Maneiras naturais de prevenir pedras nos rins

Pedras nos rins – quando depósitos duros de minerais e sais se formam dentro dos rins – são uma doença comum do trato urinário. 1 Geralmente feitas de oxalato de cálcio, as pedras podem causar sintomas quando se movem nos rins ou passam para os ureteres – os tubos que transportam a urina para a bexiga. Se um cálculo se alojar nos ureteres, pode bloquear o fluxo de urina e causar dor intensa, náusea, febre e urina rosa ou marrom.

Se você tiver pedras pequenas, provavelmente será aconselhado a beber bastante água, usar analgésicos e, possivelmente, tomar um bloqueador alfa, um medicamento para facilitar a passagem de pedras com efeitos colaterais como tontura, pressão baixa e disfunção sexual. 2 

Cálculos maiores podem exigir técnicas como litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO; uso de ondas sonoras para romper os cálculos) ou nefrolitotomia percutânea (PCNL; remoção cirúrgica de cálculos com um instrumento telescópico fino). Mas isso, é claro, traz riscos, incluindo danos aos rins, e não impede a recorrência de pedras. 3

Medicamentos preventivos, como diuréticos tiazídicos, às vezes são prescritos para pessoas com tendência a pedras nos rins. Mas os medicamentos não são particularmente eficazes e vêm com um alto índice de reações adversas. 4

A boa notícia é que existem muitas mudanças simples na dieta e no estilo de vida que podem ajudar a prevenir cálculos renais, bem como ervas e suplementos úteis. É melhor para seu pai consultar um naturopata qualificado que possa propor um plano de tratamento personalizado, mas aqui estão algumas recomendações gerais para cálculos de oxalato de cálcio que você pode transmitir a ele.

Fique hidratado

Beber muitos líquidos, especialmente água, é importante para prevenir pedras nos rins. Ajuda a diluir na urina as substâncias que formam as pedras. Em um estudo, cada aumento de 500 mL na ingestão de água foi associado a um risco significativamente reduzido de formação de cálculo renal. 5
Adicionar um pouco de suco de limão à água pode trazer benefícios extras, pois os limões são ricos em citrato que evita pedras. Um estudo de longo prazo relatou que beber 120 mL de suco de limão concentrado misturado com 2 litros de água ao longo do dia reduziu a formação de cálculos. 6 As
bebidas a evitar, por outro lado, são refrigerantes açucarados, como cola. 7

Coma mais frutas e vegetais

Comer muitas frutas e vegetais pode ajudar a proteger contra pedras nos rins. Em particular, aqueles ricos em citrato, como frutas cítricas, e ricos em potássio, como banana, melão e abacate, podem reduzir a formação de pedra. 8 Evite frutas e vegetais ricos em oxalato, pois comê-los pode aumentar o risco de pedras nos rins. 9

Limite de oxalato

Encontrado naturalmente em muitos alimentos, a ingestão de oxalato tem sido associada a pedras nos rins. Em um estudo, as pessoas que consumiam mais oxalato na dieta tinham até 20% mais chances de desenvolver cálculos renais do que as pessoas que comiam menos. 10 Os principais alimentos a serem observados parecem ser espinafre, ruibarbo, beterraba, nozes, chocolate, chá, farelo de trigo e morango. 11

Também é importante obter cálcio suficiente na dieta, pois ele se liga ao oxalato no intestino, reduzindo a quantidade de oxalato absorvida pelo corpo. 12 Na verdade, um pequeno estudo descobriu que a ingestão elevada de oxalato não aumentava o risco de pedras nos rins, desde que os participantes estivessem atingindo a ingestão diária recomendada de cálcio. 13

Os alimentos ricos em cálcio incluem sardinha, salmão, laticínios, sementes de chia, sementes de girassol e figos. Procure consumir cerca de 1.000-1.200 mg de cálcio por dia. 14

Evite sal e açúcar

A alta ingestão de sal na dieta pode aumentar o risco de pedras nos rins. 15 E o açúcar parece aumentar a formação de cálculos urinários por meio de seus efeitos no pH urinário e no oxalato. 16 Tente evitar açúcar refinado, como açúcar de mesa e xarope de milho com alto teor de frutose, e limite o sal. Cortar alimentos processados ​​ajudará, pois geralmente contêm grandes quantidades de sal e açúcar.

Mexa-se

Um grande estudo com mulheres sugere que ser fisicamente ativo pode reduzir o risco de pedras nos rins em até 30 por cento. 17 Mas outro estudo não encontrou associação. 18 Ainda assim, ser ativo é bom para a saúde em geral e pode ajudar a manter um peso saudável, o que parece ser importante para a prevenção de cálculo renal. Lembre-se de manter-se hidratado ao fazer exercícios. A transpiração pode levar a uma menor produção de urina, o que pode estimular a formação de cálculos.

Comer sementes de abóbora

As sementes de abóbora são uma excelente fonte de cálcio, potássio e magnésio, os quais parecem desempenhar um papel na prevenção da formação de cálculos renais. E dois testes na Tailândia descobriram que comer as sementes pode reduzir os fatores de risco urinário para o desenvolvimento de pedras nos rins. 19

Suplemento

Certos suplementos parecem ser úteis para reduzir a formação de pedras nos rins. Certifique-se de consultar um médico qualificado, que pode recomendar dosagens apropriadas para você como um indivíduo. 

Citrato de potássio-magnésio. Um estudo de três anos descobriu que a suplementação com citrato de potássio-magnésio pode reduzir a recorrência de cálculos renais em 85 por cento. 20

Dosagem sugerida: 1.600 mg / dia de citrato de potássio e 500 mg / dia de citrato de magnésio 

IP-6 (hexafosfato de inositol ou ácido fítico) pode reduzir a formação de cristais de oxalato de cálcio na urina de pessoas com tendência a pedras nos rins. 21 O suplemento está amplamente disponível online.

Dosagem sugerida: siga as instruções do rótulo

Vitamina E. Algumas evidências sugerem que a vitamina E pode ser benéfica para a prevenção de cálculos renais. 22

Dose sugerida: 200 mg / dia

Vitamina B6 e magnésio. A suplementação com uma combinação desses nutrientes pode ajudar a impedir a recorrência de cálculos renais. 23

Dose sugerida: 200-300 mg / dia de óxido de magnésio, 10 mg / dia de vitamina B6

Verifique seus remédios

Certos medicamentos têm sido associados a cálculos renais, como diuréticos, sulfassalazina e topiramato, portanto, verifique com seu médico sobre qualquer um que esteja tomando. 24

Chá de ervas hidratantes

O fitoterapeuta Meilyr James recomenda beber este chá de ervas para estimular a hidratação do corpo.

Adicione 1 colher de chá das seguintes ervas para cada 300 mL de água fervente e deixe em infusão por 20 minutos. Beba três vezes ao dia.

Use partes iguais de:

Zea mays (seda de milho), uma erva diurética calmante com ação antilítica suave.

Equisetum arvense (cavalinha), que promove a função renal e tonifica as paredes do sistema urinário.

Solidago virgaurea (vara de ouro), que reduz a inflamação e cura o revestimento dos rins.

Dica superior: ao passar pequenas pedras, tome um banho quente enquanto bebe de 2 a 3 litros de líquido, alternando entre chá de ervas e água morna para ajudar a eliminá-las.

Obtenha ajuda de ervas

De acordo com o fitoterapeuta Meilyr James, proprietário da Herbal Clinic em Swansea, País de Gales, a formação de cálculos renais indica que a eliminação pelos rins é insuficiente. A solução do medicamento à base de plantas são ervas ‘antilíticas’, que ajudam a dissolver pequenas pedras nos rins e prevenir a formação de novas. A receita a seguir pode ser usada para esses fins. Para pedras maiores, é importante consultar um profissional de saúde qualificado, diz James. 

Use tinturas das seguintes ervas combinadas em partes iguais. Tome 5 mL, três vezes ao dia, em um pouco de água.

Parietaria officinalis (fura paredes), tintura 1: 5. Além de sua ação antilítica, essa erva tem um efeito restaurador sobre os rins, auxiliando e fortalecendo sua função, diz James.

Hydrangea arborescens (hortênsia selvagem), tintura 1: 3. Hortênsia tem efeito diurético, estimulando o fluxo de urina e a passagem de cálculos.

Viburnum opulus (rosa de gueldres), tintura 1: 3. Esta erva é útil para dores de cãibra, relaxando a tensão dos músculos lisos e, assim, aliviando um pouco o desconforto das pedras nos rins e a passagem de pequenos pedaços de pedra.

Considere cádmio

A exposição ocupacional ao cádmio tem sido associada a pedras nos rins, 25 portanto, considere se você pode ser exposto a esse metal pesado tóxico no trabalho. A exposição dietética ao cádmio na população em geral, entretanto, não aumentou o risco. 26

O tabaco é uma fonte de cádmio, portanto, se você é fumante, esse é outro motivo para parar. Na verdade, fumar pode ser um fator de risco independente para cálculos renais. 27

wddty 092021

Referências
Int J Mol Sci, 2018; 19: 765
J Pharm Technol, 2018; 34 (2): 54-61
Urol Res, 2008; 36: 51–60; Int J Mol Sci, 2018; 19: 765
J Transl Med, 2020; 18: 106
Medicine (Baltimore), 2015; 94: e1042
J Urol, 2007; 177: 1358–62
Clin J Am Soc Nephrol, 2013; 8: 1389–95
Arch Ital Urol Androl, 2015; 87: 105–20; Adv Nutr, 2013; 4: 368S – 77S
J Am Diet Assoc, 1993; 93: 901-6
10J Am Soc Nephro, 2007; 18: 2198–204
11 Arch Ital Urol Androl, 2015; 87: 105–20
12J Am Diet Assoc, 1993; 93: 901–6; Arch Ital Urol Androl, 2015; 87: 105–20
13Urology, 2012; 79: 1226-9
14Urolitíase, 2016; 44: 27-32
15J Urol, 2012; 187: 1645-9
16BMC Nephrol, 2018; 19: 315
17J Am Soc Nephrol, 2014; 25: 362-9
18J Urol, 2015; 193: 864-8
19J Med Assoc Thai, 1993; 76: 487–93; Am J Clin Nutr, 1987; 45: 115–21
20J Urol, 1997; 158: 2069–73
21Anticancer Res, 1999; 19 (5A): 3717–22; Arch Esp Urol, 1999; 52: 94-9
22J Clin Biochem Nutr, 1999; 27: 37–47; BJU Int, 2005; 96: 117–26
23Am J Clin Nutr, 1967; 20: 393–9; Urol Res, 1994; 22 (3): 161-5
24Am J Kidney Dis, 2017; 70: 869–73; Rev Urol, 2003; 5: 227-31
25Br J Ind Med, 1993; 50: 598-602
26Environ Int, 2013; 59: 148–51
27Nephrourol Mon, 2013; 5: 702-5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *