Os cinco padrões de personalidade e a fadiga

De acordo com o terapeuta e fundador da The Optimum Health Clinic (OHC) Alex Howard, que venceu sua encefalomielite miálgica / síndrome da fadiga crônica (ME / CFS) com uma abordagem integrativa e já trabalhou com mais de 10.000 pacientes, identificando seus padrões de personalidade de esgotamento de energia poderia seja a chave para desbloquear o cansaço.

Ao longo dos anos no OHC, descobrimos cinco padrões principais de personalidade que acreditamos aumentar significativamente a probabilidade de desenvolver fadiga. E quando falo sobre fadiga, quero dizer quando seus níveis de esforço são normais e você ainda sente fadiga, seja leve ou intensa. 

Esses padrões, que chamamos de “psicologias esgotadoras de energia”, são formas de viver a vida que são inerentemente desgastantes e afetarão o próprio terreno em que vivem nossas células. Identificar e lidar com esses padrões é uma parte crucial para se recuperar da fadiga.  

Não é uma lista definitiva, mas esses são de longe os padrões de personalidade mais comuns. Você pode ter um ou todos eles, e diferentes padrões podem ter diferentes proeminências em diferentes capítulos de sua vida. 

1: Empreendedor  

Os empreendedores definem seu valor próprio pelo que fazem e conquistam no mundo. O padrão de sucesso é provavelmente o motivo pelo qual, na década de 1980, a síndrome da fadiga crônica foi rotulada de “gripe yuppie”. Parecia haver um número desproporcional de executivos altamente pressionados que estavam ficando doentes.  

Esse padrão é apenas uma pequena parte de uma imagem muito mais complexa, mas a realidade ainda se mantém – quando o corpo é colocado sob pressão implacável, em algum momento ele começa a mostrar sinais disso.  

No entanto, nem todo mundo com um padrão empreendedor é levado a se destacar em sua carreira ou a ganhar status material no mundo. Existem muitos padrões atípicos de realizadores – desde ser motivado a viver de forma sustentável e ajudar a enfrentar problemas globais, como mudanças climáticas, até ser o melhor pai.  

Existem tantas maneiras de impulsionar o feedback do corpo na busca de realizar coisas quanto existem pessoas afetadas pela fadiga. ou perseguindo nosso próprio caminho de cura, se as demandas das tarefas à nossa frente são colocadas consistentemente acima das comunicações de nosso corpo para descanso ou cuidado, estamos vivendo de uma maneira que é insustentável e um padrão empreendedor está em jogo.  

2: Perfeccionista  

O perfeccionista é um companheiro próximo do empreendedor. Os perfeccionistas definem seu valor próprio e criam uma sensação de segurança no mundo ao fazerem as coisas da maneira perfeita. 

Eles tendem a ter uma visão um tanto em preto e branco do mundo e uma sensação de que existe uma maneira certa e errada de fazer as coisas e estar do lado correto disso é importante. Os perfeccionistas consideram a si mesmos e aos outros padrões impossivelmente elevados e muitas vezes sofrem de autojulgamento interno duro e injusto, que também podem projetar nos outros.  

Viver na mente e no corpo de um perfeccionista pode ser totalmente exaustivo porque, por mais que o corpo implore por descanso e cuidados, o impulso para fazer as coisas direito é mais importante. A diferença entre empreendedores e perfeccionistas é que empreendedores tendem a ser mais focados na imagem de sucesso, enquanto os perfeccionistas estão mais focados em acertar as coisas ao longo do caminho. 

Os empreendedores são viciados no próprio ato de fazer e estar ocupado, enquanto os perfeccionistas são viciados em lidar com todos os detalhes. E, é claro, podemos ter as duas forças em jogo.  

3: ajudante

Os ajudantes definem seu valor próprio pelo que dão e fazem pelos outros. Eles são os doadores clássicos – quando se trata de estar lá para as pessoas, nada é demais para eles. 

Tal como acontece com o empreendedor, existem muitas iterações e variações diferentes do padrão auxiliar. Para alguns, pode ser no sentido clássico de estar em um papel de ajudante, como professor, médico ou terapeuta. Para outros, pode ser a pressão interna constante para estar ao lado da família e dos amigos. 

E pode ser menos óbvio também – podem ser apenas as exigências irracionais que colocamos a nós mesmos para apoiar as pessoas em nossa equipe de trabalho. Não estou sugerindo que, para manter uma boa saúde, precisamos viver em um mundo onde todos cuidam egoisticamente de suas próprias necessidades às custas de todos os outros. O problema que estou apontando é quando ignoramos consistentemente nossas próprias necessidades físicas e emocionais para que possamos estar lá para os outros – não apenas por um período agudo de tempo, como apoiar um ente querido que está passando por uma crise, mas como um hábito fundamental na forma como abordamos nossas vidas.  

Em última análise, se rejeitarmos e ignorarmos nossas próprias necessidades de estar ao lado dos outros, estaremos vivendo nossas vidas de uma maneira insustentável e doentia. 

Há um desafio específico em ser um ajudante – devido à nossa tendência natural de querer ajudar os outros, nos encontramos em muitas situações com pessoas que querem ou precisam de nossa ajuda. 

Seja em relacionamentos totalmente codependentes ou apenas nos descobrindo naturalmente dando em vez de receber apoio, o impacto é eventualmente o mesmo – consistentemente colocamos mais em nossos relacionamentos do que recebemos, e isso é inerentemente esgotador de energia. 

Essa dinâmica nem sempre é culpa da outra pessoa – também ensinamos as pessoas a nos tratar. Mesmo com aquelas pessoas que não drenam energia naturalmente, descobriremos que somos nós que estamos sempre dando e assumindo responsabilidade pelos outros.   

4: Ansioso

Os ansiosos têm uma sensação constante de estar no limite e uma sensação de que o mundo não é um lugar seguro. Tende a haver muita ocupação mental e a viver mais na mente do que no corpo. A estratégia principal é tentar pensar um caminho para ter uma sensação de segurança. Se pudermos pensar em todos os cenários possíveis em torno do que pode acontecer – como, onde, quando, por que, etc. – e então todas as soluções, poderemos ter uma sensação temporária de segurança.  

É preciso muita energia mental para alimentar essa estratégia, o que significa que nos tornamos menos conectados ao nosso corpo e às necessidades que ele está tentando nos comunicar. Este é um lugar fundamentalmente desgastante para nos encontrarmos e com o mundo.  

O principal problema com a ansiedade é que ela se torna o que chamo de ‘ciclo de segurança’ (abaixo). Sentimos que não estamos seguros no mundo e, assim, nossa mente acelera para nos proteger; conforme nossa mente acelera, nos desconectamos de nosso corpo; ao nos desconectarmos de nosso corpo, nos sentimos mais inseguros e, assim, nossa mente acelera ainda mais, criando um ciclo vicioso.  

Como nosso sistema nervoso não distingue   entre algo que é real e algo que é vividamente imaginado, quanto mais padrões de ansiedade executamos, mais desgastante se torna para nosso corpo e sistema nervoso. Em certo sentido, a ansiedade tem uma natureza quase viciante – ficamos tão acostumados a vivenciá-la que quase não podemos imaginar um mundo sem ela.   

É claro que durante um capítulo particularmente estressante da vida, como sofrer de fadiga, quaisquer padrões de ansiedade que tenhamos piorarão. Mas aqueles com esse padrão subjacente serão capazes de rastrear sua sensação de que o mundo não é muito seguro a uma época anterior à fadiga.  

Para algumas pessoas, a ansiedade é principalmente uma experiência mental, enquanto outras estarão mais conscientes da sensação de ansiedade em seu corpo. No entanto, quando a ansiedade é sentida na mente, ela muda o que está acontecendo no corpo; e igualmente, quando o corpo está em um estado de ansiedade, ele afeta a mente.  

5: Controlador

O controlador está intimamente relacionado ao ansioso. A estratégia do controlador é administrar a sensação interna de não se sentir seguro no mundo, controlando a si mesmo e seu ambiente – seja controlando suas emoções, controlando os outros em uma equipe ou mesmo controlando coisas como a temperatura na sala ou a direção de uma conversa.

Tal como acontece com os outros padrões de personalidade, sustentar o controlador requer uma enorme quantidade de energia contínua. E porque não podemos realmente controlar a nós mesmos ou o mundo ao nosso redor, ainda somos deixados com uma sensação latente de ansiedade. Em última análise, a estratégia nunca funciona de verdade. 

Uma das consequências do padrão controlador é que tendemos a afastar as pessoas ao nosso redor que poderiam nos oferecer sustentação e apoio emocional genuíno. Para nos sentirmos verdadeiramente apoiados, precisamos ser vulneráveis ​​o suficiente para permitir que outras pessoas entrem em nosso espaço emocional, e o padrão controlador atrapalha isso. 

O padrão do controlador também tem uma espécie de qualidade de autoperpetuação – quanto mais trabalhamos para controlar a nós mesmos e ao mundo ao nosso redor, mais geramos a ilusão de que temos algum tipo de controle. Isso significa que quanto mais fazemos isso, mais difícil pode parecer parar.  

Retreinando o cérebro

Você não precisa se tornar a polícia do pensamento de cada pensamento que possa ter ou aprender a “controlar sua mente”. Na verdade, nenhuma dessas coisas vai funcionar. No entanto, é importante aprender a capturar esses padrões e voltar a treinar gradualmente seus hábitos mentais. 

Aprender a mudar esses padrões pode ser um foco significativo em si mesmo.

Cultivando autoconsciência

Uma das ferramentas que se utiliza é um diário de pensamentos e comportamentos que ajuda a detectar padrões de personalidade conforme eles acontecem. Quanto melhor identificamos esses comportamentos, mais fácil se torna começar a mudá-los. É um exercício simples, mas poderoso.  

  1. Todas as noites, pense sobre os cinco padrões de personalidade e anote exemplos de cada um que você seguiu naquele dia. Essas coisas podem ser grandes, como superar seus sintomas de fadiga o dia todo com um padrão de sucesso, ou mais sutis, como gastar mais tempo do que o necessário para refinar um e-mail com um padrão perfeccionista. 
  2. Conforme você reflete sobre como esses padrões estão atuando, esse conhecimento se torna poder. Seu próximo desafio é melhorar em capturar e interromper esses padrões enquanto eles acontecem.

Os quatro tipos de cansaço  

Enquanto ajudava os pacientes do OHC, Anna Duschinsky percebeu que nem todo cansaço é igual. Ela identificou quatro tipos diferentes de cansaço, cada um com suas próprias causas e diferentes estratégias eficazes para ajudar a resolvê-lo. 

Tipo 1: Cansaço mental (quando sua mente está cansada)

Sinais e causas: Lutando para encontrar palavras, névoa cerebral, confusão mental, uma sensação de que sua mente está superestimulada e incapaz de se estabelecer. Frequentemente causado por um padrão de ansiedade que leva sua mente ao limite, o cansaço mental também pode ser produto de um esforço mental excessivo para seus níveis de energia atuais.

Como ajudar: Permita que sua mente descanse reduzindo a estimulação. Coisas diferentes funcionarão para pessoas diferentes. Você pode descobrir que qualquer coisa, desde assistir a programas de TV estúpidos até ouvir podcasts, atuam como uma distração útil e permite que sua mente se acalme, ou pode descobrir que precisa reduzir sua exposição a ruído e luz e simplesmente deixar seu cérebro descansar totalmente.

Tipo 2: Cansaço emocional (quando você se sente emocionalmente esgotado)

Sinais e causas: Sendo emocionalmente sensível ou reativo, sentindo-se emocionalmente no seu limite. Você pode reagir de forma exagerada às pequenas coisas e não ter recursos – como se não tivesse capacidade emocional para assumir qualquer outra coisa. O cansaço emocional geralmente é o resultado de um padrão de ajuda excessivo.

Como ajudar: Passe algum tempo longe da fonte de sua sobrecarga emocional. Isso pode envolver estabelecer limites mais firmes com outras pessoas, passar um tempo ininterrupto sozinho e permitir-se conectar-se emocionalmente. Evitar suas emoções raramente é uma estratégia eficaz. Para processar e digerir suas emoções, você precisa estar aberto e senti-las.

Tipo 3: Cansaço físico (quando seu corpo físico está muito cansado)

Sinais e causas: Músculos doloridos e fraqueza física – a sensação de que tudo o que você quer fazer é se deitar e descansar. O cansaço físico (além do cansaço contínuo da sua condição atual) é o resultado de fazer muita atividade, não ouvir o seu corpo e não descansar quando necessário. Dito de outra forma, é quando seu padrão de atividade está fora de controle.

Como ajudar: Ouça seu corpo e trabalhe com sua ‘linha de base’ – o nível em que você é capaz de manter suas atividades regulares sem que os sintomas aumentem ou que sua energia se esgote. Isso às vezes pode exigir períodos de profundo descanso físico e dedicação para aumentar suas reservas de energia, de modo que você não fique sem energia tão rapidamente quando estiver ativo.

Tipo 4: Cansaço ambiental (quando você fica cansado e esgotado pela falta de variedade em seu ambiente físico. A monotonia e a repetitividade do ambiente podem se tornar exaustivas)

Sinais e causas: Uma sensação de monotonia e apatia, sensação de esgotamento pelas pequenas coisas, uma sensação de desânimo e desesperança. Na fadiga, a causa usual do cansaço ambiental é a limitação de energia e, portanto, passar cada vez mais tempo no mesmo pequeno espaço.

Como ajudar: Se você tiver energia física para fazer isso, mudar seu ambiente pode ter um impacto significativo. Se você não pode mudar a localização do seu ambiente físico, mudar as coisas dentro do ambiente também pode ser útil – por exemplo, mover móveis, redecorar um cômodo em que já esteve por muito tempo ou algo tão simples, como iluminar com uma vela. Outra dica simples é evitar passar o dia inteiro deitado na cama – portanto, se você estiver confinado em casa ou parcialmente preso à cama, mudar de lugar para o sofá, mesmo que por parte do dia, pode ajudar a lhe dar uma revitalizada.

wddty 10/2021

Adaptado de Decode Your Fatigue, A Clinically Proven 12-Step Plan to Aument Your Energy, Heal Your Body and Transform Your Life , de Alex Howard (Hay House, 2021). 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *