Restaurando seus níveis de energia naturalmente e equilibrando seus hormônios

A falta de testosterona pode deixar as mulheres cansadas, fracas e deprimidas, diz o Dr. Shawn Tassone. Veja como restaurar seus níveis naturalmente.

A deficiência de testosterona é o desequilíbrio hormonal feminino mais frequentemente esquecido e o desequilíbrio mais comum que vejo. 

Produzida pelos ovários e glândulas supra-renais, bem como nos tecidos periféricos (a partir de hormônios precursores produzidos nos ovários e supra-renais), a testosterona feminina geralmente atinge seu nível mais alto durante a idade adulta jovem. 

A produção do hormônio diminui com o tempo, caindo para cerca de 50% de seu pico quando ela chega à menopausa.   Embora seus ovários parem de produzir estrogênio neste ponto, eles continuarão a produzir quantidades menores de testosterona, assim como suas glândulas supra-renais. 

O fato de o hormônio continuar a desempenhar um papel no funcionamento de seu corpo significa que um desequilíbrio pode causar estragos de várias maneiras. A deficiência de testosterona pode dar origem a uma série de sintomas, desde ganho de peso até diminuição da libido. E pode ocorrer em mulheres de qualquer idade. 

A menopausa e a predominância de estrogênio relacionada à menopausa podem contribuir para a deficiência de testosterona. Mas as pílulas anticoncepcionais também podem fazer isso, assim como doenças auto-imunes, como lúpus e artrite reumatóide. Entre as outras causas subjacentes em potencial estão estresse severo e insuficiência adrenal. 

Mas uma combinação de alimentos, suplementos e exercícios certos pode ajudar a corrigir esse desequilíbrio comum. 

Sintomas de deficiência de testosterona

  • Fadiga, muitas vezes no final da tarde
  • Fraqueza muscular
  • Ganho de peso, especialmente em torno do meio
  • Sono interrompido
  • Emagrecimento ou perda de cabelo
  • Osteoporose e osteopenia (densidade óssea menor do que o normal)
  • Excitação genital diminuída
  • Desejo sexual diminuído
  • Depressão e ansiedade

Nutrição

Se você tem baixo teor de testosterona, deve comer alimentos que ajudem a aumentar diretamente os níveis de testosterona, bem como aqueles que ajudam a diminuir seus níveis de estrogênio. Desde que você não esteja sofrendo de deficiência de estrogênio, diminuir os níveis de estrogênio é uma estratégia útil para diminuir os níveis da proteína da globulina de ligação do hormônio sexual (SHBG), que se liga à testosterona livre e diminui o impacto do hormônio. 

Outro objetivo importante é melhorar a proporção entre gordura e músculo. Em particular, a dieta pode ajudar a reduzir a gordura abdominal, que é comumente referida como um “matador de testosterona”. Embora haja algum debate sobre se a gordura abdominal visceral (que envolve seus órgãos) causa baixa testosterona ou o contrário, estudos demonstraram uma correlação entre a proporção cintura-quadril e os níveis de testosterona em homens, e pesquisas emergentes sugerem uma correlação semelhante está presente nas mulheres. 

Tanto em homens quanto em mulheres, níveis mais altos de gordura visceral correspondem a níveis mais altos de estrogênio, o que pode exacerbar a deficiência de testosterona.

Também sabemos que em ambos os sexos, a testosterona tem um potencial lipolítico, o que significa que pode quebrar as células de gordura, e que a gordura abdominal visceral libera colesterol e ácidos graxos livres na corrente sanguínea, levando o corpo a produzir proteínas chamadas citocinas, que desencadeiam nível de inflamação. 

Altos níveis de gordura visceral também podem levar ao aumento da produção de um hormônio chamado angiotensina, que faz com que os vasos sanguíneos se contraiam e a pressão arterial aumente e contribui para a resistência à insulina. Além de ser um fator de ganho de peso, a resistência à insulina está diretamente relacionada à baixa testosterona em homens e mulheres. 

Para ajudar a minimizar o excesso de gordura e melhorar a proporção de gordura para músculo, concentre-se em comer proteínas magras e “gorduras boas” e eliminar carboidratos processados ​​e açúcar sempre que possível. Aqui estão os principais alimentos para abraçar.

Alimentos a adotar

Alimentos ricos em vitamina D 

Como a baixa testosterona está associada à deficiência de vitamina D, coma alimentos ricos em vitamina D, como:

Gemas de ovo (também ricas em ácidos graxos ômega-3) 

Atum (também rico em ácidos graxos ômega-3) 

Leites enriquecidos não lácteos, como leite de amêndoa e leite de caju 

Alimentos ricos em zinco 

Se você tem níveis baixos de testosterona, o zinco pode ajudar a aumentar a produção natural do hormônio pelo corpo. Boas fontes de zinco incluem:

Ostras e outros mariscos, incluindo lagosta e caranguejo 

Carne de vaca alimentada com capim (carne assada ou rissol de carne moída)

Fontes vegetarianas incluem grão de bico, castanha de caju, cogumelos e espinafre 

Reforçando os óleos essenciais 

Os óleos essenciais a seguir podem ajudar na direção de que você precisa para começar o dia. Use-os com um difusor ou aplique topicamente.

  • Camomila
  • Gerânio
  • salva esclereia
  • Sândalo
  • Funcho
  • Incenso

Amêndoas

Amêndoas inteiras contêm um conjunto de nutrientes vitais para a produção de testosterona, incluindo vitamina E, cálcio, magnésio e potássio. Eles também são ricos em arginina, um aminoácido que está envolvido no aumento do fluxo sanguíneo para os órgãos genitais em homens e mulheres. Aumentar os níveis de arginina pode aumentar a estimulação e a sensação durante a excitação sexual. 1 

Embora as amêndoas sejam uma fonte de proteína de qualidade e contenham altos níveis de ácidos graxos insaturados, elas também são uma fonte significativa de calorias. Eu recomendo consumir não mais do que 25 por dia. 

Vegetais crucíferos 

Vegetais crucíferos como brócolis, couve de Bruxelas, repolho, couve, mostarda e nabo contêm um composto chamado indol-3-carbinol (I3C), que demonstrou aumentar a eficiência do metabolismo do estrogênio pelo fígado, diminuindo o estrogênio geral do corpo níveis. Essa diminuição, por sua vez, reduz os níveis de SHBG do corpo, o que pode resultar em um aumento na testosterona livre. 

Nos últimos anos, os pesquisadores também se interessaram pela forma como o composto impede a proliferação de células receptoras de estrogênio e examinaram o I3C como uma possível prevenção dos cânceres de mama, cervical, endometrial e colorretal. 

O consumo de vegetais crucíferos também desencadeia a produção natural do corpo de um composto chamado diindolilmetano (DIM). A pesquisa mostrou que este composto também ajuda a quebrar o estrogênio, contribuindo para a redução dos níveis de SHBG e um aumento correspondente da testosterona. 

Uma palavra de advertência em relação aos vegetais crucíferos: eles podem conter fitoestrógenos, que podem exercer efeitos estrogênicos. Para aqueles com baixo teor de testosterona, que já podem ter predominância de estrogênio, recomendo limitar o consumo de vegetais crucíferos a uma porção em dias alternados. 

Alimentos contendo gorduras “boas” (insaturadas) 

Se você tem baixo teor de testosterona, é importante contar com gorduras insaturadas em vez de carboidratos – principalmente carboidratos processados ​​- como combustível. Embora eu não recomende cortar totalmente os carboidratos, confiar mais nas gorduras saudáveis ​​(incluindo ômega-3) do que nos carboidratos pode ajudar a diminuir os níveis de gordura abdominal visceral e aumentar a proporção músculo-gordura. 

As gorduras ômega-3, em particular, têm um efeito de equilíbrio abrangente sobre seus hormônios e contribuem para a saúde de sua pele, incluindo sua mucosa vaginal. 

Se você usar manteiga, recomendo mudar para uma manteiga alimentada com capim, manteiga clarificada ou ghee. Embora todos contenham gorduras saturadas, eles têm benefícios em relação à manteiga tradicional alimentada com grãos. 

A manteiga alimentada com pasto contém cinco vezes a quantidade de um ácido graxo chamado ácido linoléico conjugado (CLA), que a pesquisa mostrou que pode ajudar na perda de peso. A manteiga alimentada com pasto também é significativamente mais elevada em ácidos graxos ômega-3 e vitamina K2. 

Acredita-se que tanto a manteiga clarificada quanto o ghee reduzem os níveis de LDL (o chamado “colesterol ruim”) e protegem as artérias do endurecimento. 

Boas fontes de gorduras insaturadas incluem:

  • Nozes
  • Sementes
  • Óleos de nozes, incluindo óleo de coco
  • Óleo de colza
  • Abacate
  • Alimentos ricos em ômega-3, como peixes gordurosos, sementes de chia e nozes

Suplementos

O que se segue pode ajudar a aumentar os níveis de testosterona, aumentar o desejo e a excitação sexual e restaurar o equilíbrio hormonal geral. Mas consulte seu médico antes de tomá-los.

Maca. Embora não tenha sido demonstrado que aumente a produção de testosterona por si só, a maca está associada a níveis aumentados de energia e resistência física, bem como aumento do desejo sexual em mulheres e homens. Para aqueles com baixo nível de testosterona, recomendo duas
misturas de maca diferentes . Se você está na pré-menopausa, vá para Femmenessence Maca Harmony Menstrual Health. Além de apoiar o equilíbrio hormonal geral, isso também ajuda a melhorar os níveis de energia, humor e saúde óssea. Se você está na pós-menopausa, eu recomendo Femmenessence MacaPause. Esta mistura ajuda a aliviar os sintomas comuns relacionados à menopausa, como ondas de calor e sono interrompido, além de melhorar seus níveis de energia e libido e reduzir a secura vaginal.

Dose sugerida: comece com 1 cápsula duas vezes ao dia durante duas semanas, depois aumente gradualmente para 2 cápsulas duas vezes ao dia

Epimedium. Encontrada principalmente na China, a epimedium é usada há séculos na medicina oriental como afrodisíaco para mulheres e homens. Agora populares no Ocidente, os suplementos de epimedium estão disponíveis em uma variedade de formas, incluindo extrato líquido e cápsulas. Foi demonstrado que os flavonóides da erva daninha da cabra com tesão
ajudam a aumentar o fluxo sanguíneo, o que pode aumentar a excitação sexual em mulheres e homens. Também foi demonstrado que eles ajudam a prevenir a osteopenia e a osteoporose, estimulando a proliferação de células chamadas osteoblastos, que desempenham um papel crítico na reestruturação óssea. 2 

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo

Resveratrol. Encontrado na casca de uvas vermelhas, amoras e mirtilos, o resveratrol é um composto químico que pode ter um efeito positivo nos níveis de testosterona. Estudos sugerem que pode ajudar a reduzir a aromatização da testosterona em estrogênio, aumentando os níveis de testosterona livre na corrente sanguínea. Ele também pode ativar os receptores de andrógenos do corpo, aumentando os efeitos da testosterona. 

O resveratrol também pode reduzir a inflamação, que tem um impacto negativo no metabolismo e contribui para a deterioração muscular. 3 No entanto, tenha em mente que o resveratrol pode interferir com alguns medicamentos prescritos, como anticoagulantes, pílulas anticoncepcionais e antibióticos. 

Dose sugerida: 250 mg / dia 

Tribulus. Estudos demonstraram que esta erva pode ter um impacto positivo sobre o desejo sexual e a excitação em mulheres com transtorno do desejo sexual hipoativo. 4 Pode funcionar aumentando a densidade do receptor de andrógeno no cérebro, o que pode amplificar os efeitos da testosterona na libido. Mas observe que isso pode afetar os níveis de açúcar no sangue. Se você é diabético e depende de medicamentos reguladores de açúcar no sangue, tomar o suplemento pode significar que seu médico precisa ajustar sua dose. 

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo; levar por um período não superior a oito semanas

Exercício

Baixa testosterona  pode significar baixa energia  e fraqueza muscular,  portanto , o exercício pode representar um desafio significativo. Mas mesmo exercícios moderados podem ajudar a aumentar seus níveis de testosterona, melhorar sua saúde geral e equilibrar seus hormônios. 5

O primeiro passo é simplesmente começar a se mover. Qualquer atividade aeróbica, seja caminhar, correr, andar de bicicleta ou nadar, ajudará a aumentar a produção de testosterona das glândulas supra-renais. Para começar, faça o que puder e nada mais. Acredite que com o tempo seus níveis de energia podem melhorar e sua fadiga se dissipar. 

Aumente gradualmente a intensidade e a duração dos seus treinos conforme for possível. Um regime de treino principalmente aeróbico irá ajudá-lo a queimar gordura e melhorar a proporção músculo-gordura. Incorporar um elemento de treinamento intervalado (breves “surtos” anaeróbios) em sua rotina de exercícios, quando você puder, pode melhorar ainda mais. 

Adaptado de The Hormone Balance Bible (Hay House UK, 2021) pelo Dr. Shawn Tassone, um médico certificado em obstetrícia / ginecologia e medicina integrativa

WDDTY 092021

Referências
Biomed Res Int, 2014; 2014: 868062
Chinese Med J, 2007; 120 (3): 204-210
Acta Biochim Pol, 2019; 66: 13-21
Daru, 2014; 22: 40 
Front Horm Res, 2016; 47: 27-43

Estudo revela que a exposição noturna à luz azul causa danos “inesperados” à sua saúde (já postamos sobre isso)

O fato de que usar seus dispositivos digitais na hora de dormir pode interferir em seu sono devido à luz azul emitida por telas de diodos emissores de luz (LED) é algo que conhecemos há anos. À medida que os dispositivos se tornam mais prevalentes e fazem parte da vida cotidiana de muitos, tem havido um aumento em certos problemas de saúde que geralmente são causados ​​pelo uso excessivo do dispositivo.  No centro desses problemas está a tela de LED, devido à luz azul que eles emitem.

Os pesquisadores estão descobrindo agora que as ramificações para a saúde associadas à luz azul vão muito além dos distúrbios do sono. A exposição à luz azul pode interromper o padrão de secreção de hormônios específicos, perturbar a termorregulação do corpo e perturbar o ritmo circadiano. Novas evidências, no entanto, mostram que ele diminui os níveis de oxidação de gordura durante o sono.  Um estudo encontrou fortes evidências de que o tipo de luz exposta pode influenciar certas mudanças fisiológicas, incluindo ganho de peso indesejado.

Por que a luz azul emitida por telas é tão perigosa?  

A luz azul é uma onda de luz que faz parte do espectro de luz que o olho humano pode ver – o espectro de luz visível. Ele tem a energia mais alta e o comprimento de onda mais curto, vibrando na faixa de 380 a 500 nanômetros. É mais frequentemente associado a telas iluminadas por LED para computadores, smartphones e dispositivos digitais. No entanto, cerca de um terço de toda a luz visível é, na verdade, luz azul. Na verdade, o sol é a principal fonte de luz azul.

O problema com as emissões de luz azul das telas dos dispositivos é que os olhos ficam expostos diretamente por longos períodos e pela proximidade. A exposição à luz solar normalmente não apresenta esses problemas. A maioria das pessoas usa óculos escuros, protege os olhos e limita a exposição. Mas, é claro, ter a fonte muito perto dos olhos não é um problema para o sol.

A luz azul tem o seu lugar, proporcionando alguns benefícios à saúde – mas proveniente de fontes naturais como o sol é preferível. No entanto, quando se trata de uma tela que está a poucos centímetros do rosto de uma pessoa, isso pode ser um problema.

De fadiga ocular a ganho de peso e depressão, estudos associam a superexposição à luz azul a MÚLTIPLAS condições de saúde

O olho não é muito eficiente quando se trata de bloquear a luz azul. Conforme a luz azul entra no olho, ela passa através do cristalino e da córnea para a retina. As células retinianas convertem a luz e enviam impulsos ao cérebro que transformam as ondas de luz em imagens. Essencialmente, o olho está totalmente aberto para receber luz azul, por isso pode ser muito bom quando exposto na tela de um dispositivo a alguns centímetros de distância.

Os problemas de saúde relacionados à exposição contínua à luz azul (especialmente por meio de telas de LED) incluem:

  • Fadiga ocular
  • Células retinais danificadas
  • Problemas oculares como degeneração macular
  • Miopia e visão curta
  • Padrões de sono interrompidos
  • Produção inibida de melatonina
  • Privação do sono
  • Visão embaçada
  • Dores de cabeça
  • Ganho de peso
  • Oxidação de gordura diminuída
  • Depressão (exposição noturna)
  • Mudanças nas células da pele que aceleram o processo de envelhecimento
  • Diminuição dos hormônios leptina e cortisol (hormônio do estresse)
  • Aumento dos níveis de açúcar no sangue (devido à interrupção do ritmo circadiano)
  • Metabolismo diminuído

Os cientistas só agora estão começando a conectar os pontos em relação ao alcance da superexposição à luz azul. Tradicionalmente, acredita-se que ele interrompe os padrões de sono, o que é verdade, mas os pesquisadores agora entendem que é apenas a ponta do iceberg.

Então, como você pode se proteger contra os efeitos nocivos da exposição à luz azul? Aqui estão 5 soluções simples para você experimentar

Qualquer pessoa que usa um computador, tablet, smartphone ou outros dispositivos digitais regularmente pode se beneficiar diminuindo sua exposição à luz azul. Felizmente, há várias coisas que você pode fazer para dar um descanso aos olhos e dar um impulso à saúde.

  • Desligue os aparelhos bem antes de dormir – a exposição à luz azul antes de ir para a cama engana o cérebro fazendo-o acreditar que é dia. Em resposta, ele não produz melatonina, que induz o sono. Isso pode causar insônia e perturbar os padrões de sono. Ao desligar todos os dispositivos pelo menos duas horas antes de dormir, o corpo tem a chance de fazer ajustes e fazer a transição do dia para a hora de dormir, produzindo a melatonina de que o corpo precisa.
  • Óculos de luz azul – mais estudos estão lançando luz sobre a eficácia dos óculos de luz azul. Em resposta, mais médicos e pesquisadores concordam que os óculos realmente ajudam as pessoas a reduzir sua exposição à luz azul e a dormir melhor.
  • Regra 20-20-20 – a cada 20 minutos, olhe para algo a pelo menos 20 pés de distância por pelo menos 20 segundos. Coloque objetos e imagens interessantes em diferentes pontos ao redor da sala, a 6 metros ou mais de você, para ter algo interessante para olhar, e você ficará mais motivado para olhar por mais tempo.
  • Aplicativos de redução de luz azul – um aplicativo como o f.lux ajusta a cor da tela do computador para reduzir a luz azul. Ele pode ser configurado para mudar automaticamente ao anoitecer ou em um horário específico, como algumas horas antes de dormir.
  • Controle a exposição às telas – a maioria das pessoas tem algum controle sobre a iluminação e o brilho das telas. Afaste o dispositivo para que não fique tão próximo, coloque o dispositivo em uma altura e nível mais adequados à postura e ajuste a luz da sala para reduzir o brilho.
  • Filtros de luz azul para dispositivos – Filtros de luz azul para telas de computador, tablets, smartphones e outros dispositivos. Esses filtros atuam como uma barreira entre a tela e o olho, portanto, a exposição é bastante reduzida.
  • Opte por telas iluminadas por OLED – diodos emissores de luz orgânicos (OLEDs) são uma fonte de luz mais gentil e suave que ultrapassa silenciosamente as telas iluminadas por LED. Mais televisores, computadores, telefones e outros dispositivos estão começando a usar OLED porque ele não produz tanta luz azul quanto as telas de LED. Na verdade, a exposição a OLED mostra melhor função fisiológica, incluindo maior metabolismo e maior produção de melatonina quando comparada à exposição a LED.

Todos nós amamos nossos dispositivos, mas pode chegar o ponto em que não temos mais nossos dispositivos, mas eles nos têm. Seu dispositivo não é mais importante do que sua saúde.

Você pode substituir uma tela ou smartphone. Você pode comprar um novo computador. Seu corpo e sua mente são muito mais preciosos – e insubstituíveis. Existem tantas opções para tornar o seu tempo de tela mais seguro e agradável. Reserve algum tempo para encontrar o caminho certo para você.

Stephanie Woods

As fontes deste artigo incluem:

Nature.com
UCDavis.edu
Stanford.edu
NIH.gov
AAO.org
JustGetFlux.com

Ganho de peso, dores de cabeça, retenção líquida, “névoa cerebral”… alguns sintomas do estrogênio alto. Reestabelecendo o equilíbrio.

Altos níveis de estrogênio podem causar todos os tipos de problemas de saúde nas mulheres – desde ganho de peso até confusão mental, diz o Dr. Shawn Tassone. Veja como trazer seus hormônios de volta ao equilíbrio naturalmente.

Todas as mulheres, independentemente da origem, genética ou tipo de corpo, têm os mesmos hormônios. Os níveis exatos de cada um desses hormônios variam de pessoa para pessoa, no entanto, e cada mulher tem um ponto de equilíbrio único, que mantém o corpo funcionando de maneira ideal tanto fisiologicamente (em termos de função corporal) quanto psicologicamente (em termos mentais e Estado emocional). Desequilíbrios nesses níveis hormonais, mesmo os sutis, podem levar a uma longa lista de problemas de saúde e impedir a mulher de se sentir e ter o melhor desempenho. 

Um dos desequilíbrios hormonais mais comuns é o domínio do estrogênio. Mulheres com esse desequilíbrio tendem a ganhar peso, mas não entendem por que, seus períodos são mais intensos e menos previsíveis, e elas sofrem intensas dores de cabeça e “névoa cerebral”. Esses sintomas contribuem para a sensação de que estão perdendo o controle – de seus corpos e, até certo ponto, de suas mentes.

Quando a dominância do estrogênio é transitória (e na verdade uma parte da fase folicular do ciclo menstrual da mulher), causando apenas dissonância ou desconforto fisiológico ou psicológico temporário, pode não ter efeitos duradouros ou de longo alcance. Mas a predominância de estrogênio persistente tem sido associada ao câncer de mama, câncer uterino, cistos ovarianos e infertilidade1 Também tem sido associada ao aumento da coagulação sanguínea, alergias, doenças autoimunes e envelhecimento acelerado2 

A boa notícia é que, como acontece com outros desequilíbrios hormonais, existem várias maneiras naturais de lidar com o domínio do estrogênio. Um dos mais importantes é comer os alimentos certos.

Sintomas de dominância de estrogênio

  • Retenção de água
  • Ganho de peso
  • Ânsias de comida
  • Menstruação irregular
  • Menstruação intensa
  • Inchaço e sensibilidade nos seios
  • Fadiga
  • Insônia
  • Libido diminuída
  • Problemas de fertilidade
  • Perda de cabelo
  • Confusão mental
  • Mudanças de humor
  • Ansiedade

Alimentos para reduzir os níveis de estrogênio

Se você tem predominância de estrogênio, o objetivo geral é reduzir seus níveis totais de estrogênio. Isso envolve adotar certos alimentos e evitar outros. 

Alimentos para adotar

Fibra 

A saúde gastrointestinal é um aspecto crítico do controle da predominância do estrogênio e dos desequilíbrios hormonais em geral, portanto, incorporar fibras em sua dieta é fundamental. Além de ajudar a manter a regularidade digestiva e evitar que o excesso de estrogênio seja reabsorvido pelo sistema, um intestino saudável pode aumentar seus níveis de antioxidantes. Isso pode ajudar a eliminar alguns dos radicais livres produzidos pelo estrogênio. Tente consumir pelo menos 25 mg de fibra por dia. 

Vegetais crucíferos como brócolis, repolho, aipo e couve são uma ótima fonte, assim como grãos inteiros, aveia e sementes como linho e girassol. Feijões, bagas e frutas como maçãs e peras contêm quantidades úteis de fibras, assim como nozes como amêndoas, nozes e nozes. 

Duas notas de cautela com fibras: por um lado, você precisa aumentar lentamente a quantidade em sua dieta para evitar efeitos colaterais como excesso de gases e dor de estômago. Em segundo lugar, os vegetais crucíferos podem conter fitoestrogênios. Alguns deles, como o lignano, são relativamente fracos. Mas eles têm efeitos estrogênicos, portanto, reduza o consumo de vegetais crucíferos a uma porção a cada dois dias. 

Vegetais crucíferos 

Além de fornecer fibra, vegetais crucíferos como brócolis, couve de Bruxelas, repolho, couve, mostarda e nabo contêm um composto chamado indol-3-carbinol (I3C), um possível preventivo de câncer de mama, cervical, endometrial e colorretal. Estudos também mostram que o composto impede a proliferação de células receptoras de estrogênio no tecido mamário. 

Quando você consome vegetais crucíferos, seu corpo produz naturalmente outro composto chamado diindolilmetano (DIM), que a pesquisa mostrou que pode ajudar a quebrar o estrogênio e convertê-lo em seus metabólitos saudáveis. DIM também demonstrou ter um efeito estrogênico fraco. 

Isso significa que ele pode se ligar aos receptores de estrogênio, bloqueando formas mais fortes de estrogênio e impedindo seu impacto potencialmente cancerígeno. 

O DIM também pode ajudar a aliviar os sintomas associados à predominância do estrogênio, incluindo inchaço e sensibilidade nos seios e aqueles que mimetizam o transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM), uma forma grave de síndrome pré-menstrual (TPM).

Frutas e vegetais contendo antioxidantes 

Vegetais ricos em antioxidantes, incluindo vitaminas A, C e E e beta-caroteno, bem como minerais como cobre, zinco e selênio, podem render benefícios significativos. Esses carboidratos não refinados também são uma fonte saudável de fibras, o que pode ajudar a diminuir o domínio do estrogênio, auxiliando na excreção do excesso de estrogênio pelo intestino. Procure frutas e vegetais coloridos – e de cores diferentes. 

Boas escolhas incluem:  

  • Pimentões (amarelo, laranja e vermelho) 
  • Brócolis 
  • Couve de bruxelas 
  • Cantalupo 
  • Cenouras 
  • Berinjela (incluindo a pele) 
  • Batatas doces 
  • Abóbora 

Proteína magra 

Além de ajudar a reduzir o percentual de gordura corporal, uma dieta rica em proteínas magras aumenta a quantidade de aminoácidos lisina e treonina no corpo. Ambos ajudam o corpo a metabolizar o estrogênio e a apoiar a função hepática. Boas fontes incluem: 

  • Peixes, incluindo salmão e atum 
  • Carnes magras, incluindo carne moída e lombo de porco 
  • Ovos 
  • Produtos lácteos, incluindo leite, iogurte e queijo cottage 
  • Feijão e lentilhas 
  • Nozes e manteigas de nozes 
  • Sementes 

Enxofre 

Os alimentos que contêm enxofre podem ajudar a desintoxicar o fígado, melhorando sua capacidade de se livrar das toxinas de medicamentos, pesticidas e outras fontes externas. Isso pode tornar sua carga de trabalho mais leve e fortalecer sua capacidade de decompor o estrogênio. Os alimentos que contêm compostos de enxofre incluem cebola, alho e gema de ovo. Limões e limas também contêm enxofre. Comece a beber um copo de água que contenha o suco de meio limão ou lima todas as manhãs. 

Alimentos a evitar

Carboidratos 

Minimize a ingestão de carboidratos ou evite-os completamente. Se você estiver seguindo uma dieta rica em carboidratos, seus níveis de glicose (açúcar no sangue) serão mais elevados. Quando isso acontece, seu corpo responde dizendo ao pâncreas para aumentar a produção de insulina. A insulina ajuda seu corpo a armazenar calorias como gordura, o que aumenta seu peso e seu índice de massa corporal (IMC). 

A obesidade pode conduzir ou exacerbar o domínio do estrogênio, visto que as células de gordura converterão o excesso de testosterona em estrogênio. As células de gordura também retêm o excesso de estrogênio em seu sistema. Se sua dieta for rica em proteínas e gorduras saudáveis ​​(como azeite de oliva, óleo de linhaça e óleo de coco) e pobre em carboidratos, seus níveis de insulina diminuirão, melhorando seu metabolismo de estrogênio. Para mulheres com predominância de estrogênio, as melhores fontes de carboidratos são vegetais e frutas com baixo índice glicêmico. 

Evitar alimentos processados ​​também pode fazer uma diferença significativa. Acredito firmemente que, se você pode cultivá-lo, colhê-lo ou matá-lo, esse alimento provavelmente é uma escolha saudável para você comer. 

Álcool 

O impacto do álcool no fígado significa que o álcool interfere na capacidade do corpo de quebrar o estrogênio, o que pode aumentar os níveis gerais de estrogênio na mulher (ou no homem). Elimine o álcool de sua dieta ou limite sua ingestão a uma taça de vinho tinto por dia. Os vinhos tintos da Sardenha e da Espanha são mais ricos em antioxidantes do que a maioria e, quando consumidos com moderação, podem ajudar a remover o excesso de estrogênio. 

Estrogênios exógenos e fitoestrogênios 

Evite estrogênios exógenos, como os encontrados na carne bovina, aves e laticínios, bem como em plásticos e certos cosméticos. Certifique-se de procurar alimentos sem hormônio e limite sua exposição a plásticos que contenham BPA e / ou outros desreguladores endócrinos conhecidos. Evite também consumir fitoestrógenos, como os encontrados na soja. Eu não recomendo mais do que 25 gramas de alimentos derivados da soja fermentados (como tempeh, missô e natto) por dia. Se você gosta de leite de soja, mude para leite de amêndoa ou arroz.

Outras maneiras naturais de equilibrar o domínio do estrogênio

Óleos essenciais. Óleos que melhoram as vias de desintoxicação e ajudam o fígado e o intestino a maximizar o processo de desintoxicação podem ajudar. Estes incluem sementes de aipo, camomila, limão, laranja e alecrim. Use-os com um difusor ou aplique topicamente. 

Exercício. O objetivo é perder gordura e ganhar músculos. Níveis mais altos de gordura corporal podem impulsionar ou exacerbar o domínio do estrogênio, e o aumento da massa muscular ajuda o corpo a queimar mais calorias (ou seja, gordura) em repouso. Um estudo de um ano descobriu que mulheres que praticaram três horas de exercícios moderados por semana tinham níveis significativamente mais baixos de estrogênios circulantes do que mulheres que limitaram sua atividade apenas ao alongamento. 1

Procure atingir 60 a 75 por cento de sua freqüência cardíaca máxima (220 menos sua idade) por 45 minutos cerca de cinco vezes por semana, embora qualquer exercício seja melhor do que nenhum. 

Suplementos Consulte seu médico antes de tomar qualquer um desses, mas aqui está o que geralmente recomendo para o domínio do estrogênio.

Vitex agnus-castus (chasteberry). Esta erva pode inibir a secreção do hormônio folículo estimulante (FSH) pela glândula pituitária, o que leva a uma diminuição na produção de estrogênio pelos ovários. 

Dose sugerida: 900 a 1.000 mg todas as manhãs (não recomendado para mulheres grávidas ou amamentando)

Maca, especificamente Femmenessence MacaHarmony, uma mistura 100% orgânica e vegana de maca cultivada de forma sustentável que demonstrou ter um efeito de equilíbrio nos níveis femininos de estrogênio, progesterona e outros hormônios.

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo. Fique de dois a três meses e depois tire uma semana de folga

Indol-3-carbinol (I3C) e diindolilmetano (DIM). Se você não tolera fontes alimentares desses compostos (consulte ‘Vegetais crucíferos’), há uma variedade de suplementos disponíveis.

Dose sugerida: 15 mg / dia no início, depois ajuste de acordo com os níveis hormonais ou sintomas

Adaptado de The Hormone Balance Bible (Hay House UK, 2021) pelo Dr. Shawn Tassone, um médico certificado em obstetrícia / ginecologia e medicina integrativa

Wddty 072021

Artigo principal

Referências
J Clin Endocrinol Metab, 2015; 100: 4012–20 
Clin Rev Allergy Immunol, 2011; 40: 60-5

Outras maneiras naturais de equilibrar o domínio do estrogênio

Referências
Cancer Res, 2004; 64: 2923-8

Sono ruim tem consequências SÉRIAS: Descubra o que acontece com seu cérebro em apenas UMA noite

O sono beneficia todos os aspectos de sua saúde. Portanto, o fato de 1 em cada 3 adultos não se cansar disso, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, é alarmante. É possível que os efeitos tóxicos da falta de sono estejam contribuindo para o aumento das taxas de doenças crônicas, incluindo a doença de Alzheimer?

Um estudo publicado na revista  Proceedings of the National Academy of Sciences  oferece dados para apoiar esta hipótese.

Apenas UMA noite de sono ruim pode prejudicar sua capacidade de remover toxinas do cérebro

O estudo de 2018, que foi citado no site do National Institutes of Health (NIH), descobriu que mesmo apenas UMA noite de privação de sono aumenta a quantidade de um composto no cérebro chamado beta-amilóide.

Beta-amilóide (alternativamente, β-amilóide) é uma proteína e um subproduto metabólico. Também é considerado neurotóxico. Quando se acumula no cérebro, pode formar “placas” que prejudicam a capacidade de comunicação das células nervosas. Os médicos acreditam que o acúmulo de placa beta-amilóide – que seu cérebro normalmente “limpa” à noite enquanto você dorme – é um fator de risco potencial para demência de Alzheimer, pelo menos em alguns indivíduos.

Embora, é importante notar, existem muitos outros fatores que aumentam o risco de demência, como tendências genéticas, hábitos alimentares, toxinas ambientais e bem-estar emocional.

Para o estudo, os pesquisadores levaram 20 participantes saudáveis ​​em dois cenários diferentes: uma noite inteira de sono e uma noite interrompida de sono. Imagens de varredura do cérebro foram tiradas dos participantes após cada condição.

Surpreendentemente, os pesquisadores descobriram que quando os indivíduos estavam privados de sono, eles tinham cerca de 5 por cento  mais  beta-amilóide em seus cérebros , particularmente em duas áreas (o hipocampo e o tálamo) sabidamente danificadas no Alzheimer. O aumento do acúmulo de beta-amilóide também foi associado a piora do humor.

Curiosamente, o NIH observa que pode haver uma relação bidirecional em jogo. Ou seja, o sono insatisfatório pode aumentar o acúmulo de beta-amilóide, e o acúmulo de beta-amilóide pode levar a um sono ruim.

Não é apenas um aumento do risco da doença de Alzheimer que está implicado no sono ruim. Um artigo de 2017 publicado na Nature and Science of Sleep observa que as consequências de longo prazo da privação de sono – mesmo em adultos saudáveis ​​- incluem um risco aumentado de doença cardiovascular, ganho de peso, síndrome metabólica, diabetes tipo 2, colesterol alto, hipertensão e câncer colorretal.

Além disso, os efeitos de curto prazo da privação de sono incluem comprometimento da memória e do humor, aumento do estresse e da dor e prejuízos no desempenho físico e acadêmico. É como se nossos corpos (e cérebros) realmente quisessem que entendêssemos o quão importante é um bom sono!

Ficar acordado à noite? Aqui estão 3 coisas que você não deve fazer:

É estressante não conseguir dormir. É claro que sentir-se estressado com o sono pode tornar ainda mais difícil você dormir de tão importante! A questão é: o que você deve fazer nessas noites sem dormir?

Na próxima vez que você for jogar e virar, evite estes 3 erros comuns:

  1. Assistir televisão ou navegar pelas mídias sociais – TV e mídias sociais são emocionalmente estimulantes e podem expô-lo a luz azul artificial que interrompe a produção de melatonina.
  2. Ficar na cama acordado por horas – se você ainda estiver acordado 20 minutos depois que sua cabeça bater no travesseiro, levante-se e faça algo relaxante em um quarto diferente e só volte para a cama quando sentir sono; desta forma, seu corpo e cérebro irão associar sua cama ao sono, não à vigília
  3. Depender de álcool ou medicamentos – se você for tomar algo, primeiro procure outros produtos naturais, como chás de ervas, que podem promover o relaxamento sem causar efeitos colaterais negativos ou possível dependência

Naturalmente, é sempre uma ótima ideia encontrar algo relaxante para fazer – antes de ir para a cama. Outras sugestões que podem ser úteis incluem: sentar-se do lado de fora e contemplar a lua ou o céu; exercícios de respiração profunda ou banho quente.

Simplificando, o tempo que você gasta – dedicado a “descontrair” – longe de dispositivos eletrônicos valerá o esforço. Tenha uma boa noite!

Sara Middleton

As fontes deste artigo incluem:

NIH.gov
NIH.gov
NIH.gov
CDC.gov
WUSTL.edu
Alzheimers.net
RSC.org
TandFonline.com
Alzdiscovery.org
NIH.gov
Nature.com
NIH.gov
SleepFoundation.org