Reduzindo o estresse gerenciando seus níveis de cortisol

O cortisol é produzido nas glândulas supra-renais, logo acima dos rins. O cortisol é o principal hormônio do estresse do corpo, o que significa que é liberado em resposta a situações ameaçadoras. Também sinaliza ao fígado para aumentar a produção de glicose para preparar o corpo para a atividade física e impede a liberação de certas substâncias no corpo que causam inflamação. 

Embora o cortisol seja absolutamente essencial para a vida, quantidades excessivas podem dar origem a dificuldades, incluindo aumento do estresse e ansiedade generalizada, sono perturbado, imunidade suprimida, ganho de peso abdominal, dores de cabeça, dores no corpo e distúrbios gastrointestinais. Níveis elevados de cortisol também podem suprimir a função da tireóide.

 Juntos, esses sintomas podem resultar em fadiga persistente, principalmente quando os níveis elevados de cortisol não são controlados por um longo período de tempo. 

Os suplementos que podem trazer mais benefícios para esta condição são conhecidos como adaptógenos – plantas e substâncias à base de plantas conhecidas por sua capacidade de ajudar a apoiar o sistema adrenal e a capacidade do corpo de controlar o estresse, afastar a fadiga e combater os efeitos normais do envelhecimento . Adaptogens levam o nome de sua capacidade de ajudar o corpo a se “adaptar” ao seu ambiente em constante mudança. 

Os adaptógenos são ajudantes silenciosos, acumulando-se em seu sistema ao longo do tempo e trabalhando em segundo plano para proteger seus órgãos do impacto destrutivo do excesso de cortisol. Usados ​​há séculos na medicina tradicional chinesa e ayurvédica, os adaptógenos aumentaram em popularidade no Ocidente nas últimas décadas. 1

Ginseng 

Entre os adaptógenos mais populares está o ginseng asiático, elogiado por seu poder de apoiar a resistência física e o sistema imunológico, além de retardar o processo de envelhecimento e aliviar alguns sintomas respiratórios e cardiovasculares. 2 

Acredita-se que o ginseng ajude a diminuir a ansiedade e a aliviar os sintomas da depressão também. Alguns estudos indicam que a erva também ajuda a minimizar as ondas de calor na menopausa. 3 

Apenas certifique-se de tomar o tipo certo de ginseng.   “Ginseng vermelho” e “ginseng branco” referem-se a preparações de ginseng asiático. “Panax ginseng” refere-se ao ginseng americano, e “ginseng siberiano” refere-se a outra erva adaptogênica chamada eleuthero, que na verdade não está relacionada ao ginseng.

Como acontece com qualquer suplemento, embora a opção mais cara nem sempre seja a melhor, certifique-se de que qualquer produto que você toma contenha os ingredientes que você está procurando – e poucos, se houver, outros. 

Ashwagandha 

Ashwagandha tem sido usado há séculos na medicina ayurvédica por seus efeitos de reforço do sistema imunológico. 4 Um adaptógeno completo que pode ajudar os usuários a lidar com o estresse e compensar os efeitos fisiológicos do excesso de cortisol, a ashwagandha também demonstrou melhorar o sono e a função cognitiva, além de reduzir a inflamação. 

Astrágalo 

Muito usada na medicina chinesa como um reforço imunológico, esta erva é conhecida por sua capacidade de ajudar a proteger contra os efeitos físicos e psicológicos do estresse. O astrágalo também pode minimizar o impacto do excesso de cortisol, limitando sua capacidade de se ligar aos receptores celulares. 

Astragalus é conhecido por suas propriedades antivirais, anti-inflamatórias, antibacterianas e antioxidantes, e também pode ajudar a baixar a pressão arterial. 5 

Rhodiola (raiz dourada) 

Nativa das áreas árticas da Ásia e da Europa Oriental, descobriu-se que a rhodiola diminui diretamente a resposta do cortisol ao estresse do despertar. 6 Demonstrou-se que ajuda a restaurar os padrões normais de alimentação e sono, além de reduzir a fadiga e o estresse oxidativo (a incapacidade do corpo de neutralizar os efeitos nocivos dos radicais livres). 

Rhodiola também pode ajudar a queimar a gordura da barriga. A erva contém um composto, rosavin, que estimula uma enzima chamada lipase hormônio-sensível que pode quebrar as reservas de gordura. Em um estudo, pessoas em uma dieta restrita em calorias que adicionaram uma dose diária de rhodiola tiveram mais que o dobro da perda de peso daqueles que não tomaram o adaptógeno e também tiveram uma diminuição significativa na gordura corporal. 7 

Cogumelos

Para mim, os cogumelos medicinais, incluindo reishi, shiitake, maitake, rabo de peru e agarikon, estão entre as fontes mais subestimadas de potencial suporte adaptogênico. 

Eu recomendo a Host Defense Series do micologista Paul Stamets, disponível em suplementos líquidos, cápsula e spray, que combina as enzimas de suporte, antioxidantes, polissacarídeos e prebióticos encontrados nos cogumelos. 

Para mulheres com excesso de cortisol, também recomendo as cápsulas CordyChi, uma mistura de cordyceps e cogumelos reishi projetada para ajudar a promover uma resposta saudável ao estresse, bem como apoiar o sistema imunológico.

O Dr. Shawn Tassone é médico com certificação dupla em obstetrícia/ginecologia e medicina integrativa e autor de The Hormone Balance Bible (Hay House, 2021).

wddty 052022

Referências
Adaptogens: Herbs for Strength, Stamina, and Stress Relief (Rochester, VT: Healing Arts Press [Inner Traditions], 2007)
2Am Fam Médico, 2003; 68(8): 1539–42
3Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa, “Asian Ginseng”, setembro de 2016, nccih.nih.gov
4J Etnofarmacol, 2011; 137(1): 231–5 
5Integr Cancer Ther, 2003; 2(3): 247–67 
6Planta Med, 2009; 75(2): 105–12 
7Novos segredos do estresse natural eficaz e controle de peso usando Rhodiola rosea e Rhododendron caucasicum (Sheffield, MA: Safe Goods Publishing, 1999)

Os anti-hipertensivos podem causar danos nos rins se forem tomados por muito tempo

Medicamentos para pressão alta (hipertensão), como os inibidores da ECA, podem causar danos nos rins se forem tomados por muito tempo.

Os médicos há anos relatam problemas renais em pacientes que tomam os medicamentos – e a reação adversa é comum em pacientes que têm hipertensão crônica e perigosa, dizem pesquisadores do Sistema de Saúde da Universidade da Virgínia, que estudaram o mecanismo dos medicamentos.

Eles descobriram que as drogas desencadeiam a criação de células musculares lisas que, por sua vez, fazem com que os vasos sanguíneos nos rins engrossem e endureçam, o que impede que o sangue flua livremente pelo órgão.

O problema é mais comum em pessoas que tomaram os medicamentos por um longo período, descobriram os pesquisadores.

(Fonte: JCI Insight, 2021; 6; doi: 10.1172/jci.insight.154337)

Wddty 022022

Maneiras naturais de prevenir pedras nos rins

Pedras nos rins – quando depósitos duros de minerais e sais se formam dentro dos rins – são uma doença comum do trato urinário. 1 Geralmente feitas de oxalato de cálcio, as pedras podem causar sintomas quando se movem nos rins ou passam para os ureteres – os tubos que transportam a urina para a bexiga. Se um cálculo se alojar nos ureteres, pode bloquear o fluxo de urina e causar dor intensa, náusea, febre e urina rosa ou marrom.

Se você tiver pedras pequenas, provavelmente será aconselhado a beber bastante água, usar analgésicos e, possivelmente, tomar um bloqueador alfa, um medicamento para facilitar a passagem de pedras com efeitos colaterais como tontura, pressão baixa e disfunção sexual. 2 

Cálculos maiores podem exigir técnicas como litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO; uso de ondas sonoras para romper os cálculos) ou nefrolitotomia percutânea (PCNL; remoção cirúrgica de cálculos com um instrumento telescópico fino). Mas isso, é claro, traz riscos, incluindo danos aos rins, e não impede a recorrência de pedras. 3

Medicamentos preventivos, como diuréticos tiazídicos, às vezes são prescritos para pessoas com tendência a pedras nos rins. Mas os medicamentos não são particularmente eficazes e vêm com um alto índice de reações adversas. 4

A boa notícia é que existem muitas mudanças simples na dieta e no estilo de vida que podem ajudar a prevenir cálculos renais, bem como ervas e suplementos úteis. É melhor para seu pai consultar um naturopata qualificado que possa propor um plano de tratamento personalizado, mas aqui estão algumas recomendações gerais para cálculos de oxalato de cálcio que você pode transmitir a ele.

Fique hidratado

Beber muitos líquidos, especialmente água, é importante para prevenir pedras nos rins. Ajuda a diluir na urina as substâncias que formam as pedras. Em um estudo, cada aumento de 500 mL na ingestão de água foi associado a um risco significativamente reduzido de formação de cálculo renal. 5
Adicionar um pouco de suco de limão à água pode trazer benefícios extras, pois os limões são ricos em citrato que evita pedras. Um estudo de longo prazo relatou que beber 120 mL de suco de limão concentrado misturado com 2 litros de água ao longo do dia reduziu a formação de cálculos. 6 As
bebidas a evitar, por outro lado, são refrigerantes açucarados, como cola. 7

Coma mais frutas e vegetais

Comer muitas frutas e vegetais pode ajudar a proteger contra pedras nos rins. Em particular, aqueles ricos em citrato, como frutas cítricas, e ricos em potássio, como banana, melão e abacate, podem reduzir a formação de pedra. 8 Evite frutas e vegetais ricos em oxalato, pois comê-los pode aumentar o risco de pedras nos rins. 9

Limite de oxalato

Encontrado naturalmente em muitos alimentos, a ingestão de oxalato tem sido associada a pedras nos rins. Em um estudo, as pessoas que consumiam mais oxalato na dieta tinham até 20% mais chances de desenvolver cálculos renais do que as pessoas que comiam menos. 10 Os principais alimentos a serem observados parecem ser espinafre, ruibarbo, beterraba, nozes, chocolate, chá, farelo de trigo e morango. 11

Também é importante obter cálcio suficiente na dieta, pois ele se liga ao oxalato no intestino, reduzindo a quantidade de oxalato absorvida pelo corpo. 12 Na verdade, um pequeno estudo descobriu que a ingestão elevada de oxalato não aumentava o risco de pedras nos rins, desde que os participantes estivessem atingindo a ingestão diária recomendada de cálcio. 13

Os alimentos ricos em cálcio incluem sardinha, salmão, laticínios, sementes de chia, sementes de girassol e figos. Procure consumir cerca de 1.000-1.200 mg de cálcio por dia. 14

Evite sal e açúcar

A alta ingestão de sal na dieta pode aumentar o risco de pedras nos rins. 15 E o açúcar parece aumentar a formação de cálculos urinários por meio de seus efeitos no pH urinário e no oxalato. 16 Tente evitar açúcar refinado, como açúcar de mesa e xarope de milho com alto teor de frutose, e limite o sal. Cortar alimentos processados ​​ajudará, pois geralmente contêm grandes quantidades de sal e açúcar.

Mexa-se

Um grande estudo com mulheres sugere que ser fisicamente ativo pode reduzir o risco de pedras nos rins em até 30 por cento. 17 Mas outro estudo não encontrou associação. 18 Ainda assim, ser ativo é bom para a saúde em geral e pode ajudar a manter um peso saudável, o que parece ser importante para a prevenção de cálculo renal. Lembre-se de manter-se hidratado ao fazer exercícios. A transpiração pode levar a uma menor produção de urina, o que pode estimular a formação de cálculos.

Comer sementes de abóbora

As sementes de abóbora são uma excelente fonte de cálcio, potássio e magnésio, os quais parecem desempenhar um papel na prevenção da formação de cálculos renais. E dois testes na Tailândia descobriram que comer as sementes pode reduzir os fatores de risco urinário para o desenvolvimento de pedras nos rins. 19

Suplemento

Certos suplementos parecem ser úteis para reduzir a formação de pedras nos rins. Certifique-se de consultar um médico qualificado, que pode recomendar dosagens apropriadas para você como um indivíduo. 

Citrato de potássio-magnésio. Um estudo de três anos descobriu que a suplementação com citrato de potássio-magnésio pode reduzir a recorrência de cálculos renais em 85 por cento. 20

Dosagem sugerida: 1.600 mg / dia de citrato de potássio e 500 mg / dia de citrato de magnésio 

IP-6 (hexafosfato de inositol ou ácido fítico) pode reduzir a formação de cristais de oxalato de cálcio na urina de pessoas com tendência a pedras nos rins. 21 O suplemento está amplamente disponível online.

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo

Vitamina E. Algumas evidências sugerem que a vitamina E pode ser benéfica para a prevenção de cálculos renais. 22

Dose sugerida: 200 mg / dia

Vitamina B6 e magnésio. A suplementação com uma combinação desses nutrientes pode ajudar a impedir a recorrência de cálculos renais. 23

Dose sugerida: 200-300 mg / dia de óxido de magnésio, 10 mg / dia de vitamina B6

Verifique seus remédios

Certos medicamentos têm sido associados a cálculos renais, como diuréticos, sulfassalazina e topiramato, portanto, verifique com seu médico sobre qualquer um que esteja tomando. 24

Chá de ervas hidratantes

O fitoterapeuta Meilyr James recomenda beber este chá de ervas para estimular a hidratação do corpo.

Adicione 1 colher de chá das seguintes ervas para cada 300 mL de água fervente e deixe em infusão por 20 minutos. Beba três vezes ao dia.

Use partes iguais de:

Zea mays (seda de milho), uma erva diurética calmante com ação antilítica suave.

Equisetum arvense (cavalinha), que promove a função renal e tonifica as paredes do sistema urinário.

Solidago virgaurea (vara de ouro), que reduz a inflamação e cura o revestimento dos rins.

Dica superior: ao passar pequenas pedras, tome um banho quente enquanto bebe de 2 a 3 litros de líquido, alternando entre chá de ervas e água morna para ajudar a eliminá-las.

Obtenha ajuda de ervas

De acordo com o fitoterapeuta Meilyr James, proprietário da Herbal Clinic em Swansea, País de Gales, a formação de cálculos renais indica que a eliminação pelos rins é insuficiente. A solução do medicamento à base de plantas são ervas ‘antilíticas’, que ajudam a dissolver pequenas pedras nos rins e prevenir a formação de novas. A receita a seguir pode ser usada para esses fins. Para pedras maiores, é importante consultar um profissional de saúde qualificado, diz James. 

Use tinturas das seguintes ervas combinadas em partes iguais. Tome 5 mL, três vezes ao dia, em um pouco de água.

Parietaria officinalis (fura paredes), tintura 1: 5. Além de sua ação antilítica, essa erva tem um efeito restaurador sobre os rins, auxiliando e fortalecendo sua função, diz James.

Hydrangea arborescens (hortênsia selvagem), tintura 1: 3. Hortênsia tem efeito diurético, estimulando o fluxo de urina e a passagem de cálculos.

Viburnum opulus (rosa de gueldres), tintura 1: 3. Esta erva é útil para dores de cãibra, relaxando a tensão dos músculos lisos e, assim, aliviando um pouco o desconforto das pedras nos rins e a passagem de pequenos pedaços de pedra.

Considere cádmio

A exposição ocupacional ao cádmio tem sido associada a pedras nos rins, 25 portanto, considere se você pode ser exposto a esse metal pesado tóxico no trabalho. A exposição dietética ao cádmio na população em geral, entretanto, não aumentou o risco. 26

O tabaco é uma fonte de cádmio, portanto, se você é fumante, esse é outro motivo para parar. Na verdade, fumar pode ser um fator de risco independente para cálculos renais. 27

wddty 092021

Referências
Int J Mol Sci, 2018; 19: 765
J Pharm Technol, 2018; 34 (2): 54-61
Urol Res, 2008; 36: 51–60; Int J Mol Sci, 2018; 19: 765
J Transl Med, 2020; 18: 106
Medicine (Baltimore), 2015; 94: e1042
J Urol, 2007; 177: 1358–62
Clin J Am Soc Nephrol, 2013; 8: 1389–95
Arch Ital Urol Androl, 2015; 87: 105–20; Adv Nutr, 2013; 4: 368S – 77S
J Am Diet Assoc, 1993; 93: 901-6
10J Am Soc Nephro, 2007; 18: 2198–204
11 Arch Ital Urol Androl, 2015; 87: 105–20
12J Am Diet Assoc, 1993; 93: 901–6; Arch Ital Urol Androl, 2015; 87: 105–20
13Urology, 2012; 79: 1226-9
14Urolitíase, 2016; 44: 27-32
15J Urol, 2012; 187: 1645-9
16BMC Nephrol, 2018; 19: 315
17J Am Soc Nephrol, 2014; 25: 362-9
18J Urol, 2015; 193: 864-8
19J Med Assoc Thai, 1993; 76: 487–93; Am J Clin Nutr, 1987; 45: 115–21
20J Urol, 1997; 158: 2069–73
21Anticancer Res, 1999; 19 (5A): 3717–22; Arch Esp Urol, 1999; 52: 94-9
22J Clin Biochem Nutr, 1999; 27: 37–47; BJU Int, 2005; 96: 117–26
23Am J Clin Nutr, 1967; 20: 393–9; Urol Res, 1994; 22 (3): 161-5
24Am J Kidney Dis, 2017; 70: 869–73; Rev Urol, 2003; 5: 227-31
25Br J Ind Med, 1993; 50: 598-602
26Environ Int, 2013; 59: 148–51
27Nephrourol Mon, 2013; 5: 702-5

Como adoçantes artificiais destroem seu intestino

Uma nova pesquisa descobriu que os danos ao microbioma intestinal causados ​​por adoçantes artificiais são ainda maiores do que se pensava anteriormente.

Os cientistas descobriram que três dos adoçantes artificiais mais populares, incluindo sucralose (Splenda), aspartame (NutraSweet, Equal e Sugar Twin) e sacarina (Sweet’n Low, Necta Sweet e Sweet Twin) têm um efeito patogênico em dois tipos de intestino bactérias. 1

Especificamente, a pesquisa usando dados de laboratório foi publicada no International Journal of Molecular Sciences, 2 que demonstrou que esses adoçantes comuns podem fazer com que bactérias benéficas se tornem patogênicas e aumentem potencialmente o risco de graves problemas de saúde. Este é o primeiro estudo que demonstrou como dois tipos de bactérias benéficas podem adoecer e invadir a parede intestinal.

As bactérias estudadas foram Escherichia coli (E. coli) e Enterococcus faecalis (E. faecalis). Já em 2008, 3 pesquisadores descobriram que a Sucralose diminuiu a contagem de bactérias do seu intestino em pelo menos 47,4% e aumentou o nível de pH do seu intestino. Outro estudo descobriu que a Sucralose tem um efeito metabólico sobre as bactérias e pode inibir o crescimento de certas espécies. 4

Apenas 2 latas de refrigerante diet podem alterar bactérias benéficas

A pesquisa molecular atual da Angelia Ruskin University 5 descobriu que quando E. coli e E. faecalis se tornaram patogênicas, elas mataram células Caco-2 que revestem a parede do intestino. Muitas das pesquisas anteriores que demonstraram uma mudança nas bactérias intestinais usaram a Sucralose.

No entanto, os dados deste estudo 6 mostraram que uma concentração de duas latas de refrigerantes diet, usando qualquer um dos três adoçantes artificiais, pode aumentar significativamente a capacidade de E. coli e E. faecalis aderirem às células Caco-2 e aumentar o desenvolvimento de biofilmes bacterianos.

Quando as bactérias criam um biofilme, ele promove a invasão da parede celular intestinal. Os biofilmes tornam as bactérias menos sensíveis ao tratamento e mais propensas a expressar a virulência que causa a doença. Cada um dos três adoçantes testados também ativou a bactéria para invadir as células Caco-2, com uma exceção.

Os pesquisadores descobriram que a sacarina não teve um efeito significativo sobre a E. coli invadindo as células Caco-2. Havovi Chichger, Ph.D., autor principal e conferencista sênior em Ciências Biomédicas na Anglia Ruskin University, falou sobre os resultados do estudo em um comunicado à imprensa: 7

“Há muita preocupação com o consumo de adoçantes artificiais, com alguns estudos mostrando que os adoçantes podem afetar a camada de bactérias que sustenta o intestino, conhecida como microbiota intestinal.

Nosso estudo é o primeiro a mostrar que alguns dos adoçantes mais comumente encontrados em alimentos e bebidas – sacarina, sucralose e aspartame – podem fazer com que bactérias intestinais normais e “saudáveis” se tornem patogênicas. Essas alterações patogênicas incluem maior formação de biofilmes e aumento da adesão e invasão de bactérias nas células intestinais humanas.

Essas mudanças podem levar à invasão de nossas próprias bactérias intestinais e causar danos ao nosso intestino, o que pode estar relacionado a infecção, sepse e falência de múltiplos órgãos ”.

Adoçantes artificiais podem sabotar suas metas de dieta

Infelizmente, para muitas pessoas, seu desejo por doces se tornou um vício, alimentado por uma indústria de alimentos que continua a desenvolver alimentos altamente palatáveis, baratos e ultraprocessados carregados com açúcar, bem como adoçantes artificiais. Como tal, a indústria da dieta tornou-se um mercado-chefe para os fabricantes de alimentos de baixo teor calórico criados em laboratório que promovem a perda de peso.

Um estudo 8 da Escola de Saúde Pública do Instituto Milken da George Washington University em 2017 9 descobriu que houve um salto de 54% em adultos que usaram adoçantes de baixa caloria de 1999 a 2012. Isso representou 41,4% de todos os adultos nos EUA naquela época, ou 129,5 milhões de pessoas. 10 Em 2020, o número saltou para 141,18 milhões, 11 o que representava 42,6% da população. 12

Parece que o salto em adultos usando adoçantes de baixa caloria que ocorreu de 1999 a 2012 permaneceu estável até 2020. Isso pode ser devido em parte à evidência crescente de que adoçantes de baixa caloria, como Splenda, são um grande contribuinte para o número crescente de indivíduos com sobrepeso e obesidade. 13

Como a incidência de obesidade 14 e condições de saúde relacionadas à obesidade 15 continuam a disparar, os fabricantes procuram “alimentos perfeitamente elaborados” 16 para impulsionar as vendas e o consumo.

Consequentemente, a epidemia de obesidade é um dos mais importantes desafios de saúde pública global hoje, associada a 4,7 milhões de mortes prematuras em todo o mundo em 2017. 17 Pesquisas recentes sugerem que adoçantes artificiais podem contribuir para uma gama maior de problemas de saúde do que identificamos até agora. 18

Efeitos metabólicos de adoçantes com zero caloria

É importante reconhecer que, embora os adoçantes artificiais tenham poucas ou nenhuma caloria, eles ainda são metabolicamente ativos. 19 O New York Times 20 relatou que o FDA anunciou que estava proibindo a sacarina em alimentos e bebidas em 1977 porque estava ligada ao desenvolvimento de tumores malignos da bexiga em animais de laboratório. No entanto, a sacarina agora está aprovada para uso pelo FDA, que diz: 21

“No início da década de 1970, a sacarina foi associada ao desenvolvimento de câncer de bexiga em ratos de laboratório, o que levou o Congresso a exigir estudos adicionais sobre a sacarina e a presença de um rótulo de advertência em produtos contendo sacarina até que tal advertência se mostrasse desnecessária.

Desde então, mais de 30 estudos em humanos demonstraram que os resultados encontrados em ratos não eram relevantes para os humanos e que a sacarina é segura para consumo humano. ”

Mas só porque o FDA aprovou algo não significa que seja bom para você. Os cientistas explicaram que muitos estudos ligaram os adoçantes artificiais a um risco aumentado de obesidade, resistência à insulina, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica. Um artigo publicado na Physiology and Behavior 22 apresentou três mecanismos pelos quais adoçantes artificiais promovem a disfunção metabólica:

  • Eles interferem nas respostas aprendidas que contribuem para o controle da glicose e a homeostase energética
  • Eles destroem a microbiota intestinal e induzem a intolerância à glicose
  • Eles interagem com receptores de sabor doce expressos em todo o sistema digestivo que desempenham um papel na absorção de glicose e desencadeiam a secreção de insulina

Conforme demonstraram pesquisas anteriores e recentes, os adoçantes artificiais têm um efeito significativamente diferente no microbioma intestinal do que o açúcar. O açúcar é prejudicial porque tende a alimentar micróbios nocivos, mas os efeitos dos adoçantes artificiais podem ser piores, pois são totalmente tóxicos para as bactérias intestinais.

Um estudo 23 em animais publicado na revista Molecules analisou seis adoçantes artificiais, incluindo sacarina, sucralose, aspartame, neotame, Advantame e acessulfame de potássio-K. Os dados mostraram que todos eles causaram danos ao DNA e interferiram na atividade normal e saudável das bactérias intestinais.

As bebidas dietéticas aumentam o risco de morte prematura

Um estudo de 20 anos de base populacional 24 com 451.743 pessoas de 10 países europeus descobriu que também havia uma associação entre bebidas adoçadas artificialmente e mortalidade. Os pesquisadores excluíram participantes que já haviam tido câncer, derrame ou diabetes.

Na contagem final, 71,1% dos participantes do estudo eram mulheres. Os resultados mostraram que havia uma mortalidade geral mais alta em pessoas que bebiam dois ou mais copos de refrigerantes por dia, fossem adoçados com açúcar ou artificialmente. 25

Os pesquisadores mediram um copo como equivalente a 250 mililitros (8,4 onças), 26 o que é menos do que os 330 mililitros padrão (11,3 onças) por lata vendida na Europa. 27 Em outras palavras, os resultados do estudo foram baseados em menos de duas latas de refrigerante por dia.

Os pesquisadores descobriram que 43,2% das mortes foram por câncer, 21,8% por doenças circulatórias e 2,9% por distúrbios digestivos. 28 Em comparação com aqueles que bebiam menos refrigerantes (menos de um por mês), aqueles que bebiam dois ou mais por dia tinham maior probabilidade de ser jovens, fumantes e fisicamente ativos.

Os dados mostraram que havia uma ligação entre refrigerantes adoçados artificialmente e morte por doenças circulatórias e uma associação entre refrigerantes adoçados com açúcar e morte por doenças digestivas. 29 Isso sugere que políticas voltadas para o corte ou redução do consumo de açúcar podem ter consequências desastrosas quando os fabricantes reformulam seus produtos usando adoçantes artificiais.

Mais danos à saúde associados a adoçantes artificiais

Este mesmo estudo também encontrou uma ligação entre o consumo de refrigerantes e a doença de Parkinson 30 “com associações positivas não significativas encontradas para refrigerantes adoçados com açúcar e artificialmente adoçados.”

O aspartame é outro adoçante artificial que foi estudado nas últimas décadas. Em um estudo, 31 pesquisadores pediram a adultos saudáveis ​​que consumissem uma dieta rica em aspartame por oito dias, seguida por um washout de duas semanas e, em seguida, uma dieta pobre em aspartame por oito dias.

Durante o período de alto aspartame, os indivíduos sofreram de depressão, dor de cabeça e mau humor. Eles tiveram pior desempenho em testes de orientação espacial, que indicaram que o aspartame teve um efeito significativo na saúde neurocomportamental.

Um segundo estudo 32 avaliou se as pessoas com transtornos de humor diagnosticados eram mais vulneráveis ​​aos efeitos do aspartame. Os pesquisadores incluíram 40 indivíduos com depressão unipolar e aqueles sem qualquer histórico de transtorno psiquiátrico. O estudo foi interrompido após 13 completarem a intervenção devido à gravidade das reações.

Camundongos alimentados com água potável com aspartame desenvolveram sintomas de síndrome metabólica33 e outro estudo com animais 34 descobriu que o aspartame teve um efeito negativo na tolerância à insulina e influenciou a composição microbiana intestinal.

Um outro estudo com animais 35 determinou que a Sucralose afetou o fígado do animal, “indicando efeitos tóxicos na ingestão regular”. A descoberta sugere que “a Sucralose deve ser tomada com cuidado para evitar danos hepáticos”. 36

Os cientistas encontraram uma longa lista de sintomas associados ao consumo de Sucralose. Estes incluíram enxaquecas, 37 aumentaram o risco de diabetes tipo 2 38 e aumento do fígado e rins. 39 , 40

A alternativa do açúcar tem uma ação única sobre o açúcar no sangue

Existem vários substitutos do açúcar de origem vegetal, incluindo Stevia, Lo Han Kuo e alulose. A estévia é uma erva doce da planta da estévia sul-americana. É vendido como suplemento e pode ser usado para adoçar a maioria dos pratos e bebidas.

Lo Han Kuo é semelhante a Stevia, mas um pouco mais caro. Outra opção natural é a alulose. Embora o mercado no Japão seja significativo, 41 ele é relativamente desconhecido no Ocidente. A alulose é encontrada em pequenas quantidades em algumas frutas e recebeu uma designação de alimento geralmente considerada segura (GRAS) pelo FDA. 42

Os pesquisadores disseram que o composto tem um valor energético de “efetivamente zero” 43, o que sugere que esse açúcar raro pode ser útil como adoçante para pessoas obesas para ajudar na redução de peso.

Além de contribuir com pouca ou nenhuma caloria, a alulose provoca uma resposta fisiológica que pode ajudar a diminuir a glicose no sangue, reduzir a gordura abdominal e reduzir o acúmulo de gordura ao redor do fígado.

Dr. Mercola

Referências:

Tratamentos naturais para Lúpus Eritematoso Sistêmico

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune, o que significa que o sistema imunológico do corpo é hiperativo e ataca seus próprios tecidos e órgãos. Afeta todo o corpo e pode causar inflamação e danos a vários órgãos, incluindo pele, rins, articulações, cérebro, coração e pulmões. 

Alguns dos sintomas mais comuns são fadiga, dor e rigidez nas articulações, erupções cutâneas, febre, dores de cabeça e olhos secos, embora não haja dois casos iguais. Algumas pessoas sentirão sintomas constantemente, enquanto outras terão “crises”, nas quais os sintomas pioram por um tempo e depois desaparecem ou diminuem. 

O tratamento usual são os antiinflamatórios, como esteróides ou AINEs (antiinflamatórios não esteróides) e medicamentos para suprimir o sistema imunológico, mas cerca de metade dos pacientes ainda estão insatisfeitos com sua saúde e qualidade de vida, 1 sem falar no longo prazo lista de efeitos colaterais associados a esses medicamentos.

Seu melhor curso de ação seria entrar em contato com um profissional de medicina funcional, que pode tentar abordar as causas básicas de sua doença, em vez de se concentrar apenas no controle dos sintomas. 

Mas aqui estão alguns tratamentos naturais e mudanças no estilo de vida que podem ser úteis, com base na ciência até agora.

Fato de saúde

O LES afeta cerca de 1 em 1.000 pessoas, principalmente mulheres em idade reprodutiva 2.

Encontre a dieta certa

Uma dieta mediterrânea pode ser útil para o LES, de acordo com um novo estudo. Pacientes com LES que seguiram mais de perto a dieta, que é rica em frutas, vegetais, peixes, nozes e azeite de oliva, tiveram um risco menor de doença ativa e menos fatores de risco para doenças cardíacas. Abster-se de carnes vermelhas e derivados, bem como açúcares e doces também foi associado a efeitos benéficos, descobriram os pesquisadores. 3

Outra pesquisa sugere que as dietas de eliminação da alergia alimentar podem melhorar os sintomas do LES, 4 portanto, pode valer a pena trabalhar com um profissional experiente que possa tentar descobrir quaisquer alergias e elaborar um plano de dieta adequado para você.

Uma dieta preferida por vários praticantes da medicina funcional é a dieta Paleo, que é antiinflamatória e pobre em alérgenos comuns e alimentos processados. Na verdade, a Dra. Terry Wahls desenvolveu uma abordagem integrativa para curar doenças autoimunes com base nos princípios Paleo, que você pode encontrar em www.terrywahls.com e em seu livro, The Wahls Protocol (Avery, 2014). 

Cure seu intestino

Evidências recentes sugerem que um microbioma intestinal perturbado pode desempenhar um papel no LES e em outras doenças autoimunes, 5 portanto, qualquer coisa que possa ajudar a trazê-lo de volta ao equilíbrio pode levar a melhorias em sua condição. A dieta certa é um bom começo (veja acima), mas suplementar com probióticos é outra maneira de fazer isso, e as cepas de Lactobacillus e Bifidobacteria em particular parecem ser úteis para doenças inflamatórias e autoimunes. 6 Os ensaios clínicos em pacientes com LES são raros, mas um estudo em camundongos com LES e danos renais descobriu que dar a eles cinco cepas de Lactobacillus melhorou a função renal e prolongou a sobrevida. 7

Mantenha um  peso saudável

Até 35% dos pacientes com LES estão acima do peso e 39% são obesos. A obesidade também foi identificada como fator de risco independente na piora da capacidade funcional, fadiga e estado inflamatório de pacientes com LES. 8 

Se você precisa perder peso, considere trabalhar com um profissional experiente que possa lhe dar suporte individual. 

Desintoxicação

Poluentes ambientais, como pesticidas e metais pesados, que podem facilmente acabar no corpo, têm sido associados ao LES. 9 Além de minimizar sua exposição a produtos químicos prejudiciais tanto quanto possível – comendo orgânicos e escolhendo produtos naturais em sua casa, por exemplo – você também pode tentar ajudar seu corpo a se livrar dos produtos químicos tóxicos existentes em seu sistema usando métodos de desintoxicação como fazer sucos, suar e tomar vitamina C em altas doses.

Suplemento

Os suplementos a seguir são promissores para o LES. Para obter melhores resultados, consulte um médico que possa recomendar suplementos e dosagens com base em suas necessidades individuais.

Óleo de peixe. Vários estudos mostram que a suplementação com ômega-3 de óleo de peixe, especialmente ácido eicosapentaenóico (EPA), pode melhorar os sintomas em pacientes
com LES. 10

Dosagem sugerida: escolha uma fórmula com alto EPA, como Life & Soul Pure Omega 3 Liquid da Bare Biology (uma colher de chá fornece 3.500 mg de ômega-3, incluindo 2.000 mg de EPA) e siga as instruções do rótulo

Pycnogenol. Em um pequeno ensaio preliminar com pacientes com LES, aqueles que receberam Pycnogenol, a marca registrada do extrato de casca de pinheiro marítimo francês, viram um declínio significativo na atividade da doença em comparação com aqueles que receberam um placebo. 11

Dosagem sugerida: 60-120 mg / dia

Vitamina D. Baixos níveis de vitamina D têm sido associados ao LES, 12 e estudos sugerem que os suplementos da vitamina podem melhorar a fadiga em pacientes e possivelmente a atividade da doença também. 13

Dosagem sugerida: verifique seus níveis primeiro para determinar a melhor dosagem para você

Vitamina C. Quanto maior a ingestão de vitamina C, menor o risco de doença ativa com LES, de acordo com um estudo. 14

Dose sugerida: 1–5 g / dia, ou levar para tolerância intestinal

Obtenha ajuda de ervas

De acordo com o fitoterapeuta Meilyr James, proprietário da Herbal Clinic em Swansea, País de Gales (www.herbalclinic-swansea.co.uk), existem três categorias principais de ervas que podem ser úteis para pacientes com LES: 1) ervas para melhorar a função intestinal , para promover um microbioma intestinal saudável, 2) ervas para ajudar no estresse, pois isso pode desencadear surtos no LES e 3) ervas antiinflamatórias, pois a inflamação é uma característica fundamental do LES.

Aqui estão suas principais recomendações de ervas.

Para função intestinal:

Combine as seguintes tinturas:

50 mL Frangula alnus (espinheiro amieiro) 1: 4 

100 mL Althaea officinalis (marshmallow) raiz 1: 5

Tome 3–5 mL, três vezes ao dia, após as refeições, com um pouco de água. 

Ajuste a dose de acordo com seu tamanho / constituição. Procure um aumento perceptível nas evacuações, pelo menos uma e até três evacuações fáceis todos os dias.

Para estresse:

Withania somnifera (ashwagandha) pode ajudar a regular a resposta ao estresse e atua como um imunomodulador, diz James. 

Tome 5 g de raiz em pó de manhã e à noite em um pouco de leite de planta morno. 

Para inflamação:

A cúrcuma é uma erva antiinflamatória e antioxidante eficaz, ajudando a reparar e prevenir danos causados ​​por processos inflamatórios, diz James. 

Escolha açafrão em pó de alta qualidade, orgânico sempre que possível. 

Misture uma colher de chá de açafrão com uma quantidade igual de azeite ou óleo de coco derretido para formar uma pasta. 

Dilua com um pouco de água morna (ou leite de amêndoa e mel) e beba duas vezes ao dia.

Por conveniência, você pode preparar a pasta em um lote maior; ele vai guardar bem na geladeira por uma semana. Você também pode combinar o ashwagandha e açafrão e tomá-los juntos.

Meditar

O estresse pode desencadear surtos de doenças no LES e até mesmo desempenhar um papel no início da doença. 15 As técnicas de redução do estresse, como a meditação, podem, portanto, ser uma terapia útil. Em um estudo com pacientes com inflamação renal causada pelo lúpus, a meditação melhorou significativamente a qualidade de vida. 16

Cuidado com as vacinas

Evidências crescentes sugerem que as vacinações podem aumentar o risco de doenças autoimunes, incluindo LES 17

Wddty 07/2021

Referências
Complement Ther Med, 2018; 41: 111-7
Clin Rev Allergy Immunol, 2018; 55: 352-67
Rheumatology, 2021; 60: 160-9
J Ren Nutr, 2000; 10: 170-83
Curr Opin Rheumatol, 2017; 29: 374–7; Curr Rheumatol Rep, 2021; 23: 27
J Cell Physiol 2017; 232: 1994–2007
Microbiome, 2017; 5: 73
Front Immunol, 2020; 11: 1477
Curr Opin Rheumatol, 2016; 28: 497–505
10J Rheumatol, 2004; 31: 1551–6; Ann Rheum Dis, 2008; 67: 841–8; Ann Rheum Dis, 1991; 50: 463-6
11 Phytother Res, 2001; 15: 698-704
12Curr Opin Rheumatol, 2008; 20: 532-7
13Arthritis Care Res (Hoboken), 2016; 68: 91–8; Am J Med Sci, 2019; 358: 104-14
14J Rheumatol, 2003; 30: 747-54
15Rheumatol Int, 2013; 33: 1367–70
16J Med Assoc Thai, 2014; 97 Suplemento 3: S101-7
17Autoimmun Rev, 2017; 16: 756-65

Os perigos ocultos nas embalagens dos alimentos

“Faça do seu jeito.” “Oh sim, nós fizemos.” “Estou adorando.” Esses slogans de fast food assumem um significado mais sombrio e sinistro quando você considera que seu próximo pedido de comida para viagem pode vir com um lado de produtos químicos para sempre. De caixas de pizza à prova de gordura a embalagens de fast-food, os recipientes que guardam seu fast-food podem abrigar uma ameaça invisível. Mas aqui está uma ameaça ainda maior à nossa saúde nacional: os gigantes químicos DuPont e Daiken sabiam dos perigos do PFAS (composto de substâncias per- e polifluoroalquil) amplamente usado em embalagens de alimentos desde 2010, mas manteve-o em segredo do público e da Food and Drug Administration (FDA).

De acordo com estudos obtidos pelo The Guardian , os produtos químicos, chamados 6: 2 FTOH, têm sido associados a doenças renais, danos ao fígado, câncer, danos neurológicos, problemas de desenvolvimento e doenças autoimunes. Os pesquisadores também encontraram taxas de mortalidade mais altas entre animais jovens e mães expostas aos produtos químicos. DuPont e Daiken disseram inicialmente ao FDA que os compostos eram mais seguros do que os tipos mais antigos de PFAS, mas ambos os gigantes químicos negaram estudos prejudiciais que indicavam altos níveis de toxicidade e não alertaram o público ou o FDA sobre novos dados internos.

Ocultar dados críticos não é novidade para gigantes químicos

Maricel Maffini, um pesquisador independente que estuda PFAS em embalagens de alimentos, diz que se o FDA tivesse visto os dados do estudo de Daiken de 2009 que ligava 6: 2 FTOH à toxicidade em fígados e rins de ratos de laboratório, é improvável que o PFAS tivesse sido aprovado.

O estudo da DuPont de 2012, que também foi ocultado do FDA, monitorou o impacto dos altos níveis de exposição ao produto químico em duas gerações de ratos de laboratório. Os animais sofreram insuficiência renal, lesão hepática, problemas na glândula mamária, dentes manchados e outros problemas.

A indústria química afirma que os compostos de cadeia curta são uniformemente seguros e “praticamente não tóxicos”. Pesquisadores independentes, no entanto, dizem o contrário e descobriram que os PFAS, independentemente do comprimento da cadeia, são tóxicos e se acumulam no meio ambiente e nos humanos.

O perigo escondido em um recipiente de fast-food é mais um motivo para comer alimentos frescos

Está um futuro livre de toxinas no horizonte? Pode ser. Talvez não.

Em 2020, a Food and Drug Administration dos EUA anunciou um acordo com três fabricantes de produtos químicos usados ​​em embalagens de alimentos para eliminar o FTOH 6: 2 nos próximos cinco anos. Empresas como Taco Bell, Whole Foods e Trader Joe’s prometeram ser proativas na busca de embalagens e recipientes que não contenham produtos químicos. Mas até que mais estados proíbam para sempre os produtos químicos e redes de restaurantes os evitem, os consumidores preocupados precisam estar vigilantes.

É importante observar que a eliminação gradual do FDA se aplica apenas a compostos FTOH 6: 2 e não inclui outros PFAS de “cadeia curta” semelhantes.

O que você pode fazer? Estudos demonstraram que caixas de papelão mais grossas têm menos probabilidade de conter PFAS do que outros recipientes, portanto, considere uma entrega que usa esse tipo de embalagem. No entanto, se você não quer correr o risco de receber uma porção de produtos químicos para sempre com sua pizza de sexta à noite, pule a comida para viagem.

O perigo escondido em um recipiente de fast-food é mais um motivo para comer alimentos frescos.

Damon Hines

As fontes deste artigo incluem:

The Guardian.com
Wired.com

Coronavírus capaz de entrar no cérebro

Um novo estudo mostra que COVID-19 é capaz de romper a barreira do cérebro da mesma forma que o HIV-1. Pesquisadores da Universidade de Washington descobriram que a proteína spike do coronavírus tem a capacidade de romper a barreira hematoencefálica em camundongos e pode fazer o mesmo em humanos, causando névoa cerebral, fadiga mental e outros problemas cognitivos.

Uma vez que o sistema imunológico reconhece o vírus como uma grande ameaça em pacientes com COVID, ele entra em atividade, criando o que é conhecido como uma tempestade de citocinas e causando uma série de problemas neurológicos que também foram relatados por muitos pacientes com HIV.

“Sabemos que quando você tem a infecção COVID, você tem dificuldade para respirar e isso é porque há infecção no seu pulmão, mas uma explicação adicional é que o vírus entra nos centros respiratórios do cérebro e causa problemas lá também”, disse o professor de medicina e o principal autor do estudo, William A. Banks.

Os pesquisadores também observaram que as proteínas do pico viajam para os bulbos olfatórios e rins de pacientes do sexo masculino mais rápido do que do feminino, o que pode ser o motivo pelo qual os homens têm maior risco de desenvolver sintomas graves relacionados ao COVID.

FONTE: Conclusões do estudo em 23 de dezembro de 2020

Dr. Mercola

Composto natural que melhora no seu nível de açúcar no sangue

 O resveratrol – um composto que atua como antioxidante e é poderoso o suficiente para ajudar o corpo a se regenerar no nível celular – recebeu muita atenção nos últimos anos. Este composto está concentrado principalmente nas sementes e películas dos frutos silvestres e tem sido associado à redução das doenças cardíacas, bem como à prevenção do câncer. No início deste ano, novos relatórios de testes preliminares mostraram que o composto ofereceu benefícios emocionantes para indivíduos com diabetes tipo 1 também.

Agora, uma nova meta-análise , publicada na revista Molecules, se aprofundou no poder da suplementação de resveratrol, descobrindo que ele oferece excelentes benefícios para aqueles com desequilíbrios de açúcar no sangue. De acordo com os pesquisadores, a suplementação com resveratrol não apenas melhorou o controle do açúcar no sangue entre aqueles que estavam sendo tratados com medicamentos para baixar a glicose, mas também ajudou a reduzir a pressão arterial.

Quer melhores níveis de açúcar no sangue? O resveratrol oferece vários benefícios aos diabéticos, sugere estudo

Pesquisas anteriores mostraram que o resveratrol tem efeitos protetores nas complicações associadas ao diabetes, e os cientistas queriam olhar mais a fundo para determinar se a suplementação de resveratrol melhoraria os parâmetros metabólicos como níveis de açúcar no sangue e pressão arterial em indivíduos com diabetes que já tomam medicamentos para baixar a glicose.

A meta-análise analisou cinco diferentes estudos randomizados que avaliaram os efeitos do resveratrol na função renal ou controle da glicose, abrangendo 388 pacientes com diabetes. Os dados agrupados mostraram que a suplementação de resveratrol não apenas reduziu a glicose em jejum, mas também reduziu a pressão arterial diastólica e sistólica e melhorou os marcadores de função renal. Os pesquisadores também notaram que não houve interações adversas entre o suplemento e os medicamentos redutores de glicose.

Isso não é tudo! Benefícios incríveis para a saúde que todos deveriam saber

Esta nova meta-análise mostra uma promessa significativa para indivíduos com desequilíbrios de açúcar no sangue, mas o suplemento de resveratrol também oferece muitos outros benefícios à saúde. Estudos anteriores o associaram à redução da pressão arterial, redução dos níveis de colesterol ruim e até mesmo aumento dos níveis de colesterol bom – todos os quais ajudam a prevenir doenças cardíacas.

Quaisquer outros benefícios? Estou feliz que você perguntou. Sim, outros benefícios de saúde comprovados pela ciência do suplemento de resveratrol incluem:

  • Inflamação reduzida (sabemos que a inflamação contribui para muitas doenças)
  • Prevenção da obesidade
  • Diminuiu o declínio mental relacionado à idade em adultos idosos
  • Prevenção do câncer
  • Supressão de células cancerosas
  • Redução da dor nas articulações
  • Função digestiva melhorada
  • Prevenção da doença de Alzheimer

Mesmo que você tenha ouvido falar que o resveratrol é encontrado no vinho, pule o vinho. Beber vinho tem a capacidade de diminuir a função imunológica, e você encontrará mais compostos úteis em comidas deliciosas. Grandes fontes de resveratrol incluem cacau cru (sim, você pode se deliciar com chocolate amargo), mirtilos, pistache, uvas vermelhas, cranberries e amora.

Se você não comer muitos desses alimentos, pode escolher um suplemento de resveratrol para colher os benefícios do composto para a saúde. Antes de adicionar qualquer novo suplemento ao seu regime, consulte o seu profissional de saúde.

Joy Jensen

As fontes deste artigo incluem:

NIH.gov
LifeExtension.com
NaturalHealth365.com

Alerta de saúde para crianças que bebem água tratada com flúor

Aqui está o problema com as toxinas ambientais: nem sempre é preciso muito para causar estragos no corpo humano … às vezes, é simplesmente ser exposto a pequenas quantidades repetidas vezes que acabará por levar a danos a longo prazo – mesmo que o os níveis absolutos estão dentro dos chamados “limites toleráveis”. Na verdade, pesquisas recentes oferecem um exemplo perfeito disso quando se trata da exposição ao flúor.

Em 1945, Grand Rapids MI começou a adicionar flúor à água potável pública como uma forma de “melhorar” a saúde bucal de seus residentes, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Logo depois, outras cidades seguiram o exemplo.

Mas agora, esses dados da Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai se somam a uma lista crescente de evidências que questionam essa “fluoretação em massa” dos EUA, especialmente quando se trata de proteger a saúde de crianças e adolescentes.

Água fluoretada pode causar danos a órgãos nos rins e no fígado de crianças pequenas

Há cerca de um ano, uma equipe de pesquisadores publicou os resultados de seu estudo investigacional na revista  Environment International . O estudo, que analisou a relação entre os níveis de flúor na água potável (para 1.742 crianças) e no sangue (de 1.983 crianças) e a função hepática e renal, envolveu participantes da conhecida Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (NHANES), um grande grupo de estudos usado para avaliar a saúde nos EUA.

Aqui estão os resultados preocupantes:

Há uma relação dose-dependente com a exposição ao flúor e diminuição da função hepática e renal em crianças . Isso significa que quanto mais exposição você tem, pior os danos aos órgãos podem se tornar com o tempo.

Os autores encontraram essa relação mesmo quando a exposição ao flúor foi considerada crônica e de baixo nível (exatamente como é para a maioria de nós que bebemos água pública). E para piorar as coisas, crianças com funções hepáticas e renais deficientes podem acabar absorvendo ainda  mais  flúor.

Além de danos ao fígado e rins, problemas adicionais que podem ser causados ​​pela exposição ao flúor incluem metabolismo proteico prejudicado, disfunção da tireoide e QI reduzido.

Danos em órgãos devido à exposição ao flúor já foram observados em adultos e em modelos animais.

E acontece que o corpo de uma criança não é tão eficaz em excretar flúor quanto o corpo de um adulto – apenas cerca de 45% do flúor é eliminado pelos rins através da urina em crianças, enquanto 60% dele é eliminado pelos adultos.

Em outras palavras: não podemos dizer que estamos surpresos em saber que o flúor faz mal à saúde infantil.

Quase três quartos do sistema público de água dos EUA contaminado com flúor – veja como você pode reduzir a exposição de seus filhos a este produto químico

Até 74% da água potável pública dos EUA contém flúor . Mas, obviamente, beber água é uma necessidade para a saúde.

Então o que fazer?

  • Instale um sistema de purificação de água de alta qualidade em sua casa
  • Se você for usar água engarrafada, procure a marca da mais alta qualidade possível
  • Coma sua água: alimente a si mesmo e a seus filhos muitas frutas e vegetais hidratantes (orgânicos e de origem local, sempre que possível)

Sara Middleton

As fontes deste artigo incluem:

Healthimpactnews.com
Eurekalert.org
Mountsinai.org
CDC.gov

Flúor e o nazismo- As primeiras pesquisas com ingestão de flúor em humanos foram feitas em campos de concentração nazistas com o intuito de acalmar os prisioneiros, que ingeriam o íon a partir da água com até 1500 ppm de flúor. O resultado gerava uma espécie de apatetamento, os prisioneiros cumpriam melhor suas tarefas sem questioná-las. Com o mesmo objetivo o flúor é adicionado a alguns medicamentos psiquiátricos hoje em dia. Mais de 60 tranquilizantes largamente utilizados contêm flúor, como Diazepan, Valium e Rohypnol, da Roche, ligada à antiga I.G.Farben, indústria química que atuou a serviço da Alemanha nazista. http://www.theforbiddenknowledge.com/hardtruth/fluoridation.htm

Fonte:

Sul21

Pílulas dietéticas ligadas a distúrbios alimentares posteriores (podem causar também hipertensão, danos no fígado e rins)

As mulheres jovens que tomam pílulas e laxantes para manter o peso baixo têm muito mais probabilidade de sofrer de um distúrbio alimentar apenas um ano depois.

Os laxantes aumentam o risco em cinco vezes e pílulas dietéticas em 80% – e os pesquisadores agora estão pedindo restrições à sua disponibilidade, especialmente para menores.

As pílulas são fáceis de obter, como remédios vendidos sem receita nas farmácias ou on-line. O Instagram recentemente impediu menores de idade de ver anúncios de chás de ‘desintoxicação’ e pílulas dietéticas.

Mas os pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard TH Chan, que descrevem suas descobertas como “um alerta”, querem que a proibição vá além e proíba completamente sua venda a meninas.

Em um estudo com mais de 10.000 mulheres com idades entre 14 e 36 anos, os pesquisadores descobriram que 1,8% das pessoas que tomavam pílulas dietéticas sofreram um distúrbio alimentar um a três anos depois, em comparação com 1% das que não tomaram o medicamento. pílulas. O problema foi ainda pior naqueles que tomaram laxantes, incluindo chás de desintoxicação, com 4,2% desenvolvendo um distúrbio alimentar, em comparação com 0,8% daqueles que não tomaram os remédios.

Além de ser uma ‘porta de entrada’ para os distúrbios alimentares, os produtos também podem causar hipertensão (pressão alta) e danos no fígado e nos rins.


Referências

(Fonte: American Journal of Public Health, 2019; doi: 10.2105 / AJPH.2019.305390)

wddty 122019