Microplásticos encontrados no sangue humano pela primeira vez (por biorressonância, já sabemos disso há mais tempo)

A poluição microplástica foi detectada no sangue humano pela primeira vez, com cientistas encontrando as minúsculas partículas em quase 80% das pessoas testadas.

A descoberta mostra que as partículas podem viajar pelo corpo e podem se alojar em órgãos. O impacto na saúde ainda é desconhecido. Mas os pesquisadores estão preocupados porque os microplásticos causam danos às celulas humanas  em laboratório e as partículas de poluição do ar já são conhecidas por entrar no corpo e causar milhões de mortes precoces por ano.

Enormes quantidades de resíduos plásticos são despejadas no meio ambiente e os microplásticos agora contaminam todo o planeta, desde o cume do Monte Everest até os oceanos mais profundos. Nas pessoas já havia conhecimento por consumir as minúsculas partículas por meio de alimentos e água, além de inalá-las, e elas foram encontradas nas fezes de bebês e adultos.

Os cientistas analisaram amostras de sangue de 22 doadores anônimos, todos adultos saudáveis ​​e encontraram partículas de plástico em 17. Metade das amostras continha plástico PET, que é comumente usado em garrafas de bebidas, enquanto um terço continha poliestireno, usado para embalar alimentos e outros produtos. Um quarto das amostras de sangue continha polietileno, do qual são feitas sacolas plásticas.

“Nosso estudo é a primeira indicação de que temos partículas de polímero em nosso sangue – é um resultado inovador”, disse o professor Dick Vethaak, ecotoxicologista da Vrije Universiteit Amsterdam, na Holanda. “Mas temos que estender a pesquisa e aumentar o tamanho das amostras, o número de polímeros avaliados etc.” Outros estudos de vários grupos já estão em andamento, disse ele.

“Certamente é razoável se preocupar”, disse Vethaak ao Guardian. “As partículas estão lá e são transportadas por todo o corpo.” Ele disse que trabalhos anteriores mostraram que os microplásticos eram 10 vezes maiores nas fezes dos bebês em comparação com os adultos e que os bebês alimentados com garrafas plásticas estão engolindo milhões de partículas de microplástico por dia.

“Também sabemos, em geral, que bebês e crianças pequenas são mais vulneráveis ​​à exposição a produtos químicos e partículas”, disse ele. “Isso me preocupa muito.”

A nova pesquisa foi publicada na revista Environment International e adaptou as técnicas existentes para detectar e analisar partículas tão pequenas quanto 0,0007 mm. Algumas das amostras de sangue continham dois ou três tipos de plástico. A equipe usou agulhas de seringa de aço e tubos de vidro para evitar contaminação e testou os níveis de fundo de microplásticos usando amostras em branco.

Vethaak reconheceu que a quantidade e o tipo de plástico variaram consideravelmente entre as amostras de sangue. “Mas este é um estudo pioneiro”, disse ele, com mais trabalho agora necessário. Ele disse que as diferenças podem refletir a exposição de curto prazo antes das amostras de sangue serem coletadas, como beber de um copo de café forrado de plástico ou usar uma máscara facial de plástico.

“A grande questão é o que está acontecendo em nosso corpo?” disse Vethaak. “As partículas ficam retidas no corpo? Eles são transportados para certos órgãos, como passar pela barreira hematoencefálica?” E esses níveis são suficientemente altos para desencadear doenças? Precisamos urgentemente financiar mais pesquisas para que possamos descobrir.”

A nova pesquisa foi financiada pela Organização Nacional Holandesa para Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde e Common Seas, uma empresa social que trabalha para reduzir a poluição plástica.

“A produção de plástico deve dobrar até 2040”, disse Jo Royle, fundadora da instituição de caridade Common Seas. “Temos o direito de saber o que todo esse plástico está fazendo com nossos corpos.” A Common Seas, juntamente com mais de 80 ONGs, cientistas e parlamentares, estão pedindo ao governo do Reino Unido que aloque £ 15 milhões para pesquisas sobre os impactos do plástico na saúde humana. A UE já está financiando pesquisas sobre o impacto do microplástico em fetos e bebês e no sistema imunológico .

Um estudo recente descobriu que os microplásticos podem se prender às membranas externas dos glóbulos vermelhos e podem limitar sua capacidade de transportar oxigênio. As partículas também foram encontradas nas placentas de mulheres grávidas e, em ratas grávidas, elas passam rapidamente pelos pulmões para os corações, cérebros e outros órgãos dos fetos.

Um novo artigo de revisão publicado na terça-feira , em coautoria de Vethaak, avaliou o risco de câncer e concluiu: “Pesquisas mais detalhadas sobre como micro e nanoplásticos afetam as estruturas e processos do corpo humano e se e como eles podem transformar células e induzir a carcinogênese, é urgentemente necessária, principalmente devido ao aumento exponencial da produção de plástico. O problema está se tornando mais urgente a cada dia.”

OBS.: Temos protocolos para remoção (detox) de microplásticos por
Desintoxicação iônica frequencial (cataforese seletiva) – não invasiva – pelos pés. Consulte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *