Suas alergias estão sendo causadas por purificadores de ar?

Nos anais dos produtos de consumo, o Febreze, o famoso produto da Proctor & Gamble que criou o mercado de desodorante atualmente avaliado em US$ 20 bilhões por ano, é uma espécie de lenda. 

Segundo a história, um químico humilde da P&G que era um fumante inveterado estava brincando em seu laboratório, experimentando um produto químico à base de amido chamado beta-ciclodextrina, ou HPBCD.   As ciclodextrinas são oligossacarídeos cíclicos – um agrupamento de grandes moléculas de açúcar que formam uma molécula em forma de anel que é hidrofílica (absorve ou se dissolve em água) na superfície com uma cavidade central hidrofílica que é insolúvel em água. 

A superfície externa da molécula em forma de rosquinha dissolve parcialmente as moléculas de qualquer odor com o qual entra em contato, depois as encapsula no centro, prendendo essencialmente as moléculas de odor para que não possam mais ser reconhecidas pelos receptores olfativos no nariz humano.

Um dia, quando o farmacêutico voltou do trabalho, sua esposa perguntou se ele havia parado de fumar porque suas roupas não cheiravam mais a cigarro. A lâmpada acendeu, o químico convenceu a P&G a investir milhões no desenvolvimento de produtos usando HPBCD e o Febreze nasceu. Depois de um lançamento sombrio como um “eliminador de odores” em 1996, foi renomeado e relançado com grande sucesso como um “purificador de ar” em 1998. Em poucos anos, os HPBCDs chegariam a inúmeros produtos domésticos.

A popularidade dos produtos cresceu. “Comecei a usar o Febreze em 2001”, diz Anna Cox, homeopática registrada em Montecito, Califórnia. “Eu tinha um cachorro fedido e um adolescente com roupas esportivas fedidas espalhadas por todo o lugar. Ele deveria ser projetado para encapsular odores, e eu pensei que era uma maneira muito mais segura de usar um produto para refrescar o ar em casa do que outros produtos com muitos produtos químicos.”

Após cerca de quatro meses de uso, Cox foi diagnosticada com câncer de mama, e seu filho Spencer desenvolveu nódulos do tamanho de uma bola de golfe em seus gânglios linfáticos, nas bochechas e na parte de trás do pescoço. O pediatra que eles procuraram disse que não sabia o que estava acontecendo e perguntou se ela estava usando algum produto novo em casa. 

“O Febreze foi o único produto novo”, diz ela. “Mas eu limpei tudo na minha casa, joguei tudo na lata de lixo e fui tudo natural.” Ela diz que na época não tinha ideia se Febreze era o culpado porque não tinha habilidade para avaliar a situação.

Demorou um ano para os nódulos não cancerosos no pescoço de seu filho desaparecerem. E o incidente colocou Cox em uma jornada de seis anos, primeiro para curar seu câncer de mama por métodos naturais e depois fazer um mergulho educacional em biofísica e cura natural na Universidade Americana de Medicina Complementar em Beverly Hills, Califórnia. Eventualmente, ela se viu profundamente atraída pelo campo da homeopatia, que se tornou sua especialidade, juntamente com os testes de biorressonância. 

Bombardeado por ar “refresco”

Em 2014, Ann Cole de Montana teve uma reação a algo e não sabia o quê. “Basicamente, meu cabelo começou a cair em questão de duas a três semanas”, disse ela. “Eu tenho cabelos muito grossos e eu era dois terços careca. Eu mantive minhas sobrancelhas, felizmente. Mas foi incrivelmente angustiante.”

Ela foi a vários médicos, mas eles não tinham ideia do que estava acontecendo. Seu melhor palpite era que tinha algo a ver com seu sistema imunológico. Eles então sugeriram um curso de esteróides, o que deprimiria seu sistema imunológico. Eles também lhe disseram que era improvável que seu cabelo voltasse a crescer.

Ann trabalhava com Anna Cox de vez em quando desde 2006, então ela ligou para ela. “Ela me pediu para pensar na época em que começou e isso me lembrou que minha faxineira estava usando um novo limpador no meu banheiro – um produto Lysol com fragrância. Quando liguei para minha faxineira, ela disse que havia parado de usá-lo porque ela e sua equipe estavam tendo problemas de pele. Quando fui verificar o produto, com certeza, havia HPBCD nele.”

Esse foi o ponto de virada para Ann. Ela continuou trabalhando com Cox, usando remédios homeopáticos, e todo o seu cabelo acabou voltando a crescer. Mas, de certa forma, isso foi apenas o começo de sua jornada. Após sua reação de “ponto de inflexão” ao HPBCD, a tolerância anterior de seu corpo para purificadores de ar e produtos de limpeza perfumados foi drasticamente reduzida.

Indo e voltando de Montana para Nova York a trabalho, ela era submetida a purificadores de ar e outros produtos em todos os lugares que ia – em banheiros de aeroportos, táxis e Ubers, em seu quarto de hotel e, finalmente, no próprio trabalho. “Tudo tinha todas essas fragrâncias. Nos banheiros do trabalho, usavam produtos com HPBCD. Outros funcionários mantinham purificadores de ar em suas mesas. Minha pele estava ficando irritada e eu estava ficando muito enjoada no trabalho. 

“Então eu trabalhei com RH na minha empresa e disse: ‘Por favor, sem fragrâncias.’ A empresa obedeceu, mas então o Covid chegou e depois vieram os bloqueios. Agora, voltando fisicamente ao trabalho, está tudo perfumado de novo porque todo mundo quer esses perfumes. Mas eu simplesmente não posso trabalhar nesse ambiente.” 

Uma das coisas que ela comenta é como a bioquímica única das pessoas é afetada de forma diferente pelos produtos para refrescar o ar. 

“Meu filho tem os mesmos problemas que eu. Mas meu marido e filha não são afetados. O corpo de cada um reage de forma diferente. Quando conto às pessoas sobre minha experiência, elas ficam tipo, ‘Ah, sim, eu também! Minha pele tem problemas. Ou, ‘O cabelo da filha de uma amiga minha está caindo.’ Quando eu conto a eles sobre HPBCD e ouço de volta, acontece que eles tinham Febreze por toda a casa. É apenas em todos os lugares. Eu tive que aprender a ser super cuidadoso com meu ambiente.”

Uma solução homeopática 

Os purificadores de ar não tocaram sua vida novamente até 2011, quando seu filho foi para a escola de pós-graduação em Nova York. Ele estava em seu novo apartamento há apenas algumas semanas quando ligou para relatar alguns sintomas misteriosos que surgiram de repente. 

“Ele disse que não tinha energia, se sentiu mal e que cerca de 90% de seu cabelo caiu em questão de dias”. Uma homeopata praticante nessa época, ela o questionou cuidadosamente sobre seu novo ambiente, escolhas alimentares e atividades. 

Acontece que ele ficou envergonhado com seus novos colegas de quarto porque seus pés e sapatos estavam cheirando azedo, e alguns dias antes ele comprou um purificador de ar e borrifou completamente seus sapatos, meias, pés e quarto para refrescar as coisas.

“Eu disse a ele para tirar o produto de casa, jogar os sapatos fora, abrir as janelas e ir lavar suas roupas e lençóis”, disse Cox. 

Ela   deu ao filho o remédio homeopático Medorrhinum, que é usado quando o sistema endócrino é interrompido – o que Cox achou muito provável, considerando a perda de cabelo que seu filho experimentou. 

O melhor remédio homeopático que ele tinha à mão para lidar com a toxicidade era o petróleo, diz Cox. Ela teria preferido que ele tomasse o remédio Benzene, mas ele não conseguiu obtê-lo prontamente. “Nenhum dos remédios foi uma combinação perfeita para a desregulação endócrina, mas foi o melhor que pudemos fazer.”

Spencer seguiu as instruções de sua mãe e rapidamente começou a se sentir melhor. Eventualmente, para seu alívio, a maior parte de seu cabelo voltou a crescer também. Mas ele não era a última pessoa que Cox trataria por reações alérgicas graves. 

À medida que a popularidade comercial do Febreze e dos inúmeros outros produtos contendo beta-ciclodextrina aumentou, mais clientes começaram a contatá-la com sintomas semelhantes – fadiga súbita, perda de energia e queda rápida de cabelo aos punhados, além da exacerbação de muitos de seus   problemas crônicos existentes. . 

“O HPBCD tornou-se tão prevalente que era uma das primeiras coisas que eu procurava com os clientes”, diz Cox. “Está em toda parte – em forros de sacos de lixo, em lençóis de secadores e detergentes para roupas, em géis e velas e plug-ins. Não posso dizer quantas pessoas insistiriam: ‘Não. Eu não uso coisas assim. E então eles passavam pela cozinha ou lavanderia e lá estava o produto químico.” 

Afetando os olhos

Onze anos atrás, Angel Bracket, 66, de Lafayette, Califórnia, estava ajudando sua irmã a organizar a festa de aniversário de seu filho em uma pista de boliche. “Nós entramos e ouvi esse som de pulverização. Olhei para cima e esse líquido esguichou do difusor e me atingiu no rosto”, diz ela. 

“Eu não pensei nada sobre isso. Mas então, algumas horas depois, senti alguns caroços ao redor dos meus olhos. Um pouco mais tarde, meu irmão veio até mim e disse: ‘Você se olhou no espelho ultimamente?’ Entrei para olhar e meus olhos estavam inchados e meus lábios estavam ficando inchados.”

Seu marido insistiu em ir para casa e, quando chegaram, duas horas depois, seus olhos estavam fechados e inchados, e seus lábios e o interior da boca estavam inchados. 

Ela ligou para Anna Cox, uma homeopata registrada, que imediatamente reconheceu os sintomas. Cox recomendou que Angel começasse com o remédio homeopático Petroleum, e os efeitos tóxicos se reverteram lentamente, dando-lhe alívio. Após este episódio, no entanto, Angel diz que sua sensibilidade às fragrâncias disparou.

“Depois disso, as comportas se abriram e muitas coisas foram acionadas – outras coisas que eu poderia ter sido alérgica a que meu corpo poderia lidar e agora, de repente, não conseguia, apenas começou a aparecer.” Ela diz que levou cerca de três anos antes que seu corpo se recuperasse totalmente e voltasse ao equilíbrio. 

“Eu não posso dizer quantas pessoas da minha família, bons amigos e até pessoas que trabalham para nós, têm problemas com purificadores de ar e outros produtos perfumados. Ashleigh, minha filha, tem muita dor de cabeça. No minuto em que ela está perto do HPBCD, ela sabe disso porque fica com uma dor de cabeça muito específica que começa a subir pelo pescoço e até o topo da cabeça. Em outras pessoas, causará dores nas articulações, problemas de visão e muitas coisas diferentes. Não há apenas um efeito. O corpo de todo mundo assimila e reage de maneira diferente.”

Hoje, se ela for exposta, ela reconhece os sintomas e sabe tomar o remédio isopático que Cox formulou a partir do próprio produto Febreze. “Funciona como um encanto todas as vezes.”

Onipresente e não regulamentado 

Felizmente para as corporações e infelizmente para o público consumidor, os purificadores de ar se enquadram na categoria de “fragrâncias gerais”, cujos ingredientes não são monitorados ou regulamentados por agências governamentais. E, no entanto, mais de 20% das pessoas nos Estados Unidos relatam consistentemente reações negativas a purificadores de ar – produtos que revelam menos de 10% de todos os ingredientes voláteis (transportados pelo ar) que contêm em seus rótulos e folhas de segurança de materiais. 1

Estudos mostram que os purificadores de ar em geral liberam compostos orgânicos voláteis (COVs) no ar, como xileno, aldeídos e ésteres. 2 VOCs são compostos gasosos à base de carbono, e alguns podem ser muito prejudiciais. O xileno afeta o sistema nervoso central, provocando náuseas, dores de cabeça e tonturas. Dependendo da concentração, pode causar perda de consciência e morte. 3 

Os aldeídos, incluindo o formaldeído, são tóxicos para as células. Eles também podem criar mutações genéticas que levam ao câncer. 4 Os ftalatos, um ingrediente comum em purificadores de ar, são um tipo de éster, compostos químicos formados quando um ácido e um álcool são misturados. Estes são bem conhecidos por causar asma. 5 

Os ftalatos são conhecidos por causar problemas reprodutivos em mulheres e homens, incluindo infertilidade, síndrome de disgenesia testicular e câncer. 6 Eles também podem causar desenvolvimento fetal anormal. 7 Em 2011, os pesquisadores descobriram 133 VOCs diferentes em produtos testados para purificadores de ar. 8

 Certos produtos químicos nos purificadores de ar   reagem com o ozônio, produzindo poluentes perigosos como o formaldeído que, quando transportado pelo ar, pode causar irritação nos olhos e na pele e problemas respiratórios. No sistema nervoso central, o formaldeído causa dores de cabeça, tontura, fraqueza geral e insônia. 

O benzeno é um componente comum em purificadores de ar, e estudos há muito tempo mostram que ele é genotóxico (afetando a informação genética nas células) e mutagênico (causando mutações genéticas). 

Estudos mostram que está associado à leucemia em humanos e a outros cânceres em animais. 10 Testes de purificadores de ar comerciais revelam produtos químicos não listados no rótulo, como benzenometanol, lilial, galaxolida, hidroxitolueno butilado e linalol, todos conhecidos por causar vários problemas de saúde, incluindo asma e outras dificuldades respiratórias, irritação da pele, dor de cabeça e doenças infantis. 11 

Evite velas perfumadas e incensos

Adoramos velas com sua luz suave e romântica. E os perfumados parecem ainda mais atraentes.

E, no entanto, a maioria das velas perfumadas produzidas comercialmente são feitas com cera de parafina, um produto de petróleo ou óleo de carvão que, quando queimado, pode liberar compostos orgânicos voláteis tóxicos (VOCs) como o benzeno, seja aceso ou apenas sentado ao lado da banheira. 1 

Esses tipos de velas também liberam dioxinas (produtos químicos orgânicos compostos por um par de anéis de benzeno), bem como aldeídos e micropartículas conhecidas por causar irritação nos pulmões. 2 

As emissões de fuligem de velas perfumadas são maiores do que as de velas sem perfume, e velas com pavios de arame podem liberar quantidades significativas de chumbo quando queimadas. 3 E cada vez mais, as velas também contêm HPBCD.

Velas de cera de abelha e soja/vegetais ainda emitem partículas, mas não os gases tóxicos que as velas de parafina perfumadas comerciais fazem. No entanto, esteja em guarda. A menos que sejam rotuladas como 100% cera de abelha ou soja, você ainda pode comprar velas com até 49% de parafina. 4 

O incenso também não é uma escolha saudável. Estudos mostram que a frequência de queima de incenso está relacionada ao aumento do risco de agravamento da asma atual, sibilância e necessidade de medicação entre as crianças. 5 

A exposição diária à queima de incenso pode prejudicar a função pulmonar em jovens. 6 Além disso, um estudo sugere que o uso de incenso em casa aumenta o risco de câncer de pulmão em pessoas que fumam. 7

O incenso de carro, um produto que está se tornando cada vez mais popular, também é melhor evitar.

Farmacêutica querida ou perigosa? 

O HPBCD tem sido lento na obtenção de relatórios clínicos negativos porque as ciclodextrinas, incluindo o HPBCD, são as novas estrelas da indústria farmacêutica. Eles têm uma capacidade incomparável de encapsular outros agentes farmacêuticos que, de outra forma, não são facilmente biodisponíveis e distribuí-los de forma eficiente por todo o corpo, incluindo além da barreira hematoencefálica. As ciclodextrinas podem até ser usadas para introduzir coisas como eletrodos modificados e sensores eletroquímicos no corpo. 12 

Mas apesar da extraordinária popularidade do HPBCD com as empresas farmacêuticas, ele tem sérios problemas. Estudos em animais demonstraram toxicidade pulmonar e pneumonia induzida após infusões de HPBCD, bem como a possibilidade de lesão de órgãos e disfunção renal e hepática. 13

Estudos em animais e em tubos de ensaio também indicaram que o HPBCD afeta negativamente a circulação sanguínea em todo o sistema e é pró-inflamatório. 14  

Outras investigações em animais indicaram que HPBCD pode aumentar a reabsorção óssea, levando à perda óssea. 15 Além disso, pode causar perda auditiva e doenças do ouvido. 16 Como esses estudos em animais podem não se aplicar a humanos, a pesquisa precisa ser clinicamente testada para confirmar que os efeitos também ocorrem em pessoas.

Considerado um tratamento promissor para a rara doença de Niemann-Pick tipo C, um distúrbio genético em que o colesterol e outros lipídios se acumulam no organismo, um ensaio clínico do HPBCD, comercializado como VTS-270, foi suspenso no Reino Unido e na França em 2019 devido ao seu “balanço benefício/risco desfavorável”. 17 O HPBCD também foi um ingrediente da vacina Covid da Johnson & Johnson (Janssen). 18 

Embora os remédios homeopáticos existentes, como o petróleo e o benzeno, possam tratar efetivamente os efeitos negativos do HPBCD, diz Cox, para melhor atender os clientes, ela trabalhou com um laboratório homeopático para criar um remédio específico a partir de um produto perfumado Febreze.

O remédio final produzido foi na verdade uma substância que tecnicamente se enquadra na categoria chamada Isopatia. É o próprio Febreze, diluído e sucussado, e não uma substância meramente semelhante. 

“Espero seriamente que nossa comunidade homeopática venha a bordo e conduza uma prova completa em breve”, acrescenta Cox. “Porque é isso que será necessário para realmente ajudar os profissionais a identificar o quadro holístico dos sintomas desse produto químico e fornecer aos consumidores acesso à melhor solução.

Ambientadores caseiros

Se você quer apenas limpar o ar sem cheiro adicional, experimente estas receitas de bricolage

Sprays ambientadores

Spray de vinagre

  • Frasco de spray vazio 
  • ¼ xícara de vinagre branco 
  • ¾ xícara de água (destilada, filtrada ou da torneira)
  • Agite para dispersar o vinagre na água e borrife.

Spray de bicarbonato de sódio

  • Frasco de spray vazio
  • 1 xícara de água (destilada, filtrada ou da torneira)
  • 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio
  • Adicione bicarbonato de sódio ao recipiente. Adicione água. Agite e pulverize.

Perfumado Se você quiser adicionar um aroma floral, herbal ou florestal, use os óleos essenciais. Adicione 2 a 8 gotas de óleo essencial ou mistura de óleo de sua escolha (dependendo da intensidade do aroma desejado) ao bicarbonato de sódio e misture bem. Adicione a mistura perfumada de bicarbonato de sódio ao frasco de spray, adicione água e agite para misturar.

DICA: Para ajudar os óleos e a água a se combinarem melhor e garantir que seu spray ambientador seque rapidamente, adicione 2 colheres de sopa de álcool – vodka ou álcool isopropílico – à mistura. Se você usar álcool, pode até pular o uso do bicarbonato de sódio.

Sachês

Sua avó provavelmente fez sachês para enfiar nos armários e nas gavetas da cômoda para deixar todas as roupas com um cheiro maravilhoso. 

  • Quadrados de tecido (qualquer tamanho, cor, padrão de material que você deseja)
  • Fita
  • arroz branco
  • Flores secas ou ervas secas
  • Óleos essenciais

Misture o arroz com ervas ou flores secas. A quantidade de ervas e flores a serem usadas depende da intensidade do perfume que você deseja. Ou simplesmente adicione gotas de seus óleos essenciais favoritos ao arroz. Coloque a mistura de arroz no quadrado de tecido. Junte as bordas do tecido e amarre com fita. Deixe cair em uma gaveta ou coloque em seu armário.

Recipientes de vidro

Para uma apresentação bonita e perfumada em qualquer lugar da casa, encha um pequeno pote de vidro ou vaso com bicarbonato de sódio misturado com ervas secas ou flores. Ou, novamente, simplesmente combine o bicarbonato de sódio com sua mistura favorita de óleos essenciais. 

Cubra o topo do pote com um pedaço de musselina, amarre com um laço e pronto!

Potpourri

Compre uma mistura de belas flores secas ou ervas perfumadas e coloque em uma tigela atraente para deixar no quarto. Se não for perfumado o suficiente, adicione óleo essencial apropriado.

Pomanders

O mais antigo exterminador de odores para armários, cozinhas e despensas que você pode encontrar. 

  • 1 laranja firme
  • cravo-da-índia

Recheie a laranja com os cravos. Você pode cobrir toda a laranja com cravo para obter um aroma mais intenso ou criar padrões divertidos de cravo na superfície. Role na canela para aroma adicional e para ajudar a evitar mofo. Deixe a laranja secar por vários dias.

Passe um fio pela laranja e dobre na parte inferior para prender. Adicione uma fita ao fio na parte superior e pendure.

Buquês

O purificador de ar mais bonito de todos – tente colocar um pequeno buquê de flores altamente perfumadas como rosas no quarto. Ou coloque ervas frescas em pequenos vasos de botões.

Óleos essenciais de ambientador de ervas

  • Lavanda
  • Hortelã-pimenta
  • Alecrim
  • Manjericão
  • salva esclereia
  • Bergamota
  • Fruta
  • Citrino
  • Laranja
  • Limão
  • Toranja
  • Feriado
  • Canela 
  • dente de alho
  • Ruivo
  • Baunilha
  • Floral
  • Gerânio
  • Rosa
  • Jasmim
  • Aromas da floresta
  • Eucalipto
  • Cedro
  • Pinho
  • Abeto
  • Incenso
  • Árvore do chá
Referências
Construir Ambiente, 2017; 111: 279–84
J Toxicol Sci, 2015; 40(5): 535-50
J Oral Maxillofac Pathol, 2010; 14(1): 1–5
Adv Exp Med Biol, 2019; 1193: 35-52
Environ Sci Pollut Res Int, 2019; 26(27): 28256-69
Int J Environ Res Saúde Pública, 2020; 17(18): 6811
Curr Med Chem, 2006; 13(21): 2527-34
Perspectiva de Saúde Ambiental, 2011; 119(1): A16
Comitê de Toxicologia do Conselho Nacional de Pesquisa dos EUA, “Formaldeído – uma avaliação de seus efeitos na saúde”. (National Academies Press, 1980)
10Hum Exp Toxicol, 2007; 26(9): 677–85
11 J Saúde Pública Ambiental, 2019; 2019: 9316707
12Curr Med Chem, 2017; 24(22): 2359-91
13Mol Genet Metab, 2013; 109(2): 231–2
14Regul Toxicol Pharmacol, 2013; 67(3): 351–9; Front Immunol, 2021; 12: 716357
15Toxicol Pathol, 2012; 40(5): 742–50
16J Assoc Res Otolaringol, 2015; 16(5): 599-611
17Universidade de Notre Dame, “Atualização de Mallinckrodt sobre VTS-270 no Reino Unido e na França”, comunicado à imprensa. 2 de agosto de 2019. parseghianfund.nd.edu 
18Food and Drug Administration dos EUA, “Autorização de uso de emergência (EUA) da vacina Janssen Covid-19 para prevenir a doença de coronavírus 2019 (COVID-19)”. www.fda.gov

Evite velas perfumadas e incensos

Referências
J Hazard Mater, 2015; 286: 242–51
Environ Sci Pollut Res Int, 2014; 21(6): 4320–30
LEAD Action News, 2000; 7(4): ISSN 1324-6011. lead.org.au/lanv7n4/L74-9.html 
Rob Brown, MD, “Toxinas do ar interno: os perigos das velas”, 2 de junho de 2021. 
Eur Respir J, 2011; 37(6): 1371-7
Ar Interno, 2017; 27(4): 746-52
Perspectiva de Saúde Ambiental, 2011; 119(11): 1641-6

Wddty 072022

Algumas maneiras de renovar sua casa com segurança

Se você planeja renovar sua casa no ano novo, seja uma nova pintura ou uma limpeza profunda de cima a baixo, é importante considerar os muitos produtos químicos tóxicos aos quais você pode estar exposto no processo. Aqui estão cinco maneiras de atualizar seu espaço enquanto reduz seus riscos.

Escolha tintas sem VOC

Se você está planejando decorar sua casa ou fazer algum bricolage, opte por tintas, vernizes, enchimentos e outros produtos não tóxicos com os níveis mais baixos de VOC que você puder encontrar. VOCs – compostos orgânicos voláteis – são produtos químicos que liberam vapores prontamente à temperatura ambiente. Eles são um dos principais contribuintes para a poluição do ar interno e têm sido associados a uma série de efeitos à saúde de curto e longo prazo, desde dores de cabeça, tontura e problemas de memória  até asma, eczema e baixa qualidade do esperma. Vários VOCs, como benzeno e formaldeído, são cancerígenos reconhecidos, e outros são suspeitos de serem cancerígenos.

A boa notícia é que várias empresas agora oferecem tintas e outros produtos de decoração que são livres ou praticamente livres de VOCs, bem como outros produtos químicos tóxicos, como ftalatos e metais pesados. 

Fique atento ao chumbo

Outra palavra de cautela se você estiver decorando sua casa ou reciclando móveis vintage: cuidado com o chumbo. Este metal pesado altamente tóxico pode estar escondido em pinturas e vernizes antigos. Antes de lixar superfícies suspeitas, adquira um kit de teste de chumbo. Se houver chumbo, aqui estão algumas dicas para lidar com ele com segurança:

  • Se a pintura estiver em boas condições, você pode simplesmente selá-la com uma camada de tinta moderna sem chumbo. 
  • Se a pintura ou verniz estiver em mau estado e precisar ser removido, certifique-se de não usar métodos que criem poeira ou fumaça, como lixamento a seco ou pistola de ar quente. Em vez disso, experimente um decapante à base de água sem solvente ou chame um profissional experiente. 
  • Sempre use roupas de proteção, luvas e uma máscara facial (adequada para partículas de chumbo) e lembre-se de descartar a tinta ou verniz removido em um recipiente fechado e depois aspirar e limpar a área completamente.  

Afaste o plástico

Frascos e recipientes de armazenamento são uma ótima maneira de se organizar na cozinha, mas escolha vidro ou aço inoxidável em vez de plástico para armazenar alimentos e bebidas. Substâncias químicas nocivas, como bisfenol A (BPA) e ftalatos, podem ser lixiviadas de recipientes de plástico para a substância interna e, finalmente, acabar em seu corpo, onde podem ter efeitos de desregulação hormonal.

Considere também sacos de algodão orgânico para armazenar frutas e legumes, e papel não branqueado como alternativa ao plástico e sacos de sanduíche. E se você comprar alimentos ou bebidas em embalagens plásticas, transfira-os para um recipiente sem plástico quando chegar em casa.

Limpe com segurança

Uma limpeza completa é uma ótima maneira de refrescar sua casa, mas opte por produtos de limpeza naturais e não tóxicos em vez dos convencionais, que geralmente estão repletos de produtos químicos nocivos. 

Um estudo descobriu que 10 a 20 anos de limpeza em casa ou no trabalho são tão ruins para os pulmões quanto fumar um maço de cigarros por dia pela mesma quantidade de tempo. A exposição a produtos de limpeza também tem sido associada à asma, problemas cardíacos, câncer de mama e muito mais. 6

Produtos de limpeza mais seguros e naturais estão agora disponíveis em empresas com políticas rigorosas de ingredientes. Alternativamente, você pode fazer suas próprias soluções usando ingredientes como vinagre, bicarbonato de sódio, suco de limão e óleos essenciais.

Aposte em móveis naturais  

Móveis novos, tapetes, roupas de cama, mantas, cortinas e almofadas podem transformar sua casa, e sempre há grandes pechinchas nas liquidações. Mas tente escolher materiais naturais livres de tratamentos químicos sempre que possível. Tecidos com retardantes de chama, à prova de manchas, à prova de traças e qualquer coisa rotulada como “prensa permanente” ou “resistente a rugas” inevitavelmente trarão uma longa lista de produtos químicos potencialmente nocivos para sua casa. 

De fato, produtos químicos de produtos de consumo, como ftalatos, fenóis, retardadores de chama e substâncias alquílicas per e polifluoradas (PFAS) foram amplamente detectados na população em geral e estão associados a uma série de efeitos à saúde, como toxicidade reprodutiva e hormonal. 7

Verifique diretamente com as empresas para ver se eles adicionam algum tratamento químico ao seus produtos, mas algumas boas opções de tecido a serem observadas incluem lã não tratada, que é naturalmente resistente ao fogo – escolha lã orgânica se possível para evitar pesticidas – e algodão orgânico e cânhamo. Juta, sisal, ervas marinhas e coco funcionam bem para tapetes, enquanto lã, sumaúma, milho e trigo sarraceno são ótimos recheios naturais para almofadas e travesseiros. 

Abandone as fragrâncias artificiais

Você pode pensar que encher sua casa com fragrâncias na forma de velas e purificadores de ar é uma maneira infalível de refrescar seu espaço. Mas o que você está realmente fazendo, se usar os produtos sintéticos padrão, é poluir o ar interno com produtos químicos nocivos. 

Os purificadores de ar, por exemplo, podem conter benzeno (um cancerígeno e possível toxina reprodutiva), tolueno (um irritante da pele e toxina do fígado/rim), terpenos (irritantes e sensibilizadores) e ftalatos (conhecidos desreguladores hormonais) e uso regular desses produtos tem sido associada a dores de ouvido, diarréia e vômitos em bebês, bem como dores de cabeça e depressão em suas mães. 8

Em vez disso, elimine os odores na fonte, se puder, em vez de mascarar os maus cheiros com produtos químicos, e mantenha sua casa bem ventilada. Plantas de casa como lírios da paz, hera inglesa e plantas de aranha são outra boa opção para controle de odor natural, ou experimente uma tigela de vinagre branco no peitoril da janela. Você também pode investir em um purificador de ar, que pode ajudar a remover odores domésticos, bem como poeira, pólen, pelos de animais e COVs. 

Se você quiser usar produtos de fragrâncias para casa, escolha produtos naturais e não tóxicos feitos com óleos essenciais puros.

E não se esqueça de que as fragrâncias podem estar à espreita em todos os tipos de produtos domésticos, desde produtos de limpeza e lavanderia até cosméticos e produtos de higiene pessoal. Mais uma vez, escolher opções naturais ou vá para alternativas livres de fragrância. 

Wddty 122021

Agência de Proteção Ambiental dos EUA, “Impacto dos Compostos Orgânicos Voláteis na Qualidade do Ar Interior”. epa.gov
Eur Respir Rev, 2015; 24(135): 92–101; J Allergy Clin Immunol, 2014; 134: 993–9; discussão 1000; Ocupar Ambiente Med, 2008; 65: 708–14
Res. Ambientais, 2007; 105: 414–29
Environ Sci Technol, 2021; 55: 11814-23; Int J Environ Res Saúde Pública, 2013; 11: 507–26; Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci, 2009; 364(1526): 2097–113
Am J Respir Crit Care Med, 2018; 197: 1157-63
Am J Respir Crit Care Med, 2007; 176: 735–41; Perspectiva de Saúde Ambiental, 2012; 120: 958–64; Saúde Ambiental, 2010; 9: 40
7J Epidemiol Saúde Comunitária, 2017; 71: 937-40
8Arch Environment Health, 2003; 58: 633–41

Oito plastificantes diferentes encontrados em 90% das pessoas (entenda os grandes efeitos nocivos para sua saúde)

O Instituto Norueguês de Saúde Pública descobriu que 90% dos testados de 2016 a 2017 tinham oito plastificantes diferentes em sua urina. Os plastificantes são produtos químicos incolores e inodoros compostos principalmente por ftalatos. Eles são usados ​​para alterar a elasticidade dos materiais no processo de fabricação.

Produtos e componentes de plástico foram integrados ao dia a dia da maioria das pessoas. Você pode encontrá-los em cortinas de box, recipientes para viagem e sacolas de armazenamento – mas você sabia que roupas, copos de papel para café, saquinhos de chá, chicletes e pontas de cigarro também contêm plástico?

A Oceana International descreve o material plástico um pouco como um gato curioso, encontrando lugares no ambiente onde não deveria caber e podendo entrar furtivamente. Os plásticos podem ser encontrados na água do mar, sal marinho, crustáceos e estômagos de baleia e em sua bebida água. Um estudo em 2014 encontrou 24 marcas de cerveja com teste positivo para plástico.

Em 2010, como evidência dos efeitos negativos do bisfenol-A (BPA) na saúde estava sendo publicado e sendo aceito na comunidade científica, Karin Michels, professora associada de epidemiologia de Harvard, foi citada no Harvard News, dizendo:

“O cenário de pesadelo é que um dia descobrimos que muito mais de nossos distúrbios atuais, incluindo infertilidade e câncer, podem ser devido ao bisfenol A e só aparecem após a exposição cumulativa. Mas, a essa altura, todos nós acumulamos tanta exposição que é tarde demais para reverter os efeitos. Você poderia dizer o mesmo sobre outras substâncias, mas agora, o bisfenol A é uma grande preocupação. ”

De acordo com os dados da pesquisa recente, o primeiro degrau do cenário de pesadelo pode estar aqui, já que o uso onipresente de plásticos e plastificantes, por sua vez, permitiu que eles se acumulassem nas pessoas, incluindo crianças.

Produtos químicos plastificantes encontrados em 90% das pessoas testadas

Os dados divulgados pelo Instituto Norueguês de Saúde Pública faziam parte do EuroMix, um projeto europeu focado na identificação de avaliação de risco para exposição a vários produtos químicos usando técnicas propostas pelo Centro de Pesquisa Conjunta da Comissão Europeia.

Seu objetivo é fornecer dados para refinar a avaliação de risco relevante para a segurança alimentar e saúde pública e fornecer informações para a indústria e órgãos reguladores. Em um estudo recente, uma equipe analisou a urina de 44 homens e 100 mulheres que residiam na Noruega.

As primeiras descobertas mostram a presença dos produtos químicos, mas uma avaliação mais aprofundada é necessária para definir a quantidade encontrada nos indivíduos. Os cientistas mediram três grupos de produtos químicos, incluindo plastificantes, bisfenóis e parabenos. Os dados revelaram oito plastificantes diferentes em 90% dos testados.

Plastificantes são encontrados em produtos de plástico e podem vazar para fora da embalagem do produto. Eles também são encontrados em produtos de higiene pessoal, como creme para as mãos, creme dental, produtos para barbear e gel de banho. Além dos ftalatos, 90% da urina dos participantes apresentou resultado positivo para bisfenol-A e triclosan. Curiosamente, os pesquisadores descobriram que o nível de bisfenol na urina estava positivamente relacionado ao consumo de pão, gorduras comestíveis e uma variedade de bebidas pelo participante.

Quase 50% tinham parabenos na urina, embora fossem encontrados com mais frequência em mulheres do que em homens. Embora os parabenos sejam usados ​​como conservantes em alimentos, também são comumente encontrados em produtos de higiene pessoal e cosméticos.

Os cientistas acreditam que o número de produtos químicos encontrados foi menor do que seria medido na população em geral, pois os participantes não eram representativos do público norueguês em geral – por exemplo, ninguém na pesquisa fumou e todos os participantes tinham ensino superior. Trine Husøy liderou o projeto de pesquisa para EuroMix e falou com uma agência de notícias norueguesa sobre os resultados:

“Encontrar tantos produtos químicos diferentes na urina das pessoas é preocupante. Ao contrário das substâncias naturais, algumas substâncias sintéticas podem acumular-se na cadeia alimentar e muitas delas são particularmente perigosas para a nossa saúde. Vamos investigar isso mais a fundo.

Os produtos que permanecem na pele geralmente contribuem mais do que os produtos que são lavados. Alimentos embalados em embalagens plásticas conterão mais plastificantes. “

Coma uma mordida de ftalatos na refeição

Uma vez que os produtos químicos não estão fortemente ligados ao produto, com o uso eles são lixiviados e se dissipam no meio ambiente, incluindo água potável e alimentos. Você notou como os plásticos flexíveis podem ficar duros e quebradiços com o tempo?

Isso ocorre porque os plastificantes são continuamente liberados e, eventualmente, alteram a composição química do produto que você está usando. Embora os ftalatos sejam “razoavelmente considerados cancerígenos para os humanos” pelo Programa Nacional de Toxicologia, a política e os regulamentos dos plásticos têm permitido que eles permaneçam em muitos dos produtos que você usa todos os dias.

Um estudo procurou avaliar o risco de exposição aos ftalatos dos alimentos.  Os pesquisadores analisaram os hábitos e metabólitos urinários de 8.877 participantes com 6 anos ou mais e descobriram que aqueles que comiam em restaurantes fast-food tinham uma excreção maior de di (2-etilhexil) ftalato (DEHP) e diisononil ftalato (DiNP) do que aqueles que não comia fast food.

Este estudo avaliou a exposição dos participantes e não os efeitos potenciais à saúde, descobrindo que havia uma relação dependente da dose entre a quantidade de fast food ingerida e o nível de ftalatos nos metabólitos urinários.

Curiosamente, quando os cientistas avaliaram o tipo de ftalatos absorvidos, eles descobriram que os participantes que comeram mais condimentos, batatas e vegetais de fast food tinham um nível mais alto de DEHP, e aqueles que comeram mais carne e grãos tinham níveis mais altos de metabólitos DiNP.

Se os plastificantes e outros produtos químicos plásticos infiltrados em sua comida não forem suficientes, talvez você queira considerar a ingestão de alimentos feitos de plástico? A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) concedeu à Universidade Estadual de Iowa e seus parceiros uma bolsa de US $ 2,7 milhões para desenvolver um processo que fabrica alimentos a partir de resíduos de plástico e papel. Eles pretendem alimentar os militares dos EUA com esse “alimento” para melhorar a logística militar para missões prolongadas.

Eles estimam que a concessão total do subsídio pode chegar a US $ 7,8 milhões antes do término do projeto. Embora a intenção inicial seja alimentar o pessoal militar, pode não demorar muito para que tal sistema seja proposto como um meio de fornecer alimentos baratos para terceiros.

Um comunicado à imprensa da Universidade Estadual de Iowa até sugeriu que o processo poderia “percorrer um longo caminho para resolver os problemas iminentes de descarte de plástico e garantir uma cadeia alimentar global viável”.

A ingestão de partículas de plástico pode começar na infância

Em todo o mundo, a indústria de mamadeiras foi avaliada em US $ 2,6 bilhões em 2018 e o segmento de plástico representou 44,1% da participação total. Se você estiver usando mamadeiras de plástico para o seu bebê, considere mudar para o vidro, pois pesquisas mostraram que microplásticos podem ser liberados da mamadeira para o conteúdo.

Para coletar os dados, os cientistas usaram frascos de polipropileno novos, limpos e esterilizados, cheios de água. Depois de agitar as garrafas por um minuto, eles analisaram o conteúdo e descobriram que microplásticos estavam sendo liberados na água, às vezes a um nível de até 16 milhões de partículas de plástico por litro.

A garrafa média testada atingiu 4 milhões de partículas para cada litro de água. São partículas microplásticas que vão parar na comida do bebê. Os pesquisadores prevêem que, em todo o mundo, bebês de até 12 meses podem ser expostos a 14.600 a 4,55 milhões de partículas microplásticas todos os dias.

No estudo, os pesquisadores usam água purificada e não água potável padrão. Como a água potável padrão também contém microplásticos, isso significa que o número pode ter sido significativamente subestimado.

Em uma revisão da literatura que calculou a quantidade de plástico que uma pessoa consome em média, os pesquisadores estimaram que uma pessoa bebe 1.769 partículas de plástico da água da torneira todos os dias. Nos EUA, 94,4% de todas as amostras de água encanada continham fibras plásticas, assim como 82,4% das amostras da Índia e 72,2% das amostras da Europa.

Problemas de saúde ligados a disruptores hormonais pesados

Os cientistas reconhecem que os efeitos dos plásticos e dos produtos químicos que os criam na saúde são diretos e indiretos. Muitos dos efeitos à saúde atribuídos ao BPA – centenas de estudos em animais relacionaram o BPA ao desenvolvimento anormal do cérebro, mama e próstata – provavelmente estão relacionados ao fato de ser um hormônio sintético que imita o estrogênio, muito parecido com os ftalatos.

Os ftalatos são desreguladores hormonais notavelmente poderosos, capazes de fazer com que os machos de muitas espécies desenvolvam características femininas. Essa conclusão foi alcançada após uma avaliação dos danos à saúde reprodutiva da fauna silvestre, mas os resultados são relevantes também para os humanos, devido aos receptores de hormônios sexuais semelhantes.

Um estudo publicado pela American Chemical Society descobriu que mulheres grávidas expostas a ftalatos em embalagens de alimentos, itens de higiene pessoal e outros produtos tinham um risco aumentado de aborto espontâneo entre as semanas 5 e 13 de gravidez.

Ao perturbar o sistema endócrino, os ftalatos podem causar câncer testicular, baixa contagem de espermatozoides, malformação genital e infertilidade encontrada em espécies animais, incluindo baleias, veados, lontras e ursos, para citar alguns.

Uma equipe de pesquisa da Universidade de Columbia descobriu que mulheres com níveis elevados tinham bebês com maior risco de desenvolver asma entre 5 e 11 anos. Os pesquisadores foram forçados a comparar mulheres com o nível mais alto com aquelas com o nível mais baixo de ftalatos, pois não encontraram qualquer pessoa com nível zero.

A exposição durante a gravidez também pode alterar a produção de hormônios da tireoide no feto, que são essenciais para o desenvolvimento adequado no primeiro trimestre. Mulheres com altos níveis de DEHP durante a gravidez tinham o dobro do risco de um filho do sexo masculino desenvolver hidrocele, um acúmulo de líquido no escroto que aumenta o tamanho do escroto e causa desconforto.

Os adultos também experimentam os efeitos negativos dos ftalatos no corpo, incluindo níveis mais baixos de vitamina D com uma maior ingestão de ftalatos. Baixos níveis de vitamina D estão ligados a uma variedade de diferentes condições de saúde, incluindo depressão, declínio cognitivo em adultos mais velhos, enxaqueca crônica e resultados ruins de infecções por COVID-19.

Dicas para reduzir o uso de produtos químicos tóxicos

Considerando que pesquisas confirmam que os estrogênios ambientais têm efeitos multigeracionais, é aconselhável tomar medidas proativas para limitar sua exposição. Isso é particularmente importante para pessoas mais jovens, que têm mais anos para acumular poluição de plástico e podem ser mais vulneráveis ​​aos seus efeitos durante o desenvolvimento.

Embora seja virtualmente impossível evitar todas as fontes, você pode minimizar sua exposição mantendo alguns princípios-chave em mente. Comece o processo devagar e faça das mudanças um hábito em sua vida, para que persistam.

Evite brinquedos de plástico para crianças. Use brinquedos feitos de substâncias naturais, como madeira e materiais orgânicos;

Leia os rótulos de seus cosméticos e evite aqueles que contenham ftalatos;

Evite produtos rotulados com “fragrância”, incluindo purificadores de ar, pois esse termo abrangente pode incluir ftalatos comumente usados para estabilizar o cheiro e estender a vida útil do produto;

Leia os rótulos à procura de produtos sem PVC, incluindo lancheiras, mochilas e recipientes de armazenamento infantis;

Não leve ao microondas (evite também usar microondas) alimentos em recipients de plástico ou cobertos com filme plástico;

Frequentemente, aspirar e tirar o pó de salas com cortinas de vinil, papel de parede, pisos e móveis que podem conter ftalatos, pois o produto químico se acumula na poeira e é facilmente ingerido por crianças e pode se depositar nos pratos de comida.

Pergunte ao seu farmacêutico se seus comprimidos são revestidos para controlar quando eles se dissolvem, pois o revestimento pode conter ftalatos.

Coma principalmente alimentos crus e frescos. A embalagem costuma ser uma fonte de ftalatos;

Use mamadeiras de vidro em vez de plástico. Amamente exclusivamente durante o primeiro ano, se puder, para evitar bicos e mamadeiras de plástico;

Retire as frutas e vegetais dos sacos plásticos imediatamente após voltar do supermercado e lave-os antes de guardá-los; como alternativa, use sacolas de pano para levar seus produtos para casa;

Os recibos da caixa registradora são impressos a quente e geralmente contém BPA. Manuseie o recibo o menos possível e peça à loja para mudar para recibos sem BPA;

Use produtos de limpeza naturais ou faça o seu próprio.;

Substitua os produtos de higiene feminina por alternativas mais seguras;

Evite amaciantes de roupas e secadores; faça o seu próprio para reduzir a aderência estática;

Verifique se há contaminantes na água da torneira da sua casa e filtre a água, se necessário;

Ensine seus filhos a não beberem da mangueira do jardim, pois muitas contêm plastificantes, como ftalatos;

Use sacolas de compras reutilizáveis ​​para mantimentos;

Leve seu próprio recipiente de sobras para restaurantes. Evite utensílios e canudos descartáveis;

Traga a sua própria caneca para um café e traga água potável de casa em garrafas de água em vez de comprar água engarrafada;

Considere mudar para escovas de dente de bambu e escovar os dentes com óleo de coco e bicarbonato de sódio para evitar tubos de pasta de dente de plástico.

Dr. Mercola

Fontes e referências:

Câncer de mama… Descubra 9 produtos químicos comuns no seu dia a dia que aumentam seu risco

 “Cada mulher na América foi exposta a produtos químicos que podem aumentar seu risco de contrair câncer de mama”, de acordo com uma revisão científica abrangente realizada pelo Instituto Silent Spring e publicada na revista Environmental Health Perspectives .

O estudo destaca 17 famílias de produtos químicos aos quais as mulheres são expostas diariamente … e fornece maneiras saudáveis ​​para as mulheres reduzirem o risco de câncer.

Alerta sobre câncer de mama … esperamos que as mulheres estejam ouvindo

De acordo com a coautora Julia Brody, “a ligação entre os produtos químicos tóxicos e o câncer de mama foi amplamente ignorada. A redução da exposição a produtos químicos pode salvar muitas, muitas vidas de mulheres. ”

Os pesquisadores revisaram a literatura científica e encontraram 102 produtos químicos diferentes que causaram tumores mamários em animais. Como as substâncias que causam câncer são semelhantes em animais e humanos, os pesquisadores acreditam que a maioria desses produtos químicos tóxicos podem causar câncer de mama em mulheres também.

Felizmente, os pesquisadores descobriram que os testes para medir a exposição são acessíveis a qualquer profissional médico, para quase 75% de todos os produtos químicos – com muitos dos produtos químicos restantes identificáveis ​​com pequenas modificações nos testes existentes.

Um olhar mais atento sobre os produtos químicos mais tóxicos

Organohalogênios ou produtos químicos retardantes de chama foram adicionados a quase todos os móveis vendidos nos Estados Unidos. No entanto, eles não foram testados, são ineficazes e tóxicos para os proprietários, ao mesmo tempo que aumentam as taxas de câncer para os bombeiros, em particular.

Na década de 1990, os cientistas suecos levantaram bandeiras vermelhas quando descobriram que compostos retardadores de chama amplamente utilizados em todo o mundo estavam se acumulando no leite materno.

Na Califórnia, bombeiros do sexo feminino com idades entre 40 e 50 anos têm taxas de câncer de mama quase seis vezes a média nacional para essa faixa etária. Isso se deve à adoção precoce de retardantes de chama pelo estado – que se enraizaram em todo o país em taxas mais lentas. Qualquer móvel com espuma de poliuretano contém retardadores de chama.

O cloreto de etileno e outros solventes orgânicos foram identificados como causadores de tumores nas glândulas mamárias. Os usos incluem lavagem a seco, propelente para spray de cabelo, fumigantes de solo, processamento de alimentos, aditivos para gasolina e removedores de tinta e manchas.

Felizmente, muitos desses agentes causadores de câncer identificáveis ​​podem ser evitados e, à medida que você continuar lendo, verá que as soluções são fáceis de implementar.

Ftalatos e parabenos , banidos pela União Europeia em 2003, são um grupo de produtos químicos comumente usados ​​como conservantes em cosméticos e produtos farmacêuticos. Eles mantêm os sprays de cabelo pegajosos e as bactérias e fungos longe de coisas como esmaltes e perfumes.

Ambos demonstraram ser cancerígenos e particularmente ligados ao câncer de mama.

O clorohidrato de alumínio pode ser encontrado em desodorantes antitranspirantes. Sabe-se que o alumínio possui um perfil genotóxico, capaz de causar alterações no DNA e efeitos epigenéticos, o que seria consistente com um potencial papel na formação de tumores de mama.

O triclosan e o triclocarban são produtos químicos antibacterianos e desreguladores endócrinos conhecidos, encontrados em cosméticos, sabonetes, desodorantes, esponjas, pasta de dente, tábuas de corte, sapatos, toalhas e roupas. De acordo com um estudo recente publicado no jornal da American Chemical Society (ACS), Chemical Research in Toxicology , o triclosan está relacionado ao crescimento de células de câncer de mama.

O ácido perfluorooctanóico (PFOA) faz parte de uma classe maior de produtos químicos conhecidos como compostos perfluorados (PFCs). PFCs, e PFOA em particular, são as bases para revestimentos antiaderentes em utensílios de cozinha, protetores contra manchas em roupas, estofados e carpetes, e roupas à prova d’água.

Os cursos de água e as águas subterrâneas perto das fábricas tendem a ter altas concentrações de PFOA. A exposição a esses compostos foi associada a menstruação retardada, desenvolvimento tardio da mama e aumento da incidência de câncer de mama.

Zeranol , um hormônio de crescimento sintético, tem sido usado pela indústria de carne bovina dos Estados Unidos e do Canadá desde a década de 1950 para acelerar o processo de engorda de animais. É uma preocupação especial, pois imita o hormônio estradiol.

Cientistas recentemente expuseram células cancerosas à carne bovina tratada com zeranol, e os resultados mostraram aumentos significativos no crescimento do câncer. Preocupações econômicas e de saúde levaram a União Europeia a banir o uso desses hormônios em seus próprios sistemas de produção de carne e a proibir as importações de carne bovina tratada com hormônios – incluindo carne dos Estados Unidos, desde 1989.

O estireno pode ser lixiviado do poliestireno – um componente das bandejas de isopor, caixas para ovos, copos descartáveis ​​e recipientes para levar – quando aquecido, usado ou colocado sob pressão. O estireno é um carcinógeno mamário animal e possivelmente carcinogênico para humanos.

Acredite ou não, as empresas de processamento de alimentos usam o estireno como agente aromatizante em alimentos como sorvetes e doces. Além disso, pratos e copos de isopor são usados ​​em residências e restaurantes nos Estados Unidos.

O cloreto de polivinila (PVC) é usado para produzir material de embalagem de alimentos. Quando o PVC é feito, o cloreto de vinil pode ser liberado no ar ou nas águas residuais. Este foi um dos primeiros produtos químicos designados como cancerígenos humanos conhecidos e tem sido associado ao aumento da mortalidade por câncer de mama e câncer de fígado entre os trabalhadores envolvidos no processo de fabricação.

Vamos nos concentrar nas estratégias de prevenção do câncer de mama

Obviamente, você vai querer saber, “como faço para reduzir minha exposição a essas substâncias que causam câncer?” Estou feliz que você perguntou!

Evite comprar tapetes e tecidos resistentes a manchas. Compre produtos de limpeza e cosméticos totalmente naturais. Fique longe de lavanderias ou use lavadoras a seco totalmente naturais (“verdes”). E, é claro, limite sua exposição à fumaça da gasolina e ao escapamento do óleo diesel.

Use um sistema de purificação de água de alta qualidade ou um bloco de carbono sólido.

Além disso, tire os sapatos antes de entrar em casa e use um aspirador com filtro HEPA. Em termos de qualidade do ar, use um filtro de ar de alta qualidade ou, se você não puder pagar por um filtro de ar, cerque-se com muitas plantas de interior para purificar o ar. Por exemplo, você pode comprar uma planta “Aranha” ou “Seringueira”.

Naturalmente, acima de tudo, procure frutas e vegetais orgânicos – cultivados localmente, se possível -, produtos de origem animal alimentados com pasto e obtenha seus laticínios de vacas ou cabras criadas em pastagens.

Joy Jensen

As fontes deste artigo incluem:

Medicalnewstoday.com
Healthline.com
NIH.gov

O talco está na sua maquiagem? Provavelmente há amianto nele também

Em 2019, a indústria da beleza atingiu o valor de US $ 532 bilhões e prevê-se que cresça rapidamente nos próximos anos. Produtos de higiene pessoal estão se beneficiando de preços direcionados, mídias sociais e empresas que buscam alternativas sustentáveis. Em outras palavras, produtos de higiene pessoal e cosméticos são um grande negócio.

Pelo menos desde os tempos do antigo Egito, as mulheres têm usado produtos para melhorar ou alterar sua aparência. Com esse crescimento duradouro, toxinas como formaldeído, parabenos e ftalatos chegaram aos produtos de cuidados pessoais.

Um composto que você pode não ter considerado tóxico é o pó de talco. Uma das maiores empresas a vender talco é a Johnson & Johnson, que lançou seu icônico talco para bebês em 1894. Em 2018, suas vendas anuais totais eram de mais de US $ 81,6 bilhões.

O que há na sua maquiagem pode causar câncer

O ingrediente em pó que a indústria da beleza usa pode ser listado como pó de talco, talco, talco cosmético ou silicato de magnésio. O talco é um mineral que, quando triturado, é particularmente útil em uma ampla variedade de produtos. As qualidades exclusivas incluem a capacidade de absorver odores, lubrificar e resistir a altas temperaturas. Isso o tornou útil em cosméticos, pós, giz de cera, brinquedos infantis e até mesmo em materiais para telhados e arroz polido.

O New York Times relata que também é usado em pílulas farmacêuticas, suplementos e gomas de mascar. grupos que testam brinquedos infantis os encontraram em kits e lápis de cor. Até a década de 1990, era usado em luvas cirúrgicas e preservativos.

Um estudo recente publicado em Environmental Health Insights pelo Environmental Working Group (EWG) mais uma vez relacionou produtos de higiene pessoal contendo talco à exposição ao amianto. Um dos produtos testados no estudo foi projetado especificamente para uso por crianças. Então, como o amianto, um conhecido cancerígeno, contamina o talco?

Amianto é o termo dado a seis minerais naturais que são feitos de fibras flexíveis. Quando essas fibras são inaladas ou ingeridas, elas podem ficar permanentemente presas em seu corpo. Com o tempo, eles provocam inflamação e, eventualmente, danos genéticos que podem levar a uma forma agressiva de câncer chamada mesotelioma.

Na natureza, os minerais de amianto são encontrados com minerais de talco, portanto, durante o processamento, há um risco significativo de talco ficar contaminado com amianto. Quando você pensa no amianto, pode primeiro imaginar o isolamento doméstico, já que era onde ele era usado principalmente para os consumidores. Mas as qualidades do produto o tornaram útil para os militares, construção pesada e construção naval também. Passou a fazer parte da indústria da beleza devido aos seus laços com o talco.

O talco pode ser encontrado em mais de 2.000 produtos de higiene pessoal, incluindo blush, pós para o rosto e corpo e sombra. Em seu estudo, o EWG descobriu que 14,2% dos cosméticos testados estavam contaminados com amianto. Tasha Stoiber, Ph.D., foi uma pesquisadora do estudo e cientista no EWG. Ela falou com a ZME Science sobre os resultados, dizendo:

“A prevalência de amianto encontrada em cosméticos a partir deste estudo é preocupante, visto que a maioria das pessoas não espera que o amianto esteja em sua maquiagem, especialmente em brinquedos infantis. Isso destaca a falta de triagem adequada de talco. ”

Pó de bebê é perigoso para bebês

A falta de triagem adequada coloca o público em risco. A Cosmetic, Toiletry and Fragrances Association, que representa a indústria de produtos de higiene pessoal, declarou em 1976 que todos os produtos cosméticos vendidos nos Estados Unidos “devem estar livres de quantidades detectáveis ​​de amianto de acordo com seus padrões”.

Mas, como aponta a ZME Science, os testes não são padronizados e isso se tornou uma lacuna que a indústria explorou. Além disso, o teste que é feito em pó de talco é voluntário pelos fabricantes e o FDA não tem autoridade para retirar produtos quando for encontrada contaminação.

Os testes que a indústria usa atualmente não são sensíveis o suficiente para detectar contaminação, e é por isso que o EWG está fazendo lobby para que um método mais confiável seja usado nos Estados Unidos. O pó de talco é o principal ingrediente do produto básico para bebês da Johnson & Johnsons. No entanto, embora a maioria dos pais presuma que é seguro para bebês porque é rotulado para bebês, a Academia Americana de Pediatria advertiu os pais sobre os perigos do talco infantil desde 1969. 1

Em março de 2020, o FDA divulgou os resultados de um estudo de um ano em que testou 52 produtos cosméticos e descobriu que nove estavam contaminados com amianto. Um desses produtos era o talco para bebês da Johnson & Johnson. Três outras eram maquiagens vendidas pela Claire’s e as cinco restantes eram maquiagens vendidas pela City Color.

Os testes do FDA (17,3%) e EWG (14,2%) encontraram uma porcentagem semelhante de produtos de higiene pessoal contaminados com amianto. Outro estudo publicado em 2014, encontrou antofilita e tremolita, dois minerais de amianto, em uma marca de talco testada para litígio depois que uma mulher morreu de mesotelioma.

O estudo não revelou a marca de talco que a mulher usou durante anos, mas os pesquisadores escreveram que um estudo publicado em 1976 descobriu que essa mesma marca de talco tinha o nível mais alto de amianto entre as 20 marcas comerciais testadas. Os cientistas do estudo publicado em 2014, escreveram:

“Além disso, rastreamos o amianto no talco até as minas de onde ele se originou, nos graus moídos, no produto e, finalmente, nos pulmões e nódulos linfáticos dos usuários desses produtos, incluindo uma mulher que desenvolveu mesotelioma.

Com base nos testes e re-testes conduzidos pelos autores, é evidente que esta linha de produtos foi consistentemente contaminada com derivados de talco contaminados com amianto. A quantidade de amianto era variável com base no tempo de fabricação e na origem do talco.

Em conclusão, descobrimos que uma marca específica de pó de talco continha fibras de amianto identificáveis ​​com o potencial de ser liberado no ar e inalado durante a aplicação pessoal normal de pó de talco.

Também descobrimos que fibras de amianto consistentes com aquelas encontradas no mesmo produto cosmético de talco estavam presentes nos pulmões e tecidos dos nódulos linfáticos de uma mulher que usou esta marca de pó de talco e desenvolveu e morreu de mesotelioma. ”

A Johnson & Johnson está ciente do problema desde 1957

Em uma carta de 1995 ao editor publicada no Journal of the American Medical Association, dois médicos escreveram sobre os riscos à saúde que as mulheres enfrentavam quando seus parceiros usavam preservativos cobertos com talco, a saber, infertilidade e câncer de ovário. O interesse do médico pelo talco começou quando eles descobriram que era um contaminante indesejado em 70% dos implantes mamários de gel de silicone que avaliaram.

A Johnson & Johnson estava bem ciente dos riscos à saúde associados ao pó de talco muito antes disso. Só depois que a empresa foi processada por mais de 11.000 demandantes, que alegaram que o talco para bebês continha amianto, foi que todo o seu conhecimento veio à tona.

Nos documentos que a empresa teve de ser obrigada a divulgar, foi revelado que eles tinham conhecimento de amostras contaminadas em 1957 e 1958, quando pediram a um laboratório externo para fazer uma análise. Conforme relatado pela Reuters, quando o FDA questionou a Johnson & Johnson sobre a contaminação por amianto no talco, a empresa emitiu um comunicado em que negou qualquer conhecimento, dizendo:

“Nossos cinquenta anos de conhecimento de pesquisa nesta área indicam que não há amianto contido no pó fabricado pela Johnson & Johnson.”

Apesar das evidências incontestáveis ​​de que o amianto está relacionado ao câncer, e mais de 40 anos de evidências de que o pó de talco pode ser contaminado com amianto, alguns especialistas continuam a questionar se o pó de talco pode ser perigoso.

Por exemplo, a American Cancer Society reconhece que o talco com amianto é “capaz de causar câncer se for inalado”. Mas continua: “As evidências sobre o talco sem amianto são menos claras.”

Eles não mencionam a falta de testes padronizados, como determinar se o talco que você está comprando foi testado e continuam dizendo: “Há muito pouca evidência neste momento de que qualquer outra forma de câncer esteja ligada ao uso do consumidor de pó de talco. ”

Empresa usa pandemia como motivo para retirar pó de bebê

Um estudo lançado em janeiro de 2020 extraiu dados de quatro estudos de coorte de 252.745 mulheres. Os resultados chegaram às manchetes porque os cientistas afirmaram que “não houve uma associação estatisticamente significativa entre o uso de pó na área genital e o câncer de ovário incidente”.

No entanto, quando lida com atenção, a Rede Nacional de Saúde da Mulher (NWHN) concluiu que os participantes não foram questionados sobre o tipo de pó usado (talco ou amido de milho) e os pesquisadores reconhecem que “janelas de exposição específicas não puderam ser examinadas, nem o tipo de pó usado ”[limitações].

Ainda assim, os autores extrapolaram os resultados para todo pó, incluindo talco. O NWHN continua revelando várias outras discrepâncias que não garantem a conclusão dos pesquisadores.

Outro estudo do International Journal of Toxicology chama a relação talco e amianto de “comumente mal compreendida” e “As especificações da indústria afirmam que o talco de grau cosmético não deve conter nenhum mineral de amianto fibroso detectável”.

A Johnson & Johnson continua a afirmar que o pó de talco é seguro e sua razão número 1 é porque “o talco tem sido usado há séculos”. Então, em fevereiro de 2020, a empresa anunciou que retiraria voluntariamente seu talco de bebê das prateleiras nos Estados Unidos e Canadá.

O USA Today relatou que a empresa fez isso “para se concentrar em produtos com maior prioridade durante a pandemia de coronavírus”. Em outras palavras, a empresa está usando a resposta à pandemia como uma cortina de fumaça para puxar o talco de bebê das prateleiras.

O plano é retirá-lo apenas do mercado dos EUA e Canadá, que representam 0,5% do total de seus negócios de saúde ao consumidor. a Forbes informa que esse mercado foi de US $ 13,8 bilhões em 2018.

“A demanda por talco para bebês em pó Johnson na América do Norte tem diminuído devido em grande parte às mudanças nos hábitos do consumidor e alimentadas pela desinformação sobre a segurança do produto e uma enxurrada constante de publicidade em litígios.”

Cuide dos seus produtos de higiene pessoal

Infelizmente, muitos ainda acreditam que, se um produto for vendido nas lojas, é provavelmente seguro para uso. Mas, como mostra essa luta para remover o pó de talco que causa câncer, os fabricantes estão dispostos a pagar milhões para ganhar bilhões. Os milhares de processos judiciais pendentes contra a Johnson & Johnson são um lembrete de que é um mercado de cuidado comprador quando se trata de produtos de higiene pessoal.

As mulheres podem ser expostas a uma média de 168 produtos químicos diariamente e os homens, 85. Muitos deles têm sido associados a câncer, toxicidade reprodutiva, asma, alergias e outros problemas de saúde.

Não são necessários testes de segurança antes que esses produtos de higiene pessoal cheguem às prateleiras dos supermercados e poucos produtos químicos foram proibidos nos Estados Unidos, já que a indústria é amplamente autorregulada. Em outras palavras, é como a raposa guardando o galinheiro.

Você tem opções e o banco de dados Skin Deep do Grupo de Trabalho Ambiental pode ajudá-lo a fazer essas escolhas. Ele contém uma lista de ingredientes e classificações de segurança para cerca de 75.000 cosméticos e produtos de higiene pessoal. Esta é uma etapa importante, pois sua pele é um excelente sistema de administração de medicamentos. O que se passa em seu corpo é tão importante quanto o que se passa em sua boca.

Produtos com o selo “USDA 100% orgânico” estão entre suas apostas mais seguras se você deseja evitar ingredientes potencialmente tóxicos. Esteja ciente de que produtos com rótulos “totalmente naturais” ainda podem conter produtos químicos prejudiciais, portanto, verifique a lista completa de ingredientes.

Melhor ainda, simplifique sua rotina e faça seus próprios produtos. Uma série de loções e tratamentos para o cabelo podem ser eliminados com um pote de óleo de coco, por exemplo, ao qual você pode adicionar um óleo essencial de qualidade, se quiser, como perfume.

Quando se trata de pó de talco, minha recomendação é evitá-lo completamente. Lembre-se também de que as mulheres adultas não são as mais comumente expostas ao talco. A maioria dos pais aplica generosamente talco para bebês nas nádegas de seus bebês a cada troca de fralda, expondo ambos os pais e o bebê à inalação do pó.

Dr. Mercola

Referências:

Mamadeiras liberam milhões de partículas de microplástico (e não só elas… veja as dicas para reduzir)

Em 2018, o mercado de mamadeiras em todo o mundo foi avaliado em US $ 2,6 bilhões. O segmento de plástico foi responsável por 44,1% da participação geral, mas se você estiver usando mamadeiras de plástico para seu bebê, pode mudar para o vidro depois que pesquisas revelaram que microplásticos podem ser lançados em seu conteúdo.

No geral, parece que temos um vício em plástico. Em quase todos os cantos da loja local, os produtos são cobertos ou feitos de plástico. Não só é difícil se livrar do plástico sem prejudicar o meio ambiente, mas parece que nosso vício é em todas as coisas descartáveis.

Em todo o mundo, foram produzidas 299 milhões de toneladas de plástico em 2013, muitas das quais acabaram nos oceanos, ameaçando a vida selvagem e o meio ambiente. Em 2017, só os EUA geraram 35,4 milhões de toneladas de plástico e enviaram 26,8 milhões de toneladas para aterros, que responderam por 13,2% de todos os resíduos sólidos urbanos.

Os produtos químicos encontrados em produtos plásticos são conhecidos por agirem como desreguladores endócrinos, dos quais os mais difundidos e bem conhecidos incluem ftalatos e bisfenol A (BPA).

Os desreguladores endócrinos são semelhantes em estrutura aos hormônios sexuais naturais e interferem no funcionamento normal desses hormônios em seu corpo. Isso representa um problema específico para crianças que ainda estão crescendo e se desenvolvendo.

De acordo com Pete Myers, Ph.D., professor adjunto de química da Carnegie Mellon University e fundador, CEO e cientista-chefe de Ciências da Saúde Ambiental, há evidências de que os produtos químicos plásticos estão prejudicando a saúde das gerações futuras por meio de disrupção endócrina intergeracional .

Ele ressalta que nenhum plástico jamais foi exaustivamente testado quanto à segurança e que os testes usados ​​atualmente se baseiam nos “princípios do século XVI”. Conforme os pesquisadores continuam medindo a quantidade e o tipo de plástico que estamos ingerindo, uma equipe analisou o número de micropartículas que podem ser liberadas em mamadeiras de plástico.

Bebês podem ingerir até 4,5 milhões de partículas por dia

Os pesquisadores previram que, globalmente, bebês de até 12 meses podem ser expostos a 14.600 a 4,55 milhões de partículas microplásticas por dia, dependendo da região, o que é maior do que anteriormente reconhecido devido ao uso generalizado de mamadeiras de polipropileno.

Se essa exposição representa ou não um risco para a saúde dos bebês, é uma “necessidade urgente”, eles acrescentaram, e fizeram várias recomendações para os pais que continuam a usar mamadeiras de plástico para ajudar a reduzir a quantidade de microplásticos que seu bebê ingere.

As sugestões incluem reduzir a exposição da mamadeira ao calor e agitação, preparando a fórmula em um recipiente de vidro e transferindo-a para a mamadeira após esfriar. O aleitamento materno, se possível, seria uma alternativa ainda melhor que elimina a necessidade de mamadeiras; no entanto, mamadeiras de vidro também estão disponíveis.

Para o estudo, os pesquisadores usaram água purificada e não água potável padrão . Isso significa que eles podem até ter subestimado o número de partículas de plástico às quais os bebês são expostos. Um estudo da Universidade de Newcastle analisou a literatura “existente, mas limitada”, estimando a quantidade média de plástico ingerido por humanos.

Os cálculos foram feitos com base em 33 estudos sobre o consumo de plástico em alimentos e bebidas. Os pesquisadores estimaram que uma pessoa média consome 1.769 partículas de plástico da água potável a cada semana. Partículas de plástico são encontradas em muitas fontes de água. Nos EUA, 94,4% de todas as amostras de água encanada continham fibras plásticas, assim como 82,4% das amostras da Índia e 72,2% da Europa.

O consumo médio de plástico ao longo da vida é chocante

Embora a água potável seja a maior fonte de microplásticos em alimentos e bebidas, não é a única fonte. A água engarrafada pode conter ainda mais plástico do que a água da torneira, e pesquisas sugeriram que aqueles que bebem água engarrafada exclusivamente “podem estar ingerindo 90.000 microplásticos adicionais anualmente, em comparação com 4.000 microplásticos para aqueles que consomem apenas água da torneira.”

Após testar 259 garrafas de 11 marcas de água engarrafada, os pesquisadores encontraram em média 325 peças de microplástico por litro. As marcas testadas foram Aquafina, Evian, Dasani, San Pellegrino e Nestlé Pure Life. Com base nas conclusões do estudo do World Wildlife Fund International, a Reuters criou uma ilustração que demonstra a quantidade de plástico que uma pessoa consumiria ao longo do tempo.

De acordo com essas estimativas, você pode consumir 44 libras de plástico picado em 79 anos. Para colocar isso em perspectiva, um pneu de carro pesa cerca de 20 libras. Portanto, um suprimento vitalício de consumo de plástico seria como comer lentamente 2,2 pneus de carro.

Os riscos de saúde a longo prazo decorrentes da ingestão de partículas de plástico são desconhecidos. No entanto, há motivos para preocupação. Por exemplo, os microplásticos usados ​​para fibras têxteis representam 16% da produção mundial de plásticos. Esses plásticos contêm contaminantes como os hidrocarbonetos policíclicos (HAPs), que podem ser genotóxicos, causando danos ao DNA que podem levar ao câncer.

Os plásticos também contêm corantes, plastificantes e outros aditivos associados a efeitos tóxicos, incluindo carcinogenicidade, toxicidade reprodutiva e mutagenicidade. Como os humanos estão expostos a uma grande carga tóxica, é difícil relacionar os problemas de saúde aos microplásticos.

No entanto, muitos dos produtos químicos usados ​​em sua fabricação também são conhecidos por interromper os hormônios e a expressão gênica e causar danos a órgãos. A pesquisa também os ligou à obesidade,  doenças cardíacas e câncer.

O que você pode fazer para reduzir seu uso

Considerando que pesquisas confirmam que os estrogênios ambientais têm efeitos multigeracionais, é aconselhável tomar medidas proativas para limitar sua exposição. Isso é particularmente importante para pessoas mais jovens, que têm mais anos para acumular poluição de plástico e podem ser mais vulneráveis ​​aos seus efeitos durante o desenvolvimento.

Embora seja virtualmente impossível evitar todas as fontes, você pode minimizar sua exposição mantendo alguns princípios-chave em mente. Comece o processo devagar e faça das mudanças um hábito em sua vida, para que persistam.

  • Evite recipientes plásticos e embalagens plásticas para alimentos e produtos de higiene pessoal. Em vez disso, armazene alimentos e bebidas em recipientes de vidro.
  • Evite brinquedos de plástico para crianças. Use brinquedos feitos de substâncias naturais, como madeira e materiais orgânicos.
  • Leia os rótulos de seus cosméticos e evite aqueles que contenham ftalatos.
  • Evite produtos rotulados com “fragrância”, incluindo purificadores de ar, pois esse termo abrangente pode incluir ftalatos comumente usados ​​para estabilizar o cheiro e estender a vida útil do produto.
  • Leia os rótulos à procura de produtos sem PVC, incluindo lancheiras, mochilas e recipientes de armazenamento infantis.
  • Não leve ao microondas alimentos em recipientes de plástico ou cobertos com filme plástico.
  • Freqüentemente, aspire e tire o pó de salas com cortinas de vinil, papel de parede, piso e móveis que podem conter ftalatos, pois o produto químico se acumula na poeira e é facilmente ingerido por crianças ou pode se depositar nos pratos de comida.
  • Pergunte ao seu farmacêutico se seus comprimidos são revestidos para controlar quando eles se dissolvem, pois o revestimento pode conter ftalatos.
  • Coma principalmente alimentos crus e frescos. A embalagem costuma ser uma fonte de ftalatos.
  • Use mamadeiras de vidro em vez de plástico. Amamente exclusivamente durante o primeiro ano, se puder, para evitar bicos e mamadeiras de plástico todos juntos.
  • Remova frutas e vegetais dos sacos plásticos imediatamente após voltar do supermercado para casa e lave-os antes de guardá-los.
  • Os recibos da caixa registradora são impressos a quente e geralmente contêm BPA. Manuseie o recibo o menos possível e peça à loja para mudar para recibos sem BPA.
  • Use produtos de limpeza naturais ou faça o seu próprio.
  • Substitua os produtos de higiene feminina por alternativas mais seguras.
  • Evite amaciantes de roupas e secadores; faça o seu próprio para reduzir a aderência estática.
  • Verifique se há contaminantes na água da torneira da sua casa e filtre a água, se necessário.
  • Ensine seus filhos a não beberem da mangueira do jardim, pois muitas são feitas de plastificantes, como ftalatos.
  • Use sacolas de compras reutilizáveis ​​para mantimentos.
  • Leve seu próprio recipiente de sobras para restaurantes. Evite utensílios e canudos descartáveis.
  • Traga sua própria caneca para café e traga água potável de casa em garrafas de água de vidro em vez de comprar água engarrafada.
  • Considere mudar para escovas de dente de bambu e escovar os dentes com óleo de coco e bicarbonato de sódio para evitar tubos de pasta de dente de plástico.

Dr. Mercola

Fontes: