Cientistas estão usando ondas sonoras para regenerar tecido ósseo

O futuro da medicina regenerativa pode ser encontrado na cura pelo som, regenerando as células ósseas com ondas sonoras.

O uso do som como modalidade de cura tem uma tradição antiga em todo o mundo. Os antigos gregos usavam o som para curar distúrbios mentais; Os aborígenes australianos supostamente usam o didgeridoo para curar; e as taças tibetanas ou do Himalaia eram, e ainda são, usadas para cerimônias de cura espiritual.

Recentemente, um estudo mostrou que uma meditação de uma hora de duração reduziu a raiva, a fadiga, a ansiedade e a depressão, o que é uma ótima notícia para a saúde mental. Mas agora, um novo estudo do Royal Melbourne Institute of Technology, na Austrália, mostrou cura física usando ondas sonoras.

Os cientistas usaram ondas sonoras de alta frequência para transformar células-tronco em células ósseas em uma disciplina médica chamada ‘engenharia de tecidos’, onde o objetivo é reconstruir tecidos e ossos ajudando o corpo a se curar.

Os pesquisadores dispararam ondas sonoras nas células dos tecidos por 10 minutos por dia ao longo de cinco dias. Esta imagem mostra células-tronco se transformando em células ósseas após serem tratadas com ondas sonoras de alta frequência.

Uma imagem ampliada mostrando células-tronco adultas no processo de se transformar em células ósseas após o tratamento com ondas sonoras de alta frequência. 
A coloração verde mostra a presença de colágeno, que as células produzem à medida que se tornam células ósseas. Ampliação: 60X

O pesquisador co-líder Leslie Yeo explicou: “[Nós] podemos usar as ondas sonoras para aplicar a quantidade certa de pressão nos lugares certos às células-tronco, para desencadear o processo de mudança”.

O professor Yeo e sua equipe passaram mais de uma década estudando os efeitos das ondas sonoras em diferentes materiais e aprenderam a usar ondas sonoras acima de 10 megahertz para obter os melhores resultados. No passado, apontam os pesquisadores, os experimentos para transformar células-tronco em células ósseas tinham um custo proibitivo para aumentar e, como as células precisavam ser colhidas da medula óssea dos pacientes, isso poderia ser extremamente doloroso. Mas neste experimento, eles usaram vários tipos de células, até mesmo células de gordura que são muito mais fáceis de extrair de um paciente.

Eles argumentam ainda que, como as ondas sonoras criadas neste experimento foram geradas por um microchip de baixo custo, seu processo será mais rápido, fácil e menos caro do que outros métodos. O próximo grande desafio à frente: dimensionar o processo para que possa ser colocado em uso médico.


Uma ilustração gráfica do tratamento inovador com células-tronco. 
O microchip à esquerda gera ondas sonoras de alta frequência (verde) para manipular com precisão as células-tronco, que são colocadas em óleo de silício em uma placa de cultura com fundo de vidro.

OBS.: Utilizo equipamentos frequenciais (que geram ondas sonoras) para vários tipos de tratamentos – desde auxiliar a regeneração de tecidos, auxiliar a redução de inflamações, auxiliar a eliminação de células cancerígenas, auxiliar a geração de novas redes neurais, auxiliar a desintoxicação, até auxiliar a eliminação de patógenos. Consulte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *