“Segredos obscuros” do sono reparador: estudo mostra que a exposição à luz durante o sono prejudica a saúde do coração

Surpreendentes 40 por cento de todos os americanos dormem com alguma forma de luz no quarto, e os cientistas agora dizem que isso pode não ser uma ideia tão “brilhante”. Na verdade, embora possa ser agradável acordar com o sol nascendo em seu rosto, isso também pode não ser ideal para um sono reparador.

Um novo estudo de pesquisadores da Northwestern University mostra que mesmo a exposição moderada à luz – como a emitida por uma lâmpada de cabeceira, TV ou laptop – durante o sono pode ter consequências inesperadas para a saúde. Então, vamos descobrir como a exposição à luz durante o sono é prejudicial à saúde metabólica e por que a escuridão é melhor.

A exposição à luz durante o sono afeta a saúde cardiovascular, aumenta a resistência à insulina e contribui para a obesidade

O estudo, que foi publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences , foi realizado em adultos saudáveis. Os voluntários tiveram uma noite de sono em um quarto mal iluminado, seguido de uma noite de sono em um quarto mais claro. (Os cientistas mediram a luz em unidades chamadas luxes, com 100 lux constituindo uma sala “moderadamente iluminada” e 3 lux usados ​​em uma sala “escurecida”.)

Um grupo separado de voluntários dormiu por duas noites no quarto mal iluminado. Quando todos os resultados foram calibrados, a equipe descobriu que uma única noite de sono no quarto de 100 lux causou aceleração da frequência cardíaca e aumento da resistência à insulina matinal em comparação com um ambiente pouco iluminado. Os participantes da sala iluminada também passaram menos tempo em sono restaurador de ondas lentas e movimento rápido dos olhos (REM).

A autora principal, Dra. Phyllis Zee, chefe de Medicina do Sono da Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern (e, sim, não se pode deixar de notar que ela é apropriadamente chamada!) relatou: “… Uma única noite de exposição à iluminação moderada da sala durante o sono pode prejudicar a regulação da glicose e cardiovascular, que são fatores de risco para doenças cardíacas, diabetes e síndrome metabólica.

MÁS NOTÍCIAS para um sono reparador: Manter a luz acesa durante o sono ativa o sistema nervoso “errado”

Ao alterar o sistema circadiano e suprimir o ritmo da melatonina, a exposição noturna à luz altera o metabolismo da glicose e aumenta a resistência à insulina. Além de aumentar a frequência cardíaca e aumentar a produção de cortisol, a iluminação noturna desperta o sistema autônomo simpático, o que é uma “má notícia” para um sono reparador. Os cientistas observaram que o sistema nervoso simpático deve estar ativo durante o dia, enquanto o sistema nervoso parassimpático é projetado para estar ativo à noite.

Dr. Zee alertou que a hiperatividade do sistema simpático pode levar à resistência à insulina e pré-diabetes e contribuir para o desenvolvimento de obesidade e síndrome metabólica. O novo estudo não é a única pesquisa que mostra danos causados ​​pela exposição à luz durante o sono. Os cientistas relataram que um estudo anterior sugeriu que a luz artificial em uma sala à noite estava associada à obesidade em mulheres. Níveis mais altos de exposição à luz no quarto também foram associados a uma maior incidência de diabetes tipo 2 em participantes idosos.

Promova um sono reparador com intervenções naturais

Claro, a solução de bom senso é fechar as persianas, fechar as cortinas e apagar todas as luzes na hora de dormir. Se uma luz deve estar acesa para facilitar a subida segura, deve ser uma luz fraca perto do chão. A propósito, as luzes âmbar ou vermelho/laranja são menos estimulantes para o cérebro do que a luz branca ou “azul” (de computadores e telas de TV). Se o seu quarto ainda estiver muito claro, sombras opacas e máscaras para os olhos podem ser uma medida sábia.

“Se você consegue ver as coisas muito bem, provavelmente está muito claro”, observou o Dr. Zee. E talvez você precise reposicionar a cama, para que o sol do amanhecer não passe pelo seu rosto. Especialistas em higiene do sono também aconselham reduzir a atividade online pelo menos uma hora antes de dormir. (Em outras palavras: sem rolagem na hora de dormir, ou – pior ainda – “doomscrolling” pelos boletins e controvérsias das últimas notícias do dia).

Apoie o sono restaurador com ervas e nutrientes calmantes

Para promover uma boa noite de sono, os especialistas aconselham a ingestão de kiwis – ricos em serotonina – e cerejas azedas, que contêm a melatonina, o “hormônio do sono”. E não se esqueça do peru, que contém um aminoácido calmante conhecido como triptofano. Além disso, os peixes gordurosos de água fria são ricos em vitamina D e ácidos graxos ômega-3 benéficos, que ajudam a regular a serotonina.

De fato, um estudo mostrou que pessoas que comiam salmão três vezes por semana tinham um sono geral melhor. Vegetarianos e veganos podem obter ácidos graxos ômega-3 e melatonina mordiscando nozes, enquanto as amêndoas são ricas em magnésio e melatonina. Dica profissional: para evitar o refluxo ácido, você deve consumir esses alimentos calmantes duas horas antes de dormir.

Chás de ervas também podem ser úteis. O chá de camomila é rico em apigenina – um antioxidante com propriedades sedativas suaves – enquanto o chá de maracujá contém apigenina e aumenta a produção do neurotransmissor calmante GABA e inibe substâncias químicas indutoras de estresse no cérebro. Como sempre, verifique primeiro com seu médico antes de usar ervas para promover o sono.

Quando você pensa nisso, ter uma boa noite de sono é uma das coisas mais restauradoras e revigorantes que você pode fazer. Então desligue essas luzes, desligue a TV, desconecte o laptop e abrace o escuro. Seu corpo vai agradecer por isso.

Lori Alton

As fontes para este artigo incluem:

ScienceDaily.com
SleepFoundation.org
NIH.gov
Healthline.com
NIH.gov

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *