Alternativas para a ansiedade

É perfeitamente normal sentir-se ansioso de vez em quando, especialmente com tudo o que está acontecendo no mundo agora. Mas para algumas pessoas, a ansiedade é um problema crônico que interfere na vida cotidiana. O transtorno de ansiedade generalizada é diagnosticado quando a preocupação é difícil de controlar na maioria dos dias por pelo menos seis meses e é acompanhada por três ou mais dos seguintes sintomas: inquietação ou sensação de nervosismo, cansaço fácil, dificuldade de concentração, irritabilidade, tensão e distúrbios do sono. 1

O tratamento padrão são medicamentos benzodiazepínicos ou antidepressivos, que podem apresentar efeitos colaterais graves, como dependência, disfunção sexual e pensamentos suicidas. 2

A terapia cognitivo-comportamental (TCC), ou terapia de fala, pode ser uma alternativa eficaz, 3 mas há muitas outras opções sem drogas a serem consideradas. Aqui está um resumo do que funciona. 

Faz uma pose 

Praticar ioga duas vezes por semana durante dois meses levou a uma redução acentuada nos níveis de ansiedade em um estudo com mulheres com transtornos de ansiedade. 5 Outro estudo, que descobriu que a ioga era mais eficaz do que caminhar para melhorar o humor e a ansiedade em pessoas saudáveis, sugere que a técnica mente-corpo pode funcionar aumentando os níveis do neurotransmissor GABA (ácido gama-aminobutírico) no cérebro. 6

Mexa-se 

O exercício é eficaz para aliviar a ansiedade em pessoas com transtornos de ansiedade. Um estudo recente descobriu que tanto o treinamento cardiovascular quanto o de resistência funcionam bem, mas o treinamento de alta intensidade teve uma ligeira vantagem sobre o treinamento de baixa intensidade. 4

O principal é encontrar uma forma de atividade que você goste, para que você a faça pelo menos três vezes por semana e continue com ela.

Apimentar 

A curcumina, um composto da cúrcuma, parece ser útil para os sintomas de ansiedade quando tomada como suplemento, de acordo com vários estudos. 7 A curcumina também aumenta a síntese do ácido graxo ômega-3 ácido docosahexaenóico (DHA), que é essencial para a função cerebral. E baixos níveis de DHA estão ligados à ansiedade. 8

Procure um suplemento contendo extrato de pimenta preta para ajudar na absorção e tome com uma refeição gordurosa. 

Dosagem sugerida: Experimente Pure Encapsulations Curcumin 500 e siga as instruções do rótulo 

Experimente outros suplementos 

Certas deficiências nutricionais têm sido associadas à ansiedade e outras condições de saúde mental, 9 por isso é uma boa ideia consultar um naturopata que possa organizar os testes certos para você e recomendar suplementos e dosagens adequadas. Mas aqui estão os suplementos nutricionais que se mostraram úteis para a ansiedade em estudos científicos. 

Magnésio. Tomar suplementos deste mineral melhorou os sintomas do transtorno de ansiedade generalizada em um estudo. 10 Suplementos de magnésio também se mostraram úteis para pessoas com ansiedade leve e ansiedade associada à pressão alta e à síndrome pré-menstrual (TPM). 11

Ômega-3. Uma análise conjunta de 19 estudos descobriu que uma dosagem de pelo menos 2.000 mg/dia de ácidos graxos ômega-3 reduziu efetivamente os sintomas de ansiedade. 12 

Vitaminas B. Tomar suplementos multivitamínicos e minerais, particularmente aqueles com altas doses de vitaminas do complexo B, pode reduzir a ansiedade e melhorar o humor, relatou uma revisão de oito estudos. 13 Um estudo de um suplemento do complexo B contendo as formas ativas das vitaminas B1, B2, B3, B5, B6, B12, folato e biotina melhorou significativamente a ansiedade, a depressão e a qualidade de vida em comparação com um placebo. 14

Aminoácidos. A suplementação com L-lisina e L-arginina por uma semana reduziu a ansiedade em homens e mulheres saudáveis ​​expostos a situações estressantes. Tomar L-lisina sozinha também demonstrou reduzir a ansiedade crônica em pessoas com baixa ingestão alimentar do aminoácido. 15

Probióticos. Um desequilíbrio no microbioma intestinal tem sido associado ao transtorno de ansiedade generalizada, 16 portanto, tomar prebióticos e probióticos pode ser útil. Pesquisas mostram que tomar probióticos pode melhorar vários sintomas psicológicos, especialmente a ansiedade. 17

Vitamina D. Homens e mulheres com transtorno de ansiedade generalizada e deficiência de vitamina D receberam tratamento padrão com ou sem uma alta dose semanal de vitamina D por três meses. Apenas aqueles no grupo da vitamina D tiveram uma melhora significativa nos sintomas. 18

Obtenha ajuda de ervas 

Maracujá ( Passiflora incarnata ). Esta erva foi tão eficaz quanto a droga anti-ansiedade oxazepam para transtorno de ansiedade generalizada em um estudo. 19 

Camomila ( Matricaria recutita ). Famosa por suas propriedades calmantes, a camomila foi significativamente melhor do que um placebo na redução dos sintomas em pacientes com ansiedade crônica. 20  

Aprenda a relaxar 

Técnicas de relaxamento, incluindo o relaxamento progressivo de Jacobson, treinamento autógeno, relaxamento aplicado e meditação, podem reduzir significativamente a ansiedade. 21 A meditação parece ser a mais eficaz 22 e é simples de aprender. Confira aplicativos de meditação como Headspace e Calm, ou procure no YouTube guias e exercícios de meditação gratuitos.  

Coma bem 

Evidências sugerem que as seguintes estratégias dietéticas podem ser úteis para a ansiedade. 

NÃO coma alimentos inflamatórios como doces e bolos, grãos refinados, carnes vermelhas e processadas e alimentos processados ​​em geral. 24

Abasteça -se de alimentos prebióticos e probióticos para promover um microbioma intestinal saudável. 25 Alimentos prebióticos incluem alho, alcachofras, cebolas, alho-poró, aspargos e bananas, enquanto os probióticos são encontrados em kefir, kimchi, natto, chucrute e iogurte.  

NÃO consuma adoçantes artificiais como o aspartame, que tem sido associado à ansiedade. 26

Coma peixes gordurosos, como cavala, sardinha e salmão, pois é rico em ácidos graxos ômega-3 anti-ansiedade. 27

NÃO consuma muita cafeína, o que pode exacerbar os sintomas de ansiedade. 28 Cuidado com chá, refrigerantes, bebidas energéticas, produtos de cacau e medicamentos, bem como café. 

Tente tocar 

A Técnica de Libertação Emocional (EFT) ou ‘tapping’ é conhecida por aumentar o bem-estar mental. A técnica de auto-ajuda envolve tocar em pontos específicos do corpo em sequência, enquanto se concentra em uma emoção negativa. Um estudo relatou uma redução de 40% nos sintomas de ansiedade depois que os voluntários participaram de um workshop de EFT de 4 dias. 23

Para saber mais sobre EFT e como acessar meditações de toque gratuitas, visite www.thetappingsolution.com . 

Wddty 022022

Referências
Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª ed. Associação Americana de Psiquiatria, 2013
Comportamento do Viciado, 1999; 24: 537–41; Psiquiatra Ann, 1998; 28:89–97; Eur Arch Psiquiatria Clin Neurosci, 2008; 258 Suprimento 3: 3–23
J Clin Psychol, 2019; 75(7): 1188–202
J Desordem Afetiva, 2022; 297: 26–34
Complemento Ther Clin Pract, 2009; 15(2): 102–4
J Altern Complement Med, 2010; 16(11): 1145-52
Crit Rev Food Sci Nutr, 2020; 60(15): 2643-53; Phytother Res, 2020; 34(4): 896-903; Chin J Integral Med, 2015; 21(5): 332–8
Biochim Biophys Acta, 2015; 1852(5): 951-61
Psiquiatria Indiana J, 2008; 50(2): 77–82
10PLoS Um, 2017; 12(6): e0180067
11 Nutrientes, 2017; 9(5): 429
12JAMA Netw Open, 2018; 1(5): e182327
13Psicosom Med, 2013; 75(2): 144–53
14Psiquiatria ISRN, 2013; 2013: 621453
15Biomed Res, 2007; 28(2): 85-90
16J Psiquiatra Res, 2018; 104: 130–6
17J Gastrointestin Liver Dis, 2020; 29(1): 77–83; Nutr Neurosci, 2020; 23(3): 237–50
18Metab Brain Dis, 2019; 34(6): 1781-6
19J Clin Pharm Ther, 2001; 26(5): 363-7
20J Clin Psicofármaco, 2009; 29(4): 378–82
21BMC Psiquiatria, 2008; 8: 41
22Psicol Med, 2019; 49(13): 2118–33
23J Evid Based Integr Med, 2019; 24: 2515690X18823691
24Clin Nutr, 2018; 37(5): 1485-91
25Psiquiatria de Frente, 2021; 12: 598119
26Nutr Neurosci, 2018; 21(5): 306-16
27Psiquiatria de Frente, 2021; 12: 598119
28 Arch Gen Psiquiatria, 1992; 49(11): 867–9

Constipação? 9 laxantes naturais

A constipação é geralmente descrita como tendo menos de três evacuações por semana ou evacuação de fezes duras e secas. Afeta quase 16% dos adultos e 30% daqueles com mais de 65 anos. As 10 principais causas de constipação são:

  • síndrome do intestino irritável;
  • falta de fibra;
  • medicamentos antiácidos com hidróxido de alumínio ou cálcio;
  • uso excessivo de laxantes e opioides analgésicos;
  • estresse;
  • distúrbios alimentares;
  • muitos laticínios;
  • outros medicamentos como antidepressivos e medicamentos para pressão arterial;
  • doenças como diabetes tipo 2, doença de Parkinson, esclerose múltipla, hipotireoidismo ou doenças gastrointestinais;
  • Gravidez.

A comunidade médica concorda que os primeiros tratamentos para aliviar a constipação devem ser mudanças no estilo de vida – muita água, exercícios e fibras. Certos alimentos ricos em fibras – linhaça, kiwi, psyllium e figos – bem como probióticos e prebióticos foram encontrados entre os melhores laxantes naturais.

1. Mantenha-se hidratado

A água é essencial para as funções naturais do seu corpo. A desidratação pode causar constipação crônica porque, se você não tiver água suficiente no corpo, o intestino grosso absorve a água dos resíduos alimentares, o que causa fezes duras e difíceis de eliminar. Em geral, beba oito xícaras de água por dia, mas aumente o consumo de líquidos durante exercícios e clima quente, pois você pode ficar desidratado facilmente.

2. Seja ativo

Pessoas que se exercitam regularmente geralmente não desenvolvem constipação. Os exercícios ajudam a constipação, diminuindo o tempo que os alimentos levam para passar pelo intestino grosso e diminuindo a quantidade de água que seu corpo absorve das fezes, o que afeta a dureza das fezes.

O exercício aeróbico acelera a respiração e os batimentos cardíacos, o que estimula a contração natural dos músculos intestinais. Portanto, adicione um plano de caminhada regular para ajudar o seu sistema digestivo a funcionar da melhor forma e, em seguida, considere exercícios aeróbicos como correr, correr, nadar ou andar de bicicleta e treinar com pesos para manter os músculos fortes.

3. Coma alimentos ricos em fibras

Quase 95% dos adultos na América comem uma dieta pobre em fibras. Uma das maneiras melhores e mais fáceis de aumentar as fibras é ter certeza de incluir muitas frutas e vegetais inteiros em sua dieta. Normalmente, os adultos precisam de 20 a 25 gramas de fibra por dia, dependendo da idade para sua saúde.

Legumes como grão de bico, lentilha e feijão são vegetais ricos em fibras que ajudam a prevenir a constipação. Folhas verdes como espinafre, couve e repolho são alimentos ricos em fibras que também adicionam magnésio, que mantém a água nas fezes, amolecendo-a e permitindo um movimento rápido pelo sistema. Fibra de fruta encontrada em frutas vermelhas, manga, amora, pêssegos, damascos, ameixas e passas aumenta sua regularidade e previne a constipação.

4. Linhaça

A linhaça é uma fibra forte que é um laxante natural altamente eficaz. Em um estudo com 53 pacientes com diabetes tipo 2 constipados que receberam 10 gramas de semente de linhaça pré-misturada em biscoitos duas vezes por dia ou biscoitos de placebo por 12 semanas, o grupo que comeu semente de linhaça melhorou os sintomas de constipação, peso e níveis glicêmicos e lipídicos em comparação com o controle grupo.

4. Kiwi

Recrutando 33 pacientes constipados e 20 voluntários saudáveis ​​para um tratamento de quatro semanas com kiwi duas vezes ao dia, a fibra do kiwi foi encontrada para efetivamente aliviar a constipação crônica, melhorar os hábitos intestinais e diminuir o número de dias de uso de laxantes. Um total de 32 participantes foram inscritos em um estudo de 16 semanas com indivíduos que receberam três kiwis ou 14,75 gramas de Metamucil (cinco gramas de fibra dietética) por dia durante quatro semanas, seguido por um washout de quatro semanas (linha de base) entre tratamentos.

O número de evacuações por semana foi significativamente maior durante o consumo diário de três kiwis em comparação com os tratamentos de referência e Metamucil. Kiwis produziu fezes mais moles e menos tensas, dor abdominal, prisão de ventre e indigestão.

Cinquenta e oito participantes com constipação moderada foram randomizados para extrato de kiwi ou placebo por um período de três semanas, com resultados que mostram aumentos significativos na frequência de defecação, melhorias na pontuação fecal e menos defecação / dor abdominal no grupo tratado com kiwi sem efeitos colaterais de diarreia, urgência ou dor abdominal – sintomas da síndrome do intestino irritável.

6. Figos

Em um estudo com 40 indivíduos com constipação funcional – menos de três evacuações por semana, fezes duras e dificuldade para evacuar – os pacientes receberam uma pasta de figo – aproximadamente três figos – ou uma pasta de placebo por oito semanas. O grupo do figo experimentou uma redução significativa no tempo de trânsito do cólon – de 63 para 38 horas – e fezes mais moles em comparação com o placebo.

7. Psyllium

Em pesquisas com 24 pacientes saudáveis ​​e constipados, a suplementação com psyllium aumentou a água nas fezes e foi associada a mudanças significativas na microbiota, principalmente em pacientes constipados. Em um estudo com 132 pacientes com doença do refluxo gastroesofágico  e constipação funcional, o psyllium aliviou a constipação, o que melhorou a doença do refluxo e suas recorrências comparativamente àqueles que receberam omeprazol, um medicamento comum de tratamento com efeitos colaterais significativos.

8. Probióticos

Os probióticos adicionam diferentes cepas de bactérias ao seu intestino, o que ajuda a torná-lo mais saudável e está relacionado a melhorias na constipação. Os probióticos podem ser encontrados nos alimentos que você ingere, como iogurte, leite fermentado (kefir), chucrute, kombucha, tempeh e picles ou em suplementos.

Em um estudo com 135 mulheres adultas constipadas tomando 100 gramas de kefir versus um controle por uma e duas semanas, o tratamento com kefir foi altamente eficaz em comparação com o controle para frequência de fezes, condição de defecação e consistência das fezes em mulheres adultas com constipação em ambos os períodos de consumo.

O probiótico Lactobacillus reuteri e o magnésio foram comparados com um placebo em 60 crianças, que tinham de 6 meses a 6 anos de idade, e ambos os tratamentos foram significativamente mais eficazes do que o placebo no controle da constipação funcional. No entanto, o probiótico era mais fácil para microbioma, ou micróbios intestinais. Uma mistura de probióticos – bifidobactérias e lactobacilos – foi administrada a crianças constipadas com idades entre 4 e 16 anos durante quatro semanas, com efeitos muito positivos também na constipação.

Um total de 11 ensaios clínicos com 13 tratamentos probióticos incluindo 464 indivíduos foram meta-analisados ​​e mostraram que os probióticos diminuíram o tempo de trânsito intestinal, com maiores efeitos em adultos constipados ou idosos e com certas cepas probióticas em comparação com os controles.  Da mesma forma, em uma meta-análise de 14 estudos representando 1.182 pacientes, os probióticos melhoraram significativamente o tempo de trânsito intestinal inteiro, a frequência das fezes e a consistência das fezes.

9. Prebióticos e simbióticos

Os prébióticos servem como alimento para as bactérias saudáveis ​​em seu intestino e são encontrados na cebola, alho, alho-poró, raiz de chicória, mel, maçã, aspargo, banana e alcachofra de Jerusalém. Sinbiótico significa uma combinação de prebióticos e probióticos.

Em uma meta-análise de cinco estudos envolvendo 199 pacientes que receberam prebióticos e oito estudos envolvendo 825 pacientes administrados com simbióticos, os prebióticos aumentaram a frequência semanal de fezes e melhoraram a consistência das fezes. Os simbióticos melhoraram significativamente a frequência das fezes, a consistência e o tempo de trânsito intestinal inteiro também.

Galacto-oligossacarídeos e fruto-oligossacarídeos com combinações de probióticos (simbióticos) tiveram os efeitos mais fortes sobre os sintomas relacionados à constipação. Em um estudo com 297 pacientes obesos que experimentaram constipação durante um programa de perda de peso, aqueles que usaram simbióticos melhoraram a constipação, enquanto aqueles que usaram laxantes medicamentosos uma vez por semana pioraram os sintomas de constipação.

Um simbiótico – leite fermentado com múltiplas cepas probióticas e fibra prebiótica – ou um placebo foi dado por quatro semanas a 120 pacientes com doença de Parkinson com constipação e o simbiótico foi superior ao placebo na melhora da constipação.

Dra. Diane Fulton 

Aprenda como o estresse afeta sua saúde intestinal

De acordo com a treinadora de mentalidade Cara Wheatley-McGrain, que venceu sua doença inflamatória intestinal com uma abordagem holística, aprender como o estresse afeta seu intestino é a chave para mantê-lo saudável e feliz.

Você já reparou como o seu apetite é afetado por como você se sente? Quando você está ansioso, deprimido ou estressado, pode comer demais ou ter dificuldade para comer. De qualquer maneira, seu sistema digestivo ficará desequilibrado. Um pouco de estresse de curto prazo está bem, mas quando experimentamos estresse de forma sustentada, ele se torna um problema e afeta o intestino de algumas maneiras específicas. 

Seu intestino e cérebro estão conectados pelo nervo vago. Seu trabalho é comunicar informações diretamente de seus órgãos (especificamente o intestino) para o cérebro, e é uma relação bidirecional. Se você nunca ouviu falar do vago, é hora de uma apresentação. 

Esse nervo longo e errante começa na base do cérebro, abaixo das orelhas, e continua ao longo do lado da garganta, do coração, dos pulmões e do intestino. E é por isso que é tão fascinante. O nervo vago é tecido na parede do intestino. Portanto, o que acontece no vago nunca fica apenas no vago. Acontece que o vago desempenha um papel fundamental no apoio à nossa saúde física e mental. 1

O que isso significa para você e seu instinto? Como humanos, vivemos entre dois estados-chave, com o sistema nervoso simpático ou parassimpático ativado. 

Quando estamos estressados, o cérebro ativa as glândulas supra-renais para liberar os hormônios adrenalina e cortisol. Esses hormônios alimentam uma série de reações. Sob estresse, nosso sistema nervoso simpático é dominante. Quando estamos no modo de estresse, estamos em nosso vôo ou prontidão para lutar. 

Durante a fuga ou luta, nosso corpo desvia sangue para os músculos e o coração, e isso reduz o suprimento de sangue para o intestino. Enquanto tudo isso acontece, os sucos digestivos são reprimidos. Não precisamos de hambúrguer e batatas fritas quando estamos nos preparando para fugir ou lutar. Portanto, menos saliva, menos suco gástrico. 

Imagine seus ancestrais caçando um animal grande e assustador. A resposta ao estresse era um sistema altamente eficiente e sensível. Funcionou bem para esse tipo de situação repentina de alto risco. Animal grande e assustador: o cortisol inunda nosso sistema, aumentando os níveis de gordura e açúcar na corrente sanguínea para alimentar nossos músculos prontos para a ação. É por isso que, após um surto de estresse, você pode se sentir esgotado. 

Logo após um evento estressante, você tem uma forte atração biológica para reabastecer, e milhares de anos de evolução significam que você está mais propenso a buscar energia com alto teor de gordura e açúcar. Esse coquetel de hormônios do estresse em alta atua para interromper a digestão (constipação) ou acelerá-la (diarréia). Mensagem para levar para casa: quando comemos estressados ​​(almoços apressados, jantares rápidos), nosso intestino luta. 

De volta ao vago 

O nervo vago se alinha com o sistema nervoso parassimpático – o sistema de repouso, reinicialização e digestão. Este é o estado em que você deseja passar mais tempo, especialmente quando está comendo. 

A ativação do nervo vago significa que o suprimento de sangue retorna dos músculos e do coração para os órgãos internos, pronto para a digestão. As glândulas salivares começam a fluir, a frequência cardíaca diminui e a respiração fica mais lenta naturalmente. 

A maioria de nós é presa fácil da adrenalina – uma lavagem intestinal de cortisol. Muito tráfego, uma entrevista, uma discussão e nossa frequência cardíaca sobe. Graças a monitores de frequência cardíaca como relógios Fitbit, podemos realmente ver isso em ação. Nesses momentos, nosso intestino se fecha. Quando obtemos um conhecimento realmente claro sobre o quanto comer em trânsito e os níveis gerais de estresse afetam o intestino, podemos começar a fazer mudanças. 

Respiração abdominal de base

A respiração pode aterrá-lo profundamente em seu intestino, bem no âmago de seu ser. Respirar com consciência nos lembra que estamos corporificados: corpo, coração e intestino – todos inextricavelmente ligados. Existem muitas técnicas de respiração que você pode explorar e que podem ajudar a estimular o nervo vago e conectá-lo profundamente ao sistema nervoso parassimpático. Abaixo está um pequeno número simples e portátil, que uso diariamente.

Se você está passando por um surto de DII agora, este pode ser um poderoso agente de cura para acalmar e apoiar seu intestino. Passe três minutos fazendo essa prática e tente respirar três vezes pelo menos a cada hora – você pode definir um lembrete no telefone. O objetivo é mudar lentamente o hábito estúpido de respiração superficial para que você fique profundamente em seu corpo e barriga. Uma vez que você tenha essa prática, você pode levá-la para qualquer lugar, a qualquer hora. 

1) Encontre um local silencioso e defina um cronômetro de três minutos. 

2) Sente-se confortavelmente com as costas retas e os ombros abertos. Coloque a mão dominante levemente sobre a barriga, a palma da mão espalmada e a mão não dominante sobre o peito. Agora inspire profundamente em seus pulmões e imagine que está respirando profundamente em seu chacra raiz (bem na base de sua bunda). 

3) Você começará a sentir sua mão não dominante se mover para fora. Ao expirar naturalmente, imagine que está borrando o vidro de um espelho com a boca ligeiramente aberta. Você pode até fazer um som de ‘ahh’. 

4) Inspire novamente e repita. Concentrando-se em inspirar além da barriga, descendo até o chacra raiz, você descobrirá naturalmente que respira mais profundamente. Você se sentirá ancorado e presente. 

Observação: se esta é a primeira vez que você tenta a respiração abdominal, pode se sentir bloqueado. Se for esse o caso, seja gentil e reserve um tempo para praticar. Se você continuar a respirar profundamente em sua raiz sem forçá-la, mas com calma e foco, você perceberá que sua energia muda. Isso pode ser acompanhado por uma mudança emocional. Se você recebeu mensagens sobre chorar, você pode notar uma liberação em seu diafragma.

A vida moderna e seu instinto

No momento, a maioria de nós vive um estilo de vida ocidental padrão, o tipo de mundo 24 horas por dia, 7 dias por semana, em que nosso antigo bioma nunca teve de navegar antes. Mais da metade dos pacientes com crises de doença inflamatória intestinal (DII) afirmam que ela foi desencadeada por eventos estressantes na vida. 

Os gatilhos de estresse também podem ser cumulativos, em vez de isolados. Às vezes, podemos nos sentir sobrecarregados com as demandas conflitantes de nossas vidas, saturados pela grande quantidade de coisas que preenchem nossos dias. Portanto, é vital reservar um tempo para uma reflexão instintiva.

Personalizando seu conhecimento intuitivo 

Uma parte fundamental do quebra-cabeça para controlar o intestino é criar um espaço para se sintonizar com atenção à inflamação em seus estágios iniciais mais sutis. 

Aqueles familiarizados com IBD e IBS sabem como se sente um intestino inflamado – geralmente significa dor. Mas é possível entrar em sintonia com os primeiros sinais de inflamação e começar a reconhecer os gatilhos do seu corpo. Esses níveis sutis e vibrantes de desconforto são fáceis de ignorar – e isso é um problema. Para muitos, tudo começa com uma sensação sutil e inquietante. Se você ignorar, ele se move em direção a uma dor intensa e borbulhante, e o problema aumenta. 

Para captar esses primeiros sinais, você precisa diminuir o ritmo e usar algumas práticas diárias simples, como a prática da respiração abdominal de base consciente . Processos biológicos profundos acontecem quando você para e respira. Na verdade, é tudo sobre o nervo vago. Lembre-se de que o que acontece no vago nunca permanece no vago.

Cura autocompaixão 

A autocompaixão reduz a inflamação no corpo. 2 Isso não foi examinado especificamente na DII, mas os cientistas estudaram marcadores inflamatórios no corpo. 

Um estudo recente descobriu que níveis mais elevados de compaixão, sabedoria e apoio social estão ligados a um microbioma intestinal mais rico e diverso. O oposto também é verdadeiro – níveis mais baixos de compaixão e conexão social estão ligados à redução da diversidade microbiana. 

Tanya T. Nguyen, PhD, professora assistente de psiquiatria na UC San Diego School of Medicine, disse que “os mecanismos que podem ligar solidão, compaixão e sabedoria com a diversidade microbiana intestinal não são conhecidos, mas a diversidade microbiana observada observada geralmente representa piora física e saúde mental.” 3 

Quando falamos sobre estresse, pensamos que está “tudo na nossa cabeça”, mas o estresse tem impactos biológicos específicos e mensuráveis ​​no corpo. E parece funcionar nos dois sentidos. O estresse aumenta a probabilidade de inflamação e vice-versa. 4 Na próxima vez que você ficar irritado ou duro consigo mesmo por se sentir estressado, lembre-se de que não é só na sua cabeça. 

Você quer baixar a pressão arterial, melhorar a digestão, menos ansiedade e maior resiliência? Bem, lembre-se do que você aprendeu sobre o nervo vago, porque você pode precisar tentar aumentar o seu tônus ​​vagal. O baixo tônus ​​vagal está associado a uma série de problemas de saúde: estresse e ansiedade, problemas de saúde intestinal e falta de diversidade de insetos intestinais. 

Estar sentado demais, dormir pouco e um ritmo circadiano fora de sincronia, até mesmo fumar ou beber álcool em excesso, tudo parece estar relacionado à redução do tônus ​​vagal. Felizmente, existem muitas maneiras de aumentar seu tom vagal.

Crucialmente, ao reconhecer o nervo vago como um elemento-chave em sua aliança intestino-cérebro, você pode começar a curar seu intestino.

Amor instintivo

O tônus ​​vagal mais alto aumenta a resiliência mental, o que significa que o corpo pode relaxar mais rápido após situações de alto estresse. Algumas maneiras simples de ficar tonificado incluem: 

Respiração. Algumas respirações abdominais profundas (ver página 41) irão tonificar o nervo vago e colocá-lo no sistema nervoso parassimpático (configuração de repouso e reparo). 

Pratique o jejum intermitente tomando café da manhã mais tarde e jantar mais cedo, para dar um pouco de R&R ao seu sistema digestivo. 

Tome probióticos, como as cepas de Lactobacillus e Bifidobacterium , que têm efeito ansiolítico. 1 

Faça práticas de atenção plena e bondade amorosa, como exercícios respiratórios (ver página 41), bem como exercícios de diário e visualização.

Jogue água fria em seu rosto. Se você for corajoso, tome um banho frio de explosão. Respire profundamente e relaxe ao fazer isso. 

Dê um abraço por pelo menos 30 segundos e combine com algumas respirações profundas. Se não há ninguém para abraçar, tente se acalmar usando a técnica de abrigo, um exercício simples para colocá-lo em um ‘espaço seguro’ e reduzir o estresse. (Consulte www.havening.org para obter mais informações e como fazer.) 

Faça um alongamento de ioga. A pose da cobra é uma ótima maneira de estimular o nervo vago no pescoço e aprofundar a estimulação vagal combinada com a respiração abdominal.

Cante, murmure ou entoe algumas afirmações que amam o instinto.

Massagem, automassagem ou massagem nos pés de um ente querido.

Exercite-se em todas as suas formas e formas. 

Rir e socializar (mas vá devagar com o álcool).


Cara Wheatley-McGrain – Wddty 092021

Referências:

Front Neurosci, 2018; 12: 49

2 Brain Behav Immun, 2014; 37: 109–14

3 Front Psychiatry, 2021; 12: 648475

4 Jacka, F. Brain Changer: How Diet Can Save Your Mental Health. Yellow Kite, 2019. p107.

Tratamentos naturais para Lúpus Eritematoso Sistêmico

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune, o que significa que o sistema imunológico do corpo é hiperativo e ataca seus próprios tecidos e órgãos. Afeta todo o corpo e pode causar inflamação e danos a vários órgãos, incluindo pele, rins, articulações, cérebro, coração e pulmões. 

Alguns dos sintomas mais comuns são fadiga, dor e rigidez nas articulações, erupções cutâneas, febre, dores de cabeça e olhos secos, embora não haja dois casos iguais. Algumas pessoas sentirão sintomas constantemente, enquanto outras terão “crises”, nas quais os sintomas pioram por um tempo e depois desaparecem ou diminuem. 

O tratamento usual são os antiinflamatórios, como esteróides ou AINEs (antiinflamatórios não esteróides) e medicamentos para suprimir o sistema imunológico, mas cerca de metade dos pacientes ainda estão insatisfeitos com sua saúde e qualidade de vida, 1 sem falar no longo prazo lista de efeitos colaterais associados a esses medicamentos.

Seu melhor curso de ação seria entrar em contato com um profissional de medicina funcional, que pode tentar abordar as causas básicas de sua doença, em vez de se concentrar apenas no controle dos sintomas. 

Mas aqui estão alguns tratamentos naturais e mudanças no estilo de vida que podem ser úteis, com base na ciência até agora.

Fato de saúde

O LES afeta cerca de 1 em 1.000 pessoas, principalmente mulheres em idade reprodutiva 2.

Encontre a dieta certa

Uma dieta mediterrânea pode ser útil para o LES, de acordo com um novo estudo. Pacientes com LES que seguiram mais de perto a dieta, que é rica em frutas, vegetais, peixes, nozes e azeite de oliva, tiveram um risco menor de doença ativa e menos fatores de risco para doenças cardíacas. Abster-se de carnes vermelhas e derivados, bem como açúcares e doces também foi associado a efeitos benéficos, descobriram os pesquisadores. 3

Outra pesquisa sugere que as dietas de eliminação da alergia alimentar podem melhorar os sintomas do LES, 4 portanto, pode valer a pena trabalhar com um profissional experiente que possa tentar descobrir quaisquer alergias e elaborar um plano de dieta adequado para você.

Uma dieta preferida por vários praticantes da medicina funcional é a dieta Paleo, que é antiinflamatória e pobre em alérgenos comuns e alimentos processados. Na verdade, a Dra. Terry Wahls desenvolveu uma abordagem integrativa para curar doenças autoimunes com base nos princípios Paleo, que você pode encontrar em www.terrywahls.com e em seu livro, The Wahls Protocol (Avery, 2014). 

Cure seu intestino

Evidências recentes sugerem que um microbioma intestinal perturbado pode desempenhar um papel no LES e em outras doenças autoimunes, 5 portanto, qualquer coisa que possa ajudar a trazê-lo de volta ao equilíbrio pode levar a melhorias em sua condição. A dieta certa é um bom começo (veja acima), mas suplementar com probióticos é outra maneira de fazer isso, e as cepas de Lactobacillus e Bifidobacteria em particular parecem ser úteis para doenças inflamatórias e autoimunes. 6 Os ensaios clínicos em pacientes com LES são raros, mas um estudo em camundongos com LES e danos renais descobriu que dar a eles cinco cepas de Lactobacillus melhorou a função renal e prolongou a sobrevida. 7

Mantenha um  peso saudável

Até 35% dos pacientes com LES estão acima do peso e 39% são obesos. A obesidade também foi identificada como fator de risco independente na piora da capacidade funcional, fadiga e estado inflamatório de pacientes com LES. 8 

Se você precisa perder peso, considere trabalhar com um profissional experiente que possa lhe dar suporte individual. 

Desintoxicação

Poluentes ambientais, como pesticidas e metais pesados, que podem facilmente acabar no corpo, têm sido associados ao LES. 9 Além de minimizar sua exposição a produtos químicos prejudiciais tanto quanto possível – comendo orgânicos e escolhendo produtos naturais em sua casa, por exemplo – você também pode tentar ajudar seu corpo a se livrar dos produtos químicos tóxicos existentes em seu sistema usando métodos de desintoxicação como fazer sucos, suar e tomar vitamina C em altas doses.

Suplemento

Os suplementos a seguir são promissores para o LES. Para obter melhores resultados, consulte um médico que possa recomendar suplementos e dosagens com base em suas necessidades individuais.

Óleo de peixe. Vários estudos mostram que a suplementação com ômega-3 de óleo de peixe, especialmente ácido eicosapentaenóico (EPA), pode melhorar os sintomas em pacientes
com LES. 10

Dosagem sugerida: escolha uma fórmula com alto EPA, como Life & Soul Pure Omega 3 Liquid da Bare Biology (uma colher de chá fornece 3.500 mg de ômega-3, incluindo 2.000 mg de EPA) e siga as instruções do rótulo

Pycnogenol. Em um pequeno ensaio preliminar com pacientes com LES, aqueles que receberam Pycnogenol, a marca registrada do extrato de casca de pinheiro marítimo francês, viram um declínio significativo na atividade da doença em comparação com aqueles que receberam um placebo. 11

Dosagem sugerida: 60-120 mg / dia

Vitamina D. Baixos níveis de vitamina D têm sido associados ao LES, 12 e estudos sugerem que os suplementos da vitamina podem melhorar a fadiga em pacientes e possivelmente a atividade da doença também. 13

Dosagem sugerida: verifique seus níveis primeiro para determinar a melhor dosagem para você

Vitamina C. Quanto maior a ingestão de vitamina C, menor o risco de doença ativa com LES, de acordo com um estudo. 14

Dose sugerida: 1–5 g / dia, ou levar para tolerância intestinal

Obtenha ajuda de ervas

De acordo com o fitoterapeuta Meilyr James, proprietário da Herbal Clinic em Swansea, País de Gales (www.herbalclinic-swansea.co.uk), existem três categorias principais de ervas que podem ser úteis para pacientes com LES: 1) ervas para melhorar a função intestinal , para promover um microbioma intestinal saudável, 2) ervas para ajudar no estresse, pois isso pode desencadear surtos no LES e 3) ervas antiinflamatórias, pois a inflamação é uma característica fundamental do LES.

Aqui estão suas principais recomendações de ervas.

Para função intestinal:

Combine as seguintes tinturas:

50 mL Frangula alnus (espinheiro amieiro) 1: 4 

100 mL Althaea officinalis (marshmallow) raiz 1: 5

Tome 3–5 mL, três vezes ao dia, após as refeições, com um pouco de água. 

Ajuste a dose de acordo com seu tamanho / constituição. Procure um aumento perceptível nas evacuações, pelo menos uma e até três evacuações fáceis todos os dias.

Para estresse:

Withania somnifera (ashwagandha) pode ajudar a regular a resposta ao estresse e atua como um imunomodulador, diz James. 

Tome 5 g de raiz em pó de manhã e à noite em um pouco de leite de planta morno. 

Para inflamação:

A cúrcuma é uma erva antiinflamatória e antioxidante eficaz, ajudando a reparar e prevenir danos causados ​​por processos inflamatórios, diz James. 

Escolha açafrão em pó de alta qualidade, orgânico sempre que possível. 

Misture uma colher de chá de açafrão com uma quantidade igual de azeite ou óleo de coco derretido para formar uma pasta. 

Dilua com um pouco de água morna (ou leite de amêndoa e mel) e beba duas vezes ao dia.

Por conveniência, você pode preparar a pasta em um lote maior; ele vai guardar bem na geladeira por uma semana. Você também pode combinar o ashwagandha e açafrão e tomá-los juntos.

Meditar

O estresse pode desencadear surtos de doenças no LES e até mesmo desempenhar um papel no início da doença. 15 As técnicas de redução do estresse, como a meditação, podem, portanto, ser uma terapia útil. Em um estudo com pacientes com inflamação renal causada pelo lúpus, a meditação melhorou significativamente a qualidade de vida. 16

Cuidado com as vacinas

Evidências crescentes sugerem que as vacinações podem aumentar o risco de doenças autoimunes, incluindo LES 17

Wddty 07/2021

Referências
Complement Ther Med, 2018; 41: 111-7
Clin Rev Allergy Immunol, 2018; 55: 352-67
Rheumatology, 2021; 60: 160-9
J Ren Nutr, 2000; 10: 170-83
Curr Opin Rheumatol, 2017; 29: 374–7; Curr Rheumatol Rep, 2021; 23: 27
J Cell Physiol 2017; 232: 1994–2007
Microbiome, 2017; 5: 73
Front Immunol, 2020; 11: 1477
Curr Opin Rheumatol, 2016; 28: 497–505
10J Rheumatol, 2004; 31: 1551–6; Ann Rheum Dis, 2008; 67: 841–8; Ann Rheum Dis, 1991; 50: 463-6
11 Phytother Res, 2001; 15: 698-704
12Curr Opin Rheumatol, 2008; 20: 532-7
13Arthritis Care Res (Hoboken), 2016; 68: 91–8; Am J Med Sci, 2019; 358: 104-14
14J Rheumatol, 2003; 30: 747-54
15Rheumatol Int, 2013; 33: 1367–70
16J Med Assoc Thai, 2014; 97 Suplemento 3: S101-7
17Autoimmun Rev, 2017; 16: 756-65

Prevenindo infecções do trato urinário naturalmente

Cerca de metade de todas as mulheres terão uma infecção do trato urinário (ITU) durante a vida, com sintomas como uma vontade persistente de urinar e dor em queimação ao urinar. Cerca de 20 a 30 por cento dessas mulheres terão uma segunda ITU em seis meses, 1 e até 6 por cento sofrerão três ou mais infecções durante um determinado ano. 2

Essas infecções desagradáveis ​​geralmente são causadas por bactérias que entram no trato urinário pela uretra (o tubo que permite a passagem da urina para fora do corpo) e se multiplicam na bexiga. As mulheres são especialmente suscetíveis por causa de sua anatomia – a proximidade da uretra ao ânus e a curta distância da abertura uretral até a bexiga.

A resposta convencional para prevenção e tratamento são os antibióticos, mas eles podem vir com efeitos colaterais graves, desde problemas respiratórios e lesões hepáticas (associadas à nitrofurantoína) a danos permanentes nos nervos e descolamento da retina (com fluoroquinolonas). 3 

Há também o problema crescente de resistência aos antibióticos e a destruição causada pelos medicamentos no microbioma do corpo, que desempenha um papel vital na saúde geral. 4

Mas há uma série de boas alternativas aos antibióticos que você pode tentar para ajudá-lo a evitar outra infecção do trato urinário. Aqui está nosso guia prático.

Vitamina D

Pesquisas recentes sugerem que baixos níveis de vitamina D estão associados às ITUs. 5 Faz sentido porque a vitamina D desempenha um papel fundamental na regulação imunológica e prevenção de infecções. Trabalhe com um médico que possa testar seus níveis de D e aconselhar sobre a dose certa para suplementação.

Beba suco de cranberry

O suco de cranberry é um remédio popular para infecções do trato urinário recorrentes – e há alguma ciência sólida por trás disso. Embora não haja muitas evidências de que uma infecção do trato urinário possa ser eliminada, beber suco de cranberry ou tomar comprimidos ou pó de cranberry parece ser um preventivo eficaz. 

Em uma análise conjunta de sete testes, tomar alguma forma de cranberry reduziu o risco de infecções do trato urinário em mais de um quarto. 6 Parece funcionar impedindo que as bactérias que causam as ITUs grudem nas paredes do trato urinário, portanto, é mais provável que sejam eliminadas do corpo. 7

Dosagem sugerida: 300–500 mL / dia de suco de cranberry sem açúcar ou 400 mg de extrato de cranberry concentrado duas vezes ao dia

Experimente D-manose

Esse açúcar simples encontrado nas frutas parece funcionar de maneira semelhante aos produtos de cranberry – evitando que as bactérias se fixem no trato urinário. 8 Uma revisão recente descobriu que ele é protetor contra infecções do trato urinário recorrentes, com “eficácia possivelmente semelhante à dos antibióticos”. 9 

Os suplementos de D-manose estão amplamente disponíveis online, muitas vezes formulados em combinação com o extrato de cranberry.

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo

Comer alho

O alho é um antimicrobiano potente e as evidências laboratoriais mostram que os extratos de alho são eficazes contra bactérias multirresistentes envolvidas nas ITUs. 10 

Experimente adicionar alho cru à sua comida, tanto quanto possível, ou tome-o como um suplemento.

Dose sugerida: extrato de alho envelhecido 1.000 mg / dia

Dieta vegetariana

Em um estudo recente com budistas taiwaneses, uma dieta vegetariana foi associada a um risco 16% menor de desenvolver uma ITU em comparação com o consumo de carne. Isso pode ser porque a carne é um grande reservatório para cepas de bactérias que comumente causam infecções do trato urinário, disseram os pesquisadores. Ou pode ter mais a ver com as dietas vegetarianas serem ricas em fitoquímicos que combatem os micróbios e podem afastar as ITUs. 11

É necessária mais pesquisa, mas você pode tentar desistir da carne para ver se isso faz diferença (apenas certifique-se de fazer sua pesquisa com antecedência sobre como comer uma dieta vegetariana saudável e variada). Ou simplesmente corte a carne e concentre-se em comer mais refeições à base de vegetais, incluindo uma grande variedade de frutas, vegetais e nozes benéficos.

Probióticos

Probióticos contendo Lactobacillus parecem ser úteis para prevenir ITUs. Os lactobacilos são as bactérias dominantes da flora vaginal e possuem propriedades antimicrobianas que ajudam a manter as infecções sob controle. 12 Em um estudo com mulheres pós-menopáusicas com tendência a infecções do trato urinário, um suplemento probiótico contendo Lactobacillus rhamnosus GR-1 e Lactobacillus reuteri RC-14 reduziu o número de recorrências em mais da metade ao longo de um ano. O suplemento não era tão eficaz quanto os antibióticos, mas tinha a vantagem de não levar ao aparecimento de bactérias resistentes aos medicamentos ou prejudicar a saúde do importantíssimo microbioma. 4,13 Lactobacillussupositórios vaginais também parecem funcionar bem para reduzir ITUs recorrentes. 14

Dosagem sugerida: escolha um suplemento de alta qualidade contendo Lactobacillus rhamnosus GR-1 e Lactobacillus reuteri RC-14 e siga as instruções do rótulo; ou tente um supositório vaginal probiótico. 

Opte por acupuntura

A acupuntura é benéfica tanto para o tratamento quanto para a prevenção de ITUs recorrentes, de acordo com uma revisão recente – e pode ser ainda mais eficaz do que os antibióticos. 15 . 

Obtenha ajuda de hibiscos

O hibiscus sabdariffa , também conhecido como roselle, está se mostrando promissor na prevenção de infecções do trato urinário. É comprovadamente eficaz contra bactérias causadoras de ITU, 18 e um estudo com residentes com cateteres em instalações de cuidados de longo prazo descobriu que tomar hibisco como bebida reduziu a incidência de ITUs. 19

Dosagem sugerida: faça um chá com as flores secas (veja abaixo como fazer um chá de ervas) e beba regularmente

Abasteça-se de vitamina C

A vitamina C pode ajudar a prevenir e tratar as ITUs ao acidificar a urina, criando um ambiente hostil para as bactérias causadoras de infecções. 16 Em um estudo com mulheres grávidas – um grupo propenso a infecções do trato urinário – aquelas que receberam suplementos diários, incluindo 100 mg de vitamina C (ácido ascórbico), tiveram significativamente menos infecções do trato urinário do que as mulheres que receberam suplementos sem a vitamina. 17

Dose sugerida: 100-5.000 mg / dia de ácido ascórbico (ou levar para tolerância intestinal)

Experimente este remédio de chá de ervas

Um chá é a melhor maneira de tomar as ervas, pois o líquido adicional ajuda a enxaguar e limpar a bexiga. Lembre-se de consultar um médico se os sintomas não melhorarem após alguns dias ou piorarem.

  • Cavalinha (Equisetum arvense) – ótima para as vias urinárias (combatendo inclusive incontinência da urina);
  • Romã (Punica granatum) – combate inflamações urinárias (contraindicada para prisão de ventre);
  • Funcho (Foeniculum vulgare) – combate afecções das vias urinárias (contraindicada para pressão alta)

WDDTY 06/2021

Referências
Am J Public Health, 1990; 80: 331–3
JR Coll Gen Pract, 1983; 33: 411-5
Case Rep Med, 2014; 2014: 698758 
Arch Intern Med, 2012; 172: 712-4
Ann Clin Lab Sci, 2019; 49: 134–42; Saudi J Biol Sci, 2020; 27: 2942-7
J Nutr, 2017; 147: 2282-8
Clínicas (São Paulo), 2012; 67: 661-7
Eur Urol Focus, 2020; S2405-4569 (20) 30263-7
Am J Obstet Gynecol, 2020; 223: 265.e1-13
10Pertanika J Trop Agric Sci, 2015; 38: 271-8
11 Sci Rep, 2020; 10: 906
12Clin Ther, 2008; 30: 453-68
13Arch Intern Med, 2012; 172: 704–12
14Clin Infect Dis, 2011; 52: 1212-7
15BJOG, 2020; 127: 1459-68
16Óxido Nítrico, 2001; 5: 580-6
17Acta Obstet Gynecol Scand, 2007; 86: 783-7
18Asian Pac J Trop Dis, 2014; 4: 317-22
19J Ethnopharmacol, 2016; 194: 617–25

Maneiras naturais de vencer alergias

Condições alérgicas, incluindo alergias alimentares, alergias de pele (como eczema) e alergias respiratórias (como febre do feno) estão entre as condições médicas mais comuns na Europa e nos EUA. Espantosos 150 milhões de europeus e mais de 50 milhões de americanos sofrem de alergias crônicas, e um em cada cinco vive com medo diário de um ataque de asma ou de uma reação alérgica com risco de vida. 1 

Epidemia de alergia

As crianças são especialmente propensas a alergias, mas a incidência de alergias alimentares também está crescendo em adultos, de acordo com uma revisão da literatura médica em 2020.   “De forma preocupante, dados recentes indicam que as alergias alimentares podem ser mais prevalentes entre as populações adultas do que anteriormente reconhecido, com muitos casos relatados de alergias de início na idade adulta”, concluíram os pesquisadores. 2 

O eczema alérgico cutâneo também está aumentando, de acordo com pesquisadores que descobriram que “aumentou em todo o mundo nos últimos 30 anos, a ponto de ser agora uma das doenças crônicas mais comuns, afetando cerca de um quinto da população em países desenvolvidos. ”

Entre as crianças, 15% a 30% têm alergia de pele; entre os adultos, as estimativas variam de 0,3% a 14,3%, com a maioria dos relatórios caindo entre 1% e 3%. 3 

Farmacopéia

A resposta usual dos médicos convencionais a essa pandemia de alergias é um tsunami de prescrições de medicamentos – para cremes esteróides, anti-histamínicos, injeções, inaladores, EpiPens e assim por diante.

Para alergias respiratórias, esses medicamentos geralmente são divididos em anti-histamínicos de primeira e segunda geração. A primeira geração inclui difenidramina (Benadryl) e clorfenamina. Os rótulos dessas drogas avisam: “Não opere máquinas pesadas enquanto estiver tomando este medicamento”, porque um efeito colateral comum é a sedação. 

Algumas pessoas relatam se sentirem bêbadas enquanto tomam medicamentos como Benadryl e até perderem a consciência. É um depressor do sistema nervoso central e alguns de seus efeitos colaterais comuns são sonolência, boca seca, retenção de urina, aumento da próstata e visão dupla. 

Mas ainda mais assustador: um estudo de 2019 da Universidade de Washington descobriu que as pessoas que usaram essas drogas por um longo prazo tinham maior probabilidade de serem diagnosticadas com demência do que aquelas que não as usaram. Quanto mais os participantes do estudo usaram anti-histamínicos de primeira geração e outras drogas anticolinérgicas, maior o risco de demência. Pessoas que tomaram uma droga anticolinérgica como Benadryl pelo equivalente a três anos ou mais tiveram um risco 54% maior de demência do que aquelas que tomaram a mesma dose por menos de três meses. 4 

Os anti-histamínicos de segunda geração (também chamados de anti-histamínicos não sedativos) como cetirizina (Zyrtec), levocetirizina (Xyzal), fexofenadina (Allegra) e loratadina (Claritin) têm como alvo o mesmo sistema de produção de histamina no corpo que gera sintomas de alergia, mas eles ‘ É menos provável que atravesse a barreira hematoencefálica e, portanto, tenha menos efeitos colaterais relatados. 

Ainda assim, em algumas pessoas, Zyrtec pode causar confusão ou hiperatividade, inquietação e retenção de urina, entre outros efeitos colaterais. Os efeitos colaterais comuns do Claritin incluem dor de cabeça, fadiga, ansiedade, diarréia, vermelhidão nos olhos, visão turva, sangramento nasal e erupção cutânea. Não é de admirar que algumas pessoas prefiram sofrer com suas alergias a sofrer com os medicamentos para suas alergias. 

Síndrome de ‘Blowback’

Outro medicamento comum para alergias são os sprays nasais de venda livre, que podem aliviar temporariamente os sintomas, mas têm seu próprio conjunto de riscos à saúde. Greg Screws, locutor da WHNT News em Huntsville, Alabama, descobriu os perigos de usar um spray nasal para congestionamento em 2018, quando não percebeu que estava usando os sprays em excesso, o que pode causar dependência rapidamente. 

Ele desenvolveu a síndrome de “blowback”, que causa inchaço nas vias nasais. Isso leva à pulverização nasal viciante – apenas para manter o fluxo de ar. Greg carregava spray nasal com ele para todos os lugares, em seu carro, seus bolsos, bolsas e gavetas por toda a casa. 

Em apenas   oito semanas depois de comprar seu primeiro frasco de spray, ele desenvolveu pressão alta, falta de ar e dor no peito. Ele acabou no hospital em uma crise hipertensiva total com uma pressão arterial de 180/110. 

Era um cenário familiar para o Dr. Mark Hagood, um especialista em ouvido, nariz e garganta que Greg entrevistou em uma transmissão expondo o perigo em 2018. “Não estou vendo muitas pessoas saírem disso sem tomar esteróides sistêmicos, ”Hagood disse. “Então, se não dermos a eles algo como prednisona ou algo parecido para ajudá-los a combater a recuperação, é muito difícil sair dele.” 5 

Quando os medicamentos viciam, eles são mais fáceis de vender, e as principais marcas de spray nasal não esteróide sem receita, como Afrin, ganham cerca de US $ 120 milhões por ano apenas nos Estados Unidos. 

Sprays nasais esteróides como Flonase têm outro conjunto de riscos, pois podem levar à osteoporose com o uso a longo prazo e podem causar crescimento restrito em crianças e adolescentes. A flonase também foi associada ao glaucoma. Os efeitos colaterais mais comuns incluem nariz entupido ou corrimento nasal, sangramento nasal, tosse, dor ou sensibilidade ao redor dos olhos e maçãs do rosto, cansaço, fraqueza e dor nas costas. Em 2013, a Food and Drug Administration dos EUA começou a aprovar esses sprays nasais de esteroides que antes só eram prescritos para vendas sem receita. Em 2019, as vendas anuais dessas drogas ultrapassaram US $ 380 milhões nos Estados Unidos. 6 

As alergias alimentares estão em uma categoria própria. A medicina convencional geralmente aconselha simplesmente evitar os alimentos aos quais você é alérgico e tomar um anti-histamínico quando ocorrerem acidentes. 

Para reações alérgicas graves – o tipo que causa urticária dentro do corpo e também na pele, que pode restringir as vias respiratórias e levar a uma queda perigosa da pressão arterial que pode matar – injeções portáteis de epinefrina, a mais comum das quais são EpiPens, são essenciais . Cerca de 3,6 milhões de prescrições de EpiPens foram distribuídas em 2015 apenas nos Estados Unidos. 7 

Hipótese da higiene

Todos esses tratamentos convencionais são soluções Band-Aid, no entanto, que tratam os sintomas das alergias, mas não abordam a causa subjacente, que é um sistema imunológico descontrolado reagindo exageradamente a partículas estranhas inofensivas que ele percebe como ameaças. Os sintomas de alergia são os danos causados ​​por espectadores ao ataque ao sistema imunológico.

O que faz com que um sistema imunológico se torne tão sensível ao gatilho? Uma crescente literatura médica está ligando as alergias a um microbioma danificado – a presença ou ausência de espécies-chave de bactérias e outros micróbios que constituem uma parte crítica do sistema imunológico.

A “hipótese da higiene”, conforme foi descrita pela primeira vez em 1989, descobriu que crianças com um maior número de irmãos mais velhos tinham as taxas mais baixas de febre do feno. 

“Ao longo do século passado, o tamanho da família em declínio, melhorias nas amenidades domésticas e padrões mais elevados de higiene pessoal reduziram a oportunidade de infecção cruzada em famílias jovens”, escreveu DP Strachen, epidemiologista da London School of Hygiene and Tropical Medicine. “Isso pode ter resultado em uma expressão clínica mais disseminada da doença atópica, surgindo mais cedo em pessoas mais ricas, como parece ter ocorrido com a febre do feno”. 8

A hipótese da higiene evoluiu ao longo dos anos, levando em consideração um número crescente de fatores ambientais, incluindo infecções anteriores, posse de animais de estimação e tabagismo. 9 

Os antibióticos são os culpados óbvios por alterar o sistema imunológico por meio do microbioma. Destinadas a matar patógenos, elas também dizimam micróbios fora do alvo (as chamadas “bactérias boas”) e são frequentemente prescritas erroneamente.

 Um relatório de 2018 dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos afirmou que quase 67 milhões de prescrições de antibióticos foram prescritas para crianças menores de 19 anos, sendo as mais comuns amoxicilina de amplo espectro (35 por cento) e azitromicina (18 por cento) . O CDC chamou isso de “preocupante”, uma vez que a prescrição dessa classe de antibióticos raramente é recomendada e pode levar a superinfecções. 

Os antibióticos acabam sendo a razão de cerca de 70.000 atendimentos de emergência todos os anos para crianças com eventos adversos a medicamentos – muitos dos quais envolvem reações alérgicas aos medicamentos. 10 

O uso de antibióticos também está relacionado a doenças alérgicas crônicas. Um estudo que analisou os registros de 792.130 crianças americanas de 2001 a 2013 descobriu que crianças prescritas com medicamentos supressores de ácido ou antibióticos nos primeiros seis meses de vida eram significativamente mais propensas a desenvolver doenças alérgicas, incluindo asma, febre do feno e anafilaxia. 11 

Curando um intestino gotejante

Quaisquer que sejam as causas subjacentes das doenças alérgicas imunomediadas, como acontece com a maioria das doenças, a solução parece estar na cura do intestino – que abriga uma parte crítica do sistema imunológico na forma de bactérias, vírus e até fungos que compõem nosso microbioma .

O revestimento do intestino é um guardião que permite que nutrientes como vitaminas e minerais saiam do intestino e entrem na corrente sanguínea, onde são usados. Também evita que toxinas, patógenos e proteínas alimentares entrem na corrente sanguínea e causem estragos. 

Centenas de estudos agora examinam como os produtos bacterianos chamados endotoxinas e proteínas estranhas dos alimentos podem vazar pelo revestimento do intestino e entrar na corrente sanguínea, por meio do qual ativam o potente armamento de assalto do sistema imunológico e causam inflamação crônica. 12 

Cure o intestino

O truque para curar doenças imunomediadas e reverter alergias está em curar primeiro o intestino, de acordo com o Dr. Damien Downing, presidente da Sociedade Britânica de Medicina Ecológica e autor de The Vitamin Cure for Allergies (Basic Health Publications, Inc., 2010) .

Naturalmente, a cura do intestino começa com a mudança do alimento que ele processa. Downing recomenda cortar todos os alimentos inflamatórios, incluindo açúcar e grãos, especialmente trigo. O trigo contém glúten, que demonstrou experimentalmente danificar o revestimento do intestino, e uma proteína do trigo chamada gliadina, um componente do glúten, também demonstrou desencadear reações imunológicas.

Uma dieta cetogênica é uma dieta estritamente sem grãos enriquecida com gorduras “boas” que fazem com que o corpo mude para o modo de queima de gordura. Muitas vezes é usado para perder peso, mas seus outros usos terapêuticos para curar doenças, desde condições auto-imunes a doenças mentais, estão vindo à tona.

Uma dieta cetogênica limpa fará com que as bactérias do corpo produzam butirato e hidroxibutirato – ácidos graxos de cadeia curta que nutrem as células intestinais, preservam a integridade do revestimento intestinal, apoiam a saúde digestiva e controlam a inflamação.

Um artigo recente discute como o butirato é um potente antibiótico natural para infecções intestinais por bactérias como Acinetobacter baumannii , Escherichia coli e Staphylococcus . 13 

Para produzir butirato, as bactérias intestinais transformam as fibras dietéticas encontradas em alimentos vegetais inteiros. Membros do filo bacteriano Firmicutes , entre outros, são conhecidos por produzir butirato. 14 

Além do papel crucial da dieta, há uma série de suplementos e ervas que auxiliam o microbioma com efeitos comprovados nas alergias.

Crianças alérgicas

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, as alergias aumentaram em todas as áreas, de modo que agora:

Epidemia de alergia 

De acordo com a organização sem fins lucrativos Food Allergy Research and Education (FARE), 32 milhões de americanos têm alergia alimentar, incluindo 5,6 milhões de crianças. Isso inclui as figuras abaixo.

Algumas dessas alergias são graves. A cada ano, nos EUA, 200.000 pessoas precisam de atendimento médico de emergência para reações alérgicas a alimentos ”. 1 Isso equivale a cerca de US $ 24,8 bilhões em custos de saúde. 

Suplementos anti-alérgicos

Carnosina de zinco

 “Uma coisa que acho linda”, disse o Dr. Downing sobre os suplementos que curam o intestino, “é a carnosina de zinco”. 

Uma revisão de 2020 de estudos sobre zinco-L-carnosina (ZnC) relatou que seus potentes efeitos antiinflamatórios e antioxidantes são provavelmente a razão para seus efeitos relatados na cicatrização de úlceras e lesões gastrointestinais. Na verdade, o ZnC foi aprovado para uso no Japão para o tratamento de úlceras estomacais. 15

Em um estudo randomizado, controlado e duplo-cego, 258 pessoas com úlceras estomacais foram aleatoriamente designadas para receber um curso de oito semanas de 150 mg de ZnC por dia, 800 mg de cloridrato de cetraxato (um medicamento usado para proteger o revestimento do intestino), ou um de dois placebos. 

Após oito semanas, o grupo de ZnC superou ligeiramente o grupo de cetraxato em uma medida subjetiva de melhora dos sintomas, com 75 por cento das pessoas no grupo de ZnC relatando que tiveram melhora acentuada, em comparação com 72 por cento do grupo de cetraxato. 

A diferença na taxa de cura total, conforme determinado por endoscopia, foi ainda maior, no entanto, com uma taxa de cura de 60 por cento no grupo de ZnC em comparação com 46 por cento no grupo de cetraxato em oito semanas. 16 Outros estudos confirmaram essas melhorias na cicatrização da mucosa e nos sintomas com doses tão baixas quanto 50 mg duas vezes ao dia. 15 

Fosfatidilcolina

A fosfatidilcolina, ou PC, é um nutriente pouco conhecido, mas crítico, que funciona em todas as células do corpo. Entre suas muitas funções, é o principal componente das membranas e uma fonte de colina, uma parte essencial do neurotransmissor acetilcolina necessária para o funcionamento do cérebro. Além disso, o PC ajuda a reparar o revestimento do intestino.

Em um estudo, pesquisadores do University Hospital Heidelberg, na Alemanha, administraram a 60 pacientes com colite ulcerativa crônica ativa e não dependente de esteroides (uma doença que envolve a erosão do revestimento intestinal) um suplemento de PC ou um placebo diariamente por três meses. Durante esse tempo, 16 pessoas no grupo de PC (53 por cento) alcançaram remissão clínica, em comparação com apenas três (10 por cento) no grupo de placebo. Uma medição da atividade clínica melhorou em média 70 por cento no grupo de PC, em comparação com nenhuma mudança no grupo de placebo. 17

Em um ensaio randomizado controlado por placebo de 156 pacientes com colite ulcerosa publicado no Journal of Gastroenterology , aqueles que receberam 3,2 gramas de um complexo de PC de liberação lenta diariamente relataram uma melhora média de 50 por cento nos sintomas, e houve uma taxa de remissão de 31 por cento após 12 semanas. 18

Os alimentos ricos em PC incluem peixe, carne, ovos, aves e nozes. Se você está procurando um PC extra, o Dr. Downing recomenda tomar uma colher de sopa de fosfatidilcolina líquida com uma refeição ou smoothie contendo proteína, o que equivale a cerca de nove cápsulas por dia.

Probióticos

“Existem fortes evidências para o uso de agentes probióticos para melhorar os sintomas da rinite alérgica”, de acordo com um artigo de revisão de 2021 no American Journal of Otolaryngology . 19

Dezenas de estudos mostram como diferentes probióticos podem conter as respostas imunológicas hiperalérgicas. Por exemplo, um ensaio cruzado randomizado em que 63 crianças com febre do feno crônica foram tratadas com um anti-histamínico padrão (Xyzal) sozinho ou com adição do probiótico Lactobacillus johnsonii EM1 descobriu que o probiótico produziu melhores resultados do que Xyzal sozinho, e essa diferença durou pelo menos três meses após a interrupção do probiótico. 20 

Em um ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo, 49 pacientes com febre do feno crônica receberam 100 mL de leite fermentado tratado com calor contendo Lactobacillus acidophilus cepa L-92 ou um placebo sem probióticos. O grupo Lactobacillus melhorou os sintomas nasais, sintomas oculares e diminuição acentuada do inchaço da mucosa nasal em comparação com o grupo de controle. 21

Uma revisão de 2021 da literatura médica sobre probióticos e eczema delineou uma série de ensaios clínicos e meta-análises em que as cepas probióticas de Lactobacillus e Bifidobacterium mostraram reduzir o risco de dermatite atópica em bebês e crianças, como um estudo duplo-cego randomizado de 2018 ensaio controlado de 50 crianças entre 4 e 17 anos de idade que encontrou uma mistura de cepas de Bifidobacterium reduziu a gravidade do eczema. 22 

Em outra revisão recente, esta sobre o papel dos micróbios na alergia alimentar, a autora Cecilia Berin, Professora de Pediatria e Diretora Associada do Jaffe Food Allergy Institute da Icahn School of Medicine no Mount Sinai em Nova York, escreve: “O a demonstração de que os micróbios determinam a suscetibilidade à alergia alimentar em sistemas experimentais gerou um grande entusiasmo sobre a possibilidade de terapias baseadas em micróbios ”. 23  

Um ensaio clínico está em andamento no Hospital Infantil de Boston para avaliar se os transplantes de microbiota fecal de um indivíduo saudável podem melhorar as alergias ao amendoim. 24 

Os probióticos orais também são promissores. Pesquisadores australianos deram a crianças com alergia a amendoim o probiótico Lactobacillus rhamnosus junto com imunoterapia oral de amendoim (onde a pessoa alérgica recebe quantidades incrementais de um alérgeno até o limite que desencadeia uma reação) e descobriram que os protegia da alergia a amendoim. 25 Outro ensaio clínico em larga escala dessa terapia está em andamento. 26

Pesquisadores do Massachusetts General Hospital e da Vedanta Biosciences também estão conduzindo um ensaio clínico de uma mistura selecionada de cepas probióticas humanas conhecidas por suprimir a doença alérgica (VE416) para o tratamento da alergia ao amendoim. 27

E ainda há muitas novas cepas de probióticos a serem descobertas. Um recente estudo com gêmeos, por exemplo, identificou duas cepas importantes de bactérias até então desconhecidas para impactar a alergia alimentar. 

O estudo analisou 18 pares de gêmeos nos quais um ou ambos os gêmeos tinham alergia alimentar para procurar diferenças nas bactérias intestinais. Entre as cepas bacterianas que diferiram entre gêmeos não alérgicos e alérgicos estavam duas espécies que nunca haviam sido associadas à alergia antes: Phascolarctobacterium faecium e Ruminococcus bromii . 28 

Embora ainda não estejam disponíveis na forma de suplemento, eles – junto com inúmeros outros microorganismos benéficos – podem estar presentes no probiótico original da Mãe Natureza: alimentos fermentados.

Alimentos fermentados, incluindo chucrute, kimchi, kombucha e iogurte, são fontes ricas de probióticos mistos. Sua fermentação produz bactérias semelhantes aos organismos encontrados em suplementos probióticos, mas geralmente incluem uma diversidade muito maior de micróbios.

O culpado alumínio

Um ingrediente imunoestimulante chamado hidróxido de alumínio usado em várias vacinas comuns da infância e algumas vacinas para adultos, incluindo aquelas para tétano e HPV, também é usado para criar modelos animais de doenças alérgicas, como rinite alérgica (febre do feno), 1 alergia alimentar 2 e alérgica doença ocular. 3 

Os pesquisadores usaram hidróxido de alumínio ligado a Bordetella pertussis (a bactéria da vacina DTaP, que o CDC recomenda para crianças de dois, quatro, seis e 18 meses de idade e que também contém alumínio) e ratos de laboratório expostos a alimentos (como amendoim ou soja) para induzir alergias alimentares. 4 

Se os pesquisadores estão criando alergias em animais usando um ingrediente comum em vacinas, então é lógico que a hiperestimulação artificial do sistema imunológico, como ocorre nas vacinas, pode ser um gatilho para o desequilíbrio do sistema imunológico subjacente à atual epidemia de alergias. 

Vitaminas e minerais imunorreguladores

Vitamina C

A vitamina C tem uma longa história de combate a vírus respiratórios, como o resfriado comum e o Covid-19. “A vitamina C também regula a resposta inflamatória”, de acordo com uma revisão de 2020 sobre as habilidades antiinfecciosas e imunorreguladoras do ácido ascórbico. “Em estudos com animais, a deficiência de vitamina C foi associada a níveis mais elevados de histamina circulante, que podem ser reequilibrados assim que   o nível de vitamina C no sangue for normalizado.” 29 

Dose diária sugerida: o Dr. Downing recomenda uma dosagem mínima de 500 mg de vitamina C duas vezes por dia, embora no clima atual de Pandemia, ele e outros médicos sugiram uma dosagem muito mais alta de 3-6 g por dia

Vitamina D

Milhares de estudos vinculam a função do sistema imunológico aos níveis de vitamina D, e centenas examinaram especificamente a vitamina D nas doenças alérgicas. Existem agora muitos relatórios que   confirmam a associação entre baixos níveis de vitamina D e altas taxas de alergia.

Um desses estudos combinou 483 crianças asmáticas com 483 crianças saudáveis ​​e mediu os níveis de vitamina D em ambos os grupos; as crianças asmáticas tinham, em média, níveis significativamente mais baixos de vitamina D. 

Os baixos níveis de vitamina D também foram associados a crianças com mais doenças alérgicas além da asma (eczema, urticária e alergias alimentares) e níveis mais elevados de marcadores de alergia do sistema imunológico (moléculas de IgE no sangue). 30 

Um estudo prospectivo, randomizado, duplo-cego e controlado por placebo de 100 crianças sensíveis ao pólen de gramíneas ou com febre do feno específica das gramíneas determinou que tomar o probiótico Lactobacillus rhamnosus ou 1.000 UI de vitamina D diariamente por cinco meses junto com uma imunoterapia oral sintomas melhorados e marcadores imunológicos de alergia mensuráveis ​​em relação à terapia imunológica isolada. 31 

Em outro estudo duplo-cego, randomizado e controlado em que 60 pacientes com eczema com mais de 14 anos foram randomizados para receber 1.600 UI / dia de vitamina D ou um placebo, houve uma melhora significativa no grupo de vitamina D após 60 dias, independentemente da gravidade inicial de seu eczema . 32 

VItamina K

É importante que a vitamina D3 seja ingerida com a vitamina K2. A vitamina K é uma vitamina solúvel em gordura encontrada em vegetais de folhas verdes, alguns alimentos fermentados como queijo brie natto e alimentado com capim, gema de ovo e fígado. 

Dose diária sugerida: muitos produtos de vitamina D oferecem um equilíbrio de vitamina D3 e K2 em proporções ideais, e o Dr. Downing recomenda tomar até 10.000 UI por dia se você tiver alergias ou uma doença auto-imune e não conseguir obter luz solar adequada

Magnésio

Seu corpo também precisa de níveis adequados de magnésio para apoiar a absorção e utilização da vitamina D, diz o Dr. Downing. Além disso, o baixo teor de magnésio pode até ser o culpado nas respostas alérgicas. Embora a pesquisa nesta área seja muito limitada, tanto os estudos em animais quanto as observações clínicas apóiam uma ligação entre a deficiência de magnésio e a alergia cutânea. 33 

Os banhos de sal Epsom são uma forma de aumentar os níveis de magnésio na pele, e suplementos orais também podem ser tomados. Existem vários tipos diferentes de magnésio. O citrato de magnésio é o mais comum. O treonato de magnésio é uma forma particularmente bem absorvida. O óxido de magnésio não é ideal porque tem baixos níveis de absorção.

Dose diária sugerida: 400-600 mg por dia de treonato de magnésio, citrato ou malato, diz o Dr. Downing

Ajudantes de ervas para aliviar alergias

Butterbur

Butterbur ( Petasites hybridus ), uma erva antiinflamatória que cresce em toda a Europa, Ásia e América do Norte, tem sido usada medicinalmente por séculos para tratar ataques de enxaqueca, asma, tosse crônica e úlceras gástricas, e também ajuda a aliviar os sintomas de alergias sazonais. Um estudo com 125 pessoas com febre do feno na Suíça descobriu que o extrato de butterbur foi tão eficaz quanto a droga anti-histamínica cetirizina (Zyrtec). Butterbur também é especialmente útil quando você não quer que seu remédio para alergia o faça dormir.

Um estudo publicado no British Medical Journal comparou butterbur ao Zyrtec em 125 pacientes com alergias sazonais; 61 tomaram butterbur por duas semanas e 64 tomaram Zyrtec. Os pesquisadores concluíram que o butterbur funcionou tão bem quanto a droga, mas sem o efeito da sonolência relatado por até 15% dos usuários de Zyrtec. 34

Gengibre

O gengibre, usado em muitas receitas tailandesas, também é um medicamento tradicional da Tailândia. Um estudo de 2020 conduzido por pesquisadores tailandeses comparou o extrato de gengibre (500 mg por dia) a 10 mg de loratadina (Claritin) por três e seis semanas em um estudo randomizado, duplo-cego e controlado de 80 pessoas com febre do feno. Todos os participantes registraram melhora dos sintomas. 

“O extrato de gengibre é tão bom quanto a loratadina na melhora dos sintomas nasais e da qualidade de vida em pacientes [com rinite alérgica]”, concluiu o estudo. Mas com uma diferença: “o extrato de gengibre causou menos efeitos colaterais, especialmente sonolência, fadiga, tontura e prisão de ventre”. 35 

Óleo de semente preta

O óleo de Nigella sativa (semente preta) é uma erva medicinal usada no Oriente Médio, Ásia e África para alergias e muitas outras condições. Em uma revisão de quatro estudos sobre a eficácia do óleo de semente preta para doenças alérgicas (febre do feno, asma e eczema), um total de 152 pacientes receberam cápsulas de óleo de Nigella sativa em doses variando de 40 a 80 mg / kg / dia, e todos os quatro estudos encontraram uma melhora geral na gravidade dos sintomas relatados pelos próprios pacientes. 36 

Mais recentemente, uma revisão de 2019 da pesquisa sobre o óleo de semente preta concluiu que ele tem “propriedades antioxidantes, imunomoduladoras, anti-inflamatórias, anti-histamínicas, antialérgicas, antitussígenas e broncodilatadoras” e que o óleo de semente preta “pode ​​ser considerado um remédio eficaz em doenças pulmonares alérgicas e obstrutivas, bem como outras doenças respiratórias como terapia preventiva e / ou de alívio. ” 37 

Um artigo de 2020 até mesmo levantou a hipótese de que o óleo de semente preta também seria útil no tratamento de Covid-19. 38 Curiosamente, o governador Seyi Makinde do estado de Oyo, na Nigéria, disse a repórteres no ano passado que, quando ele testou positivo para Covid-19, seu amigo, que por acaso é ministro da saúde do estado, enviou-lhe uma garrafa de óleo de semente preta que ele misturou com mel, tomando   uma colher de chá pela manhã e outra à noite para “aumentar a imunidade”. Ele creditou essa rotina para ajudá-lo a ficar livre de sintomas. 39 

Rosa laevigata 

Rosa laevigata (também conhecida como rosa Cherokee) há muito é usada predominantemente para fins medicinais na Ásia, onde se originou, mas agora a flor cresce selvagem em todos os Estados Unidos. Seus frutos são frequentemente usados ​​como analgésicos na medicina chinesa (onde é conhecido como Ji Ying Zi), e estudos farmacológicos recentes sugerem que ele contém flavonóides antiinflamatórios que também aliviam o estresse oxidativo e protegem contra doenças hepáticas. 

Um estudo de 2020 descobriu que extratos de rosa Cherokee amortecem as respostas inflamatórias das células pulmonares a partículas minúsculas comumente encontradas na poluição do ar, o que afeta especialmente aqueles que sofrem de asma. 

O estudo demonstrou efeitos antiinflamatórios potentes, e os pesquisadores, da Kyung Hee University em Seul, Coréia, concluíram que a flor “pode ser desenvolvida como um remédio natural” para doenças respiratórias causadas pelo material particulado na poluição do ar. 40 

Ginseng

O ginseng é bem conhecido por suas propriedades curativas tradicionais. Alguns produtores de ginseng coreano fermentaram um extrato de ginseng que, segundo eles, imita a fermentação que ocorre no intestino e é mais fácil e consistentemente absorvido. 

Um artigo de revisão de 2020 relatou que este extrato fermentado de ginseng vermelho demonstrou ter muitas qualidades adaptogênicas, incluindo propriedades antioxidantes, antiestresse e antiinflamatórias, todas as quais podem ter efeitos antialérgicos. 41

Wddty 06/2021

Referências:

Asthma and Allergy Foundation of America, “Alergia fatos e números.” www.aafa.org/allergy-facts; AllergyUK, “Estatísticas”. www.allergyuk.org/information-and-advice/statistics
Curr Allergy Asthma Rep, 2020; 20: 6
J Investig Allergol Clin Immunol, 2017; 27: 78-88
JAMA Intern Med, 2015; 175: 401–7
WHNT News, “Nasal Spray“ Blowback ”: A Serious Health Risk,” 23 de fevereiro de 2018. www.youtube.com/watch?v=QuNWfzQuT04
Statistica, “Vendas das principais marcas de spray / gotas / inalador nasal nos Estados Unidos em 2019 (em milhões de dólares americanos).” 
Washington Post, 24 de agosto de 2016, “Mylan enfrenta mais pressão do Congresso para explicar o aumento do preço do EpiPen”
BMJ, 1989; 299: 1259–60
Curr Opin Allergy Clin Immunol, 2014; 14: 390-6
10CDC. Antibiotic Use in the United States, 2018 Update: Progress and Opportunities. Atlanta, GA: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, CDC; 2019.
11JAMA Pediatr, 2018; 172: e180315
12Front Immunol, 2021. doi.org/10.3389/fimmu.2021.673708; J Exp Med, 2019; 216: 20-40
13Eur J Microbiol Immunol, 2021; 11: 1-9
14Neurochem Int, 2016; 99: 110-32
15Nutrientes, 2020; 12: 665
16Jpn Pharm Ther, 1992; 20: 199-223
17Gut, 2005; 54: 966-71
18Am J Gastroenterol, 2014; 109: 1041–51
19Am J Otolaryngol, 2021; 42: 102883
20Int J Pediatr Otorhinolaryngol, 2012; 76: 994–1001
21J Dairy Sci, 2005; 88: 527–33
22Front Pediatr, 2020; 8: 577413; JAMA Dermatol, 2018; 154: 37-43
23J Clin Invest, 2021; 131: e144994
24ClinicalTrials.gov, identificador NCT02960074
25J Allergy Clin Immunol, 2015; 135: 737-44.e8
26Registro de ensaios clínicos da Nova Zelândia na Austrália, identificador ACTRN12616000322437
27ClinicalTrials.gov, identificador NCT03936998
28J Clin Invest, 2021; 131: e141935
29Front Immunol, 2020; 11: 574029
30Eur Ann Allergy Clin Immunol, 2011; 43: 81-8
31Allergy Asthma Proc, 2016; 37: 324-34
32J Drugs Dermatol, 2012; 11: 327-30
33Postepy Hig Med Dosw (online), 2007; 61: 548–54
34BMJ, 2002; 324
35BMC Complement Med Ther, 2020; 20: 119
36Phytother Res, 2003; 17: 1209–14
37Avicenna J Phytomed, 2019; 9: 195-212
38Curr Pharm Biotechnol, 10 de novembro de 2020.   Doi: 10.2174 / 1389201021999201110205048
39Daily Post Nigéria, 7 de abril de 2020
40Evid Based Complement Alternat Med, 2020; 2020: 2893609
41Biomolecules, 2020; 10: 634

Crianças alérgicas

CDC, Tabelas resumidas de estatísticas de saúde para crianças nos EUA: National Health Interview Survey, 2018, tabelas C-2b, C-2c, www.cdc.gov/nchs/fastats/allergies.htm

Epidemia de alergia 

J Allergy Clin Immunol, 2011; 127: 682-3
JAMA Pediatr, 2013; 167: 1026–31

O culpado alumínio

Referências
Genet Mol Res, 2014; 13: 5173-81
Células, 2019; 8: 546
Allergy, 2003; 58: 1101–13
Int Arch Allergy Immunol, 2014; 164: 89-96

Pesquisa encontra ligação entre bactérias intestinais e comportamento social

Você é um solitário – ou um amante da multidão? Uma nova pesquisa publicada na Frontiers in Psychiatry mostra que isso pode depender – pelo menos em parte – da diversidade de suas bactérias intestinais. Por mais estranho que possa parecer, a saúde do microbioma intestinal (a comunidade de bactérias benéficas no trato intestinal) pode ajudar a moldar a personalidade e até mesmo influenciar características como sabedoria e sociabilidade.

Algumas décadas atrás, o conceito de que micróbios no trato intestinal podem afetar o humor e a personalidade teria soado ridículo para muitos na medicina ocidental. Mas uma pesquisa revisada por pares publicada em revistas científicas de renome confirmou que o microbioma intestinal está de fato ligado à saúde mental – e até afeta a suscetibilidade a condições psicológicas como depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia. Claramente, essa conexão intrigante merece um olhar mais atento.

IMPOSSÍVEL de ignorar: a disbiose está na raiz de uma série de doenças crônicas

O microbioma intestinal é composto de literalmente trilhões de micróbios e apresenta mais de 1.000 tipos diferentes de bactérias, vírus, fungos e leveduras. (E, se isso for difícil de entender, imagine isto: o microbioma é responsável por 1 a 2Kg de peso corporal!) O microbioma executa uma série de tarefas vitais, incluindo regular a atividade imunológica, prevenir infecções, reduzir a inflamação e aumentando a absorção de minerais. Ultimamente, os pesquisadores têm ficado particularmente intrigados com o “eixo intestino-cérebro” – um caminho que liga a função intestinal aos centros emocionais e cognitivos do cérebro.

Idealmente, o microbioma contém uma ampla variedade de bactérias benéficas, juntamente com espécies patogênicas causadoras de doenças. Os problemas começam quando a importantíssima diversidade e equilíbrio desta comunidade são perturbados. Essa condição, conhecida como disbiose, é caracterizada por um número menor de bactérias “amigáveis”, um número maior de bactérias causadoras de doenças e menos diversidade de espécies em geral. A disbiose está associada a uma gama impressionante de doenças, incluindo asma, autismo, câncer, síndrome da fadiga crônica, esclerose múltipla, depressão, obesidade, doença inflamatória intestinal, doença celíaca, diabetes e doenças cardíacas.

A pesquisa relaciona a solidão com problemas de saúde intestinal

O estudo de 2021 UC-SD envolveu 187 participantes adultos, com idades entre 28 e 97 anos, que completaram medidas de solidão, sabedoria, compaixão, apoio social e envolvimento social validadas profissionalmente com base em autorrelato. A saúde e a diversidade de seus microbiomas intestinais foram avaliadas usando amostras fecais.

Os resultados foram claros.

“Descobrimos que níveis mais baixos de solidão e níveis mais altos de sabedoria, compaixão, apoio social e envolvimento foram associados a maior … riqueza e diversidade do microbioma intestinal”, relatou a autora do estudo Tanya T. Nguyen, Ph.D., Professora Assistente de Psiquiatria na UC San Diego School of Medicine. A diversidade microbiana reduzida, por outro lado, foi associada a uma pior saúde física e emocional.

Embora tenha revelado claramente uma ligação estreita entre a saúde intestinal deficiente e a solidão, a pesquisa também levantou uma espécie de enigma do “ovo e da galinha”. Os cientistas reconheceram que não sabiam com certeza se a própria solidão causa mudanças prejudiciais no microbioma intestinal – ou se essas mudanças poderiam predispor um indivíduo à solidão.

Mais do que um sentimento: a solidão tem sérios efeitos na saúde, incluindo a redução do tempo de vida

Quão relevantes para a saúde são intangíveis como solidão e sabedoria?

Extremamente relevante, ao que parece.

Os pesquisadores caracterizaram a solidão como um “sério problema de saúde pública” que está relacionado ao aumento da morbidade e mortalidade . O estado de solidão está associado a alterações nas funções cardíaca, neuroendócrina e imunológica, e causa elevações nos marcadores químicos pró-inflamatórios no corpo. Além disso, causa diminuição da estabilidade da microbiota intestinal, reduzindo a resistência às perturbações relacionadas ao estresse e desencadeando inflamação sistêmica prejudicial . Não é nenhuma surpresa que os pesquisadores caracterizaram pessoas solitárias como mais suscetíveis a desenvolver diferentes doenças.

A sabedoria, por outro lado, envolve habilidades desejáveis, como pensamento reflexivo, autoconsciência, empatia, compaixão pelos outros e compreensão do significado mais profundo dos eventos da vida. Vários estudos mostraram que as pessoas consideradas “mais sábias” são menos propensas à solidão – e aquelas que relatam ser solitárias tendem a ser menos sábias.

Embora os pesquisadores estejam convencidos de que micróbios intestinais saudáveis ​​e diversos podem ajudar a aliviar os efeitos negativos do estresse crônico – e da solidão – mais pesquisas são obviamente necessárias para explorar mais as relações.

O que você pode fazer para enriquecer o microbioma intestinal?

Se você suspeita que a diversidade do seu microbioma intestinal deixa a desejar, especialistas em saúde natural aconselham nutrição adequada – especificamente, uma dieta à base de plantas e não processada – como a primeira linha de defesa. Naturalmente, alimentos fermentados – como iogurte com culturas ativas, missô, kimchi e chucrute fresco – são de extrema importância. Você também pode apoiar um microbioma intestinal saudável consumindo muitas fibras de grãos inteiros, legumes, frutas e vegetais – enquanto reduz proteínas animais e gorduras saturadas na dieta. A fibra gera ácidos graxos de cadeia curta – como o butirato – que ajudam a desintoxicar os carcinógenos e regular os níveis de colesterol, apetite e peso. Além disso, muitos alimentos ricos em fibras, como aspargos, raiz de chicória, banana, alho e cebola, são prebióticos,

A suplementação com probióticos apropriados (organismos vivos que estimulam a presença de bactérias “amigáveis”) também pode ser útil. Estudos demonstraram que as intervenções probióticas no microbioma intestinal podem reduzir os níveis de cortisol, o “hormônio do estresse”. E, um ensaio duplo-cego controlado por placebo usando os probióticos L. helveticus e B. longum por 30 dias levou a melhorias no humor e melhor resolução de problemas, juntamente com redução da depressão e hostilidade. No entanto, verifique primeiro com seu médico integrativo antes de suplementar.

A questão é: não é que pessoas sábias nunca fiquem sozinhas – mas sabedoria e apoio social podem ajudar a proteger contra a instabilidade do microbioma relacionada à solidão. Afinal, vários estudos mostraram que pessoas com redes sociais maiores tendem a ter bactérias intestinais mais diversificadas.

Em outras palavras: ter amigos solidários no mundo externo pode ajudar a promover a saúde de bactérias amigáveis ​​no “mundo interno” – e desempenha um papel na promoção da felicidade e do bem-estar.


Lori Alton

As fontes deste artigo incluem:

ScienceDaily.com
FrontiersinPsychiatry.org
LifeExtension.com

Nova pesquisa confirma a ligação entre o alumínio e a doença de Alzheimer

 Aproximadamente 5,8 milhões de americanos com mais de 65 anos vivem com a doença de Alzheimer – e espera-se que o número cresça nas próximas três décadas. A Associação de Alzheimer estima que os casos chegarão a 13,8 milhões até o ano 2050.

Enquanto especialistas em saúde natural há muito insistem que há uma ligação entre o alumínio e a doença de Alzheimer, as autoridades médicas ocidentais tendiam a ignorar ou minimizar a conexão. Agora, um estudo britânico bombástico apoia a evidência de que o alumínio contribui para o desenvolvimento da doença de Alzheimer – e até explora a interação molecular exata do alumínio nas proteínas que desencadeiam a doença.

Estudo não deixa margem para dúvidas – o alumínio é encontrado em biomarcadores da doença de Alzheimer

Para conduzir o estudo, que acaba de ser publicado no Journal of Alzheimer’s Disease, os pesquisadores examinaram o tecido cerebral de doadores com mutações genéticas que podem afetar as proteínas do cérebro e causar o mal de Alzheimer familiar (uma forma da doença que faz com que as pessoas comecem a desenvolver a doença já aos 50 anos).

A doença de Alzheimer é desencadeada por proteínas beta-amilóides anormais, que formam depósitos de placas no cérebro e causam perda em grande escala de neurônios (células nervosas no cérebro) no córtex frontal. Significativamente, os pesquisadores descobriram que o alumínio estava “co-localizado” com a substância. “O alumínio é intrincada e inequivocamente associado às placas de beta-amiloide”, declarou o investigador principal Matthew John Mold, Ph.D., do Birchall Center at Lennard-Jones Laboratories da Keele University, Staffordshire, Reino Unido

A equipe também queria determinar se o alumínio existe na proteína tau anormal, outro biomarcador da doença de Alzheimer. Embora a proteína tau normalmente ajude a estabilizar os neurônios, uma forma anormal (proteína tau fosforilada) pode se acumular no cérebro, criando filamentos insolúveis que se tornam retorcidos e emaranhados. Juntos, os emaranhados de tau e as placas de beta-amiloide agem sinergicamente – o que significa que cada um fortalece os efeitos do outro – para produzir neurotoxicidade na doença de Alzheimer.

A pesquisa fornece novas evidências para a conexão entre “emaranhados de tau”, alumínio e doença de Alzheimer

Os pesquisadores usaram microscopia de fluorescência específica para alumínio para determinar que os emaranhados de tau fosforilados também estavam associados ao alumínio no tecido cerebral de doadores com DA familiar. “A presença desses emaranhados está associada à morte de células neuronais, e as observações do alumínio nesses emaranhados podem destacar um papel do alumínio nessas formações”, observou o Dr. Mold.

Em indivíduos vivos portadores da mutação genética, a tomografia por emissão de pósitrons mostrou que os emaranhados normalmente se desenvolvem dez a quinze anos após a detecção de aumentos marcantes de tau solúvel no líquido cefalorraquidiano. O início subsequente da demência grave surge cerca de sete anos depois – o que significa que a patologia do tau é um importante biomarcador e preditor da progressão inicial da doença.

O estudo pode ajudar a desenvolver técnicas de prevenção e detecção precoce da doença de Alzheimer. Embora não exista cura para a doença de Alzheimer atualmente na medicina ocidental, as abordagens terapêuticas têm se concentrado em perturbar a sinergia – ou o trabalho em equipe destrutivo – entre os componentes amilóide e tau da doença de Alzheimer, reduzindo assim a perda de neurônios.

Reduzir o alumínio no cérebro, é claro, pode ser a chave.

Alerta: o alumínio é um metal pesado neurotóxico

O alumínio não é essencial, o que significa que não serve para nada no corpo. No entanto, é biologicamente reativo, potencializando o ciclo redox do ferro e gerando radicais livres prejudiciais.

A exposição a grandes quantidades de alumínio tem sido implicada não apenas na doença de Alzheimer e outras condições neurodegenerativas – mas também no autismo e no câncer de mama. De acordo com a médica naturopata credenciada, Dra. Christine Schaffner, o alumínio é atualmente a toxina número um encontrada entre os pacientes expostos a metais pesados tóxicos.

Entre os danos causados ​​pelo alumínio está sua interferência com enzimas que desempenham um papel essencial na produção de melatonina, um potente antioxidante necessário para um sono reparador e saúde do sistema imunológico. O sono insuficiente pode causar disfunção no sistema linfático dependente da glia, uma via que ajuda a eliminar as toxinas do cérebro durante o sono. Isso, por sua vez, pode resultar em grandes quantidades de beta-amilóide, que estudos revelaram como o principal culpado na doença de Alzheimer.

O alumínio é o terceiro elemento mais abundante do mundo e está presente na água, na terra e no ar. Também é encontrado em alimentos, cosméticos – particularmente antitranspirantes – e utensílios de cozinha. Além disso, o alumínio é usado como adjuvante em algumas vacinas.

É hora de uma desintoxicação de metal?

Felizmente, muitos médicos integrativos e curandeiros naturais têm protocolos para reverter a toxicidade do alumínio. Dr. Schaffner recomenda nutrientes antioxidantes – como vitamina C, vitamina E e selênio – junto com imunoterapia de baixa dosagem.

As intervenções de suporte adicionais incluem clorela, sílica lipossomal, cogumelos medicinais e coentro na forma de tintura. Outras terapias suaves e não invasivas para uma desintoxicação de metais incluem drenagem linfática, pedilúvios iônicos, escovação a seco e pacotes de óleo de rícino. Exercícios ou sessões regulares de sauna podem promover a transpiração e ajudar a eliminar as toxinas também.

Consulte um praticante experiente de integração para obter o programa de desintoxicação certo para você.

Você também pode minimizar a exposição ao alumínio evitando alimentos processados ​​e seguindo uma dieta orgânica. Alimentos probióticos – como chucrute cru não pasteurizado, kimchi e iogurte com culturas vivas – fornecem bactérias benéficas que podem ajudar a capturar e eliminar metais indesejados. E não se esqueça de frutas e vegetais ricos em polifenóis e ricos em fibras – como mirtilos, romãs e açaí – junto com nozes e sementes germinadas e folhas verdes escuras.

Muitos especialistas em saúde natural também recomendam investir em panelas de cerâmica e evitar o uso de papel alumínio. Quando exposto a altas temperaturas, o alumínio escorre do invólucro de papel alumínio – e penetra na comida (o último lugar onde você quer).

A Associação de Alzheimer relata que a doença de Alzheimer é agora a sexta principal causa de morte nos Estados Unidos, ceifando mais de 122.000 vidas por ano. As últimas evidências mostrando a ligação entre o alumínio e a doença de Alzheimer podem desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento de terapias futuras – e certamente merecem uma exploração mais aprofundada.

Lori Alton

OBS.: Temos em nosso atendimento protocolos de remoção de alumínio por cataforese seletiva. Consulte!

As fontes deste artigo incluem:

ScienceDaily.com
Alzheimer’sAssociation.org
Wiley.com

Conclusão “indiscutível”: estudo inovador confirma que desequilíbrios de bactérias intestinais estão ligados à doença de Alzheimer

 Pode ser um pouco perturbador saber que trilhões de bactérias vivem dentro de nós – na medida em que compreendem surpreendentes 90 por cento de nossos corpos (em comparação com meros 10 por cento de células humanas). Mas o fato é: essa enorme comunidade microbiana, também conhecida como microbioma, é indispensável ao sistema imunológico – e pode até afetar a cognição e o humor. Agora, uma nova pesquisa de cientistas suíços e italianos revelou a relação entre o microbioma e a doença de Alzheimer.

A incidência da doença de Alzheimer – uma condição neurodegenerativa crônica que prejudica a memória, o pensamento e o aprendizado – está aumentando. Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças relatam que a condição afeta 5,7 milhões de americanos, com alguns especialistas estimando que os casos chegarão a 16 milhões em 2050.

Estudo sobre o microbioma e a doença de Alzheimer mostra que subprodutos bacterianos estimulam placas amilóides prejudiciais

Para conduzir o estudo – que foi publicado no Journal of Alzheimer’s Disease – pesquisadores da Universidade de Genebra e dos Hospitais Universitários de Genebra se uniram a cientistas do Centro Nacional de Pesquisa e Atendimento para Doenças de Alzheimer e Psiquiátricas Fatebenefratelli em Brescia, Universidade de Nápoles.

O estudo envolveu 89 adultos mais velhos – alguns dos quais tinham doença de Alzheimer e deficiência de memória e outros com função de memória normal. Os pesquisadores usaram a tecnologia PET para medir o volume da placa amilóide – proteínas anormalmente configuradas que podem preparar o cenário para a doença de Alzheimer – nos cérebros dos participantes e avaliaram os níveis sanguíneos de várias proteínas produzidas como subprodutos das bactérias intestinais.

A pesquisa já mostrou que os pacientes de Alzheimer têm bactérias intestinais menos diversificadas, com alguns micróbios “super-representados” e outros aparecendo em números reduzidos. Neste estudo, os cientistas estavam interessados ​​em aprender mais sobre as conexões entre um microbioma perturbado, subprodutos de bactérias intestinais e a doença de Alzheimer.

Conexão “indiscutível”: os subprodutos das bactérias intestinais estão associados à doença de Alzheimer

Os pesquisadores esperavam descobrir se mediadores inflamatórios produzidos pelas bactérias intestinais (metabólitos) poderiam influenciar o desenvolvimento das placas amilóides – e eles obtiveram a resposta.

Chamando os resultados de “indiscutíveis”, a autora principal Moira Marizzoni – pesquisadora do Centro Fatebenefratelli em Brescia – relatou que níveis elevados de lipopolissacarídeos no sangue – e certos ácidos graxos de cadeia curta (SCFAs), incluindo acetato e valerato – estavam de fato associados a amiloide maior depósitos.

Curiosamente, outros SCFAs tiveram efeitos antiinflamatórios e benéficos. Na verdade, níveis elevados de um SCFA (butirato) no sangue foram associados a menos placas amilóides – não mais!

Os pesquisadores notaram que mais estudos são necessários para explorar os efeitos específicos dos subprodutos produzidos por diferentes cepas de bactérias.

O “cuidado e alimentação” adequados de bactérias intestinais benéficas podem ser a chave para prevenir a doença de Alzheimer

A pesquisa abre caminho para a detecção precoce da doença de Alzheimer e potencialmente leva a estratégias preventivas pré e probióticas – como “coquetéis bacterianos” – para alterar o microbioma intestinal em indivíduos em risco. (A propósito, os probióticos são bactérias benéficas que existem em alguns alimentos. Eles também estão disponíveis como suplemento. Os prebióticos, por outro lado, fornecem nutrição direta para os probióticos no trato intestinal).

As intervenções probióticas já se mostraram promissoras na prevenção e tratamento da doença de Alzheimer. Muitos cientistas acreditam que seus efeitos terapêuticos são devidos às propriedades antiinflamatórias e antioxidantes dos probióticos, sua capacidade de melhorar a cognição e a atividade metabólica e sua capacidade de produzir metabólitos essenciais.

Em uma revisão de 2020 publicada na Bioengineering and Biotechnology , os autores concluíram que um “microbioma equilibrado induzido por probióticos” demonstrou a capacidade de melhorar os sintomas da doença de Alzheimer por meio de vários mecanismos. Os autores observaram que um microbioma disfuncional, por outro lado, prejudica a barreira epitelial intestinal, causando inflamação no cérebro e acelerando a progressão da doença de Alzheimer. (Parece que os cientistas estão finalmente reconhecendo o papel desempenhado pelo “intestino permeável” nas doenças neurodegenerativas – algo que os especialistas em saúde natural sempre sustentaram!)

Esperançosamente, as pesquisas mais recentes sobre o microbioma e a doença de Alzheimer irão desencadear avanços na detecção precoce. Giovanni Frisoni, neurologista e professor do Departamento de Reabilitação e Geriatria dos Hospitais Universitários de Genebra, destacou a importância do diagnóstico precoce e acrescentou que os indivíduos devem ser tratados antes que os sintomas apareçam.

Aqui está como construir um microbioma equilibrado por meio de nutrição adequada e suplementos probióticos

Você pode aumentar a ingestão de probióticos benéficos com alimentos como chucrute fresco, iogurte com culturas ativas, repolho em conserva e sopa de missô. Alimentos prebióticos incluem aveia, banana, frutas vermelhas, alho, alho-poró e cebola.

Alguns especialistas em saúde natural aconselham a suplementação de probióticos, com quantidades típicas variando de 10 a 20 bilhões de unidades formadoras de colônias (UFC) por dia. No entanto, verifique primeiro com seu próprio médico integrador antes de suplementar.

É bom saber: cepas probióticas como Bifidobacterium breve A1, B. longum, B. bifidum e Lactobacillus acidophilus são consideradas particularmente úteis na promoção da saúde do microbioma intestinal.

A pesquisa mais recente se junta a um corpo de evidências em constante crescimento, destacando a importância de um microbioma saudável na prevenção da doença de Alzheimer. Embora mais estudos ainda sejam necessários, parece provável que os probióticos e prebióticos desempenharão um papel importante na prevenção e no tratamento dessa condição mortal debilitante.

Lori Alton

As fontes deste artigo incluem:

FrontiersinMedicine.org
Aging.com

Carnes processadas podem desencadear obsessão e hiperatividade

Os nitratos nas carnes processadas podem desencadear crises de obsessão e hiperatividade em pessoas saudáveis ​​- e aqueles com histórico de problemas psiquiátricos têm três vezes mais chances de comer regularmente as carnes, como presunto, salame, salsichas e bacon.

Os nitratos podem estar alterando as bactérias intestinais que, por sua vez, influenciam sintomas bipolares, como mudanças de humor e mania, afirmam pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins.

A teoria é apoiada pela descoberta de que os pacientes bipolares têm menos probabilidade de precisar de cuidados hospitalares se tomam probióticos, que ajudam a restabelecer as bactérias “boas” no intestino.

Os pesquisadores dizem que as carnes processadas ou curadas eram o único tipo de alimento que continuava surgindo quando analisavam as dietas de pacientes bipolares. Eles consideraram que o sofredor bipolar tem três vezes mais chances de comer regularmente carnes processadas do que um não sofredor.

O pesquisador principal Robert Yolken diz que a descoberta pode abrir uma nova porta de tratamento focada na dieta e no intestino.

Yolken e sua equipe vêm trabalhando na teoria há vários anos depois de descobrirem que o comportamento dos ratos se tornou mais maníaco em apenas algumas semanas após serem alimentados com carne processada.

Em seu último estudo, os pesquisadores analisaram as dietas e o comportamento de mais de mil pessoas, algumas das quais com problemas psiquiátricos. Yolken começou a suspeitar de nitratos, já que havia sido previamente associado a doenças neurodegenerativas, e nenhuma evidência foi encontrada para apoiar a teoria então prevalecente de que a doença bipolar era um problema genético.

Ele duvida que, ocasionalmente, comer carnes processadas desencadeie um episódio maníaco por si só, mas ele suspeita que comer regularmente as carnes possa ter um efeito cumulativo, especialmente quando começa a alterar as bactérias intestinais.


Referências

(Fonte: Journal of Affective Disorders, 2018; 226: 45)

Wddty 072018