Descubra uma intervenção surpreendentemente simples para apoiar a saúde do fígado

 As taxas de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) – depósitos excessivos de gordura no fígado em pessoas sem histórico de abuso de álcool – estão subindo nos Estados Unidos, com alguns especialistas colocando a incidência em um em cada três adultos. Embora muitos casos de DHGNA sejam leves, a doença pode ocasionalmente progredir para consequências graves e até fatais, incluindo câncer de fígado.

Agora, uma nova e empolgante pesquisa publicada na revista Molecular Metabolism sugere que uma simples intervenção – exercício regular – pode melhorar significativamente a condição e até mesmo desempenhar um papel na prevenção. Para saber mais sobre os efeitos dessa surpreendente estratégia natural na NAFLD, continue lendo.

As taxas vertiginosas de obesidade estão desencadeando uma epidemia nacional de DHGNA

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) relatam que chocantes 66% dos adultos americanos estão com sobrepeso ou obesos, o que ajuda muito a explicar as taxas crescentes de doença hepática gordurosa não alcoólica. Como o nome indica, a causa primária não é o excesso de álcool – mas o consumo de muitos alimentos tóxicos e a falta de atividade física.

A ingestão excessiva de xarope de milho rico em frutose e muitos outros alimentos processados ​​levam a depósitos de gordura no fígado, o que ao longo do tempo causa disfunção das mitocôndrias nas células hepáticas.   Especialistas estimam que em 20 a 30 por cento dos casos, a DHGNA progride para esteato-hepatite não alcoólica (ou NASH), uma condição mais grave que às vezes pode levar a fibrose hepática (cicatrização), cirrose hepática, insuficiência hepática, câncer de fígado e morte.

Estudo: O exercício regular mitiga a DHGNA no nível molecular

De acordo com um novo estudo realizado por cientistas do Helmholtz Munique e do Hospital Universitário de Tubingen, o exercício causa adaptações moleculares das mitocôndrias no fígado que podem impedir o desenvolvimento da doença hepática gordurosa. Ao longo do estudo de seis semanas, os camundongos foram alimentados com uma dieta rica em calorias – e alguns receberam “treinamento em esteira”, o que significa que faziam exercícios regulares.

A equipe descobriu que a atividade física regular regula a quebra da glicose no fígado e melhora a função das mitocôndrias, também conhecidas como “centrais elétricas” da célula. Os camundongos “exercitados” também apresentaram melhorias no controle da glicose. Além disso, a atividade física regular melhorou a capacidade respiratória dos músculos, aliviando assim o estresse no fígado.

Embora o estudo tenha sido realizado em animais, ele reflete os resultados da pesquisa em humanos. “Os resultados se encaixam muito bem com as abordagens dos estudos clínicos em andamento”, relatou a líder do estudo, Dra. Cora Weigert.

Estudos adicionais apoiam a capacidade do exercício regular de melhorar a saúde do fígado

Em uma revisão publicada em 2018 no Gene Expression , o Journal of Liver Research, os autores resumiram as evidências dos efeitos do exercício físico regular na NAFLD e na NASH. Eles observaram que vários ensaios clínicos mostraram que tanto o exercício aeróbico quanto o de resistência reduzem a gordura do fígado por várias vias diferentes. Isso inclui melhorar a resistência à insulina – o que reduz o excesso de entrega de gorduras e glicose ao fígado – aumentar a oxidação de ácidos graxos (em outras palavras, queima de gordura), diminuir a síntese de ácidos graxos e prevenir danos mitocondriais e hepáticos.

À luz de tudo isso, não é de surpreender que a American Gastroenterological Association, a American Association for the Study of Liver Diseases e o American College of Gastroenterology recomendem exercícios físicos para DHGNA!

Que tipo de exercício é melhor para NAFLD?

Estudos sugerem que uma ampla variedade de estilos, intensidades e duração de exercícios podem beneficiar a DHGNA. Os autores da revisão de 2018 citaram um estudo de pacientes com DHGNA com sobrepeso e obesidade que avaliou os efeitos de três regimes de exercícios diferentes: baixa intensidade/alto volume, alta intensidade/baixo volume e baixa intensidade/baixo volume. Cada um foi encontrado para causar reduções significativas na gordura do fígado.

Em outro estudo, os pacientes com NASH realizaram um programa de exercícios moderados que consistia em sessões de 20 a 60 minutos de quatro a sete dias por semana. O programa, que incluiu treinamento de resistência e aeróbico, causou uma melhora significativa na NASH.

O treinamento de resistência inclui levantamento de peso, agachamentos, lunges e flexões. Você pode fazer exercícios aeróbicos através de corrida, ciclismo, dança, natação e até caminhadas rápidas. No entanto, pesquisadores em vários estudos enfatizaram que o fator mais importante era que a rotina de exercícios se adequasse à capacidade e às preferências do indivíduo.

A propósito, a recomendação geral dos Institutos Nacionais de Saúde é que os adultos façam 30 minutos de exercício cinco dias por semana. Mas, verifique primeiro com seu médico integrador antes de embarcar em um regime de exercícios para tratar da DHGNA. Embora atualmente não haja consenso sobre qual tipo de exercício é “melhor” para DHGNA, quase qualquer tipo de atividade física regular pode ser benéfica.

Ao mostrar exatamente como o exercício regular afeta positivamente a doença hepática gordurosa, o novo estudo ajuda a mostrar o potencial emocionante dessa intervenção natural simples, livre de drogas e não tóxica. Se necessário, obtenha alguns conselhos de coaching e comece hoje.

Lori Alton

As fontes para este artigo incluem:

ScienceDaily.com
WJGnet.com
NIH.gov
Healthline.com
NIH.gov
AJMC.com
Healthline.com

Alguns nutrientes que auxiliam a regeneração do fígado

A glicirrizina, um composto encontrado no alcaçuz, e que recentemente apresentamos como um poderoso agende antí-virus da SARS, também estimula a regeneração da massa e função do fígado no modelo animal de hepatectomia. Outras substâncias regenerativas do fígado incluem:

  1. Carvacrol (um composto volátil no orégano)
  2. Curcumina
  3. Ginseng Coreano
  4. Rooibos (chá)
  5. Vitamina E
  6. Extrato de uvas passas

Para facilitar a regeneração do fígado, sempre é interessante desintoxicar o mesmo. Existem protocolos de desintoxicação do fígado.

3 ervas poderosas que melhoram a saúde do fígado

Junto com a pele, os rins e o trato intestinal, o fígado é um dos principais órgãos do corpo para a remoção de venenos. O fígado faz muito para evitar que as toxinas se acumulem dentro do seu corpo e lhe causem danos, mas você ainda precisa cuidar dele para que possa continuar a cuidar de você.

Você pode ajudar na desintoxicação ou tomando remédios naturais para ajudar a melhorar a saúde do fígado. Muitos especialistas em saúde natural recomendam três ervas poderosas: bardana, folhas de dente-de-leão e cardo leiteiro (conhecido também como cardo mariano). Na verdade, pesquisas convincentes apoiam o papel que essas ervas têm na promoção da saúde do fígado, e você pode adicioná-las facilmente à sua rotina diária.

Aprenda como melhorar a saúde do fígado de forma rápida e natural

O fígado ajuda a remover toxinas do corpo, permite que o metabolismo ocorra e ajuda a regular a produção de hormônios. As doenças hepáticas comuns incluem cirrose, hepatite A, B e C, além de doença hepática gordurosa.

Você pode ajudar a proteger seu fígado comendo alimentos orgânicos, higiene adequada e limpando seu ambiente evitando produtos de higiene pessoal carregados com produtos químicos tóxicos, além de purificar o ar e a água diariamente. Mas, em alguns casos, os remédios à base de ervas podem ser úteis.

Quais ervas são melhores para ajudar a desintoxicar o corpo e melhorar a saúde do fígado?

Bardana , ou Arctium lappa, é uma erva cujas raízes podem ser comidas como vegetais, como é comumente feito na Ásia. Tem efeito diurético e o excesso de micção que produz pode ajudar a reduzir a pressão arterial. Também é conhecido como diaforético – o que significa que aumenta a transpiração. Lembre-se de que uma das melhores maneiras de desintoxicar o corpo é através do suor.

Outro benefício importante da raiz de bardana é seu alto teor de antioxidantes. Os antioxidantes da raiz de bardana podem ajudar a proteger o fígado contra substâncias tóxicas. Além disso, a bardana pode limpar o fígado, permitindo que ele desintoxique melhor o sangue.

O Dr. de Souza Predes do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Paraná no Brasil e seus colegas publicaram recentemente uma pesquisa investigando a capacidade da bardana de melhorar a saúde do fígado. Os autores descobriram que “os indicadores de função hepática mostraram que A. lappa [bardana] protegeu o fígado contra os danos da toxicidade do cádmio”.

Você pode comer raiz de bardana como um vegetal cozinhando-a. Você pode cozinhá-la no vapor, assá-la ou fazer um refogado, como as culturas asiáticas fazem, com óleo de gergelim torrado, molho de soja não OGM e flocos de pimenta-malagueta orgânica.

As raízes e folhas do dente-de-leão podem ajudar a melhorar a saúde do fígado, especialmente no caso da hepatite C. Taraxin, o composto ativo do dente-de-leão, é um colerético, o que significa que estimula a produção de bile pelo fígado. Isso ajuda na absorção e digestão de gordura, e outro benefício é combater a constipação.

Você pode cozinhar folhas de dente-de-leão com outras verduras ou sozinhas com cebola e alho. Você também pode usar raiz de dente de leão para fazer chá. 

O cardo leiteiro é outra erva conhecida por seus benefícios para a saúde do fígado. Tem sido usado para ajudar a tratar doenças hepáticas crônicas e hepatites B e C. Seu componente ativo é um composto chamado silimarina e, como o dente-de-leão, é um colerético.

As sementes de cardo leiteiro são mais potentes, mas você também pode comer o resto da planta. Por exemplo, você pode cozinhar os caules e as sementes depois de remover os espinhos e asse ou ferva as raízes.

É sempre melhor remover quaisquer agentes tóxicos conhecidos, de sua vida, antes de iniciar qualquer rotina suplementar. Obviamente, ao lidar com uma condição grave de saúde, é melhor trabalhar com um profissional de saúde experiente para desenvolver um plano de ação. Cuidando melhor de si mesmo, você pode colocar seu fígado em uma posição melhor para cuidar de si mesmo.

Dependendo da sua situação, os remédios de plantas geralmente fornecem uma maneira poderosa, porém segura, de melhorar a saúde geral sem efeitos colaterais prejudiciais.

Natalie Robins

As fontes deste artigo incluem:

NIH.gov
NIH.gov

As origens do Alzheimer remontam a uma dieta inadequada

A doença de Alzheimer começa quando a barreira hematoencefálica é rompida e as proteínas tóxicas entram, descobriram pesquisas inovadoras – mas o processo começa com uma dieta pobre.

As proteínas que se depositam no cérebro são chamadas de beta-amilóides – e embora esse acúmulo seja característico do Alzheimer, ninguém conseguiu descobrir como elas surgiram lá.

Pesquisadores da Curtin University, na Austrália, descobriram que eles são transportados por partículas carregadoras de gordura chamadas lipoproteínas.  

Em modelos de camundongos, os pesquisadores descobriram que proteínas tóxicas se originam no fígado, o que sugere que o processo que leva ao Alzheimer é iniciado com uma dieta pobre.

wddty 092021

(Fonte: PLOS Biology, 2021; 19: e3001358)

Descubra 10 incríveis benefícios para a saúde da CoQ10 (coração, colesterol, cérebro…)

Coenzima Q10, ou CoQ10, é um nutriente encontrado em muitos alimentos e ocorre naturalmente no corpo. É um poderoso antioxidante que atua na prevenção de danos às células, mas também tem várias vantagens cardiovasculares. É também um componente importante do metabolismo.

Vários estudos mostram como a CoQ10 ajuda a função cardiovascular e seus inúmeros benefícios em todo o corpo. Enquanto a maioria das pessoas saudáveis ​​obtém o suficiente do nutriente naturalmente por meio de sua dieta, algumas optam por tomar suplementos para tratar problemas de saúde específicos, como coração ou inflamação.

Mas há mais. Este nutriente incrível é muito benéfico para o corpo. Aqui estão 10 benefícios para a saúde de CoQ10.

Melhora a função cardiovascular e o fluxo sanguíneo.  É por isso que a CoQ10 é mais conhecida, e por um bom motivo. Aumenta os níveis de óxido nítrico no corpo, o que ajuda na dilatação das artérias. Isso, por sua vez, aumenta o fluxo sanguíneo, reduz a pressão arterial e melhora a função cardíaca.

Reduz o colesterol.  Em doses mais altas, a CoQ10 pode reduzir a oxidação do colesterol LDL no corpo. Muitas pessoas que tomam esse nutriente regularmente experimentam uma diminuição do colesterol.

Protege contra danos celulares e aumenta a função celular.  Em pelo menos um estudo, a CoQ10 foi o principal componente na prevenção do estresse oxidativo relacionado à idade. Também aumenta a produção de novas mitocôndrias, o que é vital para a energia celular. Também ajudou a livrar o corpo de mitocôndrias danificadas ou velhas.

Diminui a inflamação.  Estudos descobriram que a CoQ10 é essencial na promoção do crescimento e aumento de citocinas antiinflamatórias, enquanto causa a diminuição das citocinas pró-inflamatórias. Isso ajuda a diminuir a inflamação prejudicial no corpo.

Melhora os efeitos da síndrome metabólica.  Vários estudos testaram os efeitos da CoQ10 em pessoas com síndrome metabólica. Uma análise desses testes descobriu que o grupo que tomou o suplemento apresentou inflamação significativamente menor e melhorou a função celular do que um placebo.

Aumenta o desempenho físico e atlético.  Ambos os ratos e humanos que receberam CoQ10 apresentaram melhora no desempenho físico e diminuição da fadiga. O conteúdo de glicogênio nos músculos e no fígado também aumentou, o que, por sua vez, aumentou a energia.

Protege o músculo cardíaco das funções diminuídas relacionadas à idade.  CoQ10 desempenha um papel importante na saúde do coração – especialmente no envelhecimento do músculo cardíaco. Uma revisão mostrou que o suplemento pode ser benéfico para indivíduos com insuficiência cardíaca porque protege contra a redução da função de ATP do miocárdio devido à idade.

Melhora a pele para uma aparência mais jovem.  A suplementação com CoQ10 causou um aumento significativo da atividade mitocondrial. Isso aumenta a produção de ATP, que aumenta a produção de oxigênio, resultando em uma pele mais jovem e luminosa.

Protege o fígado contra lesões por paracetamol.  É bem sabido que os produtos paracetamol como o Tylenol podem causar danos ao fígado em algumas pessoas. Pelo menos um estudo sugere que tomar CoQ10 regularmente pode ajudar a proteger o fígado contra esse tipo de lesão. Também auxilia na remoção de mitocôndrias danificadas.

Reduz o risco de demência.  CoQ10 foi encontrado para proteger e melhorar a saúde do cérebro. Um estudo descobriu que as pessoas que tomaram o suplemento tiveram uma redução de 77% no risco de desenvolver demência.

C0Q10 tem vários benefícios que podem ser benéficos para todo o corpo, não apenas para o coração. Incorporar o suplemento em sua dieta diária pode ajudá-lo a viver uma vida mais saudável e feliz.

Stephanie Woods

As fontes deste artigo incluem:

LifeExtension.com
NIH.gov
NIH.gov

Como adoçantes artificiais destroem seu intestino

Uma nova pesquisa descobriu que os danos ao microbioma intestinal causados ​​por adoçantes artificiais são ainda maiores do que se pensava anteriormente.

Os cientistas descobriram que três dos adoçantes artificiais mais populares, incluindo sucralose (Splenda), aspartame (NutraSweet, Equal e Sugar Twin) e sacarina (Sweet’n Low, Necta Sweet e Sweet Twin) têm um efeito patogênico em dois tipos de intestino bactérias. 1

Especificamente, a pesquisa usando dados de laboratório foi publicada no International Journal of Molecular Sciences, 2 que demonstrou que esses adoçantes comuns podem fazer com que bactérias benéficas se tornem patogênicas e aumentem potencialmente o risco de graves problemas de saúde. Este é o primeiro estudo que demonstrou como dois tipos de bactérias benéficas podem adoecer e invadir a parede intestinal.

As bactérias estudadas foram Escherichia coli (E. coli) e Enterococcus faecalis (E. faecalis). Já em 2008, 3 pesquisadores descobriram que a Sucralose diminuiu a contagem de bactérias do seu intestino em pelo menos 47,4% e aumentou o nível de pH do seu intestino. Outro estudo descobriu que a Sucralose tem um efeito metabólico sobre as bactérias e pode inibir o crescimento de certas espécies. 4

Apenas 2 latas de refrigerante diet podem alterar bactérias benéficas

A pesquisa molecular atual da Angelia Ruskin University 5 descobriu que quando E. coli e E. faecalis se tornaram patogênicas, elas mataram células Caco-2 que revestem a parede do intestino. Muitas das pesquisas anteriores que demonstraram uma mudança nas bactérias intestinais usaram a Sucralose.

No entanto, os dados deste estudo 6 mostraram que uma concentração de duas latas de refrigerantes diet, usando qualquer um dos três adoçantes artificiais, pode aumentar significativamente a capacidade de E. coli e E. faecalis aderirem às células Caco-2 e aumentar o desenvolvimento de biofilmes bacterianos.

Quando as bactérias criam um biofilme, ele promove a invasão da parede celular intestinal. Os biofilmes tornam as bactérias menos sensíveis ao tratamento e mais propensas a expressar a virulência que causa a doença. Cada um dos três adoçantes testados também ativou a bactéria para invadir as células Caco-2, com uma exceção.

Os pesquisadores descobriram que a sacarina não teve um efeito significativo sobre a E. coli invadindo as células Caco-2. Havovi Chichger, Ph.D., autor principal e conferencista sênior em Ciências Biomédicas na Anglia Ruskin University, falou sobre os resultados do estudo em um comunicado à imprensa: 7

“Há muita preocupação com o consumo de adoçantes artificiais, com alguns estudos mostrando que os adoçantes podem afetar a camada de bactérias que sustenta o intestino, conhecida como microbiota intestinal.

Nosso estudo é o primeiro a mostrar que alguns dos adoçantes mais comumente encontrados em alimentos e bebidas – sacarina, sucralose e aspartame – podem fazer com que bactérias intestinais normais e “saudáveis” se tornem patogênicas. Essas alterações patogênicas incluem maior formação de biofilmes e aumento da adesão e invasão de bactérias nas células intestinais humanas.

Essas mudanças podem levar à invasão de nossas próprias bactérias intestinais e causar danos ao nosso intestino, o que pode estar relacionado a infecção, sepse e falência de múltiplos órgãos ”.

Adoçantes artificiais podem sabotar suas metas de dieta

Infelizmente, para muitas pessoas, seu desejo por doces se tornou um vício, alimentado por uma indústria de alimentos que continua a desenvolver alimentos altamente palatáveis, baratos e ultraprocessados carregados com açúcar, bem como adoçantes artificiais. Como tal, a indústria da dieta tornou-se um mercado-chefe para os fabricantes de alimentos de baixo teor calórico criados em laboratório que promovem a perda de peso.

Um estudo 8 da Escola de Saúde Pública do Instituto Milken da George Washington University em 2017 9 descobriu que houve um salto de 54% em adultos que usaram adoçantes de baixa caloria de 1999 a 2012. Isso representou 41,4% de todos os adultos nos EUA naquela época, ou 129,5 milhões de pessoas. 10 Em 2020, o número saltou para 141,18 milhões, 11 o que representava 42,6% da população. 12

Parece que o salto em adultos usando adoçantes de baixa caloria que ocorreu de 1999 a 2012 permaneceu estável até 2020. Isso pode ser devido em parte à evidência crescente de que adoçantes de baixa caloria, como Splenda, são um grande contribuinte para o número crescente de indivíduos com sobrepeso e obesidade. 13

Como a incidência de obesidade 14 e condições de saúde relacionadas à obesidade 15 continuam a disparar, os fabricantes procuram “alimentos perfeitamente elaborados” 16 para impulsionar as vendas e o consumo.

Consequentemente, a epidemia de obesidade é um dos mais importantes desafios de saúde pública global hoje, associada a 4,7 milhões de mortes prematuras em todo o mundo em 2017. 17 Pesquisas recentes sugerem que adoçantes artificiais podem contribuir para uma gama maior de problemas de saúde do que identificamos até agora. 18

Efeitos metabólicos de adoçantes com zero caloria

É importante reconhecer que, embora os adoçantes artificiais tenham poucas ou nenhuma caloria, eles ainda são metabolicamente ativos. 19 O New York Times 20 relatou que o FDA anunciou que estava proibindo a sacarina em alimentos e bebidas em 1977 porque estava ligada ao desenvolvimento de tumores malignos da bexiga em animais de laboratório. No entanto, a sacarina agora está aprovada para uso pelo FDA, que diz: 21

“No início da década de 1970, a sacarina foi associada ao desenvolvimento de câncer de bexiga em ratos de laboratório, o que levou o Congresso a exigir estudos adicionais sobre a sacarina e a presença de um rótulo de advertência em produtos contendo sacarina até que tal advertência se mostrasse desnecessária.

Desde então, mais de 30 estudos em humanos demonstraram que os resultados encontrados em ratos não eram relevantes para os humanos e que a sacarina é segura para consumo humano. ”

Mas só porque o FDA aprovou algo não significa que seja bom para você. Os cientistas explicaram que muitos estudos ligaram os adoçantes artificiais a um risco aumentado de obesidade, resistência à insulina, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica. Um artigo publicado na Physiology and Behavior 22 apresentou três mecanismos pelos quais adoçantes artificiais promovem a disfunção metabólica:

  • Eles interferem nas respostas aprendidas que contribuem para o controle da glicose e a homeostase energética
  • Eles destroem a microbiota intestinal e induzem a intolerância à glicose
  • Eles interagem com receptores de sabor doce expressos em todo o sistema digestivo que desempenham um papel na absorção de glicose e desencadeiam a secreção de insulina

Conforme demonstraram pesquisas anteriores e recentes, os adoçantes artificiais têm um efeito significativamente diferente no microbioma intestinal do que o açúcar. O açúcar é prejudicial porque tende a alimentar micróbios nocivos, mas os efeitos dos adoçantes artificiais podem ser piores, pois são totalmente tóxicos para as bactérias intestinais.

Um estudo 23 em animais publicado na revista Molecules analisou seis adoçantes artificiais, incluindo sacarina, sucralose, aspartame, neotame, Advantame e acessulfame de potássio-K. Os dados mostraram que todos eles causaram danos ao DNA e interferiram na atividade normal e saudável das bactérias intestinais.

As bebidas dietéticas aumentam o risco de morte prematura

Um estudo de 20 anos de base populacional 24 com 451.743 pessoas de 10 países europeus descobriu que também havia uma associação entre bebidas adoçadas artificialmente e mortalidade. Os pesquisadores excluíram participantes que já haviam tido câncer, derrame ou diabetes.

Na contagem final, 71,1% dos participantes do estudo eram mulheres. Os resultados mostraram que havia uma mortalidade geral mais alta em pessoas que bebiam dois ou mais copos de refrigerantes por dia, fossem adoçados com açúcar ou artificialmente. 25

Os pesquisadores mediram um copo como equivalente a 250 mililitros (8,4 onças), 26 o que é menos do que os 330 mililitros padrão (11,3 onças) por lata vendida na Europa. 27 Em outras palavras, os resultados do estudo foram baseados em menos de duas latas de refrigerante por dia.

Os pesquisadores descobriram que 43,2% das mortes foram por câncer, 21,8% por doenças circulatórias e 2,9% por distúrbios digestivos. 28 Em comparação com aqueles que bebiam menos refrigerantes (menos de um por mês), aqueles que bebiam dois ou mais por dia tinham maior probabilidade de ser jovens, fumantes e fisicamente ativos.

Os dados mostraram que havia uma ligação entre refrigerantes adoçados artificialmente e morte por doenças circulatórias e uma associação entre refrigerantes adoçados com açúcar e morte por doenças digestivas. 29 Isso sugere que políticas voltadas para o corte ou redução do consumo de açúcar podem ter consequências desastrosas quando os fabricantes reformulam seus produtos usando adoçantes artificiais.

Mais danos à saúde associados a adoçantes artificiais

Este mesmo estudo também encontrou uma ligação entre o consumo de refrigerantes e a doença de Parkinson 30 “com associações positivas não significativas encontradas para refrigerantes adoçados com açúcar e artificialmente adoçados.”

O aspartame é outro adoçante artificial que foi estudado nas últimas décadas. Em um estudo, 31 pesquisadores pediram a adultos saudáveis ​​que consumissem uma dieta rica em aspartame por oito dias, seguida por um washout de duas semanas e, em seguida, uma dieta pobre em aspartame por oito dias.

Durante o período de alto aspartame, os indivíduos sofreram de depressão, dor de cabeça e mau humor. Eles tiveram pior desempenho em testes de orientação espacial, que indicaram que o aspartame teve um efeito significativo na saúde neurocomportamental.

Um segundo estudo 32 avaliou se as pessoas com transtornos de humor diagnosticados eram mais vulneráveis ​​aos efeitos do aspartame. Os pesquisadores incluíram 40 indivíduos com depressão unipolar e aqueles sem qualquer histórico de transtorno psiquiátrico. O estudo foi interrompido após 13 completarem a intervenção devido à gravidade das reações.

Camundongos alimentados com água potável com aspartame desenvolveram sintomas de síndrome metabólica33 e outro estudo com animais 34 descobriu que o aspartame teve um efeito negativo na tolerância à insulina e influenciou a composição microbiana intestinal.

Um outro estudo com animais 35 determinou que a Sucralose afetou o fígado do animal, “indicando efeitos tóxicos na ingestão regular”. A descoberta sugere que “a Sucralose deve ser tomada com cuidado para evitar danos hepáticos”. 36

Os cientistas encontraram uma longa lista de sintomas associados ao consumo de Sucralose. Estes incluíram enxaquecas, 37 aumentaram o risco de diabetes tipo 2 38 e aumento do fígado e rins. 39 , 40

A alternativa do açúcar tem uma ação única sobre o açúcar no sangue

Existem vários substitutos do açúcar de origem vegetal, incluindo Stevia, Lo Han Kuo e alulose. A estévia é uma erva doce da planta da estévia sul-americana. É vendido como suplemento e pode ser usado para adoçar a maioria dos pratos e bebidas.

Lo Han Kuo é semelhante a Stevia, mas um pouco mais caro. Outra opção natural é a alulose. Embora o mercado no Japão seja significativo, 41 ele é relativamente desconhecido no Ocidente. A alulose é encontrada em pequenas quantidades em algumas frutas e recebeu uma designação de alimento geralmente considerada segura (GRAS) pelo FDA. 42

Os pesquisadores disseram que o composto tem um valor energético de “efetivamente zero” 43, o que sugere que esse açúcar raro pode ser útil como adoçante para pessoas obesas para ajudar na redução de peso.

Além de contribuir com pouca ou nenhuma caloria, a alulose provoca uma resposta fisiológica que pode ajudar a diminuir a glicose no sangue, reduzir a gordura abdominal e reduzir o acúmulo de gordura ao redor do fígado.

Dr. Mercola

Referências:

Os perigos ocultos nas embalagens dos alimentos

“Faça do seu jeito.” “Oh sim, nós fizemos.” “Estou adorando.” Esses slogans de fast food assumem um significado mais sombrio e sinistro quando você considera que seu próximo pedido de comida para viagem pode vir com um lado de produtos químicos para sempre. De caixas de pizza à prova de gordura a embalagens de fast-food, os recipientes que guardam seu fast-food podem abrigar uma ameaça invisível. Mas aqui está uma ameaça ainda maior à nossa saúde nacional: os gigantes químicos DuPont e Daiken sabiam dos perigos do PFAS (composto de substâncias per- e polifluoroalquil) amplamente usado em embalagens de alimentos desde 2010, mas manteve-o em segredo do público e da Food and Drug Administration (FDA).

De acordo com estudos obtidos pelo The Guardian , os produtos químicos, chamados 6: 2 FTOH, têm sido associados a doenças renais, danos ao fígado, câncer, danos neurológicos, problemas de desenvolvimento e doenças autoimunes. Os pesquisadores também encontraram taxas de mortalidade mais altas entre animais jovens e mães expostas aos produtos químicos. DuPont e Daiken disseram inicialmente ao FDA que os compostos eram mais seguros do que os tipos mais antigos de PFAS, mas ambos os gigantes químicos negaram estudos prejudiciais que indicavam altos níveis de toxicidade e não alertaram o público ou o FDA sobre novos dados internos.

Ocultar dados críticos não é novidade para gigantes químicos

Maricel Maffini, um pesquisador independente que estuda PFAS em embalagens de alimentos, diz que se o FDA tivesse visto os dados do estudo de Daiken de 2009 que ligava 6: 2 FTOH à toxicidade em fígados e rins de ratos de laboratório, é improvável que o PFAS tivesse sido aprovado.

O estudo da DuPont de 2012, que também foi ocultado do FDA, monitorou o impacto dos altos níveis de exposição ao produto químico em duas gerações de ratos de laboratório. Os animais sofreram insuficiência renal, lesão hepática, problemas na glândula mamária, dentes manchados e outros problemas.

A indústria química afirma que os compostos de cadeia curta são uniformemente seguros e “praticamente não tóxicos”. Pesquisadores independentes, no entanto, dizem o contrário e descobriram que os PFAS, independentemente do comprimento da cadeia, são tóxicos e se acumulam no meio ambiente e nos humanos.

O perigo escondido em um recipiente de fast-food é mais um motivo para comer alimentos frescos

Está um futuro livre de toxinas no horizonte? Pode ser. Talvez não.

Em 2020, a Food and Drug Administration dos EUA anunciou um acordo com três fabricantes de produtos químicos usados ​​em embalagens de alimentos para eliminar o FTOH 6: 2 nos próximos cinco anos. Empresas como Taco Bell, Whole Foods e Trader Joe’s prometeram ser proativas na busca de embalagens e recipientes que não contenham produtos químicos. Mas até que mais estados proíbam para sempre os produtos químicos e redes de restaurantes os evitem, os consumidores preocupados precisam estar vigilantes.

É importante observar que a eliminação gradual do FDA se aplica apenas a compostos FTOH 6: 2 e não inclui outros PFAS de “cadeia curta” semelhantes.

O que você pode fazer? Estudos demonstraram que caixas de papelão mais grossas têm menos probabilidade de conter PFAS do que outros recipientes, portanto, considere uma entrega que usa esse tipo de embalagem. No entanto, se você não quer correr o risco de receber uma porção de produtos químicos para sempre com sua pizza de sexta à noite, pule a comida para viagem.

O perigo escondido em um recipiente de fast-food é mais um motivo para comer alimentos frescos.

Damon Hines

As fontes deste artigo incluem:

The Guardian.com
Wired.com

O gengibre combate a doença de Alzheimer e a demência, revela novo estudo

O “envelhecimento da América” levou a taxas crescentes de doença de Alzheimer, uma condição neurodegenerativa relacionada à idade que atualmente afeta 6,2 milhões de adultos nos Estados Unidos. E o pior está por vir. De acordo com a Associação de Alzheimer, a incidência da doença de Alzheimer e demência dobra a cada 10 anos após os 60 anos – levando os especialistas a prever que os casos de declínio cognitivo dispararão para 13,8 milhões até o ano 2050.

Falando convencionalmente, atualmente não há cura para a doença de Alzheimer, caracterizada por profundas deficiências de memória e função cognitiva prejudicada. E, enquanto a medicina ocidental tenta aliviar os sintomas com medicamentos farmacêuticos como os inibidores da colinesterase, a ineficácia geral e os efeitos colaterais dessas drogas levaram os pesquisadores a buscar novas terapias naturais com potencial multi-direcionado. Mas, agora, uma nova revisão empolgante indica que o gengibre combate a doença de Alzheimer. Vejamos como esse alimento medicinal pode combater a doença de Alzheimer por meio de vários métodos de ação.

GRANDES NOTÍCIAS: Uma substância do gengibre atua contra biomarcadores e desencadeadores da doença de Alzheimer

Em uma nova revisão abrangente publicada em janeiro de 2021 na Biomedicine and Pharmacotherapy , os autores avaliaram estudos em células, animais e humanos envolvendo gengibre e seus constituintes – como gingeróis, shogaol e borneol.

Embora muitos dos compostos do gengibre tenham efeitos protetores sobre o cérebro, os revisores relataram que um em particular – o 6-gingerol – parecia prevenir aberrações nas proteínas beta-amilóides e agir contra o dano celular.

Esta é uma notícia empolgante – já que a doença de Alzheimer pode ocorrer quando proteínas beta-amilóides anormais se acumulam em “placas”, que por sua vez podem causar a morte de células cerebrais (neurônios). Proteínas beta-amiloides anormais também estão associadas a aberrações (fosforilações) em outro grupo de proteínas cerebrais conhecidas como tau. Isso pode levar à criação de filamentos neurofibrilares emaranhados, conhecidos como “emaranhados de tau”, que podem aumentar o risco de doença de Alzheimer. (Na verdade, os cientistas notaram que há uma forte conexão entre os níveis de tau fosforilada no líquido cefalorraquidiano e o declínio da função cognitiva na doença de Alzheimer).

Proteínas beta-amiloides mal dobradas também podem ter outros efeitos negativos. A exposição crônica induz a liberação de substâncias químicas inflamatórias (interleucinas) associadas ao Alzheimer.

A doença de Alzheimer e outras formas de demência também podem ser desencadeadas por estresse oxidativo, inflamação e reduções em antioxidantes importantes, como superóxido dismutase e glutationa .

Fortemente antiinflamatório, o gengibre ajuda a inibir as citocinas pró-inflamatórias e a reduzir a inflamação crônica. Os constituintes do gengibre também são antioxidantes potentes, ajudando a reduzir os radicais livres prejudiciais que podem danificar as proteínas beta-amilóide.

Os pesquisadores estão aprendendo exatamente como o gengibre combate a doença de Alzheimer

Além disso, os pesquisadores observaram que os constituintes do gengibre aumentam os níveis de superóxido dismutase e glutationa – as enzimas antioxidantes mais importantes do corpo – no fígado.

“Estudos demonstraram que os compostos fenólicos existentes… incluindo gingeróis e shogaols têm um efeito neuroprotetor em condições que afetam a memória e o processo de envelhecimento”, afirmaram os autores.

Em um estudo anterior publicado na Pharmacology and Therapeutics em 2018, os pesquisadores chegaram à mesma conclusão, relatando que o gengibre e seus constituintes melhoraram “a função cognitiva regulando a morte celular neuronal induzida pela placa beta-amilóide e deficiências de memória”.

Em ambas as revisões, os pesquisadores concluíram endossando o gengibre como um “nutracêutico seguro” que pode ser usado para combater doenças neurodegenerativas.

Estudo mostra que o gengibre melhora a função cognitiva em adultos mais velhos saudáveis

Há mais boas notícias, cortesia de um estudo anterior destacado pela revisão mais recente.

Em 2011, pesquisadores na Tailândia examinaram os benefícios do gengibre na função cognitiva em mulheres saudáveis ​​de meia-idade. Sessenta participantes do sexo feminino, com idade média de 53 anos, foram aleatoriamente designados para receber um placebo ou um extrato de gengibre padronizado – em 400 mg ou 800 mg por dia – por dois meses.

A equipe descobriu que os grupos tratados com gengibre desfrutaram de melhorias significativas na memória de trabalho. A dose diária de 800 mg pareceu ser mais eficaz, com os pesquisadores observando que melhorou o poder da atenção e a velocidade e qualidade da memória. Eles atribuíram ao 6-gingerol os efeitos terapêuticos, observando que aumentava os níveis de acetilcolina, um neurotransmissor essencial para o aprendizado e a memória. Eles também sugeriram que os fortes efeitos antioxidantes dos gingeróis e shogaols desempenhavam um papel.

Acrescentando que nenhum efeito adverso sério foi relatado, os cientistas creditaram o gengibre como um tônico cerebral potencial para melhorar o funcionamento cognitivo de mulheres de meia-idade.

Significativamente, o gengibre parecia ter um papel importante em ajudar a evitar o declínio cognitivo leve, que pode ser um precursor da doença de Alzheimer.

Gengibre – um produto básico respeitado nos sistemas de cura da medicina ayurvédica e da medicina tradicional chinesa – oferece PODEROSOS benefícios à saúde

Botanicamente conhecido como Zingiber officinale, o gengibre tem uma longa e venerável história como erva medicinal. Desde a antiguidade, a raiz de gengibre tem sido usada na Ayurveda para cólicas infantis, bronquite, indigestão e doenças respiratórias. Tem sido utilizado na China para apoiar a saúde cardíaca, tratar dores de garganta, eliminar doenças infecciosas, eliminar parasitas e até mesmo prevenir derrames. Talvez o mais significativo seja o fato de que o gengibre tem uma longa história de uso na medicina tradicional persa para tratar problemas de memória e demência.

Estudos modernos demonstraram que o gengibre não protege apenas o sistema neurológico, mas também o trato intestinal e o fígado. Além disso, ajuda a modular o sistema imunológico – tornando-se uma potencial intervenção para doenças autoimunes – ajuda a baixar o açúcar no sangue e é antioxidante, antiinflamatório, analgésico e anticâncer. Além de seus outros usos, o gengibre é comumente recomendado para aliviar náuseas, indigestão e enjôo.

O sabor picante do gengibre o torna um complemento ideal para receitas diárias

Você pode adicionar raiz de gengibre fresco ralado a sopas, vegetais e saladas, ou sumo e usá-lo para adicionar um pouco de “zing” a um smoothie. Você também pode preparar fatias de raiz fresca para um chá saboroso.

O extrato suplementar de gengibre está disponível em cápsulas, em lojas de produtos naturais geralmente recomendando quantidades que variam de 400 mg a 2.000 mg por dia. No entanto, consulte seu médico integrador antes de usar gengibre suplementar.

A doença de Alzheimer, uma condição devastadora que rouba a memória e cognição preciosas dos adultos idosos, é atualmente a sexta causa de morte nos Estados Unidos. A nova pesquisa, mostrando que o gengibre combate o Alzheimer, não poderia vir em melhor hora. Esperemos que as boas notícias sobre seu incrível potencial para prevenir e tratar a demência não sejam esquecidas pela medicina ocidental.

Lori Alton

As fontes deste artigo incluem:

Wiley.com
NIH.gov
Hindawi.com
ScienceDirect.com

Beterraba (e folhas) – melhora a função hepática removendo toxinas

Se você está tentando alcalinizar o corpo e otimizar sua saúde, as folhas de beterraba seriam uma escolha inteligente. Com um sabor amargo terroso – essas verduras têm a reputação de ajudar a regenerar e reativar as células vermelhas do sangue, fornecendo oxigênio para todo o corpo. Mas, o mais importante, a beterraba pode ajudar a desintoxicar o corpo, inibir o crescimento de células cancerosas e eliminar a constipação.

Os antigos romanos estavam entre as primeiras civilizações a consumir beterraba. Surpreendentemente, eles comeram as folhas de beterraba por seu valor medicinal, enquanto as raízes eram descartadas. Apenas muitos anos depois eles descobriram que as raízes eram comestíveis e rapidamente se tornaram bastante populares – especialmente (agora) na comunidade de saúde natural.

A beterraba contém compostos poderosos que regeneram a função hepática

Um estudo de 2012 investigou a ação protetora do fígado das folhas de beterraba em culturas de fígado de ratos e ratos com hepatotoxicidade. Os estudos em tubo de ensaio usaram uma fração de n-butanol das folhas de beterraba, e os ratos foram alimentados com doses de 50, 100 e 200 mg / kg. Os estudos de tubo de ensaio e de laboratório mostraram efeitos protetores do fígado significativos. Este estudo concluiu que a beterraba tem um potente efeito hepatoprotetor contra a toxicidade hepática induzida pelo etanol e pode ter um grande papel potencial no tratamento da doença hepática alcoólica.

Além disso, a beterraba também é rica em fitoquímicos, como betalaínas – betacianinas (pigmentos vermelho-violeta), betaxantinas (pigmentos amarelos), flavonóides, polifenóis, vitaminas e minerais. Segundo a pesquisa, a combinação de fito-pigmentos e efeito antioxidante exerce uma importante ação protetora do fígado. A beterraba fornece cerca de 13 mg do aminoácido essencial triptofano em uma xícara.

Além disso, o triptofano ajuda a produzir o neurotransmissor serotonina – que regula o humor e os ciclos do sono em humanos. A ingestão de triptofano adequado na dieta ajuda a prevenir desequilíbrios de humor e promover ciclos de sono saudáveis, aspectos importantes da desintoxicação.

Atenção, amantes da beterraba: folhas de beterraba carregadas de nutrientes, e você pode saboreá-las de várias maneiras

As folhas de beterraba são da mesma família da acelga e do espinafre. Assim como a couve e o bok choy, essas verduras são uma grande fonte de carotenóides mistos – luteína e zeaxantina. Uma xícara de verduras fornece cerca de 275 microgramas de luteína, 48% do valor diário de vitamina A, 190% do valor diário de vitamina K e 19% do valor diário de vitamina C.

As folhas de beterraba são fáceis de preparar e você pode apreciá-las cruas em saladas, sucos ou vitaminas. Para cozinhar, não exagere – uma fervura rápida ou vapor, em seguida, adicione um pouco de azeite de oliva extra virgem a gosto. Outra boa ideia é combinar folhas de beterraba com feijão-mungo para fazer uma salada nutritiva. Use as verduras dentro de 2 a 3 dias após a refrigeração – então use-as rapidamente.

Aqui está o que você deve ter em mente ao escolher e armazenar folhas de beterraba

Escolha folhas de beterraba verdes escuras com beterrabas de aparência fresca anexadas. Verduras murchas ou amareladas são pobres em nutrição e devem ser evitadas. Certifique-se de armazenar as verduras em recipientes de vidro grandes e secos junto com uma tira de papel-toalha para absorver o excesso de umidade ou guarde-os em recipientes de vegetais bem fechados na geladeira. Essas verduras são facilmente suscetíveis a murchar – então coma-as todas em 3-5 dias. Nunca deixe as folhas verdes em sacos plásticos de produtos agrícolas, pois elas estragam muito rapidamente. Como acontece com qualquer folhagem verde, escolha orgânico sempre que possível.

Lembre-se de que a beterraba – e suas verduras – contém oxalatos. Se você tem problemas renais ou de vesícula biliar – converse com um profissional de saúde natural sobre como incorporar vegetais de folhas verdes escuras em sua dieta. Sempre que você pensa em desintoxicação – é importante ter certeza de que todas as suas vias de eliminação estão funcionando corretamente. Uma dieta rica em verduras o ajudará a melhorar seu metabolismo e a livrar o corpo de substâncias indesejáveis ​​(tóxicas) como metais pesados, excesso de cálcio e pesticidas (para citar alguns).

Não espere até que algo ruim aconteça com você – cuide bem de si mesmo e aproveite as recompensas de um estilo de vida saudável.

Sara Middleton

As fontes deste artigo incluem:

NIH.gov
NutritionAdvance.com
NIH.gov

Alerta de saúde para crianças que bebem água tratada com flúor

Aqui está o problema com as toxinas ambientais: nem sempre é preciso muito para causar estragos no corpo humano … às vezes, é simplesmente ser exposto a pequenas quantidades repetidas vezes que acabará por levar a danos a longo prazo – mesmo que o os níveis absolutos estão dentro dos chamados “limites toleráveis”. Na verdade, pesquisas recentes oferecem um exemplo perfeito disso quando se trata da exposição ao flúor.

Em 1945, Grand Rapids MI começou a adicionar flúor à água potável pública como uma forma de “melhorar” a saúde bucal de seus residentes, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Logo depois, outras cidades seguiram o exemplo.

Mas agora, esses dados da Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai se somam a uma lista crescente de evidências que questionam essa “fluoretação em massa” dos EUA, especialmente quando se trata de proteger a saúde de crianças e adolescentes.

Água fluoretada pode causar danos a órgãos nos rins e no fígado de crianças pequenas

Há cerca de um ano, uma equipe de pesquisadores publicou os resultados de seu estudo investigacional na revista  Environment International . O estudo, que analisou a relação entre os níveis de flúor na água potável (para 1.742 crianças) e no sangue (de 1.983 crianças) e a função hepática e renal, envolveu participantes da conhecida Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (NHANES), um grande grupo de estudos usado para avaliar a saúde nos EUA.

Aqui estão os resultados preocupantes:

Há uma relação dose-dependente com a exposição ao flúor e diminuição da função hepática e renal em crianças . Isso significa que quanto mais exposição você tem, pior os danos aos órgãos podem se tornar com o tempo.

Os autores encontraram essa relação mesmo quando a exposição ao flúor foi considerada crônica e de baixo nível (exatamente como é para a maioria de nós que bebemos água pública). E para piorar as coisas, crianças com funções hepáticas e renais deficientes podem acabar absorvendo ainda  mais  flúor.

Além de danos ao fígado e rins, problemas adicionais que podem ser causados ​​pela exposição ao flúor incluem metabolismo proteico prejudicado, disfunção da tireoide e QI reduzido.

Danos em órgãos devido à exposição ao flúor já foram observados em adultos e em modelos animais.

E acontece que o corpo de uma criança não é tão eficaz em excretar flúor quanto o corpo de um adulto – apenas cerca de 45% do flúor é eliminado pelos rins através da urina em crianças, enquanto 60% dele é eliminado pelos adultos.

Em outras palavras: não podemos dizer que estamos surpresos em saber que o flúor faz mal à saúde infantil.

Quase três quartos do sistema público de água dos EUA contaminado com flúor – veja como você pode reduzir a exposição de seus filhos a este produto químico

Até 74% da água potável pública dos EUA contém flúor . Mas, obviamente, beber água é uma necessidade para a saúde.

Então o que fazer?

  • Instale um sistema de purificação de água de alta qualidade em sua casa
  • Se você for usar água engarrafada, procure a marca da mais alta qualidade possível
  • Coma sua água: alimente a si mesmo e a seus filhos muitas frutas e vegetais hidratantes (orgânicos e de origem local, sempre que possível)

Sara Middleton

As fontes deste artigo incluem:

Healthimpactnews.com
Eurekalert.org
Mountsinai.org
CDC.gov

Flúor e o nazismo- As primeiras pesquisas com ingestão de flúor em humanos foram feitas em campos de concentração nazistas com o intuito de acalmar os prisioneiros, que ingeriam o íon a partir da água com até 1500 ppm de flúor. O resultado gerava uma espécie de apatetamento, os prisioneiros cumpriam melhor suas tarefas sem questioná-las. Com o mesmo objetivo o flúor é adicionado a alguns medicamentos psiquiátricos hoje em dia. Mais de 60 tranquilizantes largamente utilizados contêm flúor, como Diazepan, Valium e Rohypnol, da Roche, ligada à antiga I.G.Farben, indústria química que atuou a serviço da Alemanha nazista. http://www.theforbiddenknowledge.com/hardtruth/fluoridation.htm

Fonte:

Sul21