Pesquisa encontra ligação entre bactérias intestinais e comportamento social

Você é um solitário – ou um amante da multidão? Uma nova pesquisa publicada na Frontiers in Psychiatry mostra que isso pode depender – pelo menos em parte – da diversidade de suas bactérias intestinais. Por mais estranho que possa parecer, a saúde do microbioma intestinal (a comunidade de bactérias benéficas no trato intestinal) pode ajudar a moldar a personalidade e até mesmo influenciar características como sabedoria e sociabilidade.

Algumas décadas atrás, o conceito de que micróbios no trato intestinal podem afetar o humor e a personalidade teria soado ridículo para muitos na medicina ocidental. Mas uma pesquisa revisada por pares publicada em revistas científicas de renome confirmou que o microbioma intestinal está de fato ligado à saúde mental – e até afeta a suscetibilidade a condições psicológicas como depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia. Claramente, essa conexão intrigante merece um olhar mais atento.

IMPOSSÍVEL de ignorar: a disbiose está na raiz de uma série de doenças crônicas

O microbioma intestinal é composto de literalmente trilhões de micróbios e apresenta mais de 1.000 tipos diferentes de bactérias, vírus, fungos e leveduras. (E, se isso for difícil de entender, imagine isto: o microbioma é responsável por 1 a 2Kg de peso corporal!) O microbioma executa uma série de tarefas vitais, incluindo regular a atividade imunológica, prevenir infecções, reduzir a inflamação e aumentando a absorção de minerais. Ultimamente, os pesquisadores têm ficado particularmente intrigados com o “eixo intestino-cérebro” – um caminho que liga a função intestinal aos centros emocionais e cognitivos do cérebro.

Idealmente, o microbioma contém uma ampla variedade de bactérias benéficas, juntamente com espécies patogênicas causadoras de doenças. Os problemas começam quando a importantíssima diversidade e equilíbrio desta comunidade são perturbados. Essa condição, conhecida como disbiose, é caracterizada por um número menor de bactérias “amigáveis”, um número maior de bactérias causadoras de doenças e menos diversidade de espécies em geral. A disbiose está associada a uma gama impressionante de doenças, incluindo asma, autismo, câncer, síndrome da fadiga crônica, esclerose múltipla, depressão, obesidade, doença inflamatória intestinal, doença celíaca, diabetes e doenças cardíacas.

A pesquisa relaciona a solidão com problemas de saúde intestinal

O estudo de 2021 UC-SD envolveu 187 participantes adultos, com idades entre 28 e 97 anos, que completaram medidas de solidão, sabedoria, compaixão, apoio social e envolvimento social validadas profissionalmente com base em autorrelato. A saúde e a diversidade de seus microbiomas intestinais foram avaliadas usando amostras fecais.

Os resultados foram claros.

“Descobrimos que níveis mais baixos de solidão e níveis mais altos de sabedoria, compaixão, apoio social e envolvimento foram associados a maior … riqueza e diversidade do microbioma intestinal”, relatou a autora do estudo Tanya T. Nguyen, Ph.D., Professora Assistente de Psiquiatria na UC San Diego School of Medicine. A diversidade microbiana reduzida, por outro lado, foi associada a uma pior saúde física e emocional.

Embora tenha revelado claramente uma ligação estreita entre a saúde intestinal deficiente e a solidão, a pesquisa também levantou uma espécie de enigma do “ovo e da galinha”. Os cientistas reconheceram que não sabiam com certeza se a própria solidão causa mudanças prejudiciais no microbioma intestinal – ou se essas mudanças poderiam predispor um indivíduo à solidão.

Mais do que um sentimento: a solidão tem sérios efeitos na saúde, incluindo a redução do tempo de vida

Quão relevantes para a saúde são intangíveis como solidão e sabedoria?

Extremamente relevante, ao que parece.

Os pesquisadores caracterizaram a solidão como um “sério problema de saúde pública” que está relacionado ao aumento da morbidade e mortalidade . O estado de solidão está associado a alterações nas funções cardíaca, neuroendócrina e imunológica, e causa elevações nos marcadores químicos pró-inflamatórios no corpo. Além disso, causa diminuição da estabilidade da microbiota intestinal, reduzindo a resistência às perturbações relacionadas ao estresse e desencadeando inflamação sistêmica prejudicial . Não é nenhuma surpresa que os pesquisadores caracterizaram pessoas solitárias como mais suscetíveis a desenvolver diferentes doenças.

A sabedoria, por outro lado, envolve habilidades desejáveis, como pensamento reflexivo, autoconsciência, empatia, compaixão pelos outros e compreensão do significado mais profundo dos eventos da vida. Vários estudos mostraram que as pessoas consideradas “mais sábias” são menos propensas à solidão – e aquelas que relatam ser solitárias tendem a ser menos sábias.

Embora os pesquisadores estejam convencidos de que micróbios intestinais saudáveis ​​e diversos podem ajudar a aliviar os efeitos negativos do estresse crônico – e da solidão – mais pesquisas são obviamente necessárias para explorar mais as relações.

O que você pode fazer para enriquecer o microbioma intestinal?

Se você suspeita que a diversidade do seu microbioma intestinal deixa a desejar, especialistas em saúde natural aconselham nutrição adequada – especificamente, uma dieta à base de plantas e não processada – como a primeira linha de defesa. Naturalmente, alimentos fermentados – como iogurte com culturas ativas, missô, kimchi e chucrute fresco – são de extrema importância. Você também pode apoiar um microbioma intestinal saudável consumindo muitas fibras de grãos inteiros, legumes, frutas e vegetais – enquanto reduz proteínas animais e gorduras saturadas na dieta. A fibra gera ácidos graxos de cadeia curta – como o butirato – que ajudam a desintoxicar os carcinógenos e regular os níveis de colesterol, apetite e peso. Além disso, muitos alimentos ricos em fibras, como aspargos, raiz de chicória, banana, alho e cebola, são prebióticos,

A suplementação com probióticos apropriados (organismos vivos que estimulam a presença de bactérias “amigáveis”) também pode ser útil. Estudos demonstraram que as intervenções probióticas no microbioma intestinal podem reduzir os níveis de cortisol, o “hormônio do estresse”. E, um ensaio duplo-cego controlado por placebo usando os probióticos L. helveticus e B. longum por 30 dias levou a melhorias no humor e melhor resolução de problemas, juntamente com redução da depressão e hostilidade. No entanto, verifique primeiro com seu médico integrativo antes de suplementar.

A questão é: não é que pessoas sábias nunca fiquem sozinhas – mas sabedoria e apoio social podem ajudar a proteger contra a instabilidade do microbioma relacionada à solidão. Afinal, vários estudos mostraram que pessoas com redes sociais maiores tendem a ter bactérias intestinais mais diversificadas.

Em outras palavras: ter amigos solidários no mundo externo pode ajudar a promover a saúde de bactérias amigáveis ​​no “mundo interno” – e desempenha um papel na promoção da felicidade e do bem-estar.


Lori Alton

As fontes deste artigo incluem:

ScienceDaily.com
FrontiersinPsychiatry.org
LifeExtension.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *