Pequenos cristais em nosso cérebro podem desbloquear poderes psíquicos (dentre outras possiblidades)

A magnetita é uma das substâncias mais magnéticas da Terra. Como você provavelmente pode imaginar, tem uma gama diversificada de usos; de ímãs de geladeira à geração de eletricidade em usinas de energia. Mas o que você provavelmente não adivinharia é que seu cérebro realmente sintetiza esses cristais, e você tem centenas de milhões deles dentro de sua cabeça. Muito menores, é claro.

Os cientistas ainda não sabem ao certo qual o papel, se algum, esses cristais desempenham na função do cérebro. Estudos inferiram que pode desempenhar um papel na memória de longo prazo. Em animais, como abelhas, pombos-correio e golfinhos, acredita-se que a magnetita esteja associada à capacidade de responder ao campo magnético da Terra. 

Embora estudos semelhantes ainda não tenham sido realizados em humanos, sabemos que os campos magnéticos da Terra afetam tudo, desde nosso humor até nossa capacidade de aprender. Ainda mais estranho, a pesquisa começou a fornecer ligações entre o campo eletromagnético do nosso planeta e as habilidades psíquicas. Esses cristais poderiam agir como pequenas antenas conectando nossos cérebros uns aos outros e a todo o planeta? Pode parecer exagero, mas surpreendentemente, a evidência está lá.

Primeiro, vamos ver o que sabemos sobre a magnetita em nossos cérebros. Para ser honesto, não sabemos muito:  em 1992, foi publicada a primeira evidência desse mineral no cérebro. Foi chocante descobrir que essa substância altamente magnética foi realmente sintetizada por nossos corpos e, embora não saibamos exatamente qual função ela desempenha na atividade cerebral, surgiram algumas teorias interessantes. Uma hipótese de 2009 propôs que a magnetita desempenha um papel significativo na memória de longo prazo. Isso sugere que os componentes celulares do cérebro se comunicam entre si por meio de sinais magnéticos, com as partículas de magnetita atuando como pequenas antenas, recebendo simultaneamente informações em diferentes partes do cérebro.

A magnetita também atua como uma antena para campos eletromagnéticos externos, incluindo o campo geomagnético da própria Terra. E é aqui que as coisas começam a ficar interessantes. Um enorme corpo de pesquisa está surgindo que mostra ligações substantivas entre campos magnéticos e função cognitiva.

Em 1978, o físico pesquisador Dr. Robert C Beck publicou uma pesquisa preliminar sobre os efeitos de campos magnéticos de frequência extremamente baixa no humor de seres humanos. Campos ELF de 6,67 Hz, 6,26 Hz e inferiores tendem a produzir sintomas de confusão, ansiedade, depressão, tensão, medo, náusea leve e dores de cabeça. Por outro lado, oscilações de 7,8, 8,0 e 9,0 Hz produzem efeitos de alívio de ansiedade e redução de estresse que imitam alguns estados meditativos.

Mais recentemente, os campos magnéticos têm sido usados ​​em práticas clínicas bem-sucedidas para eliminar a depressão e o transtorno bipolar, com mais de 1300 trabalhos de pesquisa médica publicados até o momento. O tratamento não invasivo, conhecido como estimulação magnética transcraniana repetitiva, usa um dispositivo em forma de varinha para eliminar os efeitos da depressão.

Embora tudo isso seja interessante e possa abrir caminho para novas terapias e tratamentos, um grupo de pesquisadores da Universidade Laurentian do Canadá está explorando o papel das forças eletromagnéticas em funções cognitivas mais extremas. Dr. Michael Persinger é um neurocientista que argumentou que todos os fenômenos, incluindo consciência , experiências espirituais e até mesmo “ eventos paranormais ”, podem ser explicados por mecanismos físicos e podem ser verificados usando o método científico .

Desde 1971, ele pesquisa os efeitos do campo eletromagnético em organismos biológicos, e alguns de seus estudos recentes parecem saídos de um filme de ficção científica:  o Dr. Persinger mostrou em laboratório que a estimulação magnética do cérebro pode criar estados metálicos propícios à telepatia humana. . Um experimento recente colocou duas pessoas à distância em salas diferentes, cada uma cercada por um campo magnético idêntico controlado por computador. Quando uma luz brilhou no olho de um sujeito, a pessoa na outra sala mostrou respostas em seu cérebro como se visse o flash de luz.

Como o Dr. Persinger afirmou:

“Achamos isso tremendo porque pode ser a primeira demonstração macro de uma conexão quântica, ou o chamado emaranhamento quântico. Se for verdade, há outra forma de comunicação potencial que pode ter aplicações físicas, por exemplo, em viagens espaciais.”

Em uma escala muito maior, a correlação foi mostrada entre as forças geomagnéticas do planeta e uma variedade de efeitos que abrangem grandes populações. Um estudo de 2003 encontrou “forte suporte empírico a favor de um efeito de tempestade geomagnética nos retornos das ações” e “evidências de retornos substancialmente mais altos em todo o mundo durante períodos de atividade geomagnética silenciosa”.

Outras pesquisas ligaram a atividade geomagnética ao suicídio, doenças cardíacas e até taxas de natalidade. Um efeito global particularmente curioso está relacionado a uma onda eletromagnética permanente que existe entre a superfície da Terra e a ionosfera. Conhecida como “A Ressonância Schumann”, esta onda tem uma frequência de 7,8 Hz e é frequentemente referenciada em teorias alternativas da consciência. Medições feitas pelo Dr. Persinger mostraram que a fundamental e os harmônicos da Ressonância Schumann eram discerníveis na atividade normal do cérebro humano, e de fato eles correspondem aos campos ELF de redução de ansiedade do Dr. Beck.

Mais estranho ainda era o estudo de Persinger sobre o observador remoto Ingo Swann. “Visualização remota” refere-se a uma técnica usada por “espiões psíquicos” que trabalham para a CIA; eles eram capazes de ver locais distantes como se estivessem lá; e eles podem até mesmo se mover no tempo. Ingo Swann foi um dos primeiros e mais precisos espectadores deste programa. Quando o Dr. Persinger mediu a atividade eletromagnética de seu cérebro durante as sessões de visualização, ele encontrou um pico de atividade em 7 Hz que se correlacionou com as visualizações mais precisas. É possível que Swann tenha sido capaz de projetar sua consciência sintonizando as ondas geomagnéticas estacionárias da Terra?

Tudo isso se soma a uma conexão fascinante entre nossos cérebros e o campo magnético compartilhado não apenas do nosso planeta, mas potencialmente de todo o universo. É inegável que o cérebro responde a forças magnéticas em escala local e global. Embora ninguém tenha sido capaz de provar o envolvimento da magnetita, parece um provável suspeito. Se aprendermos a aproveitar o poder dessas pequenas antenas em nosso cérebro, quem sabe que tipo de superpoderes psíquicos podemos desbloquear?

Johnny Woods

OBS: Temos opções de terapia com emissor de pulsos magnéticos (PEMF, TMS e rTMS) – usado em processos de dor, inflamatórios, depressões, crises de pânico, Alzheimer, Parkinson, escleroses, espectro autista, desintoxicações e outros. Temos também terapia de estimulação elétrica craniana (auxilia no controle do estresse, ansiedade, relaxamento, percepção, auto-conhecimento, memorização, sono, depressão, déficit de atenção DTAH DDA, concentração e outros); (https://danielfleck.com.br/?p=587 )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *