O fim da quimioterapia?

O vírus do resfriado comum está matando o câncer em apenas uma semana e a terapia – viroterapia – pode substituir a quimioterapia nos próximos três anos

Estamos finalmente nos dias finais da quimioterapia? Se formos, o agente tóxico de matar ou curar será derrubado pelo resfriado comum – e tudo poderá acontecer nos próximos anos. Até então, o vírus do resfriado pode muito bem ter se tornado o tratamento padrão para vencer uma variedade de cânceres, muitos dos quais são atualmente considerados intratáveis.


A viroterapia – que usa vírus e bactérias adaptados para tratar câncer e doenças do sistema nervoso central – está no radar médico há mais de um século, mas de repente é o centro das atenções.


Nos últimos meses, pesquisadores da Universidade de Surrey, no Reino Unido, relataram o uso do vírus do resfriado comum, o coxsackievirus, para tratar 15 casos de câncer de bexiga e descobriram que ele pode erradicar os tumores em apenas uma semana.
Os pacientes receberam uma infusão do vírus diretamente na bexiga doente. A infecção viral causou inflamação na bexiga e isso desencadeou uma resposta imune que matou as células cancerígenas.1


“O vírus entra no câncer e se replica, como uma pequena fábrica de vírus. Aquece o ambiente do tumor e é muito específico no direcionamento ao câncer. Tinha a menor toxicidade que já vi em anos”, disse o pesquisador principal, Hardev Pandha. .2


Quando Pandha e sua equipe examinaram amostras de tecido das bexigas uma semana após a infusão, descobriram que o vírus não havia atacado células saudáveis ​​- diferentemente da quimioterapia, que mata todas as células vivas -, mas havia infectado apenas as células cancerígenas, causando a ruptura e morrer. O câncer foi reduzido drasticamente na maioria das amostras e, em uma, desapareceu completamente.


“Redução da carga tumoral e aumento da morte de células cancerígenas foram observados em todos os pacientes e removeram todos os vestígios da doença em um paciente após apenas uma semana de tratamento, mostrando sua eficácia potencial. Notavelmente, nenhum efeito colateral significativo foi observado em nenhum paciente”. Pandha declarou.


As amostras de urina dos pacientes também continham células cancerígenas que estavam sendo “eliminadas”, o que sugere que a terapia está em andamento e continua a matar células cancerígenas quando elas começam a se desenvolver.


O vírus pode se tornar “um agente universal” para tratar todos os cânceres dentro de três anos, dizem os pesquisadores. Também está sendo testado em casos de câncer de mama, intestino e pulmão, e como tratamento para uma série de doenças de pele.


A viroterapia pode “transformar a maneira como tratamos o câncer e sinalizar um afastamento de tratamentos mais estabelecidos, como a quimioterapia”, disse Nicola Annels, pesquisadora da universidade.


As versões iniciais da viroterapia oncolítica de combate ao câncer já estão no mercado. Em 2005, o regulador de medicamentos da China foi o primeiro a aprovar um vírus oncolítico, o H101, comercializado como Oncorine, um vírus geneticamente modificado que trata o câncer de cabeça e pescoço.


A Food and Drug Administration dos EUA seguiu 10 anos depois quando aprovou o T-VEC, uma forma modificada do vírus do herpes, para tratar o melanoma do câncer de pele. Reguladores da Austrália e de toda a Europa concordaram um ano depois.


Já faz muito tempo, desde o início dos anos 1700, quando os médicos notaram que o câncer entrou em remissão – e às vezes estava sendo completamente curado – quando os pacientes desenvolveram uma infecção.


William Coley, um cirurgião de Nova York, foi pioneiro no uso de vacinas bacterianas para tratar cânceres inoperáveis ​​até sua morte em 1936, mas depois a viroterapia ficou atrás de novas terapias, como radioterapia e, após a Segunda Guerra Mundial, quimioterapia.


Nos últimos anos, houve um renascimento na pesquisa em viroterapia e, embora os pesquisadores de Surrey tenham registrado o avanço mais significativo, outros não ficaram muito atrás. Em um estudo, o vírus herpes simplex, que pode causar herpes labial e dor de garganta, foi utilizado para matar células cancerígenas neuroendócrinas (NEC) em testes de laboratório.


NEC afeta células no estômago, intestino e pulmões. A cirurgia para remover o tumor é a abordagem usual, mas pesquisadores do Centro Alemão de Pesquisa do Câncer dizem que a viroterapia é uma nova maneira “promissora” de tratá-lo.3


O câncer de cólon também pode ser um alvo para a viroterapia. Pesquisadores do Duke University Medical Center dizem que os vírus são um mecanismo natural de entrega que pode atingir as células, e seu foco tem sido o tratamento do câncer de cólon ou carcinoma colorretal.4

Sarampo, nem tudo de ruim
O vírus do sarampo – que o mundo deseja erradicar – matou células de glioblastoma, um tipo de tumor cerebral muito agressivo e geralmente letal. Pesquisadores do Hospital Universitário de Tübingen, na Alemanha, testaram vírus de sarampo modificados em linhas celulares de glioblastoma em laboratório e descobriram, como descobriram os pesquisadores de Surrey, que causava inflamação que acabou matando as células.5


Médicos da Clínica Mayo experimentaram o vírus do sarampo apenas alguns anos antes, usando-o para tratar um paciente com mieloma em estágio terminal, um câncer no sangue.


A mulher de 49 anos viu o Mayo como último recurso após sofrer quimioterapia e dois transplantes de células-tronco; No momento da consulta, ela tinha um tumor do tamanho de uma bola de golfe na cabeça e provavelmente apenas algumas semanas de vida. A equipe da Mayo projetou ou modificou geneticamente a cepa do vírus do sarampo e deu à mulher uma dose suficiente para vacinar 10 milhões de pessoas.


A resposta foi quase imediata; em cinco minutos, os médicos dizem que ela desenvolveu uma dor de cabeça e uma temperatura de 105 ° F, antes de começar a vomitar e tremer. O grande tumor desapareceu em 36 horas e todos os sinais de câncer desapareceram do corpo dentro de duas semanas.


O vírus faz com que as células cancerígenas se juntem e explodam, explicou a Dra. Angela Dispenzieri, pesquisadora da Mayo Clinic. Também estimula o sistema imunológico a detectar células cancerígenas recorrentes e limpá-las.6


“Acho que conseguimos, porque aumentamos a dose mais do que os outros”, disse o pesquisador da Mayo, Dr. Stephen Russell. “A quantidade de vírus que está na corrente sanguínea é realmente a causa de quanto entra nos tumores”.

As plantas também
Mas não são apenas os vírus comuns do resfriado e do sarampo que podem ser empregados. Vírus de plantas, como o vírus do mosaico do feijão caupi, e de bactérias – já usadas na terapia de fagos – também podem ser combatentes do câncer. Esses vírus atuam como um sistema de entrega após a modificação do capsídeo – o invólucro protéico que envolve o vírus -, afirmam pesquisadores da Rice University, em Houston.7


E eles atacam o calcanhar de Aquiles das células cancerígenas. À medida que se desenvolvem, as células cancerígenas perdem a capacidade de se proteger de infecções virais, explicou Grant McFadden, da Universidade Estadual do Arizona.


“O desafio é escolher o vírus certo, decidir como armar e entregá-lo”, disse ele. Com alguns tipos de câncer, uma injeção pode ir diretamente para o tumor, mas outros são inacessíveis ou até se espalham por todo o corpo.8


Na maioria dos casos, a infecção também induz febre, e a febre parece ser o fator comum em muitos casos de remissão espontânea quando o câncer desaparece misteriosamente. A maioria das remissões que Coley pesquisou resultou de uma infecção bacteriana, embora os pesquisadores estejam mostrando que os vírus podem ter os mesmos efeitos curativos – e contra nosso inimigo mais mortal.

De volta às bactérias
Com o uso excessivo de antibióticos que causa o aumento da superbactéria, a terapia fágica – que usa vírus bacterianos específicos para tratar infecções – tornou-se uma alternativa possível.


É praticado amplamente na Rússia, Geórgia e Polônia há 80 anos ou mais e foi usado para tratar feridas de soldados durante a Segunda Guerra Mundial, mas as pesquisas no Ocidente pararam abruptamente com a descoberta da penicilina.


Os pesquisadores demonstraram um novo interesse e o testaram em infecções como o MRSA, enquanto os ensaios clínicos examinaram sua eficácia na otite, a infecção no ouvido. Outros analisaram sua capacidade de tratar a bactéria do estômago, a E. coli.


Este ano, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA aprovou o primeiro teste clínico do país de terapia fágica entregue por via intravenosa.

Quando o câncer simplesmente desaparece
William Coley era um jovem cirurgião recém-formado em Harvard quando, depois de não salvar a vida de uma menina de 17 anos de câncer, ficou obcecado pela doença e, especialmente, remissões espontâneas, aqueles casos raros em que o câncer desaparece misteriosamente.


Mas, ao pesquisar a literatura médica, percebeu que não eram tão misteriosas; eles seguiram um padrão. O paciente com câncer havia contraído uma infecção bacteriana que induzia febre alta e, posteriormente, o câncer desapareceu.


Houve até um caso em sua própria porta em Nova York. Um dia, no final da década de 1890, Coley visitou Fred Stein, cujo sarcoma em estágio terminal desapareceu após sofrer um surto de erisipela, uma grave infecção bacteriana da pele.


Stein teve o tumor removido várias vezes, mas continuou recorrente, e os cirurgiões desistiram dele, principalmente após a infecção por erisipela. Stein disse a Coley que a infecção causou uma febre violenta depois que se espalhou pelo rosto e pescoço – onde estava o câncer. Ele sofreu um segundo ataque várias semanas depois, mas seu tumor desapareceu – e lá estava ele, sete anos depois, vivo e bem para contar sua história a Coley.


Coley voltou ao Hospital Memorial Sloan-Kettering, como é chamado agora, e preparou uma mistura da bactéria erisipela, que injetou diretamente no sarcoma do pescoço de um paciente. Dentro de uma hora, o paciente desenvolveu calafrios, dores, náusea e febre alta de 40 ° C (105 ° F). A infecção durou 10 dias, mas no segundo dia, o tumor começou a se decompor. Ele desapareceu completamente em duas semanas.


Esse foi o começo de anos de pesquisa clínica em que Coley experimentou diferentes variações de bactérias, conhecidas coletivamente como MBV (vacina bacteriana mista) – também chamada de toxinas de Coley – em vários tipos de câncer.


Sua taxa geral de sucesso foi de cerca de 10% para cânceres incuráveis ​​ou inoperáveis, mas seu trabalho nunca foi aceito por seus colegas e em grande parte foi esquecido quando novas abordagens, como a radioterapia, foram introduzidas.

Referências
1 Clin Cancer Res, 2019; doi: 10.1158 / 1078-0432.CCR-18-4022
2 Daily Telegraph, 4 de julho de 2019
3 Neuroendocrinology, 2019 Jun 13; doi: 10.1159 / 000500159
4 Opinião de especialistas Biol Ther, 2005; 5: 1627-33
5 Mol Ther Oncolytics, 2018; 12: 147-61
6 Mayo Clin Proc, 2014; 789: 926-33
7 Wiley Interdiscip Rev Nanomed Nanobiotechnol, 2019; 11: e1545
8 Live Science, 18 de novembro de 2018

wddty 102019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *