CDC reconhece o perigo de flúor em cremes dentais infantis, ignora danos na água potável

O flúor foi adicionado pela primeira vez à água da torneira em 1945, quando Grand Rapids, Michigan, tornou-se a primeira comunidade em qualquer lugar do mundo a fazê-lo. Inicialmente, parecia uma boa ideia. A taxa de cáries em crianças em idade escolar caiu significativamente, e o CDC elogiou a iniciativa como uma das dez maiores conquistas em saúde pública no século 20 .

Essa afirmação agora é questionada, pois estudos mostram que não há evidências de que a fluoretação da água seja eficaz na prevenção de cáries, mas também há sérios riscos à saúde associados a ela.

Na verdade, um grande corpo de pesquisa sugere que o flúor é uma neurotoxina. Estudos têm demonstrado que o desenvolvimento fetal pode ser prejudicado quando a mãe é exposta ao flúor durante a gravidez.

Isso faz sentido? Perigo de flúor reconhecido na pasta de dente, minimizado na água potável

De acordo com o CDC, quase metade (40%) das crianças de três a seis anos excede a quantidade recomendada de creme dental usado em cada escovação, e é potencialmente perigoso. Tanto o CDC quanto a American Dental Association recomendam que crianças nessa faixa etária usem uma quantidade de pasta de dente do tamanho de uma ervilha, enquanto crianças menores de três anos devem usar apenas uma quantidade do tamanho de um grão de arroz.

Essas são quantidades muito pequenas, e a razão para as quantidades extremamente limitadas é devido ao flúor que a pasta de dente contém.

Na verdade, a pasta de dente fluoretada traz uma etiqueta de aviso instruindo os usuários a entrar em contato com o controle de envenenamento ou procurar ajuda médica se engolirem acidentalmente mais pasta de dente do que usam para escovar os dentes. E é aí que a informação se torna desconexa. Se é perigoso engolir pasta de dente fluoretada, como não há problema em engolir água potável fluoretada?

No entanto, as autoridades de saúde pública continuam afirmando que a água potável fluoretada é segura.

Estudos mostram que o flúor pode fazer mais mal do que bem à saúde bucal

A verdade é que o flúor não é tão eficaz no combate às cáries. As cáries dentárias – cáries – são causadas quando os ácidos causam a desmineralização dos dentes. A raiz da formação do ácido são os açúcares dietéticos que sofreram fermentação bacteriana. Em resposta, a saliva produzida naturalmente no corpo carrega outro conjunto de minerais que combatem a desmineralização.

Embora se acredite há muito tempo que o flúor potencializa o processo de remineralização, que, por sua vez, previne as cáries, a verdade é que o flúor não é uma substância da qual o corpo depende para desmineralizar. Além disso, pesquisas mostram que a proteção fornecida pelo flúor não é tão robusta quanto as autoridades governamentais afirmam. Outros estudos descobriram que muitas das alegações que elogiavam os benefícios do flúor não são precisas.

Usar muito flúor nos dentes pode causar danos ao esmalte dos dentes. Essa condição é chamada de fluorose dentária e pode causar sérios problemas dentários em crianças.

Melhore sua saúde bucal evitando o flúor

Não importa a sua idade, é bom tomar medidas para ter uma melhor saúde bucal:

  • Use creme dental sem flúor
  • Mantenha-se hidratado bebendo água sem flúor
  • Limite sua ingestão de carboidratos, especialmente carboidratos simples
  • Escovar 2 ou 3 vezes todos os dias logo após comer ou beber
  • Considere o bochecho com com óleo de coco orgânico
  • Passe o fio dental diariamente e use um Hydro Floss
  • Coma vegetais e frutas orgânicas, todos os dias

Não acredite na falsa narrativa de usar creme dental com flúor para ter dentes brancos e saudáveis. Encontre um dentista holístico ou biológico se o seu dentista o pressionar a se submeter a tratamentos regulares com flúor. Ligue para o departamento de água local e descubra se o flúor é adicionado à sua água potável. Se houver flúor em sua água, instale um filtro de água de alta qualidade em sua casa.

Stephanie Woods

As fontes para este artigo incluem:

ChildrensHealthDefense.org
Harvard.edu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *