Como tratar os desequilíbrios hormonais

A progesterona, produzida nos ovários, glândulas supra-renais e na placenta durante a gravidez, influencia uma série de funções vitais, incluindo o sono, e desempenha um papel importante no ciclo menstrual e na gravidez. 

Durante o ciclo menstrual de uma mulher, a produção de progesterona aumenta após a ovulação (aproximadamente dia 14), atingindo o pico por volta do dia 21. A função primária do hormônio é estabilizar o revestimento uterino (ou endométrio) para criar um ambiente favorável para um óvulo fertilizado. Se uma mulher não engravidar, seus níveis de progesterona começam a cair. 

No dia 28 de seu ciclo, seu revestimento uterino se desprende e ela menstrua. Se ela engravidar, seus níveis de progesterona continuam a subir após o dia 21. O hormônio é produzido pelo corpo lúteo (o revestimento agora transformado da parede do cisto ovulado) por aproximadamente 10 semanas até que a placenta assuma o controle, nivelando a produção de progesterona após o primeiro trimestre.

Para algumas mulheres, no entanto, aumentos e diminuições nos níveis de progesterona não seguem esse caminho. Uma causa potencial é a ausência de ovulação. A ovulação é fundamental para a produção de progesterona, portanto, se a ovulação não ocorrer, com o tempo, uma deficiência de progesterona (e dominância de estrogênio) ocorrerá. 

A ovulação pode cessar devido a uma variedade de condições, incluindo estresse excessivo, perda ou ganho de peso extremo, disfunção ovariana e vários desequilíbrios hormonais e outros químicos. 

A ovulação irregular também pode causar baixa progesterona. Nesses casos, após a ovulação, os ovários não liberam progesterona suficiente para sustentar o crescimento do revestimento uterino. Isso dá origem a uma condição conhecida como defeito da fase lútea (nomeada para a segunda fase, ou lútea, do ciclo menstrual), 1 que muitas vezes anda de mãos dadas com a síndrome pré-menstrual grave (TPM) ou transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM). 

Os sintomas potencialmente debilitantes deste distúrbio incluem depressão e sentimentos de desesperança, bem como fadiga, dores articulares e musculares, dores de cabeça e sono interrompido. 

Um defeito da fase lútea também pode causar aborto espontâneo. 2 No caso de um óvulo ser fertilizado após a ovulação, um revestimento endometrial fino pode não sustentar a implantação. 

Várias doenças e condições crônicas, como doenças da tireóide e artrite reumatóide, podem causar desequilíbrios hormonais que influenciam a produção de progesterona. O estresse emocional é outra causa potencial.

A boa notícia é que uma combinação dos alimentos e suplementos certos pode ajudar a corrigir esse problema comum.

Sintomas de deficiência de progesterona

  • Mastalgia
  • Enxaquecas
  • Ondas de calor e suores noturnos
  • Sintomas de TPM/TDPM, como retenção de líquidos, inchaço, dores de cabeça, constipação, dor nas costas, acne
  • Sono interrompido
  • Dificuldade de concentração
  • Depressão
  • Ansiedade
  • Sensibilidade emocional
  • Fadiga severa

Nutrição

O papel da nutrição é ajudar a aumentar a produção de progesterona. Não há alimentos que contenham progesterona, por si só, portanto, apoiar os sistemas do corpo de maneiras que possam ajudar o corpo a sustentar seus níveis de progesterona existentes é, em última análise, o objetivo. Aqui estão os alimentos para abraçar.

Fibra 

O estrogênio e a progesterona funcionam em uníssono e, com níveis mais altos de estrogênio, a progesterona pode ser menos eficaz. Ao aumentar os níveis de fibra no trato gastrointestinal, você pode efetivamente diminuir os níveis de estrogênio, o que pode, por sua vez, tornar os níveis circulantes de progesterona mais eficazes. 

Vegetais crucíferos como brócolis, repolho, aipo e couve são uma ótima fonte, assim como grãos integrais, aveia e sementes como linho e girassol. 

Feijões, bagas e frutas, como maçãs e peras, contêm quantidades úteis de fibra, assim como nozes, como amêndoas, nozes e nozes. 

Duas notas de cautela com a fibra: por um lado, você precisa aumentar lentamente a quantidade em sua dieta para evitar efeitos colaterais como excesso de gases e dor de estômago. 

Em segundo lugar, os vegetais crucíferos podem conter fitoestrogênios, que podem ter efeitos estrogênicos, portanto, mantenha seu consumo em uma porção a cada
dois dias. 

Alimentos que contêm magnésio 

Quantidades suficientes de magnésio em seu sistema ajudarão a prevenir a inflamação induzida pelo estresse, que por sua vez apoia o funcionamento saudável da glândula pituitária. Isso produz o hormônio luteinizante (LH) e o hormônio folículo-estimulante (FSH), que são transportados pela corrente sanguínea para os ovários, onde conduzem a ovulação e a produção de progesterona. 

Eu recomendo uma ingestão entre 400 e 800 mg de magnésio por dia. 

Boas fontes de alimentos incluem: 

  • Folhas verdes escuras (espinafre e acelga) 
  • Nozes (amêndoas e castanhas de caju)
  • Sementes (abóbora)
  • Chocolate escuro 
  • Iogurte e Kefir 
  • Abacates 
  • Banana
  • Figos
  • Peixes gordurosos, incluindo alabote, cavala e salmão 
  • Alimentos que contêm vitamina C 

Esta vitamina demonstrou aumentar a progesterona em até 77%. E a pesquisa mostrou que a vitamina C pode aumentar a espessura endometrial e os níveis séricos de progesterona durante a fase lútea. 

Um estudo de 2003 descobriu que as mulheres que ingeriram 750 mg de vitamina C por dia experimentaram níveis aumentados de progesterona e taxas mais altas de gravidez. 3 

Embora a vitamina C possa ter esses efeitos de suporte, é importante não ingerir quantidades excessivas. 

Boas fontes alimentares de vitamina C incluem: 

  • Frutas cítricas, principalmente   laranjas e toranjas 
  • Couve 
  • Pimentões vermelhos (pimentões verdes contêm menos vitamina C, mas também são uma boa fonte) 
  • Couves de Bruxelas
  • Brócolis
  • Frutas tropicais, incluindo kiwi e goiaba 
  • Morangos 

Alimentos que contêm vitamina B6 

A pesquisa mostrou que a vitamina B6 pode ajudar a diminuir a dominância de estrogênio e aumentar os níveis de progesterona, ajudando a melhorar os sintomas da TPM e/ou PMDD e diminuir a probabilidade de aborto espontâneo. 4 A vitamina B6 também pode ajudar a compensar os sintomas de náuseas e vômitos durante a gravidez. 

Recomenda-se uma ingestão de vitamina B6 de 10 mg/dia. 

Boas fontes alimentares de vitamina B6 incluem: 

  • Grão de bico e feijão 
  • Atum e salmão
  • Peru e peito de frango 
  • Sementes de girassol e gergelim 
  • pistachios 
  • Ameixas secas 

Alimentos que contêm zinco 

Semelhante ao magnésio, o zinco ajuda a apoiar o funcionamento da glândula pituitária, que secreta FSH e LH, hormônios que desencadeiam a ovulação e têm o efeito a jusante da redução da produção de progesterona. Além disso, estudos mostraram que níveis inadequados de zinco podem contribuir para sintomas de TPM e/ou TDPM. 5 

Recomenda-se 15 a 25 mg de zinco por dia. 

Boas fontes alimentares de zinco incluem: 

  • Ostras e camarões
  • Carnes vermelhas, incluindo cordeiro e carne bovina 
  • Sementes de abóbora, linho e melancia 
  • Castanha de caju e amendoim
  • Germe do trigo 

Alimentos que contêm vitamina E 

Pesquisas sobre os efeitos da vitamina E em mulheres diagnosticadas com defeito na fase lútea mostraram que ela pode aumentar a produção de progesterona pelo corpo lúteo, melhorando o fluxo sanguíneo para os ovários. 

De acordo com um estudo de 2009, 600 mg de vitamina E administrados três vezes ao dia aumentaram significativamente as concentrações séricas de progesterona em virtude de seu impacto no funcionamento saudável do corpo lúteo. 6

Recomenda-se 400 UI de vitamina E por dia. 

Boas fontes alimentares de vitamina E incluem: 

  • Sementes de girassol 
  • Amêndoas
  • Óleos de cártamo e palma 
  • Espargos 
  • pimentas vermelhas 
  • Abacate 
  • Espinafre 
  • Batata doce 

Outras maneiras de equilibrar a baixa progesterona

Óleos essenciais. Os seguintes óleos essenciais podem ajudar a aumentar os níveis de progesterona: bergamota, casca de canela, botão de cravo, eucalipto, incenso e hortelã-pimenta. Use-os com um difusor ou dilua com um óleo transportador e aplique topicamente.

Técnicas de redução de estresse. Massagem e acupuntura, usadas regularmente, podem ajudar a reduzir o estresse e potencialmente trazer os sinais de ovulação de volta à linha. 

Terapia Craniossacral. Essa técnica prática usa uma pressão suave para realinhar as tensões energéticas nas profundezas do corpo, a teoria é que os estressores evidentes desalinham o cérebro e a coluna, causando disfunção. Sou fã desta terapia para deficiência de progesterona para ajudar a realinhar a glândula pituitária. 

Exercício. Práticas que ajudam a fortalecer seu núcleo, os músculos da região abdominal, quadris e região lombar, como Pilates, podem ser úteis. Também recomendo caminhar, que pode trazer benefícios físicos e mentais – e você não precisa de muito tempo ou energia para fazê-lo.

Suplementos

Certos suplementos vitamínicos e minerais podem ajudar a apoiar a produção de progesterona e melhorar alguns dos sintomas físicos e psicológicos associados à deficiência de progesterona. 

Magnésio

Este mineral ajuda a reduzir a inflamação induzida pelo estresse, que, por sua vez, apoia o funcionamento saudável da glândula pituitária e a produção de LH e FSH, os hormônios que impulsionam a ovulação e a produção de progesterona. 

Dosagem sugerida: 400-800 mg/dia de glicinato de magnésio

Vitamina C

Essa vitamina pode aumentar tanto a espessura endometrial quanto os níveis séricos de progesterona durante a fase lútea. 

Dosagem sugerida: 250-500 mg/dia

Zinco

O zinco ajuda a apoiar o funcionamento da glândula pituitária e ajuda a aliviar os sintomas da TPM e/ou PMDD. 5 

Dosagem sugerida: 15-25 mg/dia

Vitamina B6

Como mencionado anteriormente, a B6 pode ajudar a aliviar os sintomas da TPM e/ou TDPM, reduzir o risco de aborto espontâneo 4 e compensar os sintomas de náuseas e vômitos durante a gravidez. 

Dose sugerida: 10 mg/dia

L-arginina 

Este aminoácido é convertido pelo corpo em óxido nitroso, um produto químico que relaxa os vasos sanguíneos, aumentando o fluxo sanguíneo. Melhorar o fluxo sanguíneo ovariano pode ajudar a apoiar a produção e secreção de progesterona pelo corpo lúteo. 

Dosagem sugerida: 3-6 g/dia

Vitex agnus-castus

Também conhecida como chasteberry, esta erva foi mostrada em estudos para aumentar a secreção de LH, que por sua vez aumenta a produção de progesterona. 

Dosagem sugerida: 400 mg duas ou   três   vezes por dia

Nota: Vitex não é recomendado para mulheres grávidas ou amamentando. Algumas mulheres que sofrem de depressão menstrual ou TDPM relataram uma exacerbação desses sintomas ao tomar vitex.

Alcaçuz

A pesquisa mostra que o alcaçuz pode ajudar a combater os sintomas da TPM e PMDD, particularmente aqueles causados ​​​​pela retenção de líquidos, incluindo inchaço e sensibilidade mamária. 

Dosagem sugerida: 400-500 mg de alcaçuz em pó/dia

Nota: Este suplemento precisa ser tratado com cuidado, portanto, tome apenas sob a supervisão de um médico. 

raiz Valeriana

Embora o extrato de raiz de valeriana não tenha impacto direto na produção de progesterona, pode ajudar com problemas relacionados ao sono. 

Dosagem sugerida: 100-200 mg/dia, tomado 30 minutos a duas horas antes de dormir

Nota: A raiz de valeriana não é recomendada para mulheres grávidas ou amamentando, pois seus efeitos sobre fetos e bebês são desconhecidos. Ele também pode interagir com sedativos prescritos, incluindo benzodiazepínicos e barbitúricos, bem como outros suplementos, incluindo erva de São João e melatonina. 7

Dr. Shawn Tassone

Referências
Frente Saúde Pública, 2018; 6: 147
2Gynecol Endocrinol, 2017; 33(6): 421–4
3Fértil Estéril, 2003; 80(2): 459–61
4J Reprod Med, 1983; 28(7): 446–64; Am J Epidemiol, 2007; 166(3): 304–12
5Fértil Estéril, 1994; 62(2): 313–20
6J Ovarian Res, 2009; 2: 1
7Institutos Nacionais de Saúde Escritório de Suplementos Dietéticos. Valerian Fact Sheet para Profissionais de Saúde. ods.od.nih.gov

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *