Polietileno — toxicidade, efeitos colaterais, doenças e impactos ambientais (muito detectado em nossos exames de biorressonância)

Polietileno. Polietileno – Um polímero de adição - Manual da Química

O polietileno é um polímero termoplástico que possui uma estrutura cristalina variável. É um dos plásticos mais produzidos em todo o mundo, com dezenas de milhões de toneladas produzidas todos os anos. É produzido ligando moléculas de etileno a uma molécula maior que possui uma estrutura de cadeia ramificada. É comumente usado em cosméticos e produtos de cuidados pessoais, materiais de embalagem de alimentos e dispositivos médicos, como próteses.

Existem vários tipos de polietileno. Estes incluem: polietileno de baixa densidade (LDPE) que é usado em sacolas de compras; polietileno linear de baixa densidade (LLDPE); polietileno de alta densidade (HDPE) que é usado como plástico para caixas de leite, detergente para roupas, latas de lixo e tábuas de corte; e polietileno de ultra-alto peso molecular (UHMW), que é usado em coletes à prova de balas.

Lista de efeitos colaterais conhecidos

Existem vários efeitos colaterais conhecidos do polietileno em humanos. Uma delas é que pode causar leve irritação na pele. Quando inalado, causou esclerodermia proximal, fenômeno de Raynaud, envolvimento articular, manifestação pulmonar e envolvimento esofágico em algumas pessoas. Além disso, pode causar asma. O produto químico também foi considerado tóxico para o sistema imunológico. Além disso, verificou-se ser um potencial cancerígeno.

Sistemas do corpo afetados pelo polietileno

Os sistemas corporais afetados pelo polietileno incluem o sistema tegumentar, sistema respiratório, sistema imunológico, sistema esquelético e sistema muscular.

Itens que podem conter polietileno

Alguns dos produtos que contêm polietileno provavelmente já estão na casa e no supermercado. Estes incluem sacos de sanduíche, sacos de congelação, películas aderentes, barreiras à humidade, embalagens de alimentos, embalagens de padaria, revestimentos em caixas de sumos de fruta, frascos de detergente, frascos de xampu, sacos de compras, forros de caixas de cereais e palhinhas. O produto químico também pode ser um ingrediente para produtos de cuidados com a pele, como rímel, bases, esfoliante para acne, esfoliante de banho, limpadores de pele, brilho labial, delineador, pó facial e pó compacto. Alguns desses produtos estão nas marcas Revlon, Almay, L’Oreal, Peter Thomas Roth, Yardley, Avon, Neutrogena e Lab Series.

Como evitar o polietileno

Existem várias maneiras de evitar a exposição ao polietileno ao manuseá-lo, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Uma dessas maneiras é evitar a inalação de suas partículas de poeira. Outra maneira é usar óculos de segurança ao trabalhar com o produto químico para evitar o contato visual com o produto químico. Como o produto químico pode ser ingerido, é importante evitar comer, beber ou fumar ao trabalhar com ele. Outras formas de evitar produtos de polietileno é verificar o rótulo e simplesmente não usar os produtos que contêm polietileno e não aquecer ou micro-ondas alimentos em produtos químicos plásticos.

Michelle Simmons

OBS.: Temos como detectar a intoxicação por polietileno via biorressonância e possuímos protocolos de desintoxicação.

Algumas maneiras de renovar sua casa com segurança

Se você planeja renovar sua casa no ano novo, seja uma nova pintura ou uma limpeza profunda de cima a baixo, é importante considerar os muitos produtos químicos tóxicos aos quais você pode estar exposto no processo. Aqui estão cinco maneiras de atualizar seu espaço enquanto reduz seus riscos.

Escolha tintas sem VOC

Se você está planejando decorar sua casa ou fazer algum bricolage, opte por tintas, vernizes, enchimentos e outros produtos não tóxicos com os níveis mais baixos de VOC que você puder encontrar. VOCs – compostos orgânicos voláteis – são produtos químicos que liberam vapores prontamente à temperatura ambiente. Eles são um dos principais contribuintes para a poluição do ar interno e têm sido associados a uma série de efeitos à saúde de curto e longo prazo, desde dores de cabeça, tontura e problemas de memória  até asma, eczema e baixa qualidade do esperma. Vários VOCs, como benzeno e formaldeído, são cancerígenos reconhecidos, e outros são suspeitos de serem cancerígenos.

A boa notícia é que várias empresas agora oferecem tintas e outros produtos de decoração que são livres ou praticamente livres de VOCs, bem como outros produtos químicos tóxicos, como ftalatos e metais pesados. 

Fique atento ao chumbo

Outra palavra de cautela se você estiver decorando sua casa ou reciclando móveis vintage: cuidado com o chumbo. Este metal pesado altamente tóxico pode estar escondido em pinturas e vernizes antigos. Antes de lixar superfícies suspeitas, adquira um kit de teste de chumbo. Se houver chumbo, aqui estão algumas dicas para lidar com ele com segurança:

  • Se a pintura estiver em boas condições, você pode simplesmente selá-la com uma camada de tinta moderna sem chumbo. 
  • Se a pintura ou verniz estiver em mau estado e precisar ser removido, certifique-se de não usar métodos que criem poeira ou fumaça, como lixamento a seco ou pistola de ar quente. Em vez disso, experimente um decapante à base de água sem solvente ou chame um profissional experiente. 
  • Sempre use roupas de proteção, luvas e uma máscara facial (adequada para partículas de chumbo) e lembre-se de descartar a tinta ou verniz removido em um recipiente fechado e depois aspirar e limpar a área completamente.  

Afaste o plástico

Frascos e recipientes de armazenamento são uma ótima maneira de se organizar na cozinha, mas escolha vidro ou aço inoxidável em vez de plástico para armazenar alimentos e bebidas. Substâncias químicas nocivas, como bisfenol A (BPA) e ftalatos, podem ser lixiviadas de recipientes de plástico para a substância interna e, finalmente, acabar em seu corpo, onde podem ter efeitos de desregulação hormonal.

Considere também sacos de algodão orgânico para armazenar frutas e legumes, e papel não branqueado como alternativa ao plástico e sacos de sanduíche. E se você comprar alimentos ou bebidas em embalagens plásticas, transfira-os para um recipiente sem plástico quando chegar em casa.

Limpe com segurança

Uma limpeza completa é uma ótima maneira de refrescar sua casa, mas opte por produtos de limpeza naturais e não tóxicos em vez dos convencionais, que geralmente estão repletos de produtos químicos nocivos. 

Um estudo descobriu que 10 a 20 anos de limpeza em casa ou no trabalho são tão ruins para os pulmões quanto fumar um maço de cigarros por dia pela mesma quantidade de tempo. A exposição a produtos de limpeza também tem sido associada à asma, problemas cardíacos, câncer de mama e muito mais. 6

Produtos de limpeza mais seguros e naturais estão agora disponíveis em empresas com políticas rigorosas de ingredientes. Alternativamente, você pode fazer suas próprias soluções usando ingredientes como vinagre, bicarbonato de sódio, suco de limão e óleos essenciais.

Aposte em móveis naturais  

Móveis novos, tapetes, roupas de cama, mantas, cortinas e almofadas podem transformar sua casa, e sempre há grandes pechinchas nas liquidações. Mas tente escolher materiais naturais livres de tratamentos químicos sempre que possível. Tecidos com retardantes de chama, à prova de manchas, à prova de traças e qualquer coisa rotulada como “prensa permanente” ou “resistente a rugas” inevitavelmente trarão uma longa lista de produtos químicos potencialmente nocivos para sua casa. 

De fato, produtos químicos de produtos de consumo, como ftalatos, fenóis, retardadores de chama e substâncias alquílicas per e polifluoradas (PFAS) foram amplamente detectados na população em geral e estão associados a uma série de efeitos à saúde, como toxicidade reprodutiva e hormonal. 7

Verifique diretamente com as empresas para ver se eles adicionam algum tratamento químico ao seus produtos, mas algumas boas opções de tecido a serem observadas incluem lã não tratada, que é naturalmente resistente ao fogo – escolha lã orgânica se possível para evitar pesticidas – e algodão orgânico e cânhamo. Juta, sisal, ervas marinhas e coco funcionam bem para tapetes, enquanto lã, sumaúma, milho e trigo sarraceno são ótimos recheios naturais para almofadas e travesseiros. 

Abandone as fragrâncias artificiais

Você pode pensar que encher sua casa com fragrâncias na forma de velas e purificadores de ar é uma maneira infalível de refrescar seu espaço. Mas o que você está realmente fazendo, se usar os produtos sintéticos padrão, é poluir o ar interno com produtos químicos nocivos. 

Os purificadores de ar, por exemplo, podem conter benzeno (um cancerígeno e possível toxina reprodutiva), tolueno (um irritante da pele e toxina do fígado/rim), terpenos (irritantes e sensibilizadores) e ftalatos (conhecidos desreguladores hormonais) e uso regular desses produtos tem sido associada a dores de ouvido, diarréia e vômitos em bebês, bem como dores de cabeça e depressão em suas mães. 8

Em vez disso, elimine os odores na fonte, se puder, em vez de mascarar os maus cheiros com produtos químicos, e mantenha sua casa bem ventilada. Plantas de casa como lírios da paz, hera inglesa e plantas de aranha são outra boa opção para controle de odor natural, ou experimente uma tigela de vinagre branco no peitoril da janela. Você também pode investir em um purificador de ar, que pode ajudar a remover odores domésticos, bem como poeira, pólen, pelos de animais e COVs. 

Se você quiser usar produtos de fragrâncias para casa, escolha produtos naturais e não tóxicos feitos com óleos essenciais puros.

E não se esqueça de que as fragrâncias podem estar à espreita em todos os tipos de produtos domésticos, desde produtos de limpeza e lavanderia até cosméticos e produtos de higiene pessoal. Mais uma vez, escolher opções naturais ou vá para alternativas livres de fragrância. 

Wddty 122021

Agência de Proteção Ambiental dos EUA, “Impacto dos Compostos Orgânicos Voláteis na Qualidade do Ar Interior”. epa.gov
Eur Respir Rev, 2015; 24(135): 92–101; J Allergy Clin Immunol, 2014; 134: 993–9; discussão 1000; Ocupar Ambiente Med, 2008; 65: 708–14
Res. Ambientais, 2007; 105: 414–29
Environ Sci Technol, 2021; 55: 11814-23; Int J Environ Res Saúde Pública, 2013; 11: 507–26; Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci, 2009; 364(1526): 2097–113
Am J Respir Crit Care Med, 2018; 197: 1157-63
Am J Respir Crit Care Med, 2007; 176: 735–41; Perspectiva de Saúde Ambiental, 2012; 120: 958–64; Saúde Ambiental, 2010; 9: 40
7J Epidemiol Saúde Comunitária, 2017; 71: 937-40
8Arch Environment Health, 2003; 58: 633–41

Oito plastificantes diferentes encontrados em 90% das pessoas (entenda os grandes efeitos nocivos para sua saúde)

O Instituto Norueguês de Saúde Pública descobriu que 90% dos testados de 2016 a 2017 tinham oito plastificantes diferentes em sua urina. Os plastificantes são produtos químicos incolores e inodoros compostos principalmente por ftalatos. Eles são usados ​​para alterar a elasticidade dos materiais no processo de fabricação.

Produtos e componentes de plástico foram integrados ao dia a dia da maioria das pessoas. Você pode encontrá-los em cortinas de box, recipientes para viagem e sacolas de armazenamento – mas você sabia que roupas, copos de papel para café, saquinhos de chá, chicletes e pontas de cigarro também contêm plástico?

A Oceana International descreve o material plástico um pouco como um gato curioso, encontrando lugares no ambiente onde não deveria caber e podendo entrar furtivamente. Os plásticos podem ser encontrados na água do mar, sal marinho, crustáceos e estômagos de baleia e em sua bebida água. Um estudo em 2014 encontrou 24 marcas de cerveja com teste positivo para plástico.

Em 2010, como evidência dos efeitos negativos do bisfenol-A (BPA) na saúde estava sendo publicado e sendo aceito na comunidade científica, Karin Michels, professora associada de epidemiologia de Harvard, foi citada no Harvard News, dizendo:

“O cenário de pesadelo é que um dia descobrimos que muito mais de nossos distúrbios atuais, incluindo infertilidade e câncer, podem ser devido ao bisfenol A e só aparecem após a exposição cumulativa. Mas, a essa altura, todos nós acumulamos tanta exposição que é tarde demais para reverter os efeitos. Você poderia dizer o mesmo sobre outras substâncias, mas agora, o bisfenol A é uma grande preocupação. ”

De acordo com os dados da pesquisa recente, o primeiro degrau do cenário de pesadelo pode estar aqui, já que o uso onipresente de plásticos e plastificantes, por sua vez, permitiu que eles se acumulassem nas pessoas, incluindo crianças.

Produtos químicos plastificantes encontrados em 90% das pessoas testadas

Os dados divulgados pelo Instituto Norueguês de Saúde Pública faziam parte do EuroMix, um projeto europeu focado na identificação de avaliação de risco para exposição a vários produtos químicos usando técnicas propostas pelo Centro de Pesquisa Conjunta da Comissão Europeia.

Seu objetivo é fornecer dados para refinar a avaliação de risco relevante para a segurança alimentar e saúde pública e fornecer informações para a indústria e órgãos reguladores. Em um estudo recente, uma equipe analisou a urina de 44 homens e 100 mulheres que residiam na Noruega.

As primeiras descobertas mostram a presença dos produtos químicos, mas uma avaliação mais aprofundada é necessária para definir a quantidade encontrada nos indivíduos. Os cientistas mediram três grupos de produtos químicos, incluindo plastificantes, bisfenóis e parabenos. Os dados revelaram oito plastificantes diferentes em 90% dos testados.

Plastificantes são encontrados em produtos de plástico e podem vazar para fora da embalagem do produto. Eles também são encontrados em produtos de higiene pessoal, como creme para as mãos, creme dental, produtos para barbear e gel de banho. Além dos ftalatos, 90% da urina dos participantes apresentou resultado positivo para bisfenol-A e triclosan. Curiosamente, os pesquisadores descobriram que o nível de bisfenol na urina estava positivamente relacionado ao consumo de pão, gorduras comestíveis e uma variedade de bebidas pelo participante.

Quase 50% tinham parabenos na urina, embora fossem encontrados com mais frequência em mulheres do que em homens. Embora os parabenos sejam usados ​​como conservantes em alimentos, também são comumente encontrados em produtos de higiene pessoal e cosméticos.

Os cientistas acreditam que o número de produtos químicos encontrados foi menor do que seria medido na população em geral, pois os participantes não eram representativos do público norueguês em geral – por exemplo, ninguém na pesquisa fumou e todos os participantes tinham ensino superior. Trine Husøy liderou o projeto de pesquisa para EuroMix e falou com uma agência de notícias norueguesa sobre os resultados:

“Encontrar tantos produtos químicos diferentes na urina das pessoas é preocupante. Ao contrário das substâncias naturais, algumas substâncias sintéticas podem acumular-se na cadeia alimentar e muitas delas são particularmente perigosas para a nossa saúde. Vamos investigar isso mais a fundo.

Os produtos que permanecem na pele geralmente contribuem mais do que os produtos que são lavados. Alimentos embalados em embalagens plásticas conterão mais plastificantes. “

Coma uma mordida de ftalatos na refeição

Uma vez que os produtos químicos não estão fortemente ligados ao produto, com o uso eles são lixiviados e se dissipam no meio ambiente, incluindo água potável e alimentos. Você notou como os plásticos flexíveis podem ficar duros e quebradiços com o tempo?

Isso ocorre porque os plastificantes são continuamente liberados e, eventualmente, alteram a composição química do produto que você está usando. Embora os ftalatos sejam “razoavelmente considerados cancerígenos para os humanos” pelo Programa Nacional de Toxicologia, a política e os regulamentos dos plásticos têm permitido que eles permaneçam em muitos dos produtos que você usa todos os dias.

Um estudo procurou avaliar o risco de exposição aos ftalatos dos alimentos.  Os pesquisadores analisaram os hábitos e metabólitos urinários de 8.877 participantes com 6 anos ou mais e descobriram que aqueles que comiam em restaurantes fast-food tinham uma excreção maior de di (2-etilhexil) ftalato (DEHP) e diisononil ftalato (DiNP) do que aqueles que não comia fast food.

Este estudo avaliou a exposição dos participantes e não os efeitos potenciais à saúde, descobrindo que havia uma relação dependente da dose entre a quantidade de fast food ingerida e o nível de ftalatos nos metabólitos urinários.

Curiosamente, quando os cientistas avaliaram o tipo de ftalatos absorvidos, eles descobriram que os participantes que comeram mais condimentos, batatas e vegetais de fast food tinham um nível mais alto de DEHP, e aqueles que comeram mais carne e grãos tinham níveis mais altos de metabólitos DiNP.

Se os plastificantes e outros produtos químicos plásticos infiltrados em sua comida não forem suficientes, talvez você queira considerar a ingestão de alimentos feitos de plástico? A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) concedeu à Universidade Estadual de Iowa e seus parceiros uma bolsa de US $ 2,7 milhões para desenvolver um processo que fabrica alimentos a partir de resíduos de plástico e papel. Eles pretendem alimentar os militares dos EUA com esse “alimento” para melhorar a logística militar para missões prolongadas.

Eles estimam que a concessão total do subsídio pode chegar a US $ 7,8 milhões antes do término do projeto. Embora a intenção inicial seja alimentar o pessoal militar, pode não demorar muito para que tal sistema seja proposto como um meio de fornecer alimentos baratos para terceiros.

Um comunicado à imprensa da Universidade Estadual de Iowa até sugeriu que o processo poderia “percorrer um longo caminho para resolver os problemas iminentes de descarte de plástico e garantir uma cadeia alimentar global viável”.

A ingestão de partículas de plástico pode começar na infância

Em todo o mundo, a indústria de mamadeiras foi avaliada em US $ 2,6 bilhões em 2018 e o segmento de plástico representou 44,1% da participação total. Se você estiver usando mamadeiras de plástico para o seu bebê, considere mudar para o vidro, pois pesquisas mostraram que microplásticos podem ser liberados da mamadeira para o conteúdo.

Para coletar os dados, os cientistas usaram frascos de polipropileno novos, limpos e esterilizados, cheios de água. Depois de agitar as garrafas por um minuto, eles analisaram o conteúdo e descobriram que microplásticos estavam sendo liberados na água, às vezes a um nível de até 16 milhões de partículas de plástico por litro.

A garrafa média testada atingiu 4 milhões de partículas para cada litro de água. São partículas microplásticas que vão parar na comida do bebê. Os pesquisadores prevêem que, em todo o mundo, bebês de até 12 meses podem ser expostos a 14.600 a 4,55 milhões de partículas microplásticas todos os dias.

No estudo, os pesquisadores usam água purificada e não água potável padrão. Como a água potável padrão também contém microplásticos, isso significa que o número pode ter sido significativamente subestimado.

Em uma revisão da literatura que calculou a quantidade de plástico que uma pessoa consome em média, os pesquisadores estimaram que uma pessoa bebe 1.769 partículas de plástico da água da torneira todos os dias. Nos EUA, 94,4% de todas as amostras de água encanada continham fibras plásticas, assim como 82,4% das amostras da Índia e 72,2% das amostras da Europa.

Problemas de saúde ligados a disruptores hormonais pesados

Os cientistas reconhecem que os efeitos dos plásticos e dos produtos químicos que os criam na saúde são diretos e indiretos. Muitos dos efeitos à saúde atribuídos ao BPA – centenas de estudos em animais relacionaram o BPA ao desenvolvimento anormal do cérebro, mama e próstata – provavelmente estão relacionados ao fato de ser um hormônio sintético que imita o estrogênio, muito parecido com os ftalatos.

Os ftalatos são desreguladores hormonais notavelmente poderosos, capazes de fazer com que os machos de muitas espécies desenvolvam características femininas. Essa conclusão foi alcançada após uma avaliação dos danos à saúde reprodutiva da fauna silvestre, mas os resultados são relevantes também para os humanos, devido aos receptores de hormônios sexuais semelhantes.

Um estudo publicado pela American Chemical Society descobriu que mulheres grávidas expostas a ftalatos em embalagens de alimentos, itens de higiene pessoal e outros produtos tinham um risco aumentado de aborto espontâneo entre as semanas 5 e 13 de gravidez.

Ao perturbar o sistema endócrino, os ftalatos podem causar câncer testicular, baixa contagem de espermatozoides, malformação genital e infertilidade encontrada em espécies animais, incluindo baleias, veados, lontras e ursos, para citar alguns.

Uma equipe de pesquisa da Universidade de Columbia descobriu que mulheres com níveis elevados tinham bebês com maior risco de desenvolver asma entre 5 e 11 anos. Os pesquisadores foram forçados a comparar mulheres com o nível mais alto com aquelas com o nível mais baixo de ftalatos, pois não encontraram qualquer pessoa com nível zero.

A exposição durante a gravidez também pode alterar a produção de hormônios da tireoide no feto, que são essenciais para o desenvolvimento adequado no primeiro trimestre. Mulheres com altos níveis de DEHP durante a gravidez tinham o dobro do risco de um filho do sexo masculino desenvolver hidrocele, um acúmulo de líquido no escroto que aumenta o tamanho do escroto e causa desconforto.

Os adultos também experimentam os efeitos negativos dos ftalatos no corpo, incluindo níveis mais baixos de vitamina D com uma maior ingestão de ftalatos. Baixos níveis de vitamina D estão ligados a uma variedade de diferentes condições de saúde, incluindo depressão, declínio cognitivo em adultos mais velhos, enxaqueca crônica e resultados ruins de infecções por COVID-19.

Dicas para reduzir o uso de produtos químicos tóxicos

Considerando que pesquisas confirmam que os estrogênios ambientais têm efeitos multigeracionais, é aconselhável tomar medidas proativas para limitar sua exposição. Isso é particularmente importante para pessoas mais jovens, que têm mais anos para acumular poluição de plástico e podem ser mais vulneráveis ​​aos seus efeitos durante o desenvolvimento.

Embora seja virtualmente impossível evitar todas as fontes, você pode minimizar sua exposição mantendo alguns princípios-chave em mente. Comece o processo devagar e faça das mudanças um hábito em sua vida, para que persistam.

Evite brinquedos de plástico para crianças. Use brinquedos feitos de substâncias naturais, como madeira e materiais orgânicos;

Leia os rótulos de seus cosméticos e evite aqueles que contenham ftalatos;

Evite produtos rotulados com “fragrância”, incluindo purificadores de ar, pois esse termo abrangente pode incluir ftalatos comumente usados para estabilizar o cheiro e estender a vida útil do produto;

Leia os rótulos à procura de produtos sem PVC, incluindo lancheiras, mochilas e recipientes de armazenamento infantis;

Não leve ao microondas (evite também usar microondas) alimentos em recipients de plástico ou cobertos com filme plástico;

Frequentemente, aspirar e tirar o pó de salas com cortinas de vinil, papel de parede, pisos e móveis que podem conter ftalatos, pois o produto químico se acumula na poeira e é facilmente ingerido por crianças e pode se depositar nos pratos de comida.

Pergunte ao seu farmacêutico se seus comprimidos são revestidos para controlar quando eles se dissolvem, pois o revestimento pode conter ftalatos.

Coma principalmente alimentos crus e frescos. A embalagem costuma ser uma fonte de ftalatos;

Use mamadeiras de vidro em vez de plástico. Amamente exclusivamente durante o primeiro ano, se puder, para evitar bicos e mamadeiras de plástico;

Retire as frutas e vegetais dos sacos plásticos imediatamente após voltar do supermercado e lave-os antes de guardá-los; como alternativa, use sacolas de pano para levar seus produtos para casa;

Os recibos da caixa registradora são impressos a quente e geralmente contém BPA. Manuseie o recibo o menos possível e peça à loja para mudar para recibos sem BPA;

Use produtos de limpeza naturais ou faça o seu próprio.;

Substitua os produtos de higiene feminina por alternativas mais seguras;

Evite amaciantes de roupas e secadores; faça o seu próprio para reduzir a aderência estática;

Verifique se há contaminantes na água da torneira da sua casa e filtre a água, se necessário;

Ensine seus filhos a não beberem da mangueira do jardim, pois muitas contêm plastificantes, como ftalatos;

Use sacolas de compras reutilizáveis ​​para mantimentos;

Leve seu próprio recipiente de sobras para restaurantes. Evite utensílios e canudos descartáveis;

Traga a sua própria caneca para um café e traga água potável de casa em garrafas de água em vez de comprar água engarrafada;

Considere mudar para escovas de dente de bambu e escovar os dentes com óleo de coco e bicarbonato de sódio para evitar tubos de pasta de dente de plástico.

Dr. Mercola

Fontes e referências:

Mamadeiras liberam milhões de partículas de microplástico (e não só elas… veja as dicas para reduzir)

Em 2018, o mercado de mamadeiras em todo o mundo foi avaliado em US $ 2,6 bilhões. O segmento de plástico foi responsável por 44,1% da participação geral, mas se você estiver usando mamadeiras de plástico para seu bebê, pode mudar para o vidro depois que pesquisas revelaram que microplásticos podem ser lançados em seu conteúdo.

No geral, parece que temos um vício em plástico. Em quase todos os cantos da loja local, os produtos são cobertos ou feitos de plástico. Não só é difícil se livrar do plástico sem prejudicar o meio ambiente, mas parece que nosso vício é em todas as coisas descartáveis.

Em todo o mundo, foram produzidas 299 milhões de toneladas de plástico em 2013, muitas das quais acabaram nos oceanos, ameaçando a vida selvagem e o meio ambiente. Em 2017, só os EUA geraram 35,4 milhões de toneladas de plástico e enviaram 26,8 milhões de toneladas para aterros, que responderam por 13,2% de todos os resíduos sólidos urbanos.

Os produtos químicos encontrados em produtos plásticos são conhecidos por agirem como desreguladores endócrinos, dos quais os mais difundidos e bem conhecidos incluem ftalatos e bisfenol A (BPA).

Os desreguladores endócrinos são semelhantes em estrutura aos hormônios sexuais naturais e interferem no funcionamento normal desses hormônios em seu corpo. Isso representa um problema específico para crianças que ainda estão crescendo e se desenvolvendo.

De acordo com Pete Myers, Ph.D., professor adjunto de química da Carnegie Mellon University e fundador, CEO e cientista-chefe de Ciências da Saúde Ambiental, há evidências de que os produtos químicos plásticos estão prejudicando a saúde das gerações futuras por meio de disrupção endócrina intergeracional .

Ele ressalta que nenhum plástico jamais foi exaustivamente testado quanto à segurança e que os testes usados ​​atualmente se baseiam nos “princípios do século XVI”. Conforme os pesquisadores continuam medindo a quantidade e o tipo de plástico que estamos ingerindo, uma equipe analisou o número de micropartículas que podem ser liberadas em mamadeiras de plástico.

Bebês podem ingerir até 4,5 milhões de partículas por dia

Os pesquisadores previram que, globalmente, bebês de até 12 meses podem ser expostos a 14.600 a 4,55 milhões de partículas microplásticas por dia, dependendo da região, o que é maior do que anteriormente reconhecido devido ao uso generalizado de mamadeiras de polipropileno.

Se essa exposição representa ou não um risco para a saúde dos bebês, é uma “necessidade urgente”, eles acrescentaram, e fizeram várias recomendações para os pais que continuam a usar mamadeiras de plástico para ajudar a reduzir a quantidade de microplásticos que seu bebê ingere.

As sugestões incluem reduzir a exposição da mamadeira ao calor e agitação, preparando a fórmula em um recipiente de vidro e transferindo-a para a mamadeira após esfriar. O aleitamento materno, se possível, seria uma alternativa ainda melhor que elimina a necessidade de mamadeiras; no entanto, mamadeiras de vidro também estão disponíveis.

Para o estudo, os pesquisadores usaram água purificada e não água potável padrão . Isso significa que eles podem até ter subestimado o número de partículas de plástico às quais os bebês são expostos. Um estudo da Universidade de Newcastle analisou a literatura “existente, mas limitada”, estimando a quantidade média de plástico ingerido por humanos.

Os cálculos foram feitos com base em 33 estudos sobre o consumo de plástico em alimentos e bebidas. Os pesquisadores estimaram que uma pessoa média consome 1.769 partículas de plástico da água potável a cada semana. Partículas de plástico são encontradas em muitas fontes de água. Nos EUA, 94,4% de todas as amostras de água encanada continham fibras plásticas, assim como 82,4% das amostras da Índia e 72,2% da Europa.

O consumo médio de plástico ao longo da vida é chocante

Embora a água potável seja a maior fonte de microplásticos em alimentos e bebidas, não é a única fonte. A água engarrafada pode conter ainda mais plástico do que a água da torneira, e pesquisas sugeriram que aqueles que bebem água engarrafada exclusivamente “podem estar ingerindo 90.000 microplásticos adicionais anualmente, em comparação com 4.000 microplásticos para aqueles que consomem apenas água da torneira.”

Após testar 259 garrafas de 11 marcas de água engarrafada, os pesquisadores encontraram em média 325 peças de microplástico por litro. As marcas testadas foram Aquafina, Evian, Dasani, San Pellegrino e Nestlé Pure Life. Com base nas conclusões do estudo do World Wildlife Fund International, a Reuters criou uma ilustração que demonstra a quantidade de plástico que uma pessoa consumiria ao longo do tempo.

De acordo com essas estimativas, você pode consumir 44 libras de plástico picado em 79 anos. Para colocar isso em perspectiva, um pneu de carro pesa cerca de 20 libras. Portanto, um suprimento vitalício de consumo de plástico seria como comer lentamente 2,2 pneus de carro.

Os riscos de saúde a longo prazo decorrentes da ingestão de partículas de plástico são desconhecidos. No entanto, há motivos para preocupação. Por exemplo, os microplásticos usados ​​para fibras têxteis representam 16% da produção mundial de plásticos. Esses plásticos contêm contaminantes como os hidrocarbonetos policíclicos (HAPs), que podem ser genotóxicos, causando danos ao DNA que podem levar ao câncer.

Os plásticos também contêm corantes, plastificantes e outros aditivos associados a efeitos tóxicos, incluindo carcinogenicidade, toxicidade reprodutiva e mutagenicidade. Como os humanos estão expostos a uma grande carga tóxica, é difícil relacionar os problemas de saúde aos microplásticos.

No entanto, muitos dos produtos químicos usados ​​em sua fabricação também são conhecidos por interromper os hormônios e a expressão gênica e causar danos a órgãos. A pesquisa também os ligou à obesidade,  doenças cardíacas e câncer.

O que você pode fazer para reduzir seu uso

Considerando que pesquisas confirmam que os estrogênios ambientais têm efeitos multigeracionais, é aconselhável tomar medidas proativas para limitar sua exposição. Isso é particularmente importante para pessoas mais jovens, que têm mais anos para acumular poluição de plástico e podem ser mais vulneráveis ​​aos seus efeitos durante o desenvolvimento.

Embora seja virtualmente impossível evitar todas as fontes, você pode minimizar sua exposição mantendo alguns princípios-chave em mente. Comece o processo devagar e faça das mudanças um hábito em sua vida, para que persistam.

  • Evite recipientes plásticos e embalagens plásticas para alimentos e produtos de higiene pessoal. Em vez disso, armazene alimentos e bebidas em recipientes de vidro.
  • Evite brinquedos de plástico para crianças. Use brinquedos feitos de substâncias naturais, como madeira e materiais orgânicos.
  • Leia os rótulos de seus cosméticos e evite aqueles que contenham ftalatos.
  • Evite produtos rotulados com “fragrância”, incluindo purificadores de ar, pois esse termo abrangente pode incluir ftalatos comumente usados ​​para estabilizar o cheiro e estender a vida útil do produto.
  • Leia os rótulos à procura de produtos sem PVC, incluindo lancheiras, mochilas e recipientes de armazenamento infantis.
  • Não leve ao microondas alimentos em recipientes de plástico ou cobertos com filme plástico.
  • Freqüentemente, aspire e tire o pó de salas com cortinas de vinil, papel de parede, piso e móveis que podem conter ftalatos, pois o produto químico se acumula na poeira e é facilmente ingerido por crianças ou pode se depositar nos pratos de comida.
  • Pergunte ao seu farmacêutico se seus comprimidos são revestidos para controlar quando eles se dissolvem, pois o revestimento pode conter ftalatos.
  • Coma principalmente alimentos crus e frescos. A embalagem costuma ser uma fonte de ftalatos.
  • Use mamadeiras de vidro em vez de plástico. Amamente exclusivamente durante o primeiro ano, se puder, para evitar bicos e mamadeiras de plástico todos juntos.
  • Remova frutas e vegetais dos sacos plásticos imediatamente após voltar do supermercado para casa e lave-os antes de guardá-los.
  • Os recibos da caixa registradora são impressos a quente e geralmente contêm BPA. Manuseie o recibo o menos possível e peça à loja para mudar para recibos sem BPA.
  • Use produtos de limpeza naturais ou faça o seu próprio.
  • Substitua os produtos de higiene feminina por alternativas mais seguras.
  • Evite amaciantes de roupas e secadores; faça o seu próprio para reduzir a aderência estática.
  • Verifique se há contaminantes na água da torneira da sua casa e filtre a água, se necessário.
  • Ensine seus filhos a não beberem da mangueira do jardim, pois muitas são feitas de plastificantes, como ftalatos.
  • Use sacolas de compras reutilizáveis ​​para mantimentos.
  • Leve seu próprio recipiente de sobras para restaurantes. Evite utensílios e canudos descartáveis.
  • Traga sua própria caneca para café e traga água potável de casa em garrafas de água de vidro em vez de comprar água engarrafada.
  • Considere mudar para escovas de dente de bambu e escovar os dentes com óleo de coco e bicarbonato de sódio para evitar tubos de pasta de dente de plástico.

Dr. Mercola

Fontes:

Mantenha o alimento quente longe dos utensílios plásticos (poliamida) de cozinha


Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay

Mantenha seus utensílios de plástico longe de refeições quentes ou corrija o risco de ingerir uma série de produtos químicos tóxicos, alertaram especialistas em saúde.
Os cientistas dizem que muitas colheres, batedeiras e espátulas contêm substâncias nocivas chamadas oligômeros que penetram nos alimentos a temperaturas acima de 70 ° C (158 ° F).
Se ingeridos em altas doses, esses produtos químicos sintéticos podem desencadear doenças do fígado e da tireoide. Eles também têm sido associados à infertilidade, câncer e colesterol alto.
O alerta foi divulgado em um novo relatório do órgão de segurança alimentar, o Instituto Federal Alemão para Avaliação de Riscos (Bfr).
Isso ocorre em meio a evidências crescentes de que os plásticos usados ​​na indústria de alimentos abrigam uma série de toxinas prejudiciais que se infiltram em nossas refeições.
Muitos utensílios de plástico são feitos de produtos químicos sintéticos para torná-los duráveis ​​o suficiente para suportar temperaturas de ebulição e permanecer à prova de graxa.
Estudos em animais mostraram que esses produtos químicos aumentam tumores no fígado, pâncreas e testículos de ratos, além de reduzir sua fertilidade.
O Bfr alertou as pessoas para manter a comida quente fora de contato com seus utensílios de plástico, pois podem emitir oligômeros.
Esses produtos químicos tentam escapar quando o plástico é aquecido e podem prender nos alimentos se os utensílios estiverem em contato direto, dizem eles.
O órgão também aconselhou o governo a forçar os fabricantes a compilar dados sobre a quantidade de oligômeros que seus produtos emitem quando aquecidos.
Faltam dados sobre os efeitos tóxicos dos oligômeros nos seres humanos. Mas os cientistas da Bfr estimaram o risco com base em quão perigosos eram os produtos químicos com estruturas semelhantes.
A abordagem classifica as substâncias nas chamadas classes Cramer. Cada uma dessas classes é atribuída a uma ingestão diária máxima que dificilmente possui um risco para a saúde humana.
Eles concluíram que a ingestão de pequenas quantidades – 90 microgramas – seria perigosa para a saúde de quem pesa 60 kg.
Mas quando os cientistas colocaram sua teoria em prática, descobriram que muitos utensílios domésticos emitiam oligômeros em quantidade muito maior do que o previsto.
Eles analisaram 33 itens e descobriram que 10 deles (30%) poderiam facilmente exceder o limite diário de 90 microgramas se várias refeições fossem cozidas usando-os.
Com base nisso, a nova revisão aconselhou as pessoas a evitar o uso dos utensílios em alimentos quentes, tanto quanto possível, principalmente as refeições a 70 ° C (158 ° F) e acima.


Fontes:


https://www.bfr.bund.de/cm/349/polyamide-kitchen-utensils-keep-contact-with-hot-food-as-brief-as-possible.pdf


https://www.dailymail.co.uk/health