Comprimidos para a dor aumentam o risco de dor, dependência e morte prematura

As pílulas para a dor são narcóticos, que se destinam a aliviar a dor, mas também proporcionam uma sensação de euforia que alguns sugeririam que os rivais estivessem usando heroína. Agora eu sei que isso pode soar um pouco chocante – mas os horríveis efeitos colaterais associados ao uso a longo prazo dessas drogas não estão em debate.

Na realidade, a medicação para a dor é uma forma legalizada de droga – que é necessária em dosagens cada vez mais altas à medida que a tolerância do paciente aumenta. Além disso, esses medicamentos custam aos contribuintes uma pequena fortuna – em prêmios de seguro – para aqueles que podem pagar. Sem falar nas inúmeras vidas perdidas para essas substâncias altamente tóxicas.

O verdadeiro custo dos analgésicos revelado

Entre 1999 e 2010, as vendas de analgésicos opióides, como Vicodin, Percocet e OxyContin, quadruplicaram. Em 2010, os Estados Unidos – com cerca de 5% da população mundial – consumiram 99% da hidrocodona do mundo (o narcótico em Vicodin), juntamente com 80% da oxicodona em Percocet e Oxycontin. Esses números são realmente impressionantes.

À medida que as prescrições de narcóticos aumentavam, também aumentava o número de pessoas perdendo a vida. Por outro lado, aqueles que não sucumbiram eram menos propensos a recuperar a função cerebral e menos propensos a voltar a um emprego significativo. Os efeitos colaterais negativos dos narcóticos prescritos incluem constipação, disfunção sexual, comprometimento cognitivo e dependência.

Esta é a melhor maneira de ‘gerenciar’ a dor?

Pacientes que recebem narcóticos, por longos períodos de tempo, tornam-se mais sensíveis à dor e diminuem o alívio da dor ao longo do tempo. Há boas evidências científicas que sugerem que as prescrições de narcóticos – para tratar a dor crônica – só são eficazes em um período de doze a dezesseis semanas.

A grande indústria farmacêutica tem um grande preço a pagar por suas ações

Mais de 86.000 crianças em Kentucky estão sendo criadas por alguém que não seja um pai biológico, e o abuso de medicamentos prescritos é o principal culpado, de acordo com líderes comunitários. A CNN relata que, embora seja difícil avaliar quantas crianças são órfãs – após overdoses dos pais de medicamentos prescritos – os dados estaduais mostram que Kentucky é o quarto estado mais medicado do país e tem a sexta maior taxa de mortes por overdose.

De acordo com o representante dos Estados Unidos Hal Rogers, ‘alguém tem que cuidar dessas crianças, e nós simplesmente não temos as instalações para isso’. Ele continua dizendo, ‘isso é um grande empreendimento porque existem literalmente dezenas de milhares dessas crianças.’

Por que o Kentucky está sendo destruído pelas grandes farmacêuticas?

Será que a grande indústria farmacêutica tem como alvo pessoas pobres para obter lucro? Os gastos da Purdue Pharma com anúncios de OxyContin aumentaram substancialmente ao longo dos anos. Purdue parece visar principalmente médicos de cuidados primários – especificamente em áreas rurais e pobres. A trama engrossa.

As pessoas pobres, no Medicaid, recebem analgésicos prescritos com o dobro da taxa de pacientes não Medicaid e correm seis vezes o risco de overdose de analgésicos prescritos. Um estudo do estado de Washington descobriu que 45% das overdoses de analgésicos eram de inscritos no Medicaid.

O abuso de medicamentos prescritos, especificamente opióides, como OxyContin – derivados de formas naturais ou sintéticas de ópio ou morfina – é tão prevalente nos Apalaches que uma nova palavra foi criada apenas para descrever esses viciados: ‘comprimidos’.

As acusações contra as empresas farmacêuticas eram tão sérias que os promotores federais recomendaram formalmente acusar a Purdue Pharma e seus três principais executivos de vários crimes, incluindo conspiração, fraude postal e eletrônica, lavagem de dinheiro e falsificação de marca. É quase inimaginável que nossa sociedade chame isso de ‘saúde’.

O perigo mortal ligado a um novo analgésico

Outro medicamento aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, Zohydro, usa hidrocodona pura para tratar a dor crônica (grave). Os usados ​​até agora misturam hidrocodona com analgésicos mais fracos e não viciantes, como acetaminofeno ou aspirina. Zohydro contém até 10 vezes mais hidrocodona do que outras drogas combinadas.

A FDA aprovou este medicamento contrariando a recomendação de seus próprios painéis consultivos.  Hydrocodone é um dos medicamentos mais comumente abusados ​​nos Estados Unidos, de acordo com a Drug Enforcement Administration. O outro problema com esta pílula é que uma pílula extra vai te matar!

Se uma criança pegar apenas um comprimido – será mortal. As empresas que fabricam esses narcóticos comercializam agressivamente seus produtos para dores crônicas leves a moderadas de longo prazo. Eles estão na cama com a American Academy of Pain Management e a American Pain Society.

As empresas farmacêuticas devem ser viciadas em todo esse dinheiro – faturando aproximadamente US$ 280 bilhões por ano. A piada corrente nos círculos farmacêuticos é que o melhor cliente para uma empresa farmacêutica é aquele que gasta muito dinheiro para manter a condição que tem.

A grande indústria farmacêutica quer que você ignore a solução

Cuidar de sua saúde geral é a única maneira de evitar a morte prematura por drogas. Coma uma dieta de alimentos orgânicos e integrais (tanto quanto possível), use acupuntura, massagem, biofeedback, quiropraxia e programas de desintoxicação – quando necessário.

Lembre-se de que há muitas maneiras pelas quais sua dieta pode reduzir a inflamação (e a dor) naturalmente, como capsaicina, cerejas azedas, açafrão, gengibre, cravo, abacaxi, ácidos graxos ômega 3 e suco de açaí. Manter-se longe de alimentos inflamatórios, como carnes processadas convencionalmente e açúcar refinado, pode ajudar bastante a se tornar livre de dor.

Sejamos honestos, os opiáceos nunca corrigem os problemas de dor – eles pioram, eles se ligam aos receptores naturais de endorfina do corpo e os estimulam a produzir alívio da dor, energia e até euforia. Com essas drogas, o cérebro de uma pessoa diminui a produção de seus próprios analgésicos naturais – as endorfinas.

Sem endorfinas naturais, as pessoas com dor devem recorrer a narcóticos – apenas para evitar a abstinência. Além disso, se você começar a tomar narcóticos, perde a capacidade de discriminar quais sinais nervosos são dolorosos e quais não são. Mais uma vez, a ‘correção’ nunca está dentro de drogas tóxicas.

Jonathan Landsman

As fontes para este artigo incluem:

NIH.gov
ManagingPain.org
NewYorker.com
CNN.com
NewYorkTimes.com

OBS.: Temos vários tratamentos frequenciais não invasivos para combate às origens de várias dores. Consulte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *