Prisão de ventre – abordagem psicossomática

Na medicina oriental, a doença não é vista como um episódio do acaso, ou da fatalidade, mas como uma mensagem da nossa consciência, do nosso ser interior, do nosso Mestre Interior. Decodificando a linguagem do nosso corpo, podemos perceber que por trás do sofrimento de uma doença, existe uma necessidade de progressão em nossa evolução afim de se recobrar a saúde.

“As tensões, os sofrimentos do intestino grosso significam que retemos as coisas, que as impedimos de partir. Medo da falta, medo de se enganar, retenção excessiva (timidez) ou recusa em abandonar, em romper, tudo isso é expresso pelo intestino grosso (constipação, dor, inchaço, gases etc.). Esses males também nos falam da nossa dificuldade para “cicatrizar”, para esquecer as más experiências, a acidez vindo muitas vezes sinalizar a presença suplementar de uma cólera recolhida e guardada. Como ele possibilita a eliminação, a rejeição do que nós ingerimos (alimentos) e que não assimilamos, ele também possibilita a rejeição das experiências que ingerimos (vivências) e que não aceitamos.” Michael Odoul

Uma resposta para “Prisão de ventre – abordagem psicossomática”

  1. Eu concordo com isso, inclusive estou vivendo isso no momento. Mas como identificar e se livrar do problema, pode me ajudar por favor?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *