuir os níveis de gordura abdominal visceral e aumentar a proporção músculo-gordura. 

As gorduras ômega-3, em particular, têm um efeito de equilíbrio abrangente sobre seus hormônios e contribuem para a saúde de sua pele, incluindo sua mucosa vaginal. 

Se você usar manteiga, recomendo mudar para uma manteiga alimentada com capim, manteiga clarificada ou ghee. Embora todos contenham gorduras saturadas, eles têm benefícios em relação à manteiga tradicional alimentada com grãos. 

A manteiga alimentada com pasto contém cinco vezes a quantidade de um ácido graxo chamado ácido linoléico conjugado (CLA), que a pesquisa mostrou que pode ajudar na perda de peso. A manteiga alimentada com pasto também é significativamente mais elevada em ácidos graxos ômega-3 e vitamina K2. 

Acredita-se que tanto a manteiga clarificada quanto o ghee reduzem os níveis de LDL (o chamado “colesterol ruim”) e protegem as artérias do endurecimento. 

Boas fontes de gorduras insaturadas incluem:

  • Nozes
  • Sementes
  • Óleos de nozes, incluindo óleo de coco
  • Óleo de colza
  • Abacate
  • Alimentos ricos em ômega-3, como peixes gordurosos, sementes de chia e nozes

Suplementos

O que se segue pode ajudar a aumentar os níveis de testosterona, aumentar o desejo e a excitação sexual e restaurar o equilíbrio hormonal geral. Mas consulte seu médico antes de tomá-los.

Maca. Embora não tenha sido demonstrado que aumente a produção de testosterona por si só, a maca está associada a níveis aumentados de energia e resistência física, bem como aumento do desejo sexual em mulheres e homens. Para aqueles com baixo nível de testosterona, recomendo duas
misturas de maca diferentes . Se você está na pré-menopausa, vá para Femmenessence Maca Harmony Menstrual Health. Além de apoiar o equilíbrio hormonal geral, isso também ajuda a melhorar os níveis de energia, humor e saúde óssea. Se você está na pós-menopausa, eu recomendo Femmenessence MacaPause. Esta mistura ajuda a aliviar os sintomas comuns relacionados à menopausa, como ondas de calor e sono interrompido, além de melhorar seus níveis de energia e libido e reduzir a secura vaginal.

Dose sugerida: comece com 1 cápsula duas vezes ao dia durante duas semanas, depois aumente gradualmente para 2 cápsulas duas vezes ao dia

Epimedium. Encontrada principalmente na China, a epimedium é usada há séculos na medicina oriental como afrodisíaco para mulheres e homens. Agora populares no Ocidente, os suplementos de epimedium estão disponíveis em uma variedade de formas, incluindo extrato líquido e cápsulas. Foi demonstrado que os flavonóides da erva daninha da cabra com tesão
ajudam a aumentar o fluxo sanguíneo, o que pode aumentar a excitação sexual em mulheres e homens. Também foi demonstrado que eles ajudam a prevenir a osteopenia e a osteoporose, estimulando a proliferação de células chamadas osteoblastos, que desempenham um papel crítico na reestruturação óssea. 2 

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo

Resveratrol. Encontrado na casca de uvas vermelhas, amoras e mirtilos, o resveratrol é um composto químico que pode ter um efeito positivo nos níveis de testosterona. Estudos sugerem que pode ajudar a reduzir a aromatização da testosterona em estrogênio, aumentando os níveis de testosterona livre na corrente sanguínea. Ele também pode ativar os receptores de andrógenos do corpo, aumentando os efeitos da testosterona. 

O resveratrol também pode reduzir a inflamação, que tem um impacto negativo no metabolismo e contribui para a deterioração muscular. 3 No entanto, tenha em mente que o resveratrol pode interferir com alguns medicamentos prescritos, como anticoagulantes, pílulas anticoncepcionais e antibióticos. 

Dose sugerida: 250 mg / dia 

Tribulus. Estudos demonstraram que esta erva pode ter um impacto positivo sobre o desejo sexual e a excitação em mulheres com transtorno do desejo sexual hipoativo. 4 Pode funcionar aumentando a densidade do receptor de andrógeno no cérebro, o que pode amplificar os efeitos da testosterona na libido. Mas observe que isso pode afetar os níveis de açúcar no sangue. Se você é diabético e depende de medicamentos reguladores de açúcar no sangue, tomar o suplemento pode significar que seu médico precisa ajustar sua dose. 

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo; levar por um período não superior a oito semanas

Exercício

Baixa testosterona  pode significar baixa energia  e fraqueza muscular,  portanto , o exercício pode representar um desafio significativo. Mas mesmo exercícios moderados podem ajudar a aumentar seus níveis de testosterona, melhorar sua saúde geral e equilibrar seus hormônios. 5

O primeiro passo é simplesmente começar a se mover. Qualquer atividade aeróbica, seja caminhar, correr, andar de bicicleta ou nadar, ajudará a aumentar a produção de testosterona das glândulas supra-renais. Para começar, faça o que puder e nada mais. Acredite que com o tempo seus níveis de energia podem melhorar e sua fadiga se dissipar. 

Aumente gradualmente a intensidade e a duração dos seus treinos conforme for possível. Um regime de treino principalmente aeróbico irá ajudá-lo a queimar gordura e melhorar a proporção músculo-gordura. Incorporar um elemento de treinamento intervalado (breves “surtos” anaeróbios) em sua rotina de exercícios, quando você puder, pode melhorar ainda mais. 

Adaptado de The Hormone Balance Bible (Hay House UK, 2021) pelo Dr. Shawn Tassone, um médico certificado em obstetrícia / ginecologia e medicina integrativa

WDDTY 092021

Referências
Biomed Res Int, 2014; 2014: 868062
Chinese Med J, 2007; 120 (3): 204-210
Acta Biochim Pol, 2019; 66: 13-21
Daru, 2014; 22: 40 
Front Horm Res, 2016; 47: 27-43

Usuários de telefones celulares, cuidado: Descubra como evitar problemas graves de saúde

Você o vê em todos os lugares. Pessoas andando por aí, de cabeça baixa, olhando para seus telefones. Nos restaurantes, as pessoas sentam-se frente a frente e não dizem uma palavra porque estão muito absortas em seus telefones. Nos supermercados, as mães fazem compras com os filhos, mas mal percebem porque seus telefones chamam a atenção delas. E as crianças apenas olham em volta, sozinhas, sem interação com a mãe.

O vício em smartphones é real e pode causar sérios problemas para você.

Dizem que é apenas um sinal dos tempos, mas é mesmo? Precisamos realmente nos resignar ao fato de que as pessoas ficarão viciadas em seus dispositivos móveis e não há absolutamente nada que alguém possa fazer a respeito? Não. O uso excessivo de seu smartphone ou dispositivo móvel traz consequências graves.

O uso excessivo de telefones celulares prejudica a saúde do cérebro e encurta a memória

Existem algumas consequências sérias, até alarmantes, do uso excessivo do telefone. Estudos descobriram mudanças na função cerebral, um aumento no consumo de alimentos não saudáveis ​​(açúcar em particular) e um efeito desumanizador.

Essas são algumas das questões levantadas por cientistas, médicos e sociólogos em relação ao uso excessivo de dispositivos.

  • Tem um efeito desumanizador . Você provavelmente já viu pessoas tratando os outros de forma horrível online, trollando, intimidando e apenas sendo desagradáveis. Existe uma dinâmica de uso excessivo do dispositivo que provoca um certo grau de desumanização. As pessoas passam muito tempo no mundo virtual e não interagem com pessoas reais no mundo real. Eles se esquecem de que existem seres humanos reais, que pensam e sentem do outro lado da tela. Eles não precisam enfrentar a humanidade, então podem ser tão cruéis com o computador quanto quiserem. A questão é que não é o computador que está se machucando.
  • Isso encurta sua memória.   A maioria das pessoas usa seus smartphones como um computador, procurando informações, lendo artigos e fazendo pesquisas. Vários estudos descobriram que acessar informações dessa forma realmente muda a maneira como o cérebro lida com as informações. Ele não retém as informações da mesma forma que se estivessem em um livro. Em vez disso, apenas os “destaques” são lembrados e o resto é esquecido com a garantia de que pode ser acessado facilmente com alguns cliques.
  • Altera a maneira como o cérebro processa as informações . O cérebro humano processa as informações de um computador de maneira diferente do que quando as informações vêm de uma fonte do mundo real, como um livro ou ser humano. O cérebro humano tem a capacidade de ler as expressões faciais das pessoas, o que é uma parte fundamental de nossa capacidade de sentir empatia e navegar com sucesso nas interações sociais.
  • Causa atenção parcial contínua.  A atenção parcial contínua, ou CPS, é a incapacidade de se concentrar em uma coisa, mas, em vez disso, deslizar para muitas fontes diferentes de informação. Isso afeta não apenas como as informações são retidas, mas também como são utilizadas.
  • Isso pode afetar sua capacidade de tomada de decisão . Um estudo com estudantes de escolas de medicina na China descobriu que, embora os participantes tivessem um alto nível de alfabetização em nutrição e saúde, eles ainda faziam escolhas muito ruins em relação aos alimentos consumidos, a saber, açúcar. Existe uma ligação entre o uso excessivo de smartphones e a impulsividade, levando a uma tomada de decisão inadequada.

O uso excessivo de smartphones também pode afetar seu sono, deixá-lo com a sensação de fadiga, bloquear sua criatividade, fazer com que você se sinta solitário, aumentar seu estresse, afetar negativamente suas habilidades de pensamento crítico e muito mais.

Não me entenda mal, a tecnologia é ótima em muitos aspectos. Mas, quando o uso de dispositivos móveis se torna excessivo e obsessivo, é hora de fazer uma mudança.

Faça o “teste” e descubra se você é viciado em smartphone

O vício do telefone celular é muito real e pode ser prejudicial para você em um nível físico e mental. Isso pode prejudicar seus relacionamentos, afetar seu trabalho e causar problemas na escola.

Reserve um momento para ser brutalmente honesto consigo mesmo. Algum destes sintomas de dependência de smartphone se aplica a você?

  • Você não pode simplesmente sentar e conversar com alguém sem o telefone na mão – e verificando-o com frequência ou olhando para ele enquanto fala com essa pessoa.
  • Você tem sintomas de fadiga ocular digital, que é desconforto e dor causados ​​por ver uma tela digital por mais de duas horas.
  • O uso do telefone colocou um relacionamento em risco.
  • Você tem um “pescoço de texto”.
  • O uso do telefone causou problemas para você no trabalho.
  • Você sofreu um acidente de carro ou quase errou porque estava falando ao telefone enquanto dirigia.
  • Você recorre ao telefone quando tem sentimentos de depressão, ansiedade ou rejeição.
  • Você se sente obrigado a pegar o telefone com frequência, mesmo enquanto dirige.
  • A maioria das suas experiências está ligada ao seu telefone.
  • Sua principal forma de interagir com as pessoas é digital.
  • Você tem problemas com o sono.
  • Você experimenta sintomas de abstinência quando não consegue usar o telefone
    • Raiva
    • Depressão
    • Inquietação
    • Tensão
    • Irritabilidade
  • Seu telefone é a primeira coisa com a qual você interage ao se levantar de manhã.
  • Você fica ansioso quando não está usando o telefone ou não pode usá-lo.
  • Você passa mais tempo ao telefone do que imagina ou fica surpreso ao saber quanto tempo passa ao telefone?
  • O seu tempo de tela está aumentando?
  • Você verifica o telefone com frequência, mesmo quando sabe que não há nada importante ou novo para ver?
  • Você leva o telefone para as refeições e fica ligado enquanto está comendo?
  • Quando você dorme, seu telefone fica ao lado da cama ou embaixo do travesseiro?
  • Você acorda durante a noite para verificar seu telefone?
  • Você usa o telefone quando deveria estar fazendo outras coisas, como trabalho, tarefas domésticas, lição de casa ou cuidar de seus filhos?
  • Você sente uma necessidade intensa de ter o telefone com você o tempo todo?
  • Você acha que pode ser viciado em seu telefone?

Responder sim a apenas cinco dessas perguntas pode indicar um vício; no entanto, se você respondeu sim a mais de uma das perguntas, convém dar uma olhada no uso do seu telefone e reduzi-lo.

Não sabe por onde começar? Temos algumas dicas para ajudar.

Quer largar o hábito do seu dispositivo móvel?

Você pode quebrar o vício do smartphone. Aqui estão algumas maneiras de começar.

  • Reserve um dia por semana para desligá-lo. Um dispositivo digital rápido pode ser uma maneira muito eficaz de reduzir o tempo de tela.
  • Reserve um certo tempo todos os dias para desligar o telefone.
  • Remova todos os aplicativos que são inúteis ou que representam distrações.
  • Experimente um aplicativo que o ajude a limitar o tempo de tela, como AppDetox ou SociaFever
  • Defina uma senha longa ou complexa em seu telefone e defina sua tela para um curto tempo de desligamento.
  • Carregue seu telefone em outro cômodo em vez de ao lado da cama – e se você usar o telefone para acordá-lo de manhã, compre um despertador.
  • Use funções como modo avião ou não perturbe.
  • Desligue as notificações em seu telefone.
  • Guarde o telefone quando estiver com outras pessoas e durante as refeições.
  • Quando sentir necessidade de pegar o telefone, distraia-se caminhando, malhando ou indo encontrar-se com um amigo.
  • Desligue o telefone quando estiver em uma loja ou sair com amigos.
  • Deixe seu telefone no carro quando for a algum lugar.

Se você descobrir que simplesmente não consegue fazer isso sozinho, não tenha medo de pedir ajuda a um técnico de saúde. Eles podem ajudá-lo a encontrar um especialista em dependência que possa ajudá-lo a se libertar.

Lembre-se de que você pode acabar com o vício do smartphone e voltar ao mundo real – e vale a pena.

Stephanie Woods

As fontes deste artigo incluem:

MDPI.com
Intel.com
harvard.edu
Colby.edu
TheVisionCouncil.org
nih.gov
AddictionCenter.com

Aprenda como o estresse afeta sua saúde intestinal

De acordo com a treinadora de mentalidade Cara Wheatley-McGrain, que venceu sua doença inflamatória intestinal com uma abordagem holística, aprender como o estresse afeta seu intestino é a chave para mantê-lo saudável e feliz.

Você já reparou como o seu apetite é afetado por como você se sente? Quando você está ansioso, deprimido ou estressado, pode comer demais ou ter dificuldade para comer. De qualquer maneira, seu sistema digestivo ficará desequilibrado. Um pouco de estresse de curto prazo está bem, mas quando experimentamos estresse de forma sustentada, ele se torna um problema e afeta o intestino de algumas maneiras específicas. 

Seu intestino e cérebro estão conectados pelo nervo vago. Seu trabalho é comunicar informações diretamente de seus órgãos (especificamente o intestino) para o cérebro, e é uma relação bidirecional. Se você nunca ouviu falar do vago, é hora de uma apresentação. 

Esse nervo longo e errante começa na base do cérebro, abaixo das orelhas, e continua ao longo do lado da garganta, do coração, dos pulmões e do intestino. E é por isso que é tão fascinante. O nervo vago é tecido na parede do intestino. Portanto, o que acontece no vago nunca fica apenas no vago. Acontece que o vago desempenha um papel fundamental no apoio à nossa saúde física e mental. 1

O que isso significa para você e seu instinto? Como humanos, vivemos entre dois estados-chave, com o sistema nervoso simpático ou parassimpático ativado. 

Quando estamos estressados, o cérebro ativa as glândulas supra-renais para liberar os hormônios adrenalina e cortisol. Esses hormônios alimentam uma série de reações. Sob estresse, nosso sistema nervoso simpático é dominante. Quando estamos no modo de estresse, estamos em nosso vôo ou prontidão para lutar. 

Durante a fuga ou luta, nosso corpo desvia sangue para os músculos e o coração, e isso reduz o suprimento de sangue para o intestino. Enquanto tudo isso acontece, os sucos digestivos são reprimidos. Não precisamos de hambúrguer e batatas fritas quando estamos nos preparando para fugir ou lutar. Portanto, menos saliva, menos suco gástrico. 

Imagine seus ancestrais caçando um animal grande e assustador. A resposta ao estresse era um sistema altamente eficiente e sensível. Funcionou bem para esse tipo de situação repentina de alto risco. Animal grande e assustador: o cortisol inunda nosso sistema, aumentando os níveis de gordura e açúcar na corrente sanguínea para alimentar nossos músculos prontos para a ação. É por isso que, após um surto de estresse, você pode se sentir esgotado. 

Logo após um evento estressante, você tem uma forte atração biológica para reabastecer, e milhares de anos de evolução significam que você está mais propenso a buscar energia com alto teor de gordura e açúcar. Esse coquetel de hormônios do estresse em alta atua para interromper a digestão (constipação) ou acelerá-la (diarréia). Mensagem para levar para casa: quando comemos estressados ​​(almoços apressados, jantares rápidos), nosso intestino luta. 

De volta ao vago 

O nervo vago se alinha com o sistema nervoso parassimpático – o sistema de repouso, reinicialização e digestão. Este é o estado em que você deseja passar mais tempo, especialmente quando está comendo. 

A ativação do nervo vago significa que o suprimento de sangue retorna dos músculos e do coração para os órgãos internos, pronto para a digestão. As glândulas salivares começam a fluir, a frequência cardíaca diminui e a respiração fica mais lenta naturalmente. 

A maioria de nós é presa fácil da adrenalina – uma lavagem intestinal de cortisol. Muito tráfego, uma entrevista, uma discussão e nossa frequência cardíaca sobe. Graças a monitores de frequência cardíaca como relógios Fitbit, podemos realmente ver isso em ação. Nesses momentos, nosso intestino se fecha. Quando obtemos um conhecimento realmente claro sobre o quanto comer em trânsito e os níveis gerais de estresse afetam o intestino, podemos começar a fazer mudanças. 

Respiração abdominal de base

A respiração pode aterrá-lo profundamente em seu intestino, bem no âmago de seu ser. Respirar com consciência nos lembra que estamos corporificados: corpo, coração e intestino – todos inextricavelmente ligados. Existem muitas técnicas de respiração que você pode explorar e que podem ajudar a estimular o nervo vago e conectá-lo profundamente ao sistema nervoso parassimpático. Abaixo está um pequeno número simples e portátil, que uso diariamente.

Se você está passando por um surto de DII agora, este pode ser um poderoso agente de cura para acalmar e apoiar seu intestino. Passe três minutos fazendo essa prática e tente respirar três vezes pelo menos a cada hora – você pode definir um lembrete no telefone. O objetivo é mudar lentamente o hábito estúpido de respiração superficial para que você fique profundamente em seu corpo e barriga. Uma vez que você tenha essa prática, você pode levá-la para qualquer lugar, a qualquer hora. 

1) Encontre um local silencioso e defina um cronômetro de três minutos. 

2) Sente-se confortavelmente com as costas retas e os ombros abertos. Coloque a mão dominante levemente sobre a barriga, a palma da mão espalmada e a mão não dominante sobre o peito. Agora inspire profundamente em seus pulmões e imagine que está respirando profundamente em seu chacra raiz (bem na base de sua bunda). 

3) Você começará a sentir sua mão não dominante se mover para fora. Ao expirar naturalmente, imagine que está borrando o vidro de um espelho com a boca ligeiramente aberta. Você pode até fazer um som de ‘ahh’. 

4) Inspire novamente e repita. Concentrando-se em inspirar além da barriga, descendo até o chacra raiz, você descobrirá naturalmente que respira mais profundamente. Você se sentirá ancorado e presente. 

Observação: se esta é a primeira vez que você tenta a respiração abdominal, pode se sentir bloqueado. Se for esse o caso, seja gentil e reserve um tempo para praticar. Se você continuar a respirar profundamente em sua raiz sem forçá-la, mas com calma e foco, você perceberá que sua energia muda. Isso pode ser acompanhado por uma mudança emocional. Se você recebeu mensagens sobre chorar, você pode notar uma liberação em seu diafragma.

A vida moderna e seu instinto

No momento, a maioria de nós vive um estilo de vida ocidental padrão, o tipo de mundo 24 horas por dia, 7 dias por semana, em que nosso antigo bioma nunca teve de navegar antes. Mais da metade dos pacientes com crises de doença inflamatória intestinal (DII) afirmam que ela foi desencadeada por eventos estressantes na vida. 

Os gatilhos de estresse também podem ser cumulativos, em vez de isolados. Às vezes, podemos nos sentir sobrecarregados com as demandas conflitantes de nossas vidas, saturados pela grande quantidade de coisas que preenchem nossos dias. Portanto, é vital reservar um tempo para uma reflexão instintiva.

Personalizando seu conhecimento intuitivo 

Uma parte fundamental do quebra-cabeça para controlar o intestino é criar um espaço para se sintonizar com atenção à inflamação em seus estágios iniciais mais sutis. 

Aqueles familiarizados com IBD e IBS sabem como se sente um intestino inflamado – geralmente significa dor. Mas é possível entrar em sintonia com os primeiros sinais de inflamação e começar a reconhecer os gatilhos do seu corpo. Esses níveis sutis e vibrantes de desconforto são fáceis de ignorar – e isso é um problema. Para muitos, tudo começa com uma sensação sutil e inquietante. Se você ignorar, ele se move em direção a uma dor intensa e borbulhante, e o problema aumenta. 

Para captar esses primeiros sinais, você precisa diminuir o ritmo e usar algumas práticas diárias simples, como a prática da respiração abdominal de base consciente . Processos biológicos profundos acontecem quando você para e respira. Na verdade, é tudo sobre o nervo vago. Lembre-se de que o que acontece no vago nunca permanece no vago.

Cura autocompaixão 

A autocompaixão reduz a inflamação no corpo. 2 Isso não foi examinado especificamente na DII, mas os cientistas estudaram marcadores inflamatórios no corpo. 

Um estudo recente descobriu que níveis mais elevados de compaixão, sabedoria e apoio social estão ligados a um microbioma intestinal mais rico e diverso. O oposto também é verdadeiro – níveis mais baixos de compaixão e conexão social estão ligados à redução da diversidade microbiana. 

Tanya T. Nguyen, PhD, professora assistente de psiquiatria na UC San Diego School of Medicine, disse que “os mecanismos que podem ligar solidão, compaixão e sabedoria com a diversidade microbiana intestinal não são conhecidos, mas a diversidade microbiana observada observada geralmente representa piora física e saúde mental.” 3 

Quando falamos sobre estresse, pensamos que está “tudo na nossa cabeça”, mas o estresse tem impactos biológicos específicos e mensuráveis ​​no corpo. E parece funcionar nos dois sentidos. O estresse aumenta a probabilidade de inflamação e vice-versa. 4 Na próxima vez que você ficar irritado ou duro consigo mesmo por se sentir estressado, lembre-se de que não é só na sua cabeça. 

Você quer baixar a pressão arterial, melhorar a digestão, menos ansiedade e maior resiliência? Bem, lembre-se do que você aprendeu sobre o nervo vago, porque você pode precisar tentar aumentar o seu tônus ​​vagal. O baixo tônus ​​vagal está associado a uma série de problemas de saúde: estresse e ansiedade, problemas de saúde intestinal e falta de diversidade de insetos intestinais. 

Estar sentado demais, dormir pouco e um ritmo circadiano fora de sincronia, até mesmo fumar ou beber álcool em excesso, tudo parece estar relacionado à redução do tônus ​​vagal. Felizmente, existem muitas maneiras de aumentar seu tom vagal.

Crucialmente, ao reconhecer o nervo vago como um elemento-chave em sua aliança intestino-cérebro, você pode começar a curar seu intestino.

Amor instintivo

O tônus ​​vagal mais alto aumenta a resiliência mental, o que significa que o corpo pode relaxar mais rápido após situações de alto estresse. Algumas maneiras simples de ficar tonificado incluem: 

Respiração. Algumas respirações abdominais profundas (ver página 41) irão tonificar o nervo vago e colocá-lo no sistema nervoso parassimpático (configuração de repouso e reparo). 

Pratique o jejum intermitente tomando café da manhã mais tarde e jantar mais cedo, para dar um pouco de R&R ao seu sistema digestivo. 

Tome probióticos, como as cepas de Lactobacillus e Bifidobacterium , que têm efeito ansiolítico. 1 

Faça práticas de atenção plena e bondade amorosa, como exercícios respiratórios (ver página 41), bem como exercícios de diário e visualização.

Jogue água fria em seu rosto. Se você for corajoso, tome um banho frio de explosão. Respire profundamente e relaxe ao fazer isso. 

Dê um abraço por pelo menos 30 segundos e combine com algumas respirações profundas. Se não há ninguém para abraçar, tente se acalmar usando a técnica de abrigo, um exercício simples para colocá-lo em um ‘espaço seguro’ e reduzir o estresse. (Consulte www.havening.org para obter mais informações e como fazer.) 

Faça um alongamento de ioga. A pose da cobra é uma ótima maneira de estimular o nervo vago no pescoço e aprofundar a estimulação vagal combinada com a respiração abdominal.

Cante, murmure ou entoe algumas afirmações que amam o instinto.

Massagem, automassagem ou massagem nos pés de um ente querido.

Exercite-se em todas as suas formas e formas. 

Rir e socializar (mas vá devagar com o álcool).


Cara Wheatley-McGrain – Wddty 092021

Referências:

Front Neurosci, 2018; 12: 49

2 Brain Behav Immun, 2014; 37: 109–14

3 Front Psychiatry, 2021; 12: 648475

4 Jacka, F. Brain Changer: How Diet Can Save Your Mental Health. Yellow Kite, 2019. p107.