O consumo excessivo de açúcar é associado a várias doenças mortais, confirma nova pesquisa (ainda mais se consumido a partir da infância e adolescência)

Diariamente, somos bombardeados com uma sucessão de anúncios atraentes, inteligentes e bem editados de uma variedade aparentemente infinita de refrigerantes açucarados e bebidas energéticas. Enquanto isso, uma abundância de estudos científicos confirmam que o consumo excessivo de açúcar tem sido associado a doenças mortais – como doenças cardíacas e diabetes tipo 2 – ao longo da vida.

Agora, uma nova pesquisa revela que o alto teor de açúcar afeta negativamente o microbioma intestinal – a comunidade de trilhões de bactérias intestinais que desempenha um papel vital na saúde do sistema imunológico e no metabolismo. Não apenas isso, mas a pesquisa sugere que o consumo excessivo de açúcar durante a adolescência prejudica o desempenho no aprendizado e na memória na idade adulta – uma descoberta verdadeiramente perturbadora.

As bebidas açucaradas durante os primeiros anos têm um efeito prejudicial nas habilidades cognitivas mais tarde na vida

Em um estudo conduzido em conjunto por pesquisadores da University of Georgia e da University of Southern California e publicado no mês passado na Translational Psychiatry , ratos jovens receberam uma porção diária de uma solução de açúcar a 11 por cento (o equivalente a refrigerantes açucarados comerciais consumidos por humanos) . Os ratos foram submetidos a testes de memória na idade adulta, com os pesquisadores colocando-os em seus ritmos cognitivos com tarefas de memória dependentes do hipocampo, como a capacidade de lembrar onde objetos familiares haviam aparecido antes.

(O hipocampo, crítico para o aprendizado e a memória, continua a se desenvolver até o final da adolescência em humanos e também em roedores).

Os pesquisadores descobriram que os roedores pagaram um preço cognitivo pela dieta açucarada na juventude.

Ratos que consumiram açúcar no início da vida tinham uma capacidade prejudicada de perceber que um objeto era novo para um contexto específico – o que os ratos que não receberam açúcar conseguiram fazer com facilidade. Em uma segunda tarefa de memória, esta não envolvendo o hipocampo, ambos os ratos açucarados e não açucarados tiveram um desempenho igualmente bom – indicando que o consumo de açúcar no início da vida parece afetar seletivamente o aprendizado e a memória centrados no hipocampo. 

Embora a pesquisa tenha sido apenas um estudo com animais, os cientistas dizem que as características genéticas, biológicas e comportamentais dos ratos se assemelham às dos humanos. Por esta razão, a pesquisa com animais é freqüentemente confirmada por estudos em humanos.

Qual é o culpado? Um tipo específico de bactéria nociva está associado ao açúcar e às bebidas açucaradas

O açúcar estimula a presença de um tipo de bactéria conhecida como Parabacteroides. E parece ser uma “má notícia” tanto para o microbioma intestinal quanto para as habilidades cognitivas.

“O açúcar no início da vida aumentou os níveis de Parabacteroides, e quanto mais altos os níveis de Parabacteroides, pior os animais se saíram na tarefa”, disse a autora do estudo Emily Noble, professora assistente do UGA College of Family and Consumer Sciences.

A equipe descobriu que déficits de memória semelhantes ocorreram mesmo quando a bactéria Parabacteroides foi experimentalmente introduzida no microbioma de ratos que nunca haviam comido açúcar! Desta vez, os ratos mostraram prejuízo nas tarefas de memória dependentes e independentes do hipocampo. “(A bactéria) introduziu alguns déficits cognitivos por conta própria”, explicou Noble. Ela disse que mais pesquisas são necessárias para explorar como o sistema de sinalização intestinal-cérebro funciona e para descobrir mais sobre a capacidade da bactéria Parabacteroides de alterar o desenvolvimento do cérebro.

O alto teor de açúcar interfere na sinalização intestinal do cérebro, promove doenças neurodegenerativas

Estudos adicionais sugerem que as alterações nas bactérias intestinais estão relacionadas com doenças neurodegenerativas.  Na verdade, uma pesquisa recente de um grupo de pesquisadores suíços e italianos mostrou que os subprodutos das bactérias intestinais podem afetar o desenvolvimento da placa amilóide – um fator primário na doença de Alzheimer.

Os cientistas relatam que o consumo de açúcar no início da vida causa mudanças nas vias dos neurotransmissores, ou mensageiros químicos, que afetam o humor e a cognição. Como resultado, o excesso de açúcar prejudica as habilidades cognitivas e o autocontrole – ao mesmo tempo que piora as dores da fome. Para alguns, o efeito no cérebro imita o do vício, levando ao consumo excessivo e à obesidade. E, mesmo uma única instância de glicose elevada no sangue pode prejudicar o cérebro, causando diminuição da função cognitiva e déficits de memória e atenção.

Finalmente, as dietas ricas em açúcar adicionado reduzem a produção do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), uma substância química cerebral essencial para a formação e aprendizagem de uma nova memória.

AAP alerta que muitas crianças e adolescentes consomem quantidades de açúcar muito acima das recomendações médicas

As Diretrizes Dietéticas para Americanos, publicadas em conjunto pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos, aconselham limitar os açúcares adicionados a menos de 10% das calorias diárias. Porém, os dados mostram que muitas crianças e adolescentes com idades entre 9 e 18 anos excedem esse valor regularmente. Na verdade, a Academia Americana de Pediatria relata que o açúcar representa 17 por cento do que as crianças consomem todos os dias – metade do que vem de bebidas com adição de açúcar, como refrigerantes, bebidas energéticas e sucos de frutas.

Claramente, isso tem um custo para a saúde nacional.

Em um relatório de 2019, a AAP alertou que o alto consumo de açúcar coloca as crianças em risco de uma litania de doenças – incluindo obesidade, cáries, doenças cardíacas, hipertensão, diabetes tipo 2 e doença hepática gordurosa.

Cuidado com açúcares escondidos

Embora verificar os rótulos de alimentos e bebidas para verificar se há açúcar adicionado é um bom começo, fique atento: às vezes, o açúcar se esconde sob nomes aparentemente inocentes, como açúcar mascavo, açúcar de malte, xarope de milho com alto teor de frutose, dextrose de mel, melaço, açúcar bruto e turbinado . O AAP avisa que tudo o que termina em “-ose” – como a frutose – também é uma indicação do teor de açúcar.

Além de verificar os rótulos e aconselhar crianças e adolescentes a fazer o mesmo, você pode incentivá-los a buscar frutas inteiras para satisfazer um guloso. A fruta inteira tem a vantagem de fornecer fibra dietética, antioxidantes que combatem doenças – e sem adição de açúcar.

Em 2019, a AAP e a American Heart Association lançaram uma convocação conjunta para políticas públicas, como impostos especiais de consumo e mais educação, para diminuir o consumo de bebidas açucaradas. O tempo dirá se essa estratégia ajuda a desencorajar a dependência doentia do açúcar do país.

Lori Alton

As fontes deste artigo incluem:

ScienceDaily.com
AAPPublications.org
AAPPublications.org
VeryWellMind.com

Uma resposta para “O consumo excessivo de açúcar é associado a várias doenças mortais, confirma nova pesquisa (ainda mais se consumido a partir da infância e adolescência)”

  1. Excelente, elucidativo e educativo. Um conhecimento relativamente novo que deve auxiliar no futuro do cérebro das próximas gerações!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *