A maioria das crianças com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) tem o problema quando adultos

O TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade) costuma ser considerado um problema da infância – mas 90% sofrem sintomas na idade adulta, como falar impulsivamente ou não ser capaz de tomar decisões.  

É importante que as pessoas reconheçam que o TDAH continua até a idade adulta, e haverá momentos em que uma pessoa não consegue lidar com as situações ou se sente menos no controle, disseram pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington.

Acreditava-se que metade de todas as crianças com diagnóstico de TDAH ainda sofreria com isso na idade adulta, mas os pesquisadores de Washington estimam que o número real é muito maior e pode chegar a 90 por cento dos casos.

Eles acompanharam a saúde de 558 crianças quando tinham oito anos e até os 25 anos. Todas as crianças haviam sido diagnosticadas com TDAH.

Os pesquisadores não têm certeza de por que os sintomas de TDAH surgem na idade adulta, mas suspeitam que pode estar relacionado ao estresse ou ao não seguimento de um estilo de vida saudável com boa nutrição e sono.   Os sintomas vêm e vão, descobriram os pesquisadores, e muitos no grupo de estudo desenvolveram seus próprios mecanismos de enfrentamento.

Os adultos com TDAH têm muito mais probabilidade de exercer uma profissão criativa.   “O segredo é encontrar um trabalho ou uma paixão pela vida que seja compatível com o TDAH.   Você verá muitas pessoas criativas com TDAH, enquanto as pessoas com TDAH que podem ser obrigadas a fazer tarefas muito detalhadas em um computador acharão muito difícil ”, disse Margaret Sibley, uma das pesquisadoras.

O TDAH tem dois grupos principais de sintomas: a desatenção pode se manifestar como desorganização, esquecimento ou dificuldade para se concentrar, enquanto aqueles que são mais hiperativos podem ser verbalmente impulsivos, indecisos ou compulsivos quando crescem.

Wddty 08/2021

(Fonte: American Journal of Psychiatry, 2021; appi.ajp.2021.2)

OBS.: Temos diversas terapias para TDAH. Consulte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *