Adoçante de frutose, uma das principais causas de problemas intestinais (estomacais e hepáticos também)

A frutose – o adoçante usado em refrigerantes e alimentos processados ​​- causa grandes problemas estomacais, de intestino gotejante a câncer de fígado.

O adoçante, conhecido como xarope de milho com alto teor de frutose (HFCS), é uma das principais causas dos problemas intestinais, chamados coletivamente de doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), que afeta um em cada três adultos americanos.

O adoçante foi adicionado a alimentos e bebidas processados ​​desde a década de 1970 e, embora tenha sido considerada a causa da epidemia de obesidade, gozou de uma regulamentação leve da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, que o tratou como qualquer outro adoçantes, como sacarose ou mel, e uso moderado recomendado.

Mas é hora de assumir uma postura mais dura, dizem pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego, que descobriram que o HFCS causa sérios problemas estomacais. NAFLD é a causa mais comum de doença hepática crônica no mundo, que pode levar à cirrose, câncer de fígado, insuficiência hepática e, em última instância, morte.

Em testes de laboratório, os pesquisadores descobriram que o HFCS tem uma probabilidade três vezes maior do que a glicose de aumentar a gordura do fígado, o que pode desencadear a NAFLD.

Nosso sistema digestivo libera a enzima frutocinase para quebrar a frutose e, por sua vez, isso reduz a produção de proteínas que protegem a barreira intestinal e o resultado é um intestino permeável.

Consumir frutose de vez em quando não parece causar nenhum dano ao intestino; o processo começa apenas após o consumo excessivo e de longo prazo de frutose, dizem os pesquisadores. O problema é que tantos alimentos e bebidas processados ​​contêm HFCS que as pessoas nem sempre podem estimar as quantidades que estão consumindo.

A descoberta oferece um vislumbre de esperança: uma terapia que restaure a barreira intestinal pode ser um antídoto para a NAFLD, acrescentam os pesquisadores.

Bryan Hubbard


Referências

(Fonte: Nature Metabolism, 2020; doi: 10.1038 / s42255-020-0261-2)

wddty 102020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *