Nova pesquisa confirma a ligação entre o alumínio e a doença de Alzheimer

 Aproximadamente 5,8 milhões de americanos com mais de 65 anos vivem com a doença de Alzheimer – e espera-se que o número cresça nas próximas três décadas. A Associação de Alzheimer estima que os casos chegarão a 13,8 milhões até o ano 2050.

Enquanto especialistas em saúde natural há muito insistem que há uma ligação entre o alumínio e a doença de Alzheimer, as autoridades médicas ocidentais tendiam a ignorar ou minimizar a conexão. Agora, um estudo britânico bombástico apoia a evidência de que o alumínio contribui para o desenvolvimento da doença de Alzheimer – e até explora a interação molecular exata do alumínio nas proteínas que desencadeiam a doença.

Estudo não deixa margem para dúvidas – o alumínio é encontrado em biomarcadores da doença de Alzheimer

Para conduzir o estudo, que acaba de ser publicado no Journal of Alzheimer’s Disease, os pesquisadores examinaram o tecido cerebral de doadores com mutações genéticas que podem afetar as proteínas do cérebro e causar o mal de Alzheimer familiar (uma forma da doença que faz com que as pessoas comecem a desenvolver a doença já aos 50 anos).

A doença de Alzheimer é desencadeada por proteínas beta-amilóides anormais, que formam depósitos de placas no cérebro e causam perda em grande escala de neurônios (células nervosas no cérebro) no córtex frontal. Significativamente, os pesquisadores descobriram que o alumínio estava “co-localizado” com a substância. “O alumínio é intrincada e inequivocamente associado às placas de beta-amiloide”, declarou o investigador principal Matthew John Mold, Ph.D., do Birchall Center at Lennard-Jones Laboratories da Keele University, Staffordshire, Reino Unido

A equipe também queria determinar se o alumínio existe na proteína tau anormal, outro biomarcador da doença de Alzheimer. Embora a proteína tau normalmente ajude a estabilizar os neurônios, uma forma anormal (proteína tau fosforilada) pode se acumular no cérebro, criando filamentos insolúveis que se tornam retorcidos e emaranhados. Juntos, os emaranhados de tau e as placas de beta-amiloide agem sinergicamente – o que significa que cada um fortalece os efeitos do outro – para produzir neurotoxicidade na doença de Alzheimer.

A pesquisa fornece novas evidências para a conexão entre “emaranhados de tau”, alumínio e doença de Alzheimer

Os pesquisadores usaram microscopia de fluorescência específica para alumínio para determinar que os emaranhados de tau fosforilados também estavam associados ao alumínio no tecido cerebral de doadores com DA familiar. “A presença desses emaranhados está associada à morte de células neuronais, e as observações do alumínio nesses emaranhados podem destacar um papel do alumínio nessas formações”, observou o Dr. Mold.

Em indivíduos vivos portadores da mutação genética, a tomografia por emissão de pósitrons mostrou que os emaranhados normalmente se desenvolvem dez a quinze anos após a detecção de aumentos marcantes de tau solúvel no líquido cefalorraquidiano. O início subsequente da demência grave surge cerca de sete anos depois – o que significa que a patologia do tau é um importante biomarcador e preditor da progressão inicial da doença.

O estudo pode ajudar a desenvolver técnicas de prevenção e detecção precoce da doença de Alzheimer. Embora não exista cura para a doença de Alzheimer atualmente na medicina ocidental, as abordagens terapêuticas têm se concentrado em perturbar a sinergia – ou o trabalho em equipe destrutivo – entre os componentes amilóide e tau da doença de Alzheimer, reduzindo assim a perda de neurônios.

Reduzir o alumínio no cérebro, é claro, pode ser a chave.

Alerta: o alumínio é um metal pesado neurotóxico

O alumínio não é essencial, o que significa que não serve para nada no corpo. No entanto, é biologicamente reativo, potencializando o ciclo redox do ferro e gerando radicais livres prejudiciais.

A exposição a grandes quantidades de alumínio tem sido implicada não apenas na doença de Alzheimer e outras condições neurodegenerativas – mas também no autismo e no câncer de mama. De acordo com a médica naturopata credenciada, Dra. Christine Schaffner, o alumínio é atualmente a toxina número um encontrada entre os pacientes expostos a metais pesados tóxicos.

Entre os danos causados ​​pelo alumínio está sua interferência com enzimas que desempenham um papel essencial na produção de melatonina, um potente antioxidante necessário para um sono reparador e saúde do sistema imunológico. O sono insuficiente pode causar disfunção no sistema linfático dependente da glia, uma via que ajuda a eliminar as toxinas do cérebro durante o sono. Isso, por sua vez, pode resultar em grandes quantidades de beta-amilóide, que estudos revelaram como o principal culpado na doença de Alzheimer.

O alumínio é o terceiro elemento mais abundante do mundo e está presente na água, na terra e no ar. Também é encontrado em alimentos, cosméticos – particularmente antitranspirantes – e utensílios de cozinha. Além disso, o alumínio é usado como adjuvante em algumas vacinas.

É hora de uma desintoxicação de metal?

Felizmente, muitos médicos integrativos e curandeiros naturais têm protocolos para reverter a toxicidade do alumínio. Dr. Schaffner recomenda nutrientes antioxidantes – como vitamina C, vitamina E e selênio – junto com imunoterapia de baixa dosagem.

As intervenções de suporte adicionais incluem clorela, sílica lipossomal, cogumelos medicinais e coentro na forma de tintura. Outras terapias suaves e não invasivas para uma desintoxicação de metais incluem drenagem linfática, pedilúvios iônicos, escovação a seco e pacotes de óleo de rícino. Exercícios ou sessões regulares de sauna podem promover a transpiração e ajudar a eliminar as toxinas também.

Consulte um praticante experiente de integração para obter o programa de desintoxicação certo para você.

Você também pode minimizar a exposição ao alumínio evitando alimentos processados ​​e seguindo uma dieta orgânica. Alimentos probióticos – como chucrute cru não pasteurizado, kimchi e iogurte com culturas vivas – fornecem bactérias benéficas que podem ajudar a capturar e eliminar metais indesejados. E não se esqueça de frutas e vegetais ricos em polifenóis e ricos em fibras – como mirtilos, romãs e açaí – junto com nozes e sementes germinadas e folhas verdes escuras.

Muitos especialistas em saúde natural também recomendam investir em panelas de cerâmica e evitar o uso de papel alumínio. Quando exposto a altas temperaturas, o alumínio escorre do invólucro de papel alumínio – e penetra na comida (o último lugar onde você quer).

A Associação de Alzheimer relata que a doença de Alzheimer é agora a sexta principal causa de morte nos Estados Unidos, ceifando mais de 122.000 vidas por ano. As últimas evidências mostrando a ligação entre o alumínio e a doença de Alzheimer podem desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento de terapias futuras – e certamente merecem uma exploração mais aprofundada.

Lori Alton

OBS.: Temos em nosso atendimento protocolos de remoção de alumínio por cataforese seletiva. Consulte!

As fontes deste artigo incluem:

ScienceDaily.com
Alzheimer’sAssociation.org
Wiley.com

2 respostas para “Nova pesquisa confirma a ligação entre o alumínio e a doença de Alzheimer”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *