Carnes processadas podem desencadear obsessão e hiperatividade

Os nitratos nas carnes processadas podem desencadear crises de obsessão e hiperatividade em pessoas saudáveis ​​- e aqueles com histórico de problemas psiquiátricos têm três vezes mais chances de comer regularmente as carnes, como presunto, salame, salsichas e bacon.

Os nitratos podem estar alterando as bactérias intestinais que, por sua vez, influenciam sintomas bipolares, como mudanças de humor e mania, afirmam pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins.

A teoria é apoiada pela descoberta de que os pacientes bipolares têm menos probabilidade de precisar de cuidados hospitalares se tomam probióticos, que ajudam a restabelecer as bactérias “boas” no intestino.

Os pesquisadores dizem que as carnes processadas ou curadas eram o único tipo de alimento que continuava surgindo quando analisavam as dietas de pacientes bipolares. Eles consideraram que o sofredor bipolar tem três vezes mais chances de comer regularmente carnes processadas do que um não sofredor.

O pesquisador principal Robert Yolken diz que a descoberta pode abrir uma nova porta de tratamento focada na dieta e no intestino.

Yolken e sua equipe vêm trabalhando na teoria há vários anos depois de descobrirem que o comportamento dos ratos se tornou mais maníaco em apenas algumas semanas após serem alimentados com carne processada.

Em seu último estudo, os pesquisadores analisaram as dietas e o comportamento de mais de mil pessoas, algumas das quais com problemas psiquiátricos. Yolken começou a suspeitar de nitratos, já que havia sido previamente associado a doenças neurodegenerativas, e nenhuma evidência foi encontrada para apoiar a teoria então prevalecente de que a doença bipolar era um problema genético.

Ele duvida que, ocasionalmente, comer carnes processadas desencadeie um episódio maníaco por si só, mas ele suspeita que comer regularmente as carnes possa ter um efeito cumulativo, especialmente quando começa a alterar as bactérias intestinais.


Referências

(Fonte: Journal of Affective Disorders, 2018; 226: 45)

Wddty 072018