Cinco melhores agentes antitússicos para aliviar a tosse naturalmente

Se você está lidando com uma tosse persistente devido a um resfriado ou gripe, ou por causa de uma doença crônica como bronquite ou sinusite, o alívio rápido dos sintomas é uma obrigação. Mas o que pode aliviar de forma segura e confiável uma tosse persistente sem risco de efeitos colaterais graves, incluindo dependência?

Os xaropes medicamentosos para tosse geralmente contêm ingredientes psicoativos como dextrometorfano (DM) e prometazina-codeína, que podem ser viciantes e perigosos, especialmente para crianças. Com efeitos colaterais potenciais, incluindo batimentos cardíacos irregulares e pressão arterial, danos ao fígado, agitação extrema, danos cerebrais e até morte, há uma necessidade pronunciada de remédios eficazes e seguros para a tosse.

Para atender a essa necessidade, compilamos evidências convincentes de cinco dos melhores agentes antitússicos para aliviar a tosse naturalmente, sem os riscos.

1. Raiz de Marshmallow

A raiz de marshmallow é uma planta comestível que tem sido usada há milhares de anos para fins medicinais e sim – deu o nome à confecção popular. Uma mucilagem natural, as fibras da raiz do marshmallow incham quando expostas à água, proporcionando um revestimento protetor às membranas. Graças a essa capacidade, a seiva da planta do marshmallow já foi usada para tratar doenças como tosse e dor de garganta, além de reduzir o inchaço e a inflamação nas passagens nasais, nas vias aéreas brônquicas e no sistema digestivo.

Essa longa história de uso em medicamentos estimulou pesquisadores na Alemanha a testar extratos de raiz de marshmallow em pacientes com tosse seca crônica. Duas pesquisas prospectivas e não intervencionistas foram realizadas em 822 participantes que compraram pastilhas ou xarope de extrato de raiz de marshmallow para tratar a tosse. Eles foram convidados a preencher um questionário sobre a eficácia geral e tolerabilidade da terapia de raiz de marshmallow e avaliar sua satisfação geral com o tratamento, ao longo de sete dias.

Os resultados relatados pelos consumidores mostraram que tanto as pastilhas quanto o xarope para tosse produziram “efeitos muito bons” na irritação oral e faríngea e tosse seca associada com início dos efeitos em menos de 10 minutos para a maioria dos usuários, com muito boa tolerabilidade.

Um estudo de 2020 que avaliou a eficácia da raiz de marshmallow no tratamento da tosse e outros problemas respiratórios, analisou estudos em humanos e animais e descobriu que o extrato de raiz de marshmallow, quando combinado com outros extratos de plantas, era uma boa escolha para tosse, dor de garganta e outras doenças respiratórias. doenças graças aos seus efeitos expectorantes e antitússicos.

2. Homeopatia

A prática da homeopatia existe há centenas de anos e é baseada no princípio de que “semelhante cura semelhante”. Um tratamento homeopático geralmente será uma forma diluída de qualquer substância que esteja causando sintomas em uma pessoa saudável. Por exemplo, alergias sazonais podem ser tratadas por uma solução diluída desses mesmos alérgenos para construir uma resposta imune naturalmente robusta à exposição.

Os tratamentos homeopáticos para infecções virais leves geralmente são direcionados para aliviar sintomas como tosse, febre, dores musculares e dor de garganta. Um estudo de 2004 comparou a eficácia de um remédio homeopático popular para resfriado, Gripp-Heel, com remédios convencionais para resfriado. Uma coorte de 485 pacientes com infecções virais leves foram tratados convencionalmente ou com homeopáticos, e então avaliados por médicos que descobriram que a terapia homeopática era tão eficaz, se não mais, do que as terapias convencionais.

No geral, os tratamentos homeopáticos foram bem sucedidos na remediação dos sintomas em 78,1% dos casos versus 52,2% dos pacientes tratados com terapias convencionais. A tolerabilidade e a adesão ao tratamento foram boas para ambos os grupos, com o veredicto “muito bom” dado para 88,9% dos pacientes no grupo homeopático versus apenas 38,8% no grupo de tratamento convencional.

3. Mel

O mel puro e dourado é um dos presentes mais antigos da natureza para a humanidade. As aplicações medicinais tradicionais do mel variam, desde aliviar a insônia, graças a uma ação hipnótica, até restaurar o equilíbrio dos pulmões. Ambos os efeitos se combinam para tornar o mel um substituto adequado para remédios narcóticos para tosse noturnos, especialmente para crianças com tosse e sono perturbado.

Os pesquisadores compararam os efeitos de uma única dose noturna de mel de trigo sarraceno com um xarope tradicional para tosse DM com sabor de mel para o tratamento da tosse noturna e dificuldade de sono em crianças com infecções do trato respiratório superior. Um terceiro grupo não recebeu tratamento como controle. Pesquisas foram administradas aos pais para avaliar os efeitos do mel, DM ou nenhum tratamento, de acordo com um esquema de randomização parcialmente duplo-cego.

Um total de 105 crianças foram avaliadas em uma clínica pediátrica geral com pesquisas medindo os resultados dos efeitos na frequência e gravidade da tosse, natureza incômoda da tosse e qualidade do sono da criança e dos pais. O tratamento de dose única foi administrado 30 minutos antes da hora de dormir.

Os resultados foram notáveis, com diferenças significativas na melhora dos sintomas entre os grupos de tratamento. O mel sempre teve a melhor pontuação, com ‘sem tratamento’ pontuando o pior. Em comparações pareadas, o mel foi significativamente superior a nenhum tratamento para frequência de tosse e pontuação geral combinada. Notavelmente, o remédio convencional para tosse, DM, não produziu melhores resultados do que nenhum tratamento para qualquer medida. No geral, os pais avaliaram o mel como mais favorável para o alívio sintomático da tosse noturna e dificuldade de sono de seus filhos devido à infecção do trato respiratório superior. 

4. Hera e tomilho

Você pode se surpreender ao saber que a hera é um medicamento tradicional em muitas partes do mundo. Usado para tratar asma, bronquite e tosse, as propriedades anti-mucolíticas e anti-inflamatórias da hera demonstraram ser tão eficazes quanto o ambroxol, medicamento para dissolver o muco, no tratamento da bronquite crônica. A combinação deste potente extrato com tomilho, uma erva medicinal e culinária com efeitos antiespasmódicos, pode acelerar a recuperação e melhorar o tratamento da tosse associada à infecção.

Um estudo de 2006 procurou avaliar a eficácia e tolerabilidade de um extrato fluido combinando folhas de tomilho e hera em comparação com placebo em pacientes que sofrem de bronquite aguda com tosse produtiva. Um total de 361 pacientes ambulatoriais com bronquite aguda envolvendo mais de 10 acessos de tosse por dia e muco brônquico que não podia ser expelido pela tosse foram aleatoriamente designados para um tratamento de 11 dias com xarope combinado de tomilho-hera ou xarope placebo. A gravidade da bronquite foi pontuada na linha de base (dia zero), dia quatro de tratamento e dia 10, no final do tratamento.

Os pacientes avaliaram a eficácia do tratamento contando seu número diário de ataques de tosse, avaliação dos sintomas relacionados à bronquite aguda e pela avaliação dos investigadores dos sintomas mais importantes da bronquite aguda usando o escore de gravidade da bronquite. A tolerabilidade do tratamento foi avaliada com base nos eventos adversos relatados, na medição dos sinais vitais, bem como na mudança na frequência dos acessos de tosse diurnos nos dias sete a nove, conforme autorrelato dos pacientes, que usavam um contador de tosse manual e mantinham um diário diário de sintomas.

Os resultados mostraram uma redução média nos acessos de tosse em 68,7% com a combinação de tomilho e hera, em comparação com 47,6% com placebo. Além disso, uma redução de 50% nos ataques de tosse da linha de base foi alcançada dois dias antes no grupo de tomilho-hera. O extrato de combinação de tomilho e hera foi bem tolerado sem eventos adversos graves ou graves relatados.

5. Nigella Sativa

As sementes de Nigella sativa, conhecidas como cominho preto ou semente preta, são usadas como fitoterapia tradicional há milhares de anos. A capacidade da semente preta de facilitar a respiração e reduzir a fleuma a torna uma opção de tratamento natural popular para quem sofre de asma brônquica e tosse crônica.

Uma meta-análise de 2019 sobre os efeitos clínicos e experimentais da Nigella sativa em distúrbios respiratórios e alérgicos descobriu que a semente preta possui uma série de propriedades terapêuticas que beneficiam a tosse, incluindo propriedades anti-inflamatórias, anti-histamínicas, antialérgicas, antitussígenas e broncodilatadoras.

Estudos clínicos sobre o extrato de Nigella sativa também mostraram propriedades broncodilatadoras e preventivas quando administrados a pacientes asmáticos e demonstraram efeitos terapêuticos em vários distúrbios alérgicos. Os pesquisadores concluíram que a Nigella sativa e seus constituintes são remédios eficazes para o tratamento de doenças pulmonares alérgicas e obstrutivas que podem produzir tosse crônica.


Referências

[i] Nida.nih.gov, DrugFacts, Cold and Cough Medicine Abuse,  https://nida.nih.gov/sites/default/files/drugfacts_cough_cold_meds.pdf

[ii] Agência Europeia de Medicamentos, Marshmallow Root Summary, https://www.ema.europa.eu/en/documents/herbal-summary/marshmallow-root-summary-public_en.pdf [iii] Complement Med Res. 2018 ;25(5):299-305. Epub 2018, 1º de agosto. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30064132 [iv] Complement Med Res. 2020 ;27(3):174-183. Epub 2019 26 de novembro. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31770755 [v] FDA.gov, Drugs, Information by Drug Class, Homeopathic Products, https://www.fda.gov/drugs /information-drug-class/homeopathic-products [vi] Int J Clin Pract. 2004 Set ;58(9):827-32. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15529515 [vii] Int J Clin Pract. 2004 Set ;58(9):827-32. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15529515 [viii] Iran J Basic Med Sci. 2013 Jun;16(6):731-42. PMID: 23997898; PMCID: PMC3758027. [ix] Arch Pediatr Adolesc Med. 2007 dez ;161(12):1140-6. https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18056558 [x] Kaiser Permanente, Ivy Leaf, https://wa.kaiserpermanente.org/kbase/topic.jhtml?docId=hn-2116002 [xi] Wiad Lek . 2016;69(6):791-798. Polonês. PMID: 28214817. [xii] Arzneimittelforschung. 2006;56(9):652-60. PMID: 17063641 [xiii] Saudi Pharm J. 2017 Dez;25(8):1130-1136. doi: 10.1016/j.jsps.2017.07.002. Epub 2017 11 de julho. PMID: 30166900; PMCID: PMC6111118. [xiv] Avicena J Phytomed. 2019 maio-junho;9(3):195-212. PMID: 31143688 [xv] Avicena J Phytomed. 2019 maio-junho;9(3):195-212. PMID: 31143688 doi: 10.1016/j.jsps.2017.07.002. Epub 2017 11 de julho. PMID: 30166900; PMCID: PMC6111118. [xiv] Avicena J Phytomed. 2019 maio-junho;9(3):195-212. PMID: 31143688 [xv] Avicena J Phytomed. 2019 maio-junho;9(3):195-212. PMID: 31143688 doi: 10.1016/j.jsps.2017.07.002. Epub 2017 11 de julho. PMID: 30166900; PMCID: PMC6111118. [xiv] Avicena J Phytomed. 2019 maio-junho;9(3):195-212. PMID: 31143688 [xv] Avicena J Phytomed. 2019 maio-junho;9(3):195-212. PMID: 31143688

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *